Terça-feira, 31 de agosto de 2010

22ª Semana do Tempo Comum, Ano Par, 2ª do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Verde

 

Hoje: Dia Nacional do Nutricionista

 

Santos: Adolfo, Agnofelda, Albertino, Arídtides, Marciano, Anolfo, Belmundo (abade); Cesídio (mr); Cutburga (abade); Diácomo, João, Lázaro (abade); Leonardo, Optato, Quemburga (abade); Teódoto, Rufina e Amnia, Domingos del Val (mártir).

 

Antífona: Tende compaixão de mim, Senhor, clamo por vós o dia inteiro; Senhor, sois bom e clemente, cheio de misericórdia para aqueles que vos invocam.

 

Oração: Deus do universo, fonte de todo bem, derramai em nossos corações o vosso amor e estreitai os laços que nos unem convosco para alimentar em nós o que é bom e guardar com solicitude o que nos destes. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: 1ª Carta de Paulo aos Coríntios (1Cor 2, 10b-16)
Ser cristão é deixar-se conduzir pelo espírito de Deus

 

Irmãos, 10bo Espírito esquadrinha tudo, mesmo as profundezas de Deus. 11Quem dentre os homens conhece o que se passa no homem senão o espírito do homem que está nele? Assim também, ninguém conhece o que existe em Deus, a não ser o Espírito de Deus. 12Nós não recebemos o espírito do mundo, mas recebemos o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos os dons da graça que Deus nos concedeu. 13Desses dons também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com a sabedoria aprendida do Espírito: assim, ajustamos uma linguagem espiritual às realidades espirituais.

 

14O homem psíquico - o que fica no nível de suas capacidades naturais - não aceita o que é do Espírito de Deus, pois isso lhe parece uma insensatez. Ele não é capaz de conhecer o que vem do Espírito, porque tudo isso só pode ser julgado com a ajuda do mesmo Espírito. 15Ao contrário, o homem espiritual - enriquecido com o dom do Espírito - julga tudo, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. 16Com efeito, quem conheceu o pensamento do Senhor, de maneira a poder aconselhá-lo? Nós, porém, temos o pensamento de Cristo. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

O homem psíquico não é capaz de

conhecer o que vem do espírito

 

Paulo opõe aqui o homem que s efunda unicamente nas próprias forças – ou seja puramente intelectuais – ao homem “espiritual” que tem em si a habitação de Deus. Ninguém pode conhecer a Deus e seu mistério de salvação, se não tiver o “Espírito de Deus” (v.11). Com efeito, só o Espírito  “perscruta todas as coisas, até as profundezas de Deus” (V. 10). O Espírito de Deus nos permite ainda como luz de Deus sondas as coisas humanas e terrenas, os acontecimentos de cada dia, ver-lhes o sentido profundo.

 

A fé é mais importante que a biologia, mas importante que a inteligência, embora não desdenhe a inteligência. A fé ajuda-nos a explorara as dimensões da história; dimensão de profundidade, ajudando-nos a nos elevar até à única fonte, Cristo ressuscitado; dimensão da largura, ajudando-nos a inscrever o evangelho na história dos homens; dimensão de altura, revelando-nos nos outros as capacidades criadoras escondidas, para juntos conhecermos o amor de Cristo (cf Ef 3, 18s). [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 144 (145), 8-9.10-11.12-13ab.13cd-14 (R/.17a)
É justo o Senhor em seus caminhos

 

Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura.

 

Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder!

 

Para espalhar vossos prodígios entre os homens e o fulgor de vosso reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração.

 

O Senhor é amor fiel em sua palavra, é santidade em toda obra que ele faz. Ele sustenta todo aquele que vacila e levanta todo aquele que tombou.

 

Evangelho: Lucas (Lc 4, 31-37)
 Eis a ação de Jesus em Cafarnaum

 

Naquele tempo, 31Jesus desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e aí ensinava-os aos sábados. 32As pessoas ficavam admiradas com o seu ensinamento, porque Jesus falava com autoridade. 33Na sinagoga, havia um homem possuído pelo espírito de um demônio impuro, que gritou em alta voz: 34"O que queres de nós, Jesus nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o santo de Deus!" 35Jesus o ameaçou, dizendo: "Cala-te e sai dele!" Então o demônio lançou o homem no chão, saiu dele e não lhe fez mal nenhum. 36O espanto se apossou de todos e eles comentavam entre si: "Que palavra é essa? Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem". 37E a fama de Jesus se espalhava em todos os lugares da redondeza. Palavra da Salvação!

 

Leituras nos evangelhos sinóticos: Mt 7, 28-29; Mc 1, 21-28

 

 

Comentando o Evangelho

Dois projetos incompatíveis

 

O empenho libertador de Jesus encontrou adversários ferrenhos, que agiam em sentido contrário. A possessão demoníaca era símbolo de um projeto incompatível com o de Jesus. Os demônios tinham-lhe aversão. Sua simples presença era suficiente para arruiná-los. O Mestre tornava-os incapazes de oprimir os seres humanos. Não lhes permitia exercer sua ação maligna sobre as pessoas. Antes, arrancava-as de suas mãos, devolvendo-lhes a liberdade e a capacidade de decidir-se pela razão iluminada por Deus.


A ação do mau espírito não se limita a determinados espaços, considerados profanos. Até mesmo numa assembléia litúrgica, como acontecia na sinagoga de Cafarnaum, encontra-se gente que não é movida pelo espírito de Deus. A simples presença física, num espaço tido como sagrado, não é suficiente para tornar a pessoa imune à ação do espírito inimigo de Jesus. O demônio lança seus tentáculos também aí.


A única maneira de o discípulo do Reino manter-se imune das investidas do demônio consiste em tomar Jesus como centro sua vida. Não mediante uma referência puramente teórica e abstrata, e sim, conformando-se com o projeto de vida do Mestre. Onde impera o amor e a prática da justiça – parâmetro da vida do discípulo –, não existe campo de ação para o mau espírito.
[O Evangelho Nosso de Cada Dial, Jaldemir Vitório, ©Paulinas]

 

Para sua reflexão: A autoridade da palavra de Jesus manifesta-se pelo seu ensinamento e pelos exorcismos que faz. Segundo a mentalidade da época, a doença é atribuída a um poder maligno personificado; a cura é exorcismo. O episódio mostra como o demônio reage perante a santidade de Jesus e perante a ameaça que ele pressente na sua intervenção salvífica. Jesus pronuncia duas ordens categóricas. “Cala”: que não diga seu nome e título; “sai”: de teus domínios ilegítimos. Realmente, Jesus vem “acabar com eles”. (cf. comentários Bíblia do Peregrino)

 

 

São Raimundo Nonato

 

 

Nonato, significa não nascido, porque foi retirado do ventre de sua mãe já morta. Nascido de família pobre, foi pastor de rebanhos quando menino. Quando jovem, foi a Barcelona e entrou na, ou mercedários, fundada por São Pedro Nolasco, passando a dedicar toda sua vida à libertação dos escravos: chegou até a entregar-se como um deles na Argélia (África) em 1226, com o objetivo de animar os prisioneiros a trabalhar pela libertação. Com essa atitude, São Raimundo a muitos incomodou, desencadeando diversas perseguições. Para impedir que continuasse denunciando as injustiças e pregando o Evangelho da Libertação, seus perseguidores furaram-lhe os lábios e trancaram com um cadeado. Depois de resgatado, foi proclamado cardeal e conselheiro particular pelo papa Gregório IX, e acabou por falecer com a saúde arruinada em 1240. Pela sua difícil vinda ao mundo, é invocado como o protetor das parteiras. Seu culto estendeu-se popularmente na Espanha e na América espanhola.

 

Feliz o que traz sempre no coração Deus, ideal, verdade, bem. (Pasteur)