Sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

V Semana do Tempo Comum - Ano “C” (Ímpar) - 1ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Verde

 

Santos do Dia: Antonio Kauleas (bispo, Patriarca de Constantinopla), Bento Revelli (monge, bispo de Albenga), Damião (mártir de Alexandria), Etelvaldo de Lindisfarne (monge, bispo), Eulália de Barcelona (virgem, mártir), Gaudêncio de Verona (bispo), Goscelino de Turim (abade), Marina (virgem), Melécio de Antioquia (bispo), Modesto (diácono, mártir), Modesto e Amônio (mártires de Alexandria), Modesto e Juliano (o primeiro, mártir de Cartago; o segundo, de Alexandria), Umbelina (abadessa, irmã de São Bernardo), Antônio de Saxônia e Companheiros (franciscanos, mártires, bem-aventurados), Nicolau Saggio (da Ordem dos Mínimos, bem-aventurado), Reginaldo de Orleáns (religioso, bem-aventurado), Tiago Fenn e Companheiros (mártires de Tyburn, Inglaterra, bem-aventurados).

 

Antífona: Entrai, inclinai-vos e prostrai-vos: adoremos o Senhor que nos criou, pois ele é nosso Deus. (Sl 94, 6-7)

 

Oração: Velai, ó Deus, sobre a vossa família com incansável amor; e, como só confiamos na vossa graça, guardai-nos sob a vossa proteção. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: I Reis (1 Rs 11, 29-32; 12,19)

Deus permanecerá fiel ao povo

 

29Aconteceu, naquele tempo, que, tendo Jeroboão saído de Jerusalém, veio ao seu encontro o profeta Aías, de Silo, coberto com um manto novo. Os dois achavam-se sós no campo.

 

30Aías, tomando o manto novo que vestia, rasgou-o em doze pedaços 31e disse a Jeroboão: "Toma para ti dez pedaços. Pois assim fala o Senhor, Deus de Israel: Eis que vou arrancar o reino das mãos de Salomão e te darei dez tribos. 32Mas ele ficará com uma tribo, por consideração para com meu servo Davi e para com Jerusalém, cidade que escolhi dentre todas as tribos de Israel". 12,19Israel rebelou-se contra a casa de Davi até ao dia de hoje. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Israel rebelou-se contra a casa de Davi

 

A infidelidade provoca o cisma no povo de Deus. A unidade, pouco depois de criada e consolidada, desaparece, e tem início uma longa história de desventuras, embora Deus permaneça fiel e venha a realizar de qualquer modo seu desígnio através dos restos, ainda que muito frágeis, da casa de Davi. Exatamente no momento em que se esvaem as esperanças repostas na unidade do povo, e com elas um dos sinais da aliança, ainda restam elementos suficientes, em Jerusalém e na descendência davídica, para que Deus possa permanecer fiel, apesar da morte e do aparente fracasso daquilo que se acreditava ser sua iniciativa.... até que um dia um descendente de Judá e de Davi possa empreender com êxito a unificação do povo e de todas as nações. E hoje? Quantos cismas e desuniões, apesar da vinda de Cristo! A tensão no sentido de uma comunhão eclesial, da unidade com os irmãos separados, da paz e da união entre todos os homens, são características mediante as quais se mede nossa fidelidade a Cristo. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 80(81), 10-11ab.12-13.14-15

Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus! (cf. 11a e 9a)

 

Em teu meio não exista um deus estranho nem adores a um deus desconhecido! Porque eu sou o teu Deus e teu Senhor, que da terra do Egito te arranquei.

 

Mas meu povo não ouviu a minha voz, Israel não quis saber de obedecer-me. Deixei, então, que eles seguissem seus caprichos, abandonei-os ao seu duro coração.

 

Quem me dera que meu povo me escutasse! Que Israel andasse sempre em meus caminhos! Seus inimigos, sem demora, humilharia e voltaria minha mão contra o opressor.

 

Evangelho do dia: Marcos (Mc 7, 31-37)

Cura de um surdo-gago
 

Naquele tempo, 31Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galiléia, atravessando a região da Decápole. 32Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. 34Olhando para o céu, suspirou e disse: "Efatá!", que quer dizer: "Abre-te!" 35Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.

 

36Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37Muito impressionados, diziam: "Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar". Palavra da Salvação!

 

 

 

Comentário o Evangelho

Ele fez tudo bem

 

Jesus "fazia bem todas as coisas". Isto revela o empenho que colocava no exercício de sua missão. Ele não fazia as coisas pela metade, não concedia benefícios parcelados e condicionados, nem se contentava com ações malfeitas. Pelo contrário, seus gestos poderosos traziam a marca da plenitude.

 

No caso do surdo-mudo, a plenitude do gesto de Jesus deve ser entendida para além da cura física. O fato de abrir-lhe os ouvidos, possibilitando-lhe ouvir perfeitamente, e da libertação da mudez, de modo a poder falar sem dificuldade, já é, por si, formidável. Contudo, isto ainda seria insuficiente para que a ação de Jesus fosse declarada benfeita. Era necessário possibilitar ao surdo-mudo um "abrir-se" ainda mais radical: desfazer-lhe as outras prisões, e num nível tal de profundidade, de forma a colocá-lo em plena sintonia com Deus e com os seus semelhantes.

 

Sem esta passagem da cura física à cura espiritual, a primeira não teria muita importância. Vale a pena alguém ser curado da surdez e da mudez para levar uma vida egoísta, sem solidarizar-se com os necessitados? Tem sentido ser privilegiado com um gesto de misericórdia de Jesus, e recusar­-se a ser misericordioso com o próximo?

 

Só uma cura radical possibilitaria àquele homem ser misericordioso com os demais. E era isto que interessava a Jesus. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Pe. Jaldimir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: O surdo se comunica com gestos corporais, comprometendo o tato. O dedo transmite poder e é sinal Dele; penetra e abre o ouvido. A saliva tinha virtudes terapêuticas, mas a de Jesus era obviamente milagrosa. O auxilio invocado por Jesus vem de Deus; o gemido soa como suplica. Depois de curado o então surdo foi instruído para que nada contasse para outras pessoas. O Criador faz o bem e o Redentor, a bondade. Este é o segundo milagre feito por Jesus em terras pagãs e essa passagem só aparece no Evangelho de São Marcos, daí não estar indicadas as passagens paralelas nos evangelhos sinóticos, como de costume. Para se obter o milagre de Jesus basta a fé e uma vida reta, preparada para receber a graça do Senhor; mas isso requer uma forte contrapartida do cristão.  

 

 

Santa Eulália de Barcelona

Tempos áureos de perseguição dos cristãos, Eulália procurou o governador (Daciano) sabendo que ele estava ali para exterminar com a comunidade cristã. Era ainda uma adolescente, 14 anos de idade. Disse-lhe: "Eu sou Eulália, serva do meu Senhor Jesus Cristo. O Rei dos Reis e Senhor de todos os dominadores. Nele coloquei toda minha confiança. Dele espero conseguir a vida eterna que prometeu aos seus justos". Bastante exaltado o governador mandou prendê-la e torturá-la com ferros em brasa, e depois lançá-la em uma fogueira. Mas as chamas se apagam milagrosamente. Daciano então manda que a crucifiquem, e assim é elevada em uma cruz. Três dias após seus amigos resgataram seus restos mortais. Sua oração preferida era o Credo, uma das principais orações da Igreja, e composta pelos primeiros apóstolos e é utilizado em exorcismos. No início do Século V foi construída uma magnífica basílica em Mérida, em sua honra.

 

Existem três classes de pessoas às quais se pode dizer sempre a verdade: os

amigos, os santos e os sábios. (Pe. Héber Salvador de Lima)

 

 

 O amor é como a guerra; fácil de começar, e muito difícil de terminar. (Ninon de Lenclos)