Sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

III Semana do Tempo Comum - Ano “C” (Ímpar) - 3ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Verde

 

Santos do Dia: Aquilino de Milão (mártir), Báculo de Sorrento (bispo), Cesário de Angoulême (diácono), Constâncio (primeiro bispo de Perúgia) e Companheiros (mártires), Flora de Kildare (virgem), Papias e Mauro (soldados, mártires de Roma), Sabiniano de Troyes (mártir), Sharbel e Bebaia (casal de irmãos, mártires de Edessa), Sulpício Severo (bispo de Bourges), Trifina da Bretanha (viúva), Valério de Trèves (bispo).

 

Antífona: Cantai ao Senhor um canto novo, cantai ao Senhor, ó terra inteira; esplendor, majestade e beleza brilham no seu templo santo (Sl 95,1.6)

 

Oração: Deus eterno e todo-poderoso, dirigi a nossa vida segundo o vosso amor, para que possamos, em nome do vosso Filho, frutificar em boas obras. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Leitura: II Samuel (2Sm 11, 1-10.13-17)
Davi comete adultério com a mulher de Urias

 

1No ano seguinte, na época em que os reis costumavam partir para a guerra, Davi enviou Joab com os seus oficiais e todo o Israel, e eles devastaram o país dos amonitas e sitiaram Rabá. Mas Davi ficou em Jerusalém. 2Ora, um dia, ao entardecer, levantando-se Davi de sua cama, pôs-se a passear pelo terraço de sua casa e avistou dali uma mulher que se banhava. Era uma mulher muito bonita. 3Davi procurou saber quem era essa mulher e disseram-lhe que era Betsabéia, filha de Eliam, mulher do hitita Urias. 4aEntão Davi enviou mensageiros para que a trouxessem. Ela veio e ele deitou-se com ela.

 

5Em seguida, Betsabéia voltou para casa. Como ela concebesse, mandou dizer a Davi: "Estou grávida". 6Davi mandou esta ordem a Joab: "Manda-me Urias, o hitita". E ele mandou Urias a Davi. 7Quando Urias chegou, Davi pediu-lhe notícias de Joab, do exército e da guerra. 8E depois disse-lhe: "Desce à tua casa e lava os pés". Urias saiu do palácio do rei e, em seguida, este enviou-lhe um presente real. 9Mas Urias dormiu à porta do palácio com os outros servos do seu amo, e não foi para casa. 10aE contaram a Davi, dizendo-lhe: "Urias não foi para sua casa".

 

13Davi convidou-o para comer e beber à sua mesa e o embriagou. Mas, ao entardecer, ele retirou-se e foi-se deitar no seu leito, em companhia dos servos do seu senhor, e não desceu para a sua casa. 14Na manhã seguinte, Davi escreveu uma carta a Joab e mandou-a pelas mãos de Urias. 15Dizia nela: "Colocai Urias na frente, onde o combate for mais violento, e abandonai-o para que seja ferido e morra". 16Joab, que sitiava a cidade, colocou Urias no lugar onde ele sabia estarem os guerreiros mais valentes. 17Os que defendiam a cidade, saíram para atacar Joab, e morreram alguns do exército, da guarda de Davi. E morreu também Urias, o hitita. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

To me desprezaste e tomaste como esposa a mulher de Urias

 

No caminho de Davi há centenas de mortos, mas estes parecem vítimas da guerra e da política: a desconfiança dos adversários surge como um triunfo de Deus. Ao contrário, no adultério e no homicídio que se seguiram, há a injustiça gratuita, o crime contra a vida: o rei faz-se árbitro de vida e de morte, como se fosse Deus. Não se trata apenas de uma culpa sexual, de que precisa libertar-se com a purificação ritual; trata-se de pecado contra o homem, e portanto contra Deus. Tanto mais grave porque é o poderoso que oprime a pessoa do pobre.

 

Como pôde acontecer uma coisa dessas com o eleito de Deus? Cada um de nós pode respondei; reexaminando sua própria experiência - também se, graças a Deus, não chegou a cometer culpa grave. Um período de crise, a idade, o cansaço decorrente da rotina cotidiana, ideais apagados, talvez a incompreensão dos vizinhos e dos amigos, pequenas condescendências concedidas ao egoísmo, à sensualidade. O pecado está às portas, tanto mais perigoso quanto mais sorrateiro e tomado em doses pequenas. Devemos vigiar e orar! [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 50(51), 3-4.5-6a.6bc-7.10.11

Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos! (+ cf. 3a)

 

Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

 

Eu reconheço toda a minha iniquidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

 

Mostrais assim quanto sois justo na sentença, e quanto é reto o julgamento que fazeis. Vede, Senhor, que eu nasci na iniquidade e pecador já minha mãe me concebeu.

 

Fazei-me ouvir cantos de festa e de alegria, e exultarão estes meus ossos que esmagastes. Desviai o vosso olhar dos meus pecados e apagai todas as minhas transgressões!

 

 

 

Evangelho: Marcos (Mc 4, 26-34)

Jesus anunciava a palavra usando muitas parábolas

 

Naquele tempo, 26Jesus disse à multidão: "O reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. 27Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece. 28A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou".

 

30E Jesus continuou: "Com que mais poderemos comparar o reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? 31O reino de Deus é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. 32Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra". 33Jesus anunciava a palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo. Palavra da Salvação!

 

 

O ministério de Jesus na Galiléia. Leitura paralelas: Lc 8, 16-18; Mt 13, 31-35 (Outras parábolas e comparações).

 

 

 

Comentário o Evangelho

Ensinando em Parábolas

 

Jesus foi um Mestre paciente que soube adaptar seus ensinamentos à capacidade de compreensão de seus ouvintes. Este esforço pedagógico e didático resultou na escolha das parábolas como meio de transmitir suas instruções.

 

As parábolas não eram somente as comparações. Também os provérbios, ensinamentos, enigmas e outros recursos literários eram classificados como parábolas. Por isso, afirma-se que, sem parábolas, Jesus não lhes falava".

 

Elas continham sempre um elemento para intrigar os ouvintes e levá-los a refletir sobre a mensagem veiculada. Só quem estava muito sintonizado com Jesus era capaz de passar da parábola à sua mensagem, e compreender o ensinamento do Mestre. Por isso, muita gente não sintonizada com Jesus ouvia suas palavras, sem entender nada.

 

Até mesmo os discípulos, muitas vezes, não eram capazes de atinar para o que Jesus lhes ensinava com as para-bolas. Era preciso que, em particular, o Mestre lhes explicas-se tudo, iluminando-lhes as mentes para compreenderem como o Reino acontece na história humana.

 

O discípulo esforça-se para entender as parábolas de Jesus, ou seja, para estar em sintonia total com o Mestre. Esta é a única maneira de captar seus ensinamentos. [O EVANGELHO DO DIA, Ano “A”. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: “Os caminhos de Deus não são os nossos caminhos! Precisamos ser pacientes e deixar que Deus seja Deus!” (São Marcos). A parábola do agricultor adormecido nos dá uma ideia de como Deus faz a parte dele, a que atribuímos ser uma particular tarefa da nossa mãe natureza. A parábola do grão de mostarda nos dá a certeza de todos os esforços em prol da evangelização resulta no crescimento inevitável do Reino de Deus. Ora, a comunidade cristã primitiva inicialmente era pequena em seguidores mas hoje o rebanho é grande! Essa pequena semente pode ser qualquer um de nós, cristãos, quando tomamos alguma iniciativa em levar a outros irmãos (aos amigo(as), aos vizinhos, aos(às) colegas de trabalho) para os caminhos da salvação, através da Palavra e do exemplo de vida. Esforçar-se para a compreensão das parábolas é ter a certeza de sermos discípulos esclarecidos e, consequentemente, transformados. Como mudar o outro se não mudarmos a nós mesmos?

 

São Suplício Severo

Pertencente à nobreza da Aquitânia, ocupava elevada posição na corte do rei Gontrano, quando veio a falecer o bispo de Bourges. A cidade estava em uma situação calamitosa devido aos incêndios ocorridos e Gontrano elegeu a São Sulpício por admirar suas qualidades. Logo foi ordenado padre e abandou os altos cargos civis. Feito bispo, dedicou-se totalmente à Igreja. Seu episcopado teve início no ano 584 até sua morte em 591. Firme, prudente e vigoroso, também fazia negócios temporais e defendia o povo das leis injustas dos reis. Bom orador, poeta, seu maior apologista foi São Gregório de Tours, seu contemporâneo no episcopado e interlocutor epistolar.

 

 

Temos tanta necessidade de orar como de respirar. Sem a oração

não podemos fazer nada. (Bv. Teresa de Calcultá)

 

Tenho o desejo de realizar uma tarefa importante na vida. Mas meu primeiro dever está em realizar humildes coisas como se fossem grandes e nobres. (Helen Keller)