Sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Terceira Semana do Advento - 3ª do Saltério, Livro I, Cor Litúrgica Roxa

 

Santos: Geraldo Braga, Cristina da Geórgia (apóstola leiga), Estêvão de Suroz (bispo), Faustino, Lúcio, Cândido, Celiano e Companheiros (mártires), Folcuíno de Thérouanne (bispo), Irineu, Antônio, Teodoro, Saturnino, Vítor e Companheiros (mártires), Júlia d’Arezzo (monja camaldulense), Maria Crucifixa da Rosa (virgem), Maximino de Micy (abade), Sílvia de Brescia (virgem), Urbício de Huesca (eremita), Valeriano de Abbenza (bispo), Boaventura de Pistóia (presbítero, bem-aventurado), Marino de Cava dei Tirreni (abade, bem-aventurado).

 

Antífona: Alegrem-se os céus e exulte a terra, porque o Senhor nosso Deus virá e terá compaixão dos pequeninos. (Is 49, 13)

 

Oração: Ó Deus, criador e redentor do gênero humano, quisestes que o vosso Verbo se encarnasse no seio da Virgem. Sede favorável à nossa súplica, para que o vosso Filho Unigênito, tendo recebido nossa humanidade, nos faça participar da sua vida divina. Por nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo.

 

Leitura: Gênesis (Gn 49, 2.8-10)
Judá, teus irmãos te louvarão

 

Naqueles dias, Jacó chamou seus filhos e disse: 2“Juntai-vos e ouvi, filhos de Jacó, ouvi Israel, vosso pai! 8Judá, teus irmãos te louvarão; pesará tua mão sobre a nuca de teus inimigos, se prostrarão diante de ti os filhos de teu pai. 9Judá, filhote de leão: subiste, meu filho, da pilhagem; ele se agacha e se deita como um leão, e como uma leoa; quem o despertará? 10O cetro não será tirado de Judá, nem o bastão de comando dentre seus pés, até que venha Aquele a quem pertencem, e a quem obedecerão os povos”. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura
O cetro não será tirado de Judá

 

Com um só e único ato decide Deus criar a humanidade, e anular com sua ação redentora o débito do pecado por ela contraído. A idéia de um redentor  que virá enche toda a antiga lei. Votos e desejos do povo hebreu concentram-se nele. Um autor dos primeiros séculos da era cristã reassume tal expectativa, afirmando que todo o AT trazia Jesus Cristo em seu bojo. O patriarca Jacó, chegado ao fim de seus dias, vê o facho, o cetro do Messias na tribo de Judá e na descendência de Davi, mas é um cetro que supera as vicissitudes históricas de um povo, por ser o cetro de Deus e uma só coisa com ele. O cetro é sinal de seu poder, mas sobretudo de seus amor; porque para Deus reinar é servir a seus servos, feitos seus amigos. [MISSAL COTIDIANO. ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo Responsorial: 71 (72), 2.3-4ab.7-8.17 (R/.cf.7)

Nos seus dias a justiça florirá e paz em abundância, para sempre


1Dai ao rei vossos poderes, Senhor Deus, vossa justiça ao descendente da realeza! 2Com justiça ele governe o vosso povo, com equidade ele julgue os vossos pobres.


3Das montanhas venha a paz a todo o povo, e desça das colinas a justiça! 4aEste rei defenderá os que são pobres, 4bos filhos dos humildes salvará.


7Nos seus dias a justiça florirá e grande paz, até que a lua perca o brilho! 8De mar a mar estenderá o seu domínio, e desde o rio até os confins de toda a terra!


17Seja bendito o seu nome para sempre! E que dure como o sol sua memória! Todos os povos serão nele abençoados, todas as gentes cantarão o seu louvor!

 

Evangelho: Mateus (Mt 1, 1-17)
Genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi

 

1Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. 3Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; 4Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; 5Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. 6Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido a mulher de Urias. 7Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; 8Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias; 9Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; 10Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. 11Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia. 12Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel; 13Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; 14Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; 15Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacó. 16Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. 17Assim, as gerações desde Abraão até Davi são quatorze; de Davi até o exílio na Babilônia, quatorze; e do exílio na Babilônia até Cristo, quatorze. Palavra da Salvação

Evangelho da Infância de Jesus. Leitura paralela: Lc 3, 23-38

 

 

Comentário o Evangelho

A humanidade do messias

 

A genealogia de Jesus contém elementos importantes para a correta compreensão de sua identidade. Seu objetivo é mostrar a inserção de Jesus na história do povo de Israel e fazer sua presença, na história humana, ligar-se com a longa história da salvação da humanidade. Jesus, portanto, é apresentado como verdadeiro homem e não como um ser estranho, vindo do céu, não se sabe bem como.


A sucessão de gerações, que prepara a vinda do Messias Jesus, é um retrato da humanidade a ser salva por ele. Repassando a lista de nomes, encontramos gente de todo tipo: piedosos e ímpios, pessoas de comportamento correto e gente de vida não recomendável, operadores de justiça e indivíduos sem escrúpulos no trato com os semelhantes, judeus e estrangeiros, homens e mulheres. Todos eles formam o substrato humano no qual nasceu Jesus. Esta é a humanidade carente de salvação, para a qual ele foi enviado pelo Pai.


Jesus, porém, é apresentado como dom salvífico do Pai para a humanidade. O fato da concepção virginal aponta nesta direção. Quando a lista chega em José, diz-se que ele é o esposo de Maria da qual nasceu Jesus. A sucessão pela linha masculina é rompida, ficando implícito que o Pai de Jesus é o próprio Deus. Ou seja, a salvação não é obra do ser humano. Ela é oferecida pelo Pai por meio do Messias Jesus. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas]

 

 

Oração da Assembleia (Liturgia Diária)

Senhor Deus, velai pela santidade de vossa Igreja. Vinde logo, Senhor.

Dai esperança e consolo aos idosos e aos doentes.

Fortalecei na santidade os ministros da Igreja e todos os fiéis.

Conservai-nos no amor de vosso santo Espírito.

Concedei o descanso eterno aos nossos falecidos.

(outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Santificai, ó Deus, as oferendas da vossa Igreja e concedei que, por estes sagrados mistérios, sejamos restaurados com o pão do céu. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Eis que vem o desejado de todas as nações; ele encherá de glória a casa do Senhor. (Ag 2, 8)

 

Oração Depois da Comunhão:

Saciados com os vossos dons divinos, nós vos pedimos, ó Deus todo-poderoso, que possamos realizar o nosso desejo de trilhar diante do Cristo que se aproxima como lâmpadas acesas pelo vosso Espírito. Por Cristo, nosso Senhor.

 

São Lázaro

 

Jesus o tinha como seu grande amigo e costumava se hospedar em sua casa. Lázaro muito estimado na sociedade hebraica devido sua origem nobre e suas virtudes da honestidade e religiosidade. Era irmão de Marta e Maria. Foi a ele que Jesus ressuscitou (Jo 11,1-44) Portanto Lázaro teve dois túmulos porque faleceu duas vezes! O primeiro túmulo do qual ressuscitou ficou vazio e é mostrado até hoje para os que peregrinam na Terra Santa. Uma antiga tradição tornou-o bispo e mártir de Chipre, palavras que se encontram seu segundo túmulo. Seu corpo foi transportado depois para Constantinopla.

 

 

Natal, tempo de graça e reconciliação

Dom Benedito Gonçalves dos Santos

 

Deus, em seu infinito projeto de amor, tudo fez e tudo faz para a salvação da Humanidade. Tendo nos feito à sua imagem e semelhança, pediu ao primeiro casal – Adão e Eva – uma prova de obediência e de amor, mas o mesmo dando ouvido ao tentador, não foi fiel a aliança com o Criador, permitiu que o pecado e a morte entrassem no coração. Assim, teve que deixar o paraíso preparado pelo Criador, criando um grande abismo entre o céu e a terra, separando-se de Deus, fonte da vida e da graça.

 

Mas, Deus que é rico em misericórdia e perdão, não abandona a humanidade pecadora, tudo faz para que ela se converta e reconcilie-se com a vida, e assim tenha o céu no coração. Buscando a reconciliação do gênero humano, Deus sela diversas alianças através de Noé, de Abraão e com o povo de Israel, alianças estas quebradas e renovadas ao longo da história da salvação. Uma vez que a fragilidade humana faz cair por terra toda iniciativa divina de salvação.

 

A reconciliação do gênero humano é um projeto que parece jamais chegará ao fim, uma eterna novela. Mas Deus que é louco de amor pela humanidade e desejando sua reconciliação, sua volta ao paraíso, suscita profetas no meio do povo eleito que após longos anos revela seu projeto de amor, projeto este não correspondido em plenitude. Então, Deus teve um plano genial: Ele que tudo criou e tudo pode, e desejando a salvação do gênero humano, resolve Ele próprio construir uma casa, uma habitação digna para morar no meio da família humana e selar com a mesma uma Aliança Eterna e definitiva, preservando a Virgem Maria da mancha do pecado original, com sua Santa e Imaculada concepção, ao chegar a plenitude dos tempos, contando com o Sim fecundo e incondicional de Maria Santíssima, nova Eva, e nova Arca da Aliança, abraça definitivamente a humanidade.

 

O Verbo Eterno, seu Filho Único, se encarna o seio puríssimo da Virgem Maria, assume a natureza humana para sempre. Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, com o sim da Virgem Maria entra na nossa história e abraça a humanidade em tudo, menos o pecado. Torna-se o sumo pontífice, a ponte arquitetada e construída pelo próprio Deus, desfazendo para sempre o abismo criado pela desobediência do primeiro casal, reconstruindo para sempre o caminho que reconduz ao paraíso, caminho este que devemos trilhar para retornar. Assim o paraíso, outrora perdido, hoje encontra-se ao nosso alcance, basta que cada um, a exemplo da Virgem Maria, torne-se servo de Deus e com um sim fecundo e incondicional, saiba também acolher a palavra divina, deixando a mesma encarnar-se em seu coração. Se assim fizermos, acolheremos a vida plena e teremos paz e alegria que o mundo não pode dar nem roubar e a exemplo de Belém viveremos um eterno Natal, seremos Luz para a Humanidade e manifestaremos a Glória Divina. Que todos os nossos projetos pastorais ao longo do novo ano sejam um eterno Sim a Vontade Divina, e possamos revelar o rosto misericordioso de Deus e a sua bondade, a todo gênero Humano.

 

Feliz Natal! Abençoado Ano Novo! [Fonte: CNBB]

 

Deus é amor. Ele os ama. Amem aos outros como Ele os ama. Deus os abençoe. (Teresa de Calcutá)