Sexta-feira, 19 de agosto de 2011

20ª. Semana do Tempo Comum, Ano Ímpar, 4ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Branca

 

Hoje: Dia Mundial do Fotógrafo e da Fotografia

 

Santos: Agápio e Timóteo (mártires), André da Cilícia e Companheiros (mártires), Bernardo (venerado em Candeleda), Bertulfo de Bobbio (abade), Donato de Sisteron (presbítero), Ezequiel Moreno (bispo de Pasto, na Colômbia), João Eudes (Presbítero, 1680, fundador da Congregação de Jesus e Maria), Júlio de Roma (mártir), Luís de Tolosa (feito bispo com apenas 23 anos), Sisto III, Luís de Tolosa, Bernardo Tolomei (1348), Magno d'Avignon (bispo), Mariano de Evaux (eremita), Timóteo, Tecla (ambos da Palestina), Bem-Aventurado Guerrico (1157)

 

Antífona: Ó Deus, nosso protetor, volvei para nós o vosso olhar e contemplai a face do vosso ungido, porque um dia em vosso templo vale mais que outros mil. (Sl 83,10-11)

 

Oração do Dia: Ó Deus, preparastes para quem vos ama bens que nossos olhares não podem ver; acendei em nossos corações a chama da caridade para que, amando-vos em tudo e acima de tudo, corramos aos encontro das vossas promessas, que superam todo desejo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Rt 1,1.3-6.14b-16.22)
A alegria de viver e ser família

 

1No tempo em que os juízes governavam, houve uma fome no país e um homem de Belém de Judá foi morar nos campos de Moab com sua mulher e seus dois filhos. 3Entretanto, morreu Elimelec, marido de Noemi, e esta ficou sozinha com seus dois filhos. 4Eles casaram-se com mulheres moabitas, uma das quais se chamava Orfa, a outra, Rute. E ali permaneceram uns dez anos. 5Depois morreram também os dois, Maalon e Quelion e a mulher ficou só, sem os dois filhos e sem o marido. 6Então ela se dispôs a voltar do campo de Moab para a sua pátria com as duas noras, porque tinha ouvido dizer que o Senhor havia olha¬do para o seu povo, e lhe tinha dado alimentos.


14bOrfa beijou sua sogra e partiu. Rute, porém, ficou com Noemi. 15Esta disse-lhe: “Olha, tua cunhada voltou para o seu povo e para os seus deuses. Vai com ela”. 16Mas Rute respondeu: “Não insistas comigo para que te deixe e me afaste de ti. Porque para onde fores irei contigo, onde pousares, lá pousarei eu também. Teu povo será o meu povo, e o teu Deus será o meu Deus”. 22Assim Noemi voltou dos campos de Moab, acompanhada de sua nora Rute, a moabita. Regressaram a Belém, quando começava a colheita da cevada. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Noemi acompanhada de sua nora Rute

 

De maneira simples e grandiosa o autor apresenta uma vida familiar exemplar, em meio à pobreza e às provações, vida rica de fidelidade, solicitude, mútua afeição. Elimelec se expatria para garantir o pão aos seus; Noemi, viúva e sem filhos, preocupa-se com o futuro das duas noras viúvas; Rute faz prevalecer sobre os seus interesses individuais o apego à sogra; Booz será benigno e generoso. Há ampla solidariedade entre parentes, compreensão dos valores e dotes femininos; em tempos de discórdias são elogiadas as virtudes morais da família, e tem-se uma visão universalista (como em Jonas): uma “estrangeira”, fiel, boa, trabalhadora, adora a Deus e entra no povo eleito, tornando-se antepassada de Davi e, portanto, do Messias (Mt 1,5). São estas as mensagens para nós: a virtude autêntica está na base da vida familiar e social; o egoísmo, as divisões, as discriminações raciais, sociais, religiosas não entram no plano de Deus. [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 145 (146), 5-6.7.8-9a.9bc-10 (R/2a) 

Bendize, ó minha alma, ao Senhor!


É feliz todo homem que busca seu auxílio no Deus de Jacó, e que põe no Senhor a esperança. O Senhor fez o céu e a terra, fez mar e o que neles existe.

 

Faz justiça aos que são oprimidos; ele dá alimento aos famintos, é o Senhor quem liberta os cativos.


O Senhor abre os olhos aos cegos o Senhor faz erguer-se o caído; o Senhor ama aquele que é justo. É o Senhor quem protege o estrangeiro.


Ele ampara a viúva e o órfão mas confunde os caminhos dos maus. O Senhor reinará para sempre! Ó Sião, o teu Deus reinará para sempre e por todos os séculos!

 

Evangelho: Mateus (Mt 22,34-40)
O amor para com o próximo e o amor para com Deus

 

Naquele tempo, 34os fariseus ouviram dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus. Então eles se reuniram em grupo, 35e um deles perguntou a Jesus, para experimentá-lo: 36"Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” 37Jesus respondeu: “ ‘Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento!’ 38Esse é o maior e o primeiro mandamento. 39O segundo é semelhante a esse: ‘Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’. 40Toda a Lei e os profetas dependem desses dois mandamentos”.  Palavra da Salvação!

 

Comentário o Evangelho

A totalidade da lei

 

Muitos rabinos recusavam-se a discutir a importância relativa de alguns mandamentos, temendo que a observância da Lei ficasse na dependência do arbítrio humano. Outros, porém, recusavam-se a colocar em pé de igualdade a infinidade de mandamentos em voga. A definição das precedências era problemática. Para resolver essa questão difícil, o mestre da Lei tentou colocar Jesus em apuros. Qualquer que fosse sua posição, sempre haveria uma escola para questioná-lo, desautorizando o seu ensinamento.


No mundo judaico, geralmente se afirmava que a observância do sábado era o mandamento principal, que resumia toda a Lei. Jesus tinha uma postura diferente: colocava o amor a Deus e ao próximo como exigência capital da Lei.

 

Naquela época, havia até quem pensasse como o Mestre. Entretanto, a novidade de Jesus consistiu em confrontar seus ouvintes não com dois preceitos legais, com força jurídica, e sim com a pessoa de Deus e a pessoa do próximo. Destes dois níveis de relação advém todas as exigências religiosas às quais as pessoas devem submeter-se. As prescrições minuciosas da Lei são desprovidas de valor, quando confrontadas com as exigências de Deus, sentidas no fundo do coração, e as do próximo, de modo especial os mais pobres e carentes de misericórdia. Portanto, toda a Lei se resume na fidelidade a Deus e ao próximo. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

Para sua reflexão: A questão sobre o mandamento do amor, posta por um legista (v.35-40), faz parte das narrações de Mateus sobre os conflitos de Jesus com os seus adversários. Jesus atribui igual importância aos dois mandamentos, já conhecidos no Antigo Testamento (Lv 19, 18; Dt 6,5), e concentra neles todo o conteúdo da Lei (Mc 12, 29-33). A observância do segundo mandamento não é alternativa, mas essência: amar o próximo não substitui o amor a Deus, e vice-versa. A medida própria do amor do próximo participa da totalidade do amor de Deus: como a ti mesmo, isto é, amar na mesma medida o próximo. (Cf. Bíblia dos Capuchinhos)

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

 

Pela Igreja, que busca construir solidariedade, rezemos. Lembrai-vos, Senhor, de vosso povo.

Pelas famílias que vivem a fraternidade e o amor, rezemos.

Pelos vocacionados à vida sacerdotal e religiosa, rezemos.

Pelos que amam a Deus mediante o amor ao próximo, rezemos.

Pelos falecidos de nossas famílias e de nossa comunidade, rezemos.

(outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Acolhei, ó Deus, estas nossa oferendas, pelas quais entramos em comunhão convosco, oferecendo-vos o que nos destes, e recebendo-vos em nós.. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

No Senhor se encontra toda a graça e copiosa redenção. (Sl 129,7)

 

Oração Depois da Comunhão:

Unidos a Cristo por este sacramento, nós vos imploramos, ó Deus, que, assemelhando-nos a ele aqui na terra, participemos no céu da sua glória. Por Cristo, nosso Senhor.

 

São João Eudes

 

 

 

Padroeiro das mulheres marginalizadas, São João Eudes morreu no dia 19 de agosto de 1680 na Normandia, França, quando tinha 79 anos. Ele era da Congregação do Oratório de Jesus e Maria.

 

No século XVII, houve grande renovação da piedade e devoção realizada por muitos homens, como Bérulle, Condren, Olier. Entre eles se encontrava também João Eudes. Durante toda a sua vida foi dedicado à pregação entre o povo e é caracterizado por ter colocado em relevo o amor afetivo na devoção cristã.

 

Ingressou na Congregação do Oratório, fundada por Bérulle, e foi ordenado sacerdote. Dois anos depois, foi prestar assistência aos doentes, numa epidemia (de peste) na Normandia. Acabou contraindo o mal, mas conseguiu se recuperar e logo voltou a pregar entre o povo. João Eudes exercia muita influência e era muito seguido. Foram contados cento e dez missões feitas por ele. Em 1643, fundou a Congregação de Jesus Maria (padres eudianos), cujo objetivo era a preparação espiritual dos candidatos ao sacerdócio e à pregação das missões ao povo. Paralelamente surgiu a congregação feminina, o Refúgio de Nossa Senhora da Caridade, da qual, no século XIX, derivou a Congregação do Bom Pastor.

 

João Eudes foi considerado o Pai, Doutor e Apóstolo da dulcíssima devoção dos Sacratíssimos Corações de Jesus e de Maria. Morreu aos setenta e nove anos, tendo em sua vida exercido grande influência no mundo cristão.

 

 

O Papa, os jovens e a Família

Dom Anuar Battisti, Arcebispo de Maringá - PR

 

Por iniciativa do papa João Paulo II, em 1975, em Roma, foi realizada a primeira Jornada Mundial da Juventude, quando fez soar aos milhares de jovens a exigência de um amor apaixonado por Cristo, o único capaz de preencher todas as necessidades do coração do homem e da mulher dos tempos de hoje.

 

O papa Bento XVI celebra em Madri a vigésima sexta jornada, reunindo nesses dias mais de um milhão de jovens. Nesta ocasião o clamor do papa será o mesmo: "Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé" (Cl 2,7).

 

Os jovens não são os mesmos de trinta e seis anos atrás. O mundo é outro, as exigências são diferentes, as necessidades e anseios do coração dos jovens também mudaram. Mas o caminho a percorrer, o lugar da plena realização continua o mesmo.

 

Como diz Santo Agostinho: "O meu coração anda inquieto enquanto não repousar em ti Senhor". O cardeal Antonio Maria Rouco, de Madri, e presidente da Conferência Episcopal Espanhola, presidiu a Santa Missa de abertura na última terça-feira acolhendo todos os jovens dizendo "esta é a vossa casa". Na quarta, quinta e sexta-feira, o papa Bento XVI se encontra com professores, religiosos e religiosas, com jovens representantes de todos os países.

 

O momento central será no sábado à noite quando o papa celebrará a Eucaristia e falará a todos os jovens, e com eles passará em vigília. No domingo, o papa encerra com a missa pela manhã, enviando os milhares de participantes a evangelizar outros jovens e nesta ocasião anuncia a data e o lugar da próxima jornada.

 

A nossa arquidiocese está representada por 70 jovens do Setor Juventude, pastorais e movimentos que trabalham com jovens. O padre Marcos Roberto manifesta o sua impressão nestes dias participando deste evento mundial: "Pelas ruas de Madri são milhares e milhares de jovens cantando e se alegrando com a jornada... É tudo muito lindo ver esta multidão de jovens do mundo inteiro se alegrando com a convivência fraterna juvenil e o amor à Igreja e ao papa. Nas ruas somos uma multidão, afinal estamos em torno de 1 milhão de jovens. De todo Brasil somos 16 mil. Descrever a experiência da jornada somente é possível participando dela... É fantástico, maravilhoso... É conhecer a pluralidade de nossa juventude no mundo inteiro".

 

Convido você a se unir a este evento eclesial, orando pelos jovens, pelo papa Bento XVI a fim de que juntos possamos criar um mundo novo, mais unido e fraterno. Acompanhe a jornada pelo site: www.jmj2011madrid.com. Nesta Semana da Família em todas as comunidades ecoa o lema: "Investir na família é investir na sociedade".

 

Acreditamos que, apesar das investidas na destruição dos lares, somos capazes de continuar o caminho do Senhor, defendendo, investindo, apoiando, orando, porque a lei do Senhor é perfeita, conforto para a alma.

 

Nenhuma lei humana pode destruir a lei de Deus, nenhum homem pode se arrogar o direito de contradizer a Sagrada Escritura. Assim desejamos que esta Semana da Família seja um novo recomeçar através dos pequenos gestos de amor. Jovens e família em um único caminho, o caminho do amor. [Fonte: CNBB]

 

Ingressa na via religiosa quem tem e quer descobrir sua vocação. (Frei Antônio Boaventura)