Sexta-feira, 19 de março de 2010

S. José (Esposo de Maria e Padroeiro da igreja) - 4ª Semana do Saltério (Livro III) - cor Branca

 

 

Hoje: Dia da Escola, dia Nacional do Artesão, dia do Conservador e do Carpinteiro

 

Santos: José (esposo de Maria, Século I), João de Panaca (abade, Século VI), Landoaldo e Companheiros (668 AC), Alcmundo (mártir, 800), André de Sena (Beato, 1251), Quintila, Apolônio.

 

Antífona: Eis o servo fiel e prudente, a quem o Senhor confiou a sua casa. (Lc 12, 42)

 

Oração do Dia: Deus todo-poderoso, pelas preces de São José, a quem confiastes as primícias da Igreja, concedei que ela possa levar à plenitude os mistérios da salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: 2Sm 7, 4-5a.12-14a.16

O Senhor lhe dará o trono de Davi, seu pai

 

Naqueles dias, 4a Palavra do Senhor foi dirigida a Natã nestes termos: 5a"Vai dizer ao meu servo Davi: 'Assim fala o Senhor: 12Quando chegar o fim dos teus dias e repousares com teus pais, então, suscitarei, depois de ti, um filho teu, e confirmarei a sua realeza.

 

13Será ele que construirá uma casa para o meu nome, e eu firmarei para sempre o seu trono real. 14aEu serei para ele um pai e ele será para mim um filho. 16Tua casa e teu reino serão estáveis para sempre diante de mim, e teu trono será firme para sempre"'. Palavra do Senhor.

 

 

Salmo: 88(89), 2-3.4-5.27 e 29 (R/.37)

Eis que a sua descendência durará eternamente

 

2Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor, de geração em geração eu cantarei vossa verdade! 3Porque dissestes: "O amor é garantido para sempre!" E a vossa lealdade é tão firme como os céus.

 

4"Eu firmei uma Aliança com meu servo, meu eleito, e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor. 5Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, de geração em geração garantirei o teu reinado!"

 

27Ele, então, me invocará: "Ó Senhor, vós sois meu Pai, sois meu Deus, sois meu Rochedo onde encontro a salvação!" 29Guardarei eternamente para ele a minha graça e com ele firmarei minha Aliança indissolúvel.

 

 

II Leitura: Romanos (Rm 4, 13.16-18.22)

Assim será a tua prosperidade

 

Irmãos, 13não foi por causa da Lei, mas por causa da justiça que vem da fé que Deus prometeu o mundo como herança a Abraão ou à sua descendência.

 

16É em virtude da fé que alguém se torna herdeiro. Logo, a condição de herdeiro é uma graça, um dom gratuito, e a promessa de Deus continua valendo para toda a descendência de Abraão, tanto para a descendência que se apega à Lei, quanto para a que se apoia somente na fé de Abraão, que é o pai de todos nós.

 

17Pois está escrito: "Eu fiz de ti pai de muitos povos". Ele é pai diante de Deus, porque creu em Deus que vivifica os mortos e faz existir o que antes não existia. 18Contra toda a humana esperança, ele firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: "Assim será a tua prosperidade". 22Esta sua atitude de fé lhe foi creditada como justiça. Palavra do Senhor!

 

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 1, 16.18-21.24a)

José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado

 

16Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. 18A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo.

 

19José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: "José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo.

 

21Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados". 24aQuando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado. Palavra da Salvação!

 

 

Comentário do Evangelho

Anúncio a José

 

O relato mostra com toda a clareza que a maternidade de Maria não é obra de José, mas do Espírito Santo, fato que é afirmado duas vezes no breve relato. José, interpelado enfaticamente como "Filho de Davi", garante a linhagem dinástica de Jesus, que receberá esse título. Celebraram-se, segundo o costume, os esposais, não o casamento, e não há coabitação precedendo o nascimento.

 

Aqui se diz que José era "honrado". O termo poderia significar que era "inocente" no assunto que começava a se manifestar, mas que não queria repudiá-la. "Privadamente" com o mínimo de testemunhas, sem processo ou ação pública. A visão em sonhos recorda os sonhos de outro José e os supera. O menino será realmente "filho" de Maria. Se José impõe o nome é porque age como pai legal. O nome do menino (o mesmo que Josué é parecido com Oséias) enuncia e anuncia o destino: se um rei deve "salvar" seu povo, também o descendente de Davi nasce para salvar seu povo dos pecados. Salvação teológica, não política. Mateus emprega o sonho como meio de revelação fidedigna. [BIBLIA DO PEREGRINO, Paulus, 2002]

 

Para sua reflexão: A passagem fala-nos em um fato único e extraordinário. A história do nascimento de Jesus é, realmente, uma extensão da genealogia cf. v.16. Sua preocupação principal é o direito de Jesus a um lugar na genealogia messiânica, por intermédio de José, o seu clímax esta na decisão de Jose de fazer de Jesus uma criança davídica. Em Jesus cumprem-se as profecias.

 

São José

 

 

Pela grande e importante missão que DEUS confiou a São José, podemos aferir sua extraordinária virtude e santidade.  Conforme ensina São Tomás de Aquino, DEUS confere as graças e privilégios à medida da dignidade e da elevação do estado a que destina o indivíduo.  Pode-se imaginar dignidade maior que a de São José que, pelos desígnios de DEUS, devia ser esposo de Maria Santíssima e pai nutrício de seu divino Filho?

 

O Evangelho o define em três palavras: "José era justo."  Ora, os santos doutores da Igreja afirmam que este qualificativo designa que São José possuía todas as virtudes num grau elevado de perfeição.

 

A Igreja chama-o também de "Santíssimo", qualificativo que não dá a nenhum outro Santo. Assim podemos deduzir que consumada perfeição ele atingiu! Oh! que santo maravilhoso é o preclaro São José, diz São Francisco de Sales. Dir-se-ia que ele foi tão perfeito ou que possuiu as virtudes no mesmo grau excelso em que as possuía a Santíssima Virgem Maria.

 

Ele era da família de Davi.  Entre seus antepassados havia Patriarcas, reis e príncipes. À sua família fora prometido o trono com eterna bênção.  Sua glória e grandeza decorre de pertencer à família que devia dar ao mundo o Salvador.  Da haste de Jessé, e da estirpe de Davi, devia nascer o Messias prometido. Que honra e que dignidade!

 

Nele verificou-se o sonho de José do Egito.  O sol de justiça, a lua mística o veneram, as estrelas da pátria celeste se curvam diante dele.  A Igreja lhe atribui um culto especial.  Seu nome enche de alegria o Céu e faz tremer o inferno.  Honram-no os Anjos e cumprem suas ordens.

 

Ao lado da devoção a JESUS e a Maria devemos ter a de São José, pois eles estiveram sempre juntos. Esta é uma devoção sólida, pois a Santa Igreja sempre a recomendou aos seus filhos; os Papas a recomendam incansavelmente aos fiéis; os Santos Doutores da Igreja propagam e aconselham a sua prática.

 

Os que têm a ventura de abraçá-la, logo sentem seus maravilhosos efeitos.  Caminham de virtude em virtude, de graça em graça, até atingir um elevado grau de perfeição.

 

Mil e mil vozes, em todo o mundo, proclamam os benefícios incontáveis desta devoção.  "Não sabeis que sou todo de São José?" dizia São Francisco de Salles, na hora da morte.

 

São José, sendo um pai de bondade e misericórdia, não se deixa vencer em amor e liberalidade.  Vendo que alguém se lhe entrega plenamente, para honrá-lo e servi-lo, protege-o duma maneira inefável.

 

Cumula seus devotos de suas graças, reveste-os de seus merecimentos, esclarece-os com suas luzes, prodigaliza-lhes o apoio de seu patrocínio.

 

Esta devoção, tal como a de Maria Santíssima, é um caminho fácil para chegarmos até DEUS, pois o percorremos com segurança, tranquilidade e doçura.

 

É um caminho curto e perfeito, pois quem é guiado por São José não se desvia, avança sem cair, sem recuar, a passos gigantes em direção a DEUS.

 

É o caminho seguro trilhado por JESUS e pelos Santos, e quem o seguir não vai ficar decepcionado.  Como pai de bondade ele ama seus filhos com ternura incomparável, os conduz com firmeza, protege-os em todas as adversidades, e intercede por eles em qualquer dificuldade, obtendo-lhes as bênçãos do PAI Celestial.

 

 

Nunca é tarde para você ser o que poderia ter sido. (Provérbio árabe)

 

“Peçamos a São José o dom da perseverança até o final”. (Padre Pio)