Sexta-feira, 8 de abril de 2011

Quarta Semana da Quaresma e do Saltério (Livro II), cor litúrgica roxa

 

Hoje: Dia Mundial da Luta contra o Câncer, dia do Profissional de Marketing e dia da Natação

 

Santos: Dionísio de Coritno (bispo), Perpétuo (bispo), Válter de Pontoise (abade), Clemente de Ósimo (beato), Juliano de S. Agostinho (beato franciscano, confessor da 1ª ordem), Júlia Billiart (virgem e beata), Edésio, Máxima.

 

Antífona: Salvai-me, ó Deus, por vosso nome, libertai-me por vosso poder. Deus, ouvi a minha oração, escutai as palavras que vos digo. (Sl 53,3)

 

Oração: Ó Deus, que preparastes para nossa fraqueza os auxílios necessários à nossa renovação, dai-nos recebê-los com alegria e vê-los frutificar em nossa vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

I Leitura: Sabedoria (Sb 2, 1a.12-22)

A norma do direito seja a nossa força

 

1aDizem entre si, os ímpios, em seus falsos raciocínios: 12"Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. 13Ele declara possuir o conhecimento de Deus e chama-se 'filho de Deus'. 14Tornou-se uma censura aos nossos pensamentos e só o vê-lo nos é insuportável; 15sua vida é muito diferente da dos outros, e seus caminhos são imutáveis. 16Somos comparados por ele à moeda falsa e foge de nossos caminhos como de impurezas; proclama feliz a sorte final dos justos e gloria-se de ter a Deus por pai. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é 'filho de Deus', Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro". 21Tais são os pensamentos dos ímpios, mas enganam-se; pois a malícia os torna cegos, 22não conhecem os segredos de Deus, não esperam recompensa para a santidade e não dão valor ao prêmio reservado às vidas puras. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Vamos condená-lo à morte vergonhosa

 

Os ímpios de que fala a perícope são israelitas de Alexandria, que assimilaram uma mentalidade materialista e hedonista que os levou à apostasia. Assim se explica o escárnio contra o justo, cuja vida é para os ímpios uma censura insuportável. A mais impressionante realização destas páginas verifica-se em Cristo. Basta confrontá-las com os evangelhos, por exemplo, os versículos 13.16 com Jo 5,18; o versículo 18 com Mt 27,40-43; o versículo 13a com Jo 15,15; Mt 11,27; etc. Também na Igreja esta página tem sua atualidade. As perseguições mais ou menos cruentas e as oposições sistemáticas que ela sempre encontra (mesmo em ambientes cristãos) tem sua verdadeira explicação no fato de ela constituir uma reprovação para seus opositores, a quem resta apenas o recurso à violência, às afrontas. Pode-a mesma motivação no espírito sectário com que se combatem e criticam homens, gestos e instituições da Igreja, sob o enganoso pretexto secularização. Cristo incluiu nas bem-aventuranças dos seus seguidores também estas: "Bem-aventurados sereis quando vos ultrajarem e com mentiras disserem de vós todo o mal por minha causa" (Mt 5,11). A Eucaristia, memorial da condenação de Cristo, tem na Igreja um lugar central, também porque a paixão se renova continuamente, sob mil formas, na carne viva do corpo místico. [MISSAL COTIDIANO. ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 33 (34), 17-18.19-20.21 e 23 (R/.19a)

Do coração atribulado está perto o Senhor

 

17O Senhor volta a sua face contra os maus, para da terra apagar sua lembrança. 18Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta e de todas as angústias os liberta.

 

19Do coração atribulado ele está perto e conforta os de espírito abatido. 20Muitos males se abatem sobre os justos, mas o Senhor de todos eles os liberta.

 

21Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege, e nenhum deles haverá de se quebrar. 23Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos, e castigado não será quem nele espera.

 

 

Evangelho: João (Jo 7, 1-2.10.25-30)

Na festa das tendas

 

Naquele tempo, 1Jesus andava percorrendo a Galiléia. Evitava andar pela Judéia, porque os judeus procuravam matá-lo. 2Entretanto, aproximava-se a festa judaica das Tendas. 10Quando seus irmãos já tinham subido, então também ele subiu para a festa, não publicamente mas, sim, como que às escondidas. 25Alguns habitantes de Jerusalém disseram então: "Não é este a quem procuram matar? 26Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o messias? 27Mas este, nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde ele é". 28Em alta voz, Jesus ensinava no templo, dizendo: "Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno. A esse, não o conheceis, 29mas eu o conheço, porque venho da parte dele, e ele foi quem me enviou.” 30Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora. Palavra da Salvação!

 

Comentário do Evangelho

Só o Pai tem poder sobre Jesus

 

Os perseguidores de Jesus foram estreitando, sempre mais, o cerco a seu redor, com o intento de matá-lo. O Filho de Deus, porém, não ficou abalado, nem mudou seu programa de ação, temendo represálias. Sua ousadia brotava da segurança com que buscava ser fiel ao querer do Pai.


Embora ameaçado de morte, Jesus pregou abertamente em Jerusalém, defendendo sua condição de enviado e sua missão. Seus inimigos, nem de longe se davam conta da origem divina do Mestre. Por causa de seus preconceitos, detinham-se apenas na aparência humana de Jesus. Entretanto, além de ser realmente homem, ele era o enviado de junto do Pai, com a missão precisa de trazer salvação à humanidade.


Os adversários de Jesus só esperavam o momento propício para concretizar seu intento de matá-lo. Não conseguiam, contudo, pôr em prática seu desígnio maligno, porque a hora de Jesus ainda não havia chegado. Só o Pai tinha poder sobre o Filho. Por conseguinte, a vida de Jesus se consumaria na hora determinada por ele. A cruz dependia do plano de Deus para Jesus. As tramas dos inimigos não tinham nenhuma importância, pois a vida de Jesus seguia um projeto sobre o qual eles não tinham o poder de influir. Nada aconteceria com Jesus, sem o consentimento do Pai. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A,  ©Paulinas, 1997]

 

Preces dos Fiéis (Deus Conosco Dia a Dia)

Em nossas preces, imploremos confiantes ao Pai, que nos salvou por seu Filho Jesus Cristo e Salvador nosso.

-Para que o Senhor conduza a Igreja inteira, e assim todos possamos celebrar a Páscoa eterna junto dele, roguemos. Senhor, abençoai e conduzi vossa Igreja!

-Por todas as Comunidades cristãs para que se unam com muita disposição e alegria, roguemos ao bom Deus.

-Pelos desempregados, crianças e jovens abandonados nas ruas e praças, para que encontrem uma mão que os ajude, roguemos ao bom Deus.

-Para que jamais vacilemos em nossa fé, roguemos ao bom Deus.

-(Intenções próprias da comunidade)

 

Oração sobre as Oferendas:

Ó Deus onipotente, que este sacrifício, santificando-nos pelo seu poder, leve-nos, cada vez mais puros, àquele que é a sua fonte. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Temos a redenção em Cristo pelo seu sangue e, pela riqueza de sua graça, o perdão dos pecados. (Ef 1,7)

 

Oração Depois da Comunhão:

Senhor Deus, tendo já passado da antiga para a nova criação, despojemo-nos agora do homem velho, renovando-nos para a santidade do homem novo. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Santa Julia Billiart e São Gastão

 

Santa Júlia Billiart: Santa Júlia, fundadora das Irmãs de Notre Dame e fundadora de escolas para crianças pobres fez sua missão na Bélgica, a qual passou a ter um inesperada repercussão. Por essa razão, mesmo paralítica aos 22 anos, viu-se obrigada a fugir em uma carroça e a esconder-se sob palhas para não ser morta pelos seus perseguidores. Apesar de injustamente perseguida, apenas comentava com grande admiração sobre a bondade de Deus. Partiu para a eternidade em 1816.

 

São Gastão: De família nobre, ainda jovem foi para Lorena na finalidade de levar uma vida virtuosa e retirada. O bispo de Toul sagrou-o sacerdote, alegando que o clero se encontrava muito escasso de sacerdotes. O bispo, certamente por inspiração divina ordenou-o sacerdote sem que ele tivesse noção do cristianismo! Desejando conhecer ao menos as noções básicas pediu um catequista indicada pelo bispo de Toul, que o instruísse no caminho para Reims. Para confirmar sua missão sacerdotal, Deus permitiu que restituísse a vista de um cego que encontrara pelo caminho, o que sabendo o rei sobre tal episódio se converteu. Em Reims são Gastão foi batizado. Entregou-se a instrução dos fiéis e assistência aos pobres e em pouco tempo foi consagrado bispo de Arras e ocupou tal cargo durante quarenta anos. Apesar da conversão do rei Clovis o qual passara a lhe ser grande amigo, acontecia ainda muitas festas pagãs, principalmente quando a coroa foi passada para o Clotário. Certa vez convidaram são Gastão para uma dessas festas, propositadamente: para observar possivelmente sua indignação. Aceitando o convite, dirigiu-se à sala onde copos cheios de cerveja se encontravam sobre a mesa preparada. Antes de assentar-se, abençoou e ao sinal da Cruz todos os copos se espatifaram, derramando toda a cerveja sobre a mesa. Perceberam então o quanto eram condenados em seus desregramentos. Porém quantos continuavam no estado de embrutecimento e miséria espiritual obstante esses santos que levavam a sã doutrina em meio a milagres. Numa noite de fevereiro, muito fria, uma nuvem espessa e luminosa foi vista sobre sua residência, ou seja, o chamado palácio episcopal. Tratava-se justamente do momento da partida de são Gastão. Aos que se encontravam á sua volta e ao clero, recomendou as virtudes teologais, ou seja, fé, a esperança e, sobretudo a caridade e depois adormeceu em paz no Senhor, a 6 de fevereiro de 540.

 

 

Preparando a Páscoa

Dom Benedicto de Ulhoa Vieira, Arcebispo Emérito de Uberaba - MG

 

Estamos perto da grande solenidade da Páscoa, quando, com a Igreja, comemoramos a vitória de Cristo sobre a morte. O anúncio foi dado pelos Anjos aos que chegavam ao sepulcro para verem o corpo do Senhor e homenagearem o morto: “Não está aqui. Ressuscitou.”

 

Não demorou a soar nos ouvidos de todos a alvissareira notícia das primeiras aparições do Senhor que fora morto no suplício da cruz, dois dias antes, agora de novo estava vivo. A Igreja que, na sua liturgia se cobrira de tristeza e de luto pela crucifixão do Senhor, agora vai revestir-se de branco e de luzes ao proclamar: Jesus venceu a morte. Está vivo e resplendente. Nós o vimos e ouvimos a sua palavra.

 

De fato, Jesus vivo e triunfante apareceu aos apóstolos duas vezes. A primeira foi à tarde do próprio dia da ressurreição, quando Tomé não estava com o grupo dos onze. Na segunda vez o Senhor deu à sua Igreja o misericordioso dom do perdão dos pecados: “A quem perdoardes os pecados, serão por certo perdoados.”

 

Nesta ocasião da festa da Páscoa, o Senhor tendo dado à sua Igreja este inefável presente de poder perdoar, deve-se recordar que a confissão dos pecados nada tem de humilhante que nos possa deprimir e rebaixar. É sim a festa do perdão, que não deprime nem humilha. É a volta para os braços paternais de Deus. É por forças da morte e ressurreição de Cristo que o pecador se reconcilia com Deus, perdoado das suas fraquezas, e enriquecido da graça e da paz. O perdão divino traz alegria e a serenidade de viver perto de Deus, como filho e herdeiro.

 

A vida do homem de fé deve ser sempre uma busca de valores absolutos e uma fuga corajosa do mal e da mediocridade. Agora este é um momento oportuno da preparação para a próxima festa da Páscoa, que é vida e paz. Este período de cinquenta dias que nos traz as alegrias da Ressurreição deve levar-nos a uma vivência dos valores do Evangelho e colocar-nos bem perto do coração de nosso Deus. Então, ao celebrar a festa da Páscoa, cantaremos os aleluias da ressurreição, isto é, a alegria de vivermos mais perto de Deus, ouvindo os cantos dos anjos antecipadamente como se já estivéssemos na luz da eternidade. Preparemo-nos. Páscoa é vida!

 

Dia Mundial da Luta contra o Câncer

Câncer ou neoplasia é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças caracterizadas pelo crescimento descontrolado de células anormais. Elas invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se para outras regiões do corpo (quando ocorrem as metástases).

 

O comportamento das células cancerosas pode ser explicado por mutações genéticas ou secreção anormal de hormônios ou enzimas.

 

Essas células tendem a ser muito agressivas, formando os tumores (ou acúmulo de células cancerosas) que podem ser benignos ou malignos.

 

Geralmente, o câncer começa no órgão onde as células anormais iniciam o ataque. Se for diagnosticado, pode ser curado com cirurgia ou radioterapia. E quanto mais cedo for feito o diagnóstico, maiores são as chances de cura.

 

Hoje já se sabe que são raros os casos de câncer relacionados exclusivamente a fatores hereditários. No entanto, pode-se dizer que é forte a influência de fatores externos, como o meio ambiente ou hábitos e costumes presentes em nosso dia-a-dia. Essa pode ser uma boa notícia, pois assim fica mais fácil evitar esse problema. Sem causar grandes transtornos em nossa rotina ou deixar de lado aquilo que gostamos de fazer ou comer, é possível reduzir os riscos de adoecer.

 

Primeiro, é bom deixar claro que os fatores ambientais são responsáveis por 80% a 90% dos casos de câncer. Só para dar alguns exemplos: o cigarro pode causar câncer de pulmão, a exposição excessiva ao sol pode causar câncer de pele e alguns vírus podem causar leucemia. E ainda, alguns estudos revelaram que certos alimentos também são fatores de risco. Então, pensar nos alimentos que ingerimos diariamente é um passo importante para sairmos vitoriosos nessa luta.

 

Alguns tumores malignos têm cura e outros não, vai depender basicamente do tipo de câncer e do estágio em que se encontra. As possibilidades de cura estão diretamente relacionadas com tempo em que tumor é detectado no paciente. Quanto mais cedo, mais chances de o tratamento dar certo. Se o diagnóstico for tardio, o índice de cura diminui e complicações podem aparecer mesmo depois de tratado.

 

O câncer é a doença crônica mais curável nos dias de hoje. Nos países desenvolvidos, cerca de 50% dos casos foram tratados. Já no Brasil, estima-se que este número seja menor, principalmente pelo fato de que os diagnósticos não são feitos precocemente.  [IBGEteen]

 

Nunca aprisiones teus dons! Em algum lugar alguém tem fome e sede do teu saber. (Beth Guedes)

 

Aconteceu no dia 8 de abril de 1973:  O falecimento de Pablo Picasso, pintor espanhol (n. 1881)