Sexta-feira, 23 de setembro de 2011

São Pio de Pietrelcina (Presbítero), 1ª do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Branca

 

Hoje: Dia Internacional da Memória do Comércio dos Escravos e sua Abolição.

 

Santos: Firmino I, Aurélia, Cléofas, Vicente Stambi, Nicolau de Flue (1487), Firmino, Paulo e sua família (Damasco), Bem-Aventurados Bardoniano e Eucarpo (Ásia), Ceolfrido (716), Bem-Aventurado Hermano (o Coxo), Bem-Aventurado Francisco Jaccard,  Francisco Maria de Camporosso (confessor franciscano, 1ª ordem)

 

Antífona: Eu vos darei pastores segundo o meu coração, que vos conduzam com inteligência a sabedoria (Jr 3, 15).

 

Oração: Ó Deus, que enriquecestes são Pio de Pietrelcina com o espírito de verdade e de amor para apascentar o vosso povo, concedei-nos, celebrando sua festa, seguir sempre mais o seu exemplo, sustentados por sua intercessão. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Ageu (Ag 1, 15b-2,9)

Coragem povo todo desta terra

 

1,15bNo segundo ano do reinado de Dano, 2,1no dia vinte e um do sétimo mês, fez-se ouvir a palavra do Senhor, mediante o profeta Ageu: 2"Vai dizer a Zorobabel filho de Salatiel, governador de Judá, e a Josué, filho de Josedec, sumo sacerdote, e ao resto do povo: 3Há dentre vós algum sobrevivente que tenha visto esta casa em seu primitivo esplendor? E como a vedes agora? Não parece aos vossos olhos uma sombra do que era?

 

4Mas agora, toma coragem, Zorobabel, diz o Senhor, coragem, Josué, filho de Josedec, sumo sacerdote; coragem, povo todo desta terra, diz o Senhor dos exércitos; ponde mãos à obra, pois eu estou convosco, diz o Senhor dos exércitos.

 

5Eu assumi um compromisso convosco, quando saístes do Egito, e meu espírito permaneceu no meio de vós: não temais. 6Isto diz o Senhor dos exércitos: Ainda um momento, e eu hei de mover o céu e a terra, o mar e a terra firme. 7Sacudirei todos os povos, e começarão a chegar tesouros de todas as nações, hei de encher de esplendor esta casa, diz o Senhor dos exércitos.

 

8Pertence-me a prata, pertence-me o ouro, diz o Senhor dos exércitos. 9O esplendor desta nova casa será maior que o da primeira, diz o Senhor dos exércitos; e, neste lugar, estabelecerei a paz, diz o Senhor dos exércitos". Palavra do Senhor!

 

 

Comentário

Hei de encher de esplendor esta casa

 

O templo não tem o esplendor daquele de Salomão, mas será sempre o sinal de que o Senhor está presente no meio de seu povo. E exatamente a este templo afluirão povos de todas as partes do mundo, e inaugurar-se-á uma nova era messiânica, não mais centrada na dinastia davídica, porém no templo que se torna lugar de comunhão visível para toda a humanidade. A Eucaristia é hoje o anúncio da salvação para todos os homens, o lugar visível da comunhão. Permite-nos compartilhar a vida de Cristo ressuscitado e tornar parte no mistério pascal, ou seja, tomar parte no sofrimento que Cristo continua a viver nos homens, e viver na profundeza de nós mesmos a festa de Cristo ressuscitado. [MISSAL COTIDIANO ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo Responsorial: 42(43), 1.2.3.4 (R/. cf. 5bc)

Espera em Deus! Louvarei novamente o meu Deus Salvador!

 

Fazei justiça, meu Deus, e defendei-me contra a gente impiedosa; do homem perverso e mentiroso libertai-me, ó Senhor!

 

Sois vós o meu Deus e meu refúgio: por que me afastais? Por que ando tão triste e abatido pela opressão do inimigo?

 

Enviai vossa luz, vossa verdade: elas serão o meu guia; que me levem ao vosso monte santo, até a vossa morada!

 

Então irei aos altares do Senhor, Deus da minha alegria. Vosso louvor cantarei, ao som da harpa, meu Senhor e meu Deus!

 

Evangelho: Lucas (Lc 9, 18-22)
Jesus impede aos discípulos de falarem ao povo quem ele é

 

Aconteceu que Jesus 18estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: "Quem diz o povo que eu sou?" 19Eles responderam: "Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou". 20Mas Jesus perguntou: "E vós, quem dizeis que eu sou?" Pedro respondeu: "O Cristo de Deus". 21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém.

 

22E acrescentou: "O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia". Palavra da Salvação!

 

 

Leitura paralela: Mc 16, 13-20; Mc 8, 27-30

 

 

 

Comentário o Evangelho

Uma questão fundamental

Num momento de oração, Jesus questiona os discípulos acerca de uma questão fundamental, formulada em duas etapas. Na primeira, a pergunta - "Quem sou eu, na opinião do povo?" - visa explicitar a maneira como a pessoa de Jesus era considerada por quem o ouvia, era beneficiado por seus milagres e tinha notícias de seus grandes feitos. Enfim, gente sem muita proximidade com ele.


As respostas, elencadas pelos apóstolos, trazem a marca das tradições messiânicas populares. Aí, o Messias é identificado com algum dos profetas do passado, cuja reaparição, na história humana, era sinal da chegada do fim dos tempos.


Na segunda etapa, a pergunta consistiu em saber o pensamento dos discípulos: "Para vocês, quem sou eu?" Tendo privado da intimidade de Jesus, deveriam estar em condições de dar uma resposta mais próxima da realidade, condizente com a verdadeira identidade de Jesus.


É Pedro quem se adianta e responde, em nome do grupo: "Tu és o Cristo de Deus!" Esta resposta revelou, na verdade, um avanço em relação à mentalidade popular. Mais que algum personagem do passado, Jesus era o Ungido, enviado por Deus ao mundo. Sua presença era sinal do amor de Deus pela humanidade.


Apesar de estar correta essa resposta, foi necessário que Jesus acrescentasse algo que os próprios discípulos desconheciam. Embora sendo o Cristo de Deus, Jesus estava para se defrontar, não com um destino de glória, mas sim, de sofrimento, de morte e de ressurreição. Esta era a vontade do Pai! [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

Para que a Igreja não se deixe levar pelas falsas ideologias, rezemos ao Senhor. Senhor, escutai a nossa prece.

Para que saibamos respeitar a natureza, que nos favorece a vida, rezemos ao Senhor.

Para que nunca nos deixemos corromper todos injustos e pelos dominadores, rezemos ao Senhor.

Para que nos mantenhamos firmes no seguimento de Jesus, rezemos ao Senhor.

Para que saibamos imitar as virtudes de são Pio de Pietrelcina, rezemos ao Senhor.

(outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Aceitai, ó Deus, as oferendas do vosso povo em honra de são Pio de Pietrelcina; e possamos receber a salvação pelo sacrifício que oferecemos em vossa honra. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

O Filho do homem veio não para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para a salvação de todos. (Mt 20, 28)

 

Oração Depois da Comunhão:

Recebemos, ó Deus, o vosso sacramento em memória do vosso santo Pio de Pietrelcina; concedei que esta eucaristia se transforme para nós em alegria eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: A oração de Jesus é o contexto da confissão dos apóstolos por meio de Pedro. Como a indicar que além da confissão esconde-se uma profundidade insondável. Jesus pergunta numa espécie de resumo de sua atividade até agora e apresentando o futuro. Propõe a pergunta fundamental, “quem sou eu”, em dois tempos, para que a resposta dos discípulos se destaque sobre as opiniões do povo. A pergunta é desafiadora (não simples curiosidade ou inquietação, como as de Herodes), e se dirige a todos. Cada um tem de dar sua resposta. O povo, com todo o seu entusiasmo, não ultrapassa o nível profético ou o nível de João. Na cena evangélica, Pedro responde como cabeça de todos. A eles foi dado conhecer o segredo do reinado de Deus. O Messias de Deus é o Ungido de Deus: primeiro título de Saul, depois do monarca descendente de Davi. Na boca de Pedro, significa o Messias esperado. Por ora, não deve divulgá-lo, para evitar interpretações equivocadas.  (Bíblia dos Capuchinhos)

 

 

São Pio de Pietrelcina

 

 

 

 

O padre Francesco Forgione nasceu em Pietrelcina, província de Benevento, Itália, no dia 25 de maio de 1887. Seus pais foram Horacio Forgione e María Giuseppa. Cresceu dentro de uma família humilde, mas, como ele mesmo disse, "nunca nos faltou nada".

 

Foi uma criança sensível e espiritual. Na Igreja Santa Maria dos Anjos, onde se poderia dizer que foi como a sua "outra casa", foi batizado, fez a primeira comunhão e a sua confirmação. Também nesta mesma Igreja foi onde aos cinco anos lhe apareceu o Sagrado Coração de Jesus. Mais, começara a ter aparições da Virgem Maria que durariam pelo resto da sua vida. Ingressou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Morcone, em janeiro de 1903. Nas vésperas de entrar no seminário, Francisco teve uma visão de Jesus com a sua mãe Santíssima. Nesta visão, Jesus pôs sua mão nos ombros de Francisco, dando-lhe coragem e fortaleza para seguir adiante. Já a Virgem Maria, neste mesmo momento, lhe falou suavemente, maternalmente, penetrando no mais  profundo  da  sua alma. Foi  ordenado  sacerdote  no  dia 10 de agosto de 1910, na Catedral de Beneveto, e fevereiro deste mesmo ano se estabeleceu em San Giovanni Rotondo, onde permaneceu até a sua morte, no dia 23 de setembro de 1968.

 

Pouco depois de sua ordenação, voltaram-lhe a dar febres e outros males que sempre o incomodou durante os seus estudos preparatórios. Foi então enviada a sua cidade natal para que se restabelecera. Logo de 8 anos de sacerdote, no dia 20 de setembro de 1918, recebe os estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo em suas mãos, pés e no costado esquerdo, convertendo-se no primeiro sacerdote estigmatizado. Em uma carta que escreve a seu diretor espiritual, os descreve assim: "Em meio das mãos apareceu uma mancha vermelha, do tamanho de uma pequena moeda, acompanhada por uma intensa dor. Também debaixo dos pés sinto dor".

 

Mais tarde, no ano de 1940, arquitetou um projeto de um hospital que se denominou "Casa do Alívio do sofrimento" - o mais importante do sul da Itália -, cuja construção culminou no ano de 1956. No dia 20 de setembro de 1968, Padre Pio cumpria 50 anos, desde que lhe aparecera os primeiros estigmas do Senhor Jesus. O Padre Pio celebrou a missa na hora acostumada de sempre. Ao redor do altar, haviam 50 vasos com rosas vermelhas que simbolizavam os 50 anos de sangue... a dois dias depois disto, murmurando por largas horas, "Jesus, Maria!", morreu, no dia 22 de setembro de 1968. Aqueles que estiveram aí presentes, permaneceram um longo período em oração e silêncio.   O funeral do Padre Pio foi impressionante, já que se teve que esperar 4 dias até que todos os seus fiéis se despedissem do corpo. Se calcula que mais de cem mil pessoas participaram do enterro. Ao morrer, desapareceram-lhe os estigmas com o qual o Senhor dava um sinal claro da origem mística e sobrenatural das mesmas. Muitos foram os favores e conversões concedidas pela intercessão do Padre Pío e inumeráveis milagres foram reportados à Santa Sé. O Padre Pio converteu e confessou a um grande número de fiéis de distintos países, que o buscavam para pedir-lhe perdão por seus pecados e orientação para suas vidas. 286, no reinado de Diocleciano, a divisa onde estavam estava servindo em território da atual Suíça, quando o comandante supremo, Maximiano, ordenou que todos os soldados oferecessem sacrifícios aos deuses pagãos. Os membros da Legião Tebana se recusaram e foram todos mortos por amor a Jesus Cristo. Pelo que se conta, toda uma corte de legionários (cada corte contava com milhares de soldados) foi executada juntamente com são Maurício. [John Nascimento, Canadá]

 

Enfoque deslocado

Dom Aloísio Roque Oppermann scj, Arcebispo de Uberaba - MG

 

Na mente de muitas pessoas ainda existe aquela convicção de que remédio bom tem que ser amargo. Este, sim, teria efeito garantido. O mesmo se diga sobre o uso legítimo do prazer do corpo.  Muitos acham que a busca do prazer físico, tem embutido em si um ressaibo pecaminoso. Esta maneira de pensar cria muitos culpados imaginários. Leva àquela falsa idéia do “eu não presto”.  Jesus, ao contrário, além de ter uma vida disciplinada, também aceitava participar de momentos de boas refeições e tomar bons vinhos. Isso não dava, no entanto, o direito aos seus inimigos de acusá-lo: “O Filho do Homem é um comilão e beberrão, amigo dos pecadores” (Lc 7, 34). Trata-se dos prazeres legítimos que Deus colocou à nossa disposição. O mundo civil, nos dias atuais, está muito bem equipado com ofertas de prazer.  Oferece abundância de comidas sofisticadas, até em linha popular; roupas de grande beleza; joias variadíssimas;  remédios em abundância; drogas para esquecer as agruras da vida; festas para todos os gostos; exacerbação sexual. Parece que se está fixando o princípio de vida, comentado por São Paulo: “Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos” (1 Cor 15, 32).

 

Mas não nos iludamos. Tudo na vida deve ter limites, que não podem ser ultrapassados: comida, festas, vida sexual, esportes. Estamos na civilização da abundância, onde as pessoas buscam sempre mais prazer. Mas as coisas boas precisam estar acompanhadas de disciplina, e até de sacrifício. Basta vermos o concurso que foi realizado, de Miss Universo. Procurou-se a “mulher mais linda do mundo”. Mas que enorme sacrifício que tiveram de enfrentar: pouca comida, muito exercício, concentração de várias semanas, obediência – sem discussão - aos organizadores... Tudo por um título efêmero. Podemos viver tranquilamente os prazeres legítimos da vida, sem traumas. Mas atenção! O salmista ensina: “Deus é o meu bem”  (Sl  16, 2).

 

O santo rosário é a arma de quem quer vencer todas as batalhas. (S.Pio de Pietrelcina)