Sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Primeira Semana da Quaresma - 1ª Semana do Saltério (Livro III) - cor Litúrgica Roxa

 

 

Santos do Dia: Agrícola de Nevers (bispo), Alexandre de Alexandria (bispo), André de Florença (bispo), Dionísio de Ausburgo (bispo, mártir), Faustiniano de Bolonha (bispo), Fortunato, Félix e Companheiros (mártires), Irene de Gaza, Nestor de Perge (bispo, mártir), Pápias, Diodoro, Conon e Claudiano (mártires da Panfília, na Ásia Menor), Porfírio de Gaza (bispo), Quodvultdeus de Cartago (bispo), Vitor de Troyes (eremita), Isabel da França (clarissa, bem-aventurada), Leão de Saint-Bertin (abade, bem-aventurado), Matilde de Spanheim (monja, virgem, bem-aventurada), Paula Montal (virgem, bem-aventurada).

 

Antífona: Livrai-me, Senhor, das minhas aflições, vede minha dor; perdoai todos os meus pecados. (Sl 24, 17-18)

 

Oração do Dia: Concedei, ó Deus, que vossos filhos e filhas se preparem dignamente para a festa da Páscoa, de modo que a mortificação desta Quaresma frutifique em todos nós. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

I Leitura: Ezequiel (Ez 18, 21-28)

Arrependendo-se de todos os pecados, viverá

 

Assim fala o Senhor: 21"Se o ímpio se arrepender de todos os pecados cometidos, e guardar todas as minhas leis, e praticar o direito e a justiça, viverá com certeza e não morrerá. 22Nenhum dos pecados que cometeu será lembrado contra ele. Viverá por causa da justiça que praticou. 23Será que eu tenho prazer na morte do ímpio? - oráculo do Senhor Deus. Não desejo, antes, que mude de conduta e viva? 24Mas, se o justo se desviar de sua justiça e praticar o mal, imitando todas as práticas detestáveis feitas pelo ímpio, poderá fazer isso e viver? Da justiça que ele praticou, nada mais será lembrado. Por causa da infidelidade e do pecado que cometeu, por causa disso morrerá.

 

25Mas vós andais dizendo: 'A conduta do Senhor não é correta'. Ouvi, vós da casa de Israel: É a minha conduta que não é correta, ou antes é a vossa conduta que não é correta? 26Quando um justo se desvia da justiça, pratica o mal e morre, é por causa do mal praticado que ele morre. 27Quando um ímpio se arrepende da maldade que praticou e observa o direito e a justiça, conserva a própria vida. 28Arrependendo-se de todos os seus pecados, com certeza viverá; não morrerá.” Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Será que eu tenho prazer na morte do ímpio?

 

Ezequiel levanta um problema candente: o problema da responsabilidade em lace do pecado e do sofrimento que dele resulta. Existe certamente um pecado coletivo: a Bíblia fala especialmente do pecado do povo. Jesus é "o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (Jo 1,29). O mal da humanidade é considerado como uma só e enorme pecaminosidade. Mas o profeta acautela contra o perigo que se pode esconder nesta visão: o risco de lançar sobre a coletividade ou sobre Deus toda a responsabilidade, ficando surdo a todo apelo à conversão individual; o risco de esquecer que a luta profunda entre o bem e o mal se trava no coração do homem. Afirmam os bispos latino-americanos que, no contexto de injustiça institucionalizada que gera uma "situação de pecado social", "não teremos um continente novo sem novas estruturas, mas sobretudo não existirá ali um continente novo sem homens novos que, à luz do Evangelho, saibam ser verdadeiramente livres e responsáveis". [Extraído do MISSAL COTIDIANO,  ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 129(130), 1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R/.3)
Se levardes em conta nossas faltas, que haverá de subsistir?

 

1Das profundezas eu clamo a vós, Senhor, 2escutai a minha voz! Vossos ouvidos estejam bem atentos ao clamor da minha prece!

 

3Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir? 4Mas em vós se encontra' o perdão, eu vos temo e em vós espero.

 

5No Senhor ponho a minha esperança, espero em sua palavra. 6A minh´alma espera no Senhor mais que o vigia pela aurora.

 

7Espere Israel pelo Senhor, mais que o vigia pela aurora! Pois no Senhor se encontra toda graça e copiosa redenção. 8Ele vem libertar a Israel de toda a sua culpa.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 5, 20-26)

Vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 20"Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos céus.

 

21Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: 'Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal'. 22Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: 'patife!' será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de 'tolo' será condenado ao fogo do inferno.

 

23Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta. 25Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. 26Em verdade eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo". Palavra da Salvação!

 

 

 

Comentário do Evangelho

A exigência da comunhão fraterna

 

O ensinamento de Jesus foi sempre incisivo na questão da comunhão fraterna. Este tema aparece já nas primeiras páginas da Bíblia que relatam o terrível episódio do assassinato de Abel pelas mãos de seu irmão Caim, nos primórdios da humanidade. Este fratricídio brutal e injustificado abriu a porta para todos os demais homicídios que mancharam de sangue a história da humanidade. Quando o Decálogo declarou, de maneira inequívoca, “Não matarás”, estava visando a preservação da humanidade. Sem respeito à vida, a sobrevivência dos seres humanos estaria comprometida.


Os discípulos de Jesus foram confrontados com uma exigência superior à da Lei mosaica. Era preciso dar um passo adiante e assumir a comunhão fraterna como imperativo. Dela decorria a capacidade de ser compreensivo com o outro, evitando irritar-se com ele ou jogar-lhe em rosto palavras ofensivas. O relacionamento com Deus deveria ser vivido juntamente com o relacionamento com o próximo. A oferenda a Deus seria inútil, se o coração do oferente fosse contaminado pela inimizade, e o seu relacionamento com alguém estivesse rompido. A reconciliação tem prioridade em relação ao culto.


O discípulo sensato apressa-se a cumprir a ordem do Mestre, mesmo reconhecendo que deverá superar inúmeras barreiras, para chegar à reconciliação e acontecer a comunhão. (O EVANGELHO DO DIA, Ano “A”. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1996)

 

Contexto: Discurso Evangélico (Jesus expõe o espírito novo do Reino de Deus) Leituras paralelas: Tg 1, 19-20Lc 12, 38-39;  

 

Para sua reflexão: Jesus se apresenta como autoridade soberana. Neste caso Ele é maior que Moisés. “Inútil e louco” são insultos graves que negam ao outro a capacidade de compreender: expressam desprezo e talvez rancor, inveja, e podem conduzir a ações graves; até por brincadeira maliciosa deve ser evitado. O Castigo está escalonado: o tribunal local, o Conselho nacional, o próprio Deus. O preceito negativo “não matar” estende-se à exigência positiva da reconciliação, posta para dar ênfase em relação com o culto. Por fim a reconciliação com o seu irmão ou irmã, em Cristo, é de suma importância para o equilíbrio de uma comunidade, de um ambiente de trabalho. Manter um clima de brigas, de discussões, de disputas até por coisas fúteis não constrói um equilibro fraterno; pelo contrário, quem planta guerra, só colhe o infortúnio. Dos dez mandamentos elencados nas duas tábuas de Moisés Jesus praticamente os reduz a um mandamento: o do amor. Quem ama ao próximo só colhe o amor, eis o desafio dos novos tempos!

 

Santo Alexandre

 

Hoje lembramos a vida de Santo Alexandre que governou a Igreja em Alexandria. Alexandre Santo bispo esteve na zelando pelo rebanho do Cristo, e principalmente cuidando do alimento doutrinal que começou a ser ameaçado pelo Arianismo. Ário era um sacerdote de Alexandria que começou a espalhar uma mentira afirmando que somente o Pai poderia ser chamado Deus, enquanto que Cristo é inferior ao Pai, distinto por natureza do Pai, seria, portanto, uma criatura, excelente e superior às demais, mas não divina nem eterna. Várias correções o bispo Alexandre fez a Ário, mas irreversível não deixou de envenenar os cristãos, mesmo depois de saber da condenação de sua doutrina. Santo Alexandre, um ano antes de sua morte com o imperador Constantino e principalmente o papa da época, foram os responsáveis pela realização do Concílio Ecumênico em Nicéia, Ásia Menor, que definitivamente condenou a heresia e definiu: " Filho Unigênito do Pai... consubstancial ao Pai".

 

 

A verdadeira sabedoria consiste em saber como aumentar o bem-estar do mundo. (Benjamim Franklin)

 

O otimismo é a fé que leva à realização. Nada pode ser feito sem esperança ou confiança. (Helen Keller)