Terça-feira, 13 de julho de 2010

Décima Quinta Semana do Tempo Comum, 2ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Verde

 

Hoje: Dia do Engenheiro Sanitarista e dia Internacional do Rock

 

Santos: Anacleto (papa, mártir, convertido por São Pedro, 96), Clélia Barbieri (Fundadora das Irmãs Mínimas de Nossa Senhora das Dores, morreu com apenas 23 anos – 1870 -. É a fundadora mais jovem da Igreja), Esdras (profeta bíblico do Antigo Testamento, s. V aC), Eugênio (bispo) e Companheiros (mártires de Cartago, s. V), Joel (profeta bíblico do Antigo Testamento, s. VII aC), Maura e Brígida (mártires de Beauvais, s. V), Mirópio (mártir na Ilha de Quios, 250), Serapião (mártir, s. III), Silas (discípulo e companheiro de São Paulo, s. I), Teresa de Jesus dos Andes (virgem), Turiavo (bispo de Bretanha, França, 749).

 

Antífona: Contemplarei, justificado, a vossa face; e serei saciado quando se manifestar a vossa glória. Sl 16, 15)

 

Oração: Ó Deus, que mostrais a luz da verdade aos que erram para retomarem o bom caminho, daí a todos os que professam a fé rejeitar o que não convém ao cristão e abraçar tudo o que é digno desse nome. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Isaías (Is 7, 1-9)

Deus mantém sua palavra e guia seu povo à vitória

 

1No tempo de Acaz, filho de Joatão, filho de Ozias, rei de Judá, aconteceu que Rason, rei da Síria, e Facéia, filho de Romelias, rei de Israel, puseram-se em marcha para atacar Jerusalém, mas não conseguiram conquistá-la.

 

2Foi dada a notícia à casa de Davi: "Os homens da Síria estão acampados em Efraim". Tremeu o coração do rei e de todo o povo, como as árvores da floresta diante do vento.

 

3Então disse o Senhor a Isaías: "Vai ao encontro de Acaz com teu filho Sear-Iasub (isto é, `um resto voltará') até a ponta do canal, na piscina superior, na direção da estrada do campo dos pisadores; 4e dirás ao rei: `Procura estar calmo; não temas nem estremeça o teu coração por causa desses dois pedaços de tição fumegantes, diante da ira furiosa de Rason e da Síria, e do filho de Romelias, 5por terem a Síria, Efraim e o filho de Romelias conjurado contra ti, dizendo: 6Vamos atacar Judá, enchê-lo de medo e conquistá-lo para nós, e nomear novo rei, o filho de Tabeel'. 7Isto diz o Senhor Deus: `Este plano fracassará, nada disso se realizará! 8Que seja Damasco a capital da Síria e Rason o chefe de Damasco; dentro de sessenta e cinco anos deixará Efraim de ser povo; 9que seja a Samaria capital de Efraim e o filho de Romelias chefe de Efraim. De resto, se não confiardes, não podereis manter-vos firmes'". Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a 1ª Leitura

Se não confiardes, não podereis manter-vos firmes

 

Há sempre vitória quando há guerra: os fiéis de ambas as partes rogam a Deus a vitória. Como esta, evidentemente, é só de uma parte, a outra se sente rejeitada por Deus, ou se revolta por não haver sido atendida. O mesmo acontece em tantas peripécias humanas, quando se considera Deus um poderoso a nosso serviço, que basta invocar para que intervenha em nosso favor; curando uma doença ou sanando uma chaga social ou familiar.

 

Mas a fé que Deus exige não é desse feitio. Quando Jesus diz com absoluta certeza: "Buscai e achareis, batei e ser-vos-á aberto..." pensa num abandono total e filial nos braços do Pai, confiança em seus planos, que são sempre planos de amor; também quando ele permite borrascas, como a que estava para desabar sobre o povo no tempo de Isaias. Deus prova para purificar. Aprendamos a viver de fé. Aprendamos a orar. [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1997]

 

 

 

Salmo: 47 (48), 2-3a.3b-4.5-6.7-8 (R/.9d)
O Senhor estabelece sua cidade para sempre

 

Grande é o Senhor e muito digno de louvores na cidade onde ele mora; seu monte santo, esta colina encantadora é a alegria do universo.

 

Monte Sião, no extremo norte situado, és a mansão do grande rei! Deus revelou-se em suas fortes cidadelas um refúgio poderoso.

 

Pois eis que os reis da terra se aliaram, e todos juntos avançaram; mal a viram, de pavor estremeceram, debandaram perturbados.

 

Como as dores da mulher sofrendo parto, uma angústia os invadiu; semelhante ao vento leste impetuoso, que despedaça as naus de Társis.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 11, 20-24)
Tiro e Sodoma serão tratadas com menos dureza do que vós

 

Naquele tempo, 20Jesus começou a censurar as cidades onde fora realizada a maior parte de seus milagres, porque não se tinham convertido.

 

21"Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se os milagres que se realizaram no meio de vós, tivessem sido feitos em Tiro e Sidônia, há muito tempo elas teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e cobrindo-se de cinza.

 

22Pois bem! Eu vos digo: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia serão tratadas com menos dureza do que vós. 23E tu, Cafarnaum! Acaso serás erguida até o céu? Não! Serás jogada no inferno! Porque, se os milagres que foram realizados no meio de ti tivessem sido feitos em Sodoma, ela existiria até hoje! 24Eu, porém, vos digo: no dia do juízo, Sodoma será tratada com menos dureza do que vós!" Palavra da Salvação!

 

 

Leituras paralelas: Lc 10, 12-15

 

 

Comentando o Evangelho

O juiz severo

 

A falta de abertura para aceitar a sua pregação irritava Jesus. A reação dos habitantes de duas cidades próximas de Cafarnaum, onde residia, irritou-o de modo particular. Apesar de sua pregação e dos milagres realizados em Corozaim e Betsaida, a população mantinha-se insensível, não se demovendo de sua má conduta.


Jesus dirigiu palavras duríssimas contra estas cidades impenitentes, prevendo para elas uma terrível condenação. São consideradas piores que as cidades pagãs de Tiro e Sidônia. Se os pagãos tivessem tido a oportunidade de presenciar os milagres de Jesus e escutar sua pregação, sem dúvida teriam se convertido ao Reino. E mais: são piores que Sodoma, cuja fama de antro de pecadores era conhecida de longa data. Se os sodomitas tivessem tido o privilégio de contatar com Jesus, quiçá não tivessem tido o destino cruel que tiveram. O alerta de Jesus não deixa margem para dúvidas.


A maneira forte de falar, usada por Jesus, podia provocar a falsa impressão de que estivesse sendo movido pelo ódio. Nada disso! Sua denúncia tem o sabor da fala dos antigos profetas. Quando esses falavam duro, tinham o intuito de levar seus ouvintes a mudarem de vida. Deus não quer a morte do pecador, mas sua conversão. O mesmo deu-se com Jesus. Interessava-lhe, unicamente, a conversão de seus ouvintes. Por isso, falava com aspereza. [Evangelho Nosso de Cada Dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: A investida sobre Corazim, Betsaida e Cafarnaum exprime uma dor profunda pela sua não correspondência à salvação trazida por Jesus Cristo. Para piorar ainda mais essa infidelidade é proposto o exemplo de Tiro e Sodoma, tornadas tipos da impiedade, mas que teriam correspondido, fazendo penitência pública dos seus pecados. Essas cidades representavam o poderio comercial dos fenícios; além disso, Sidônia, como Bet-saida, traz no nome uma referência à pesca. Sodoma era a principal cidade da Pentápole, destruída pelo fogo por causa do seu delito contra a hospitalidade. Assim também Corazim e Cafarnaum representavam as cidades que recusaram a ocasião oferecida de arrepender-se, pois os milagres eram sinas que induziam ao arrependimento como preparação acolher o anúncio evangélico.  

 

Santo Henrique, o imperador

 

 

 

Nasceu em um castelo e era filho do duque da Baviera. Cresceu em um ambiente cristão, numa família santificada, pois seus irmãos haviam renunciado ao conforto da corte para dedicar-se inteiramente à fé. Sua formação se deu em Hildesheim, onde recebeu influência da experiência e sabedoria dos cônegos.

 

Há uma passagem que descreve sua vida e a prova de sua devoção: Aos 23 anos, teve um sonho onde lhe apareceu seu mestre, São Wolfgang ,que havia morrido poucos dias antes: ele teria escrito na parede de seu quarto a seguinte mensagem: "Entre seis". Henrique interpretou a mensagem achando que ele morreria em seis dias e passou a se penitenciar a fim de purificar o seu corpo e melhor entregar-se ao Criador.

 

Passados os seis dias, nada aconteceu. Ele reinterpretou a mensagem e recomeçou o martírio que então duraria seis meses. Completados seis meses, nada aconteceu, Então previu que sua morte se daria em seis anos e iniciou o flagelo mais um vez. Ao término dos seis anos, Henrique ocupava o trono da Alemanha e estava preparado espiritualmente para não ceder às pressões do mundo materialista.

 

Em seu cargo, promoveu a reforma da monarquia, do clero e dos mosteiros e seu governo foi exemplo de honestidade moral. Foi sepultado em Bamberga e canonizado em 1146, 122 anos depois, pelo papa Eugênio III. Nessa expectativa da morte, vemos que São Henrique sempre assumiu uma postura diferente diante dos acontecimentos.

 

Santo Henrique faleceu em 13 de julho de 1024, aos 51 anos de idade, na cidade de Balberga, Itália.

 

 

Uma causa justa não deixa de sê-lo por causa  de alguns erros. (Dostoievski)