Sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Nossa Senhora do Rosário. Ofício de Memória, Ofício de Memória, 3ª do Saltério, cor Branca

 

 

Hoje: Dia do Compositor

 

Santos do Dia: Nossa Senhora do Rosário (proclamada bem-aventurada por todas as gerações), Helano, Osita, Mateus de Mântua.

 

Antífona: Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre. (Lc 1, 28,42)

 

Oração: Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo, pela mensagem do Anjo, a encarnação do Cristo, vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição pela intercessão da Virgem Maria. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Atos dos Apóstolos (At 1, 12-14)
Maria esteve sempre presente na vida de Jesus Cristo

 

Depois que Jesus subiu ao céu, 12os apóstolos voltaram para Jerusalém, vindo do monte das Oliveiras, que fica perto de Jerusalém, a mais ou menos um quilômetro. 13Entraram na cidade e subiram para a sala de cima, onde costumavam ficar. Eram Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tia­go, filho de Alfeu, Simão o Zelota e Judas, filho de Tiago. 14Todos eles perseveravam na oração em comum, junto com algumas mulheres, entre as quais Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos de Jesus. Palavra do Senhor!

 

 

Comentário

Origem e crescimento da Igreja em Jerusalém

 

Os nomes dos 11 apóstolos que restaram depois da traição de Judas estão em uma ordem diferente da encontrada em Lc 6, 14-16. A lista do Evangelho parece seguir a ordem da lista como Lucas a recebeu. Entretanto, os Atos arrumam a lista por ordem de importância. Citam Pedro em primeiro lugar, depois João (seu “par” em At 3-5), em seguida Tiago e, em quarto lugar, André. Lc 6, 14 trazia “Pedro, André, Tiago, João”.

 

Havia pelo menos três homens importantes chamados Tiago. O irmão de João, um dos Doze, estava com Jesus na transfiguração e na agonia no jardim  e foi morto em At 12,2. É conhecido também como “Tiago, o Grande”. O filho de Alfeu também fazia parte dos Doze. A tradição o chama de “Tiago, o Menor”. E há o irmão ou parente de Jesus que se tornara líder da Igreja de Jerusalém (cf. At 12, 17; 15;21)

 

Pouco se conhece sobre a maioria dos Doze, além das listas com seus nomes. Muitos não aparecem fora como personalidades individuais do que como membro dos Doze. Jesus prometeu que as 12 tribos de Israel seriam restauradas e os Doze as julgariam no Reino de Deus (Lc 22, 29-30). Para haver 12 juizes, Judas teria de ser substituído. At 1, 15-26 mostra que todos os 12 estão no seu lugar em Pentecostes, quando o Espírito Santo lhes deu poder para ser os novos líderes do povo de Deus em nome de Jesus. [MISSAL COTIDIANO ©Paulus, 1997]

 

 

 

Cântico de Maria (Magnificat): Lc 1, 46-47.48-49.50-51.52-53.54-55 (R/.49)

Bendita sejais, ó virgem Maria, trouxestes no ventre a palavra eterna!

 

A minha alma engrandece ao Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu salvador.

 

Pois, ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome!

 

Seu amor, de geração em geração, chega a todos que o, respeitam. Demonstrou o poder de 'seu braço, dispersou os orgulhosos.

Derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos.

 

Acolheu Israel, seu servidor, fiel a seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

 

 

 

O Cântico de Maria, ou Magnificat, inspira-se no Antigo Testamento, em especial no Cântico de Ana (1Sm 2, 1-10), um salmo de ação de graças. Este hino canta a gratidão e a exultação da mãe de Jesus e de todo o povo de Deus pelo cumprimento das Promessas.

 

 

 

Evangelho: Lucas (Lc 1, 26-38)

Anúncio do nascimento de Jesus

 

Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: "Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!" 29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: "Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim".

 

34Maria perguntou ao anjo: "Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?" 35O anjo respondeu: "O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que nascer de ti, será chamado santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível". 38Maria, então, disse.' "Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!" E o anjo retirou-se. Palavra da Salvação!

 

 

Leitura paralela: Mt 1, 18-25: Origem divina do Messias.

18A origem de Jesus Cristo, porém, foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José. Mas antes de morarem juntos, ficou grávida do Espírito Santo. 19José, seu marido, sendo homem justo e não querendo denunciá-la, resolveu abandoná-la em segredo. 20Mas enquanto assim pensava, eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonho e disse: “José filho de Davi não tenhas medo de receber Maria, tua esposa, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. 21 Ela dará à luz um filho, e tu lhe porás o nome de Jesus. É ele que salvará o povo de seus pecados”. 22Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que o Senhor falou pelo profeta: 23Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamarão com o nome de Emanuel1,  que significa: Deus conosco. 24Quando acordou, José fez como o anjo do Senhor lhe tinha mandado e aceitou sua mulher. 25E não teve relações com ela até que ela deu à luz um filho, a quem ele pôs o nome de Jesus.

 

 

Comentário o Evangelho

Eis a serva do Senhor

Maria ocupou um lugar de destaque no advento da salvação, aceitando acolher a proposta de Deus de assumir a maternidade do Messias Jesus. A escolha de Maria não se explica, no plano humano. Era uma jovem, já prometida em casamento a um descendente da casa de Davi. Não pertencia a nenhuma família nobre e rica, e habitava numa cidade escondida e mal-afamada. Não passava por sua mente ligar-se, de algum modo, ao Messias. Humanamente falando, ela não possuía os requisitos necessários para ser mãe do Salvador.


O diálogo de Maria com o anjo revelou a imagem que ela fazia de si mesma, bem como o que Deus pensava a respeito dela. Da parte de Deus, era considerada repleta de graça, amada por ele, bendita entre todas as mulheres. Em outras palavras, possuidora dos requisitos necessários para ser colaboradora de seu plano de salvação. Este requeria alguém totalmente disponível para Deus, despojado de si mesmo e dos próprios interesses, e disposto a assumir uma missão superior a tudo que se possa imaginar. Maria, por sua vez, tinha consciência de suas limitações. Não podia imaginar que Deus a tivesse em tão alta conta. Não conseguia conciliar a concepção do Messias com o fato de não ter conhecido homem algum. Estava longe de compreender o que significa conceber por obra do Espírito Santo. Contudo, como se sabia serva, não receou aceitar cegamente o projeto de Deus. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano B, ©Paulinas, 1996]

 

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

Para que sejamos, a exemplo de Maria, confiantes nas promessas divinas, rezemos. Por intermédio de Maria, ouvi-nos, Senhor.

Para que a oração e a generosidade sejam nosso sustento na caminhada rumo a Deus, rezemos.

Para que saibamos discernir o que é realmente bom para vossa vida, rezemos.

Para que a reza do terço seja sempre parte da vida de nossas famílias, rezemos.

Para que as crianças vindas ao mundo sejam acolhidas e lhes seja proporcionada uma vida digna, rezemos.

(outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Fazei, ó Deus, que a nossa vida corresponda às nossas oferendas e dai-nos contemplar de tal modo os mistérios do vosso Filho, que mereçamos alcançar as suas promessas. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

O anjo disse a Maria: Vais conceber e dar à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus! (Lc 1, 31)

 

Oração Depois da Comunhão:

Senhor nosso Deus, anunciamos neste sacramento a morte e a ressurreição do vosso Filho, pedindo-vos que nos associeis às suas dores, para merecermos participar também das suas alegrias e glórias. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: Gabriel anuncia os acontecimentos finais. A Galiléia era zona limítrofe, longe de Jerusalém; Nazaré, um lugar sem importância, perto da importante cidade de Séforis. Maria estava “prometida”, com o vínculo legal dos esponsais, mas sem ter celebrado ainda o casamento, começo da coabitação. José era descendente de Davi, de nobreza decadente; mais tarde Lucas nos dará a árvore genealógica.  A saudação corrente grega soa com os acordes de uma rica tradição bíblica, em contextos de renovação ou restauração. Atribui-se a figura emblemática, não a uma pessoa em particular. O Senhor está contigo; “Deus conosco” é o nome do anunciado em Is 7, 14-15 e é expressão própria de momentos importantes. Agora o anunciado se chamará Jesus (o Senhor que salva), equivalente a Josué e Isaías. É o descendente de Davi, herdeiro legítimo do trono; levará o título de Filho do Altíssimo. (Bíblia do Peregrino)

 

 

Nossa Senhora do Rosário

 

No dia 07 de outubro é comemorada a festa de Nossa Senhora do Rosário.  Esta devoção teve origem na Idade Média (1571), após a vitória do exército católico sobre o turco, em uma batalha, a qual foi atribuída a intervenção de Nossa Senhora, invocada pela oração do rosário.

 

A oração do rosário, que simboliza uma coroa de rosas que teria sido entregue a Nossa Senhora, é uma das mais antigas da tradição católica.  Diz-se que remonta aos anacoretas orientais que utilizavam pequenas pedrinhas para marcar sua oração vocal.  Foram os padres dominicanos os grandes responsáveis por sua difusão, pois, segundo uma lenda, conta-se que Nossa Senhora teria aparecido a São Domingos, recomendando-lhe a recitação do rosário pela salvação do mundo.

 

Foi o papa Pio V, dominicano, que animou essa prática, que rapidamente difundiu-se entre os católicos.  É comum atribuir o pedido de Nossa Senhora para que se reze o rosário, em suas aparições de Fátima e Lourdes.  E, quem poderia negar um pedido carinhoso de mãe?

 

A tradição católica remete a oração do rosário (ou do terço) ao pedido especial que o orante faz a Nossa Senhora para que interceda firmemente pela salvação da humanidade.  Que a festa de Nossa Senhora do Rosário anime em nossos corações o desejo de dedicarmo-nos mais a esta oração, percorrendo junto com Maria os mistérios da vida de Jesus Cristo.

 

Oração a Nossa Senhora do Rosário

 

Nossa Senhora do Rosário, daí a todos os cristãos a graça de compreender a grandiosidade da devoção do santo rosário, no qual, à recitação da Ave Maria, se junta a profunda meditação dos santos mistérios da vida, morte e ressurreição de Jesus, vosso Filho e nosso Redentor.

 

São Domingos, apóstolo do rosário, acompanhai-nos com Maria na recitação do terço, para que, por meio dessa devoção cheguemo-nos ao mistério amoroso de Jesus, e Nossa Senhora do Rosário nos leve à vitória em todas as lutas da vida; por seu Filho, Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.

 

Ética: conveniência ou necessidade?

Dom Murilo S.R. Krieger, scj, Arcebispo de São Salvador da Bahia

 

Se fôssemos repórteres de televisão e saíssemos pelas ruas de Salvador perguntando a cada pessoa que encontrássemos: “Segundo o seu parecer, qual o maior problema de nossa sociedade, hoje?”, o que ouviríamos? Muitos responderiam: O maior problema é a insegurança em que vivemos; outros diriam: a falta de assistência à saúde; o desemprego; a fome; as doenças etc. É possível que alguns iriam mais longe e responderiam: Nosso grande desafio é a falta de ética em nossa sociedade.

 

Mas, o que é ética? Muitos podem não saber dar as definições desse termo; têm, no entanto, comportamentos éticos, exigências éticas e, particularmente, sofrem – e muito! – com a falta de ética ao seu redor.

 

A palavra “ética”, de origem grega, refere-se aos costumes da sociedade. Os gregos se perguntavam: O que é bom para o povo? Acreditavam que as leis e as instituições poderiam mostrar o que é “bom”. Não demoraram muito a descobrir, porém, que esse “bom” não é sempre o mesmo para todos, em todos os lugares, e que certos valores mudam com o tempo. Mais tarde, chegaram à conclusão de que deveria haver normas de comportamento com valor permanente, que não mudariam com o tempo e lugar. Foi um grande avanço em suas reflexões.

 

Ética é a teoria ou a ciência do comportamento humano na sociedade. Responde a perguntas como: O que é bem? O que é mal? O que é válido? Qual deve ser o comportamento de cada pessoa nessa ou naquela situação? Um comportamento é ético quando tem por princípio a realização de todos, e não de apenas um grupo ou de uma minoria. No campo cristão, fala-se em moral, em moralidade. É o comportamento regulado pela Revelação – isto é, pela Palavra de Deus e, de modo especial, pelo Evangelho. Síntese dá ética bíblica são os 10 Mandamentos. Se todos, na sociedade, os observassem, saberíamos o que significa uma sociedade fraterna, pacífica e solidária.

 

Todos sentem que, de alguns anos para cá, os costumes da sociedade mudaram muito. Está havendo um novo modo de pensar, de agir e viver, fora dos princípios éticos até há pouco tempo respeitados e aceitos. É o que se chama de “crise ética”. Pior ainda é a crise da Ética, isto é, a tendência a se considerar como “natural” essa nova situação, como se não houvesse normas para reger os atos humanos, tanto particulares como públicos.

 

A crise atual está gerando duas atitudes predominantes, ambas criticáveis: de um lado, o apego ao que é tradicional, por ser tradicional, gerando o fundamentalismo. A outra atitude, mais difundida, é marcada pelo individualismo – tendência estimulada pela dinâmica da sociedade atual, que faz com que cada pessoa se coloque no centro das decisões. Cada um faz suas escolhas como se estivesse num supermercado – isto é, o critério fundamental passa a ser o gosto pessoal, na linha do “bom é o que eu gosto”. As decisões deixam de ser tomadas, pois, em função de valores objetivos ou universais; predomina o: “Eu acho que...”, “Eu penso que...”, “Eu prefiro...”. Desaparece a comunhão e a fraternidade; multiplicam-se “ilhas”, pois cada qual se fecha em seu mundo. Surgem pessoas inseguras e inconstantes, insatisfeitas e egocêntricas.

 

Por outro lado, cresce a consciência de que é preciso tomar uma posição clara diante de certos comportamentos ou atitudes – por exemplo: diante daqueles que, ocupando um cargo de responsabilidade, guiam-se em função de seus próprios interesses, são pouco transparentes no agir, envolvem-se em corrupção ou abuso de poder; ou de legisladores, que aprovam leis que terão repercussões negativas sobre a família, a vida do nascituro ou do doente terminal, a natureza etc.; de economistas, que aceitam como normal que a economia gere vantagens para poucos e sofrimento para a maioria etc.

 

Entende-se, pois, qual o papel da política e do político: cabe-lhes aprovar leis que regulamentem nossa convivência humana, levem em conta o bem de todos e defendam os mais desprotegidos. Se isso não acontecer, prevalecerão a violência e a injustiça – sinais evidentes do fracasso de uma sociedade, no plano ético. [CNBB]

 

 

Não há duas maneiras boas de servir a Deus. Há apenas uma: servi-lo

como Ele quer ser servido. (São João Maria Vianney)