Terça-feira, 29 de junho de 2010

Décima Terceira Semana do Tempo Comum, 1ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Verde

 

Hoje: Dia do Pescador, Dia do Papa e Dia da Telefonista.

 

Santo: Pedro, Beata (virgem), Benta (virgem), Cássio (bispo), Ciro de Gênova (bispo), Gema (virgem, mártir), Judite de Niederaltaich (monja), Marcelo e Anastácio (mártires), Salomé de Niederaltaich (monja), Santiano e Agostinho (mártires).

 

Antífona: Povos todos, aplaudi e aclamai a Deus com brados de alegria (Sl 46,2).

 

Oração: Ó Deus, pela vossa graça, nos fizestes filhos da luz. Concedei que não sejamos envolvidos pelas trevas do erro, mas brilhe em nossas vidas a luz da vossa verdade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

A Igreja celebra São Pedro e São Paulo no próximo domingo (04/07/2010). Em algumas regiões do Brasil, como no Nordeste, comemoram-se a festa profana de São Pedro, também com fogueiras, danças folclóricas e fogos.

 

 

Leitura: Profecia de Amós (Am 3, 1-8;4, 11-12)  
Prepara-te, Israel, para ajustar contas com o teu Deus

 

3,1Ouvi, filhos de Israel, a palavra que disse o Senhor para vós e para todas as tribos que eu retirei do Egito: 2"Dentre todas as nações da terra, somente a vós reconheci; por isso usarei o castigo por todas as vossas iniqüidades. 3Se duas pessoas caminham juntas, não é porque estão de acordo? 4Se o leão ruge na selva, não é porque encontrou a presa? Se no covil rosna o filhote do leão, não é porque agarrou sua parte?

 

5Acaso, sem armadilha, se prende uma ave no chão? Acaso dispara a armadilha, antes de capturar a presa? 6Se ressoa na cidade o toque da trombeta, não fica a população apavorada? Se acontece uma desgraça na cidade, não foi o Senhor que fez? 7Pois nada fará o Senhor Deus, que não revele o plano a seus servos, os profetas. 8Ruge o leão, quem não terá medo? Falou o Senhor Deus, quem não será seu profeta?"

 

4,11"Eu arrasei-vos, como arrasei Sodoma e Gomorra, e ficastes como um tição, retirado da fogueira; e, contudo, não voltastes para mim", diz o Senhor. 12Por isso, assim te tratarei, Israel; e, porque sabes como te vou tratar, prepara-te, Israel, para ajustar contas com o teu Deus. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a 1ª Leitura

Falou o Senhor Deus; quem não será seu profeta?

 

As palavras de Deus são fortes; sem equívocos, mas misericordiosas. Antes de punir, exorta; prefere que o povo “sinta”, à voz de um profeta, a sorte que lhe vem ao encontro. E nós, na experiência de toda a história da salvação, sabemos que, se o povo se arrepende, é perdoado. Por isso, também neste caso, quando o povo está à beira do precipício a ponto de ser comparado à presa já encontrada pelo leão, à armadilha na qual caiu o passarinho, ao laço que dispara porque apanhou alguma coisa, tudo ainda pode mudar; se o povo o quiser. Os cristãos, novo povo de Deus, quanta coisa temos que nos censurar! Ainda hoje temos vozes proféticas: mostram-nos nossas infidelidades, desafiando-nos a uma fidelidade plena, coerente. Somos tentados a sufocá-las, porque incomodam, porque... são do outro lado... Contudo, são verdadeiro eco da voz de Deus! [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 5, 5-6.7.8 (R/.9a) 
Na vossa justiça, guiai-me, Senhor!

 

Não sois um Deus a quem agrade a iniqüidade, não pode o mau morar convosco; nem os ímpios poderão permanecer perante os vossos olhos.

 

Detestais o que pratica a iniqüidade e destruís o mentiroso. Senhor, abominais o sanguinário, o perverso e enganador.

 

Eu, porém, por vossa graça generosa, posso entrar em vossa casa. E, voltado reverente ao vosso templo, com respeito vos adoro.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 8, 23-27)

 Até os ventos e o mar lhe obedecem

 

Naquele tempo, 23Jesus entrou na barca, e seus discípulos o acompanharam. 24E eis que houve uma grande tempestade no mar, de modo que a barca estava sendo coberta pelas ondas. Jesus, porém, dormia. 25Os discípulos aproximaram-se e o acordaram, dizendo: "Senhor, salva-nos, pois estamos perecendo!"

 

26Jesus respondeu: "Por que tendes tanto medo, homens fracos na fé?" Então, levantando-se, ameaçou os ventos e o mar, e fez-se uma grande calmaria. 27Os homens ficaram admirados e diziam: "Quem é este homem, que até os ventos e o mar lhe obedecem?" Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mc 4, 35-41; Lc 8, 22-25

 

Comentando o Evangelho

Homens fracos na fé

 

A cena da tempestade acalmada retrata a vida do discípulo às voltas com as dificuldades e os desafios que sua opção comporta. Engana-se quem imagina poder seguir o Mestre Jesus na mais perfeita tranqüilidade, sem correr o risco de enfrentar perseguições e contrariedades. Nestas horas, é preciso recordar-se que ele está presente, sempre pronto a impedir que seus discípulos venham a sucumbir.


Uma leitura simbólica do texto bíblico permite-nos tirar uma lição: entrar na barca com o Mestre, corresponde a embarcar na vida dele.


A barca simboliza a Igreja, comunidade dos que aderiram a Jesus, dispostos a partilhar sua missão e seu destino. A tempestade aponta para as grandes crises a que a Igreja é submetida, ao longo de sua existência, de forma a provar a autenticidade da fé dos discípulos. O grito desesperado dos discípulos assemelha-se à súplica constante da Igreja, carente de proteção: Senhor, tem piedade de nós! A bonança do mar aponta para a paz que só ele pode dar à sua Igreja. Uma paz, porém, não isenta de toda sorte de provações, pois, seguir Jesus é escolher um caminho arriscado e tormentoso.


Sem uma fé sólida, o discípulo não tem como perseverar no seguimento do Mestre. E sentir-se-á como se estivesse sempre a ponto de perecer. Só na fé encontrará força para continuar. [Evangelho Nosso de Cada Dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: Os discípulos se sentem desorientados diante das forças destruidoras do mar, não dominadas pelo homem. No Antigo Testamento o mar representa a potência rebelde que Deus submete e domestica. Jesus “dormia”; Ele levanta-se e repreende o mar rebelde, no caso, o Mar Vermelho. De fato, sem fé e confiança, o cristão que “segue” Jesus vacila nas situações extremas em que a fidelidade ao Reino de Deus até exige colocar em jogo a própria vida. Jesus questiona, portanto, a falta de fé dos discípulos em um momento de provação, quando a tempestade bate o barco, e não depois de restabelecida a calma. Assim somos nós, fracos na tribulação, fracos na fé, justamento em momentos que mais se precisa dela. Como devemos nos preparar para sermos sempre firme na fé?

 

São Pedro e São Paulo, apóstolos

 

A celebração de hoje é antiquíssima; foi inscrita no Santoral romano muito antes da festa do Natal. No século IV já se celebravam três missas, uma em São Pedro no Vaticano, outra em São Paulo fora dos muros, a terceira nas catacumbas de São Sebastião, onde provavelmente estiveram escondidos por algum tempo os corpos dos dois apóstolos.

 

São Pedro

Simão era pescador de Betsaida (Lc 5,3; JO 1,44), que mais tarde se estabelecera em Cafarnaum (Mc 1,21.29). Seu irmão André o introduz entre os que seguem Jesus (Jo 1,42): mas Simão havia sido certamente preparado para este encontro por João Batista. O Cristo lhe muda o nome e o chama "Pedra" (Mt 16,17-19; JO 21,15-17), para realizar em sua pessoa o tema da pedra fundamental. Simão Pedro é uma das primeiras testemunhas que vê o sepulcro vazio (Jo 20,6) e merece uma especial aparição de Jesus ressuscitado (Lc 24,34).

 

Depois da ascensão, ele toma a direção da comunidade cristã (At 1,15; 15,7), enuncia o esquema da Boa-nova (At 2,1441), e é o primeiro a tomar consciência da necessidade de abrir a Igreja aos pagãos (At 10-11). Essa missão espiritual não o livra da condição humana nem das deficiências do temperamento (Mt 10,41; 14,29.66-72; Jo 13,6; 18,10; Mt 14,29-31). Paulo não hesita em contradizê-lo na discussão de Antioquia (At 15; Gl 2, 11-14), para convidá-lo a libertar-se das praticas judaicas. Parece, de fato, que neste ponto Pedro tenha tardado a abrir-se e tendesse a considerar os cristãos de origem pagã como uma comunidade inferior a dos cristãos de origem judaica (At 6,1-2). Quando Pedro vai a Roma torna-se o apóstolo de todos. Cumpre, então, plenamente, sua missão de "pedra angular", reunindo num só "edifício" os judeus e os pagãos e ratifica esta missão com seu sangue.

 

A celebração de hoje é antiquíssima; foi inscrita no Santoral romano muito antes da festa do Natal. No século IV já se celebravam três missas, uma em São Pedro no Vaticano, outra em São Paulo fora dos muros, a terceira nas catacumbas de São Sebastião, onde provavelmente estiveram escondidos por algum tempo os corpos dos dois apóstolos.

 

São Paulo

Depois de sua conversão na estrada de Damasco, Paulo percorre, em quatro ou cinco viagens, o Mediterrâneo. Faz a primeira viagem em companhia de Barnabé (At 13-14); partem de Antioquia, param na ilha de Chipre e depois percorrem a atual Turquia. Após o concílio dos apóstolos em Jerusalém, Paulo inicia uma segunda viagem, desta vez expressamente como "convidado" dos "Doze" (At 15,36-18,22). Atravessa novamente a Turquia, evangeliza a Frigia e a Galácia, onde adoece (Gl 4,13). Passa à Europa com Lucas e funda a comunidade de Filipos (Grécia setentrional). Depois de um período de prisão, evangeliza a Grécia; em Atenas sua missão encontra nos Filósofos um obstáculo; em Corinto funda a comunidade que lhe dá mais trabalho. Em seguida volta a Antioquia. Uma terceira viagem (At 18,23-21,17) o leva às Igrejas fundadas na atual Turquia, especialmente a Éfeso, depois à Grécia e a Corinto. De passagem em Mileto, anuncia aos anciãos sua próxima provação. De fato, pouco depois de sua volta a Jerusalém é preso pelos judeus e posto no cárcere (At 21). Sendo cidadão romano, Paulo apela para Roma.

 

Empreende assim uma quarta viagem, esta a Roma, mas não mais em estado de liberdade (At 21-26). Chega a Roma pelo ano 60 ou 61; é mantido na prisão até cerca do ano 63; no entanto, aproveitando de algumas facilidades que lhe são proporcionadas, entra em frequente contato com os cristãos da cidade e escreve as "cartas do cativeiro". Libertado no ano 63, faz, provavelmente, uma última viagem à Espanha (Rm 15,24-28) ou às comunidades dirigidas por Timóteo e Ti to, às quais escreve cartas que deixam entrever seu fim próximo. De novo preso e encarcerado, Paulo sofre o martírio cerca do ano 67.

 

Pedro e Paulo: dois nomes que ao longo dos séculos personificaram a Igreja inteira em sua ininterrupta Tradição. Aos dois primeiros mestres da fé chegou-se mesmo a "confessar" os pecados no Confiteor, reconhecendo neles a Igreja histórica. Para os orientais também, os dois "irmãos" significam todo o colégio apostólico, como pedras fundamentais da fé. Ainda hoje o Papa invoca a autoridade dos santos Apóstolos Pedro e Paulo quando, em seus atos oficiais, quer referir a Tradição à sua fonte: a palavra de Deus. Só pela escuta desta palavra no Espírito, pode a Igreja se "tornar perfeita no amor em união como Papa, os bispos e toda a ordem sacerdotal". [MISSAL DOMINICAL ©Paulus, 1995]

 

 

Óbolo de São Pedro

Por determinação da VII Assembleia da CNBB, em todas as igrejas e oratórios, mesmo dos mosteiros, conventos e colégios, comemora-se o DIA DO PAPA, com pregações e orações que traduzam amor, veneração, respeito e obediência ao Vigário de Cristo na terra, Cabeça da Santa Igreja universal, e com piedosas e generosas ofertas para o Óbolo de São Pedro.

 

 

A verdadeira viagem de descoberta não consiste em procurar

 Novas  paisagens, mas em ter novos olhos. (Marcel Proust)