Sexta-feira, 26 de março de 2010

Quinta Semana da Quaresma - 1ª Semana do Saltério (Livro III) - cor Litúrgica Roxa

 

 

Hoje: Dia do Mercosul e dia do Cacau

 

Santos: Cástulo (mártir), Félix de Trier (bispo), Macartino (bispo), Bráulio (bispo), Ludgero (bispo), Basílio (o Moço), Teodoro e Companheiros (Líbia), Dídaco José de Cadiz (Bem-aventurado, confessor franciscano, 1ª ordem), Emanuel e Marciano.

 

Antífona: Tende piedade de mim, Senhor, a angústia me oprime. Libertai-me das mãos dos inimigos e livrai-me daqueles que me perseguem. Não serei confundido, Senhor, porque vos chamo. (Sl 30, 10.16.18)

 

Oração do Dia: Perdoai, ó Deus, nós vos pedimos, as culpas do vosso povo. E, na vossa bondade, desfazei os laços dos pecados que em nossa fraqueza cometemos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

I Leitura: Jeremias (Jr 20, 10-13)

Confissões de Jeremias

 

10Eu ouvi as injúrias de tantos homens e os vi espalhando o medo em redor: "Denunciai-o, denunciemo-lo". Todos os amigos observam minhas falhas: "Talvez ele cometa um engano e nós poderemos apanhá-lo e desforrar-nos dele".

 

11Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro; por isso, os que me perseguem cairão vencidos. Por não terem tido êxito, eles se cobrirão de vergonha. Eterna infâmia, que nunca se apaga! 12Ó Senhor dos exércitos, que provas o homem justo e vês os sentimentos do coração, rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles; pois eu te declarei a minha causa.

 

13Cantai ao Senhor, louvai ao Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus. Palavra do Senhor.

 

 

Comentando a I Leitura

O Senhor está no meu lado, como forte guerreiro

 

Em meio aos ataques injustos dos inimigos (versículo 10), Jeremias nutre uma fé vitoriosa (versículos de 11 a 13) e experimenta que Deus "está com ele", é um "Deus forte", que vê, "sonda os rins e o coração"; vale a pena deixar-se seduzir por ele, "confiar-lhe a própria causa". Deus, o "destemido", sustenta seu profeta enquanto os adversários, com as armas da vileza, procuram tirar-lhe a tenra de sob os pés e cavar-lhe a sepultura. É um sistema antigo denunciar os que causam incômodo e criar para si a consciência de viver retamente, de pertencer à categoria dos "bons". Só que a bondade de Deus é muito diferente: não consiste em colocar-se na classe dos "bons", mas em lutar em favor de quem é marginalizado, excomungado, condenado. O salmo 17, por sua vez, descreve a paixão e furor com que Deus combate contra os inimigos para salvar o inocente perseguido. A bondade de Deus não pode ser aprisionada em nenhuma categoria, nem é monopólio de nenhuma classe ou casta. Habitualmente, ela permanece dentro do curso dos acontecimentos; contudo, quem é pobre, abandonado, calcado por todos, constatará seu poder e eficácia. [MISSAL COTIDIANO. ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 17 (18), 2-3a.3bc-4.5-6.7 (R/.cf.7)

Ao Senhor eu invoquei na minha angústia e ele escutou a minha voz

 

2Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, minha rocha, meu refúgio e Salvador!

 

3bÓ meu Deus, sois o rochedo que me abriga, 3cminha força e poderosa salvação, sois meu escudo e proteção: em vós espero! 4Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! e dos meus perseguidores serei salvo!

 

5Ondas da morte me envolveram totalmente, e as torrentes da maldade me aterraram; 6os laços do abismo me amarraram e a própria morte me prendeu em suas redes!

 

7Ao Senhor eu invoquei na minha angústia e elevei o meu clamor para meu Deus; de seu Templo ele escutou a minha voz, e chegou a seus ouvidos o meu grito.

 

 

Evangelho: João (Jo 10, 31-42)

A festa da dedicação

 

Naquele tempo, 31os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32E ele lhes disse: "Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?" 33Os judeus responderam: "Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!"

 

34Jesus disse: "Acaso não está escrito na vossa Lei: 'Eu disse: vós sois deuses'? 35Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36por que então me acusais de blasfêmia, quando eu digo que sou Filho de Deus, eu a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37Se não faço as obras do meu Pai, não acrediteis em mim. 38Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai".

 

39Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40Jesus passou para o outro lado do Jordão, e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41Muitos foram ter com ele, e diziam: "João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem, é verdade". 42E muitos, ali, acreditaram nele. Palavra da Salvação!

 

 

Comentário do Evangelho

Um homem fazendo-se Deus?

 

Embora, Jesus jamais tivesse afirmado “Eu sou Deus!”, seus adversários acusavam-no de, sendo apenas um homem, pretender passar por Deus. E chegavam a esta conclusão, não por causa de uma declaração peremptória de Jesus, e sim pelo modo como ele falava e agia. Suas palavras tinham uma autoridade desconhecida, e pareciam ir de encontro a tudo quanto, até então, era ensinado como Palavra de Deus. Esta liberdade diante da tradição religiosa revelava, no pensar dos inimigos, que Jesus estava pretendendo ocupar o lugar de Deus. Quanto aos sinais que realizava, eram de tal modo portentosos que só das mãos de Deus poderiam provir. Quem, a não ser Deus, pode curar os doentes, ressuscitar os mortos, transformar a água em vinho? Este poder criador é prerrogativa divina.


Essas falsas acusações foram rebatidas com dois argumentos. O primeiro foi tirado das Escrituras, precisamente do Salmo que, referindo-se aos juízes deste mundo, declara: “Vocês são deuses!”. Eles, ao julgar, exercem um poder divino. Se as Escrituras fazem tal declaração, é possível aplicá-la também a Jesus. O segundo é tirado da própria pregação do Mestre. Suas palavras exatas foram “Eu sou o Filho de Deus”. Esta consciência de ser Filho era o pano de fundo de tudo quanto fazia e ensinava. Sem isto, suas palavras cairiam no vazio e seriam sem sentido. Ele é, sim, o Filho santificado e enviado ao mundo para fazer as obras do Pai. E elas são as primeiras a testemunhar em seu favor.
[Evangelho nosso de cada dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: Para os judeus, o problema já não são as obras realizadas por Jesus no sábado, mas as suportas blasfêmias, na visão deles. Ora, Jesus não “se faz Deus”, mas a Palavra é Deus, ou ainda, Deus se “fez homem”.  

 

 

A terra provê o suficiente para a necessidade de todos os homens,

 Mas  não para a voracidade de todos. (Mahatma Gandhi)

 

 

Se queres seguir a Deus, deixa-o ir adiante. Não queiras que ele te siga. (Santo Agostinho)