Sexta-feira, 2 de julho de 2010

Décima Terceira Semana do Tempo Comum, 1ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Verde

 

Hoje: Dia do Bombeiro

 

Santos: Cecílio (248, mártir), Pergentino e Laurentino (251, mártires), Luciliano (273, mártir), Clotilde (545, viúva), Carlos Lwanga (1886, padroeiro celeste da juventude africana, mártir) e companheiros, Olívia, Lifardo e Urbício (Séc. VI, abade), Quevino (618, abade de Glendaloough), Genésio (660, bispo de Clermont),  Isaac (852, mártir, monge em Córdova), Davino (cristão armênio), Morando (1115, monge beneditino de Cluny, de origem germânica), André de Spello (1254, beato), João "Pecador" (1600), Mkasa (mártir de Uganda)

 

Antífona: Povos todos, aplaudi e aclamai a Deus com brados de alegria (Sl 46,2).

 

Oração: Ó Deus, pela vossa graça, nos fizestes filhos da luz. Concedei que não sejamos envolvidos pelas trevas do erro, mas brilhe em nossas vidas a luz da vossa verdade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Profecia de Amós (Am 8, 4-6.9-12) 

Os homens vaguearão em busca da palavra do Senhor

 

4Ouvi isto, vós que maltratais os humildes e causais a prostração dos pobres da terra; 5vós que andais dizendo: "Quando passará a lua nova, para vendermos bem a mercadoria? E o sábado, para darmos pronta saída ao trigo, para diminuir medidas, aumentar pesos, e adulterar balanças, 6e dominar os pobres com dinheiro e os humildes com um par de sandálias, e para pôr à venda o refugo do trigo?”

 

9Acontecerá que naquele dia, diz o Senhor Deus, farei com que o sol se ponha ao meio-dia e em pleno dia escureça a terra; 10mudarei em luto vossas festas e em pranto todos os vossos cânticos; farei vestir saco a todas as cinturas e tomarei calvas todas as cabeças, o país porá luto, como por um filho único, e o final desse dia terminará em amargura.

 

11Eis que virão dias, diz o Senhor, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir a palavra do Senhor. 12Os homens vaguearão de um mar a outro mar, circulando do norte para o oriente, em busca da palavra do Senhor, mas não a encontrarão. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a 1ª Leitura

Enviarei fome sobre a terra; não fome de

pão, mas de ouvir a palavra do Senhor

 

Deus, que protege os pobres e oprimidos, ameaça retirar-se de uma sociedade que provoca sua cólera maltratando-os e oprimindo-os. Hoje, não se apela a Deus para fazer pagar os aproveitadores. Os fenômenos econômicos, os altos e baixos, as conjunturas tornam precários os lucros. Apesar de tudo, porém, as nações ricas sempre se enriquecem mais e as pobres ficam cada vez mais pobres. Não só, mas exatamente as nações ricas usam as pobres de muitos modos. Entretanto, Deus odeia esse egoísmo coletivo, tanto quanto o individual. Ele faz causa comum com os pobres e oprimidos. A oração destes vai direto a ele. Não é por acaso que se dão certos desabamentos humanamente imprevisíveis, insuspeitáveis. Mas atenção! Isso não atinge somente os "poderosos", os "grandes", porém a todos. Ninguém pode explorar impunemente um irmão e acreditar ser fiel a Deus. [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 118 (119), 2.10.20.30.40.131 (R/.Mt 4,4) 
O homem não vive somente de pão, mas

de toda palavra da boca de Deus

 

Feliz o homem que observa seus preceitos, e de todo o coração procura a Deus!

De todo o coração eu vos procuro, não deixeis que eu abandone a vossa lei!

 

Minha alma se consome o tempo todo em desejar as vossas justas decisões.

 

Escolhi seguir a trilha da verdade, diante de mim eu coloquei vossos preceitos.

 

Como anseio pelos vossos mandamentos! Dai-me a vida, ó Senhor, porque sois justo!

 

Abro a boca e aspiro largamente, pois estou ávido de vossos mandamentos.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 9, 9-13)
Ele não veio para chamar os justos, mas os pecadores

 

Naquele tempo, 9Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: "Segue-me!" Ele se levantou e seguiu a Jesus. 10Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos.

 

11Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: "Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?" 12Jesus ouviu a pergunta e respondeu: "Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. 13Aprendei, pois, o que significa: 'Quero misericórdia e não sacrifício'. De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores". Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mc 2, 13-17; ; Lc 5, 27-32

 

 

Comentando o Evangelho

Uma refeição suspeita

 

Os adversários de Jesus queriam submetê-lo a seus esquemas preconceituosos. Por isso, criticavam, impiedosamente, sua ação. Qualquer gesto ou palavra do Mestre era sempre motivo de comentários maledicentes, deturpando-lhe o verdadeiro sentido.


A refeição com os cobradores de impostos e pecadores, vindos em grande número à casa de Mateus para almoçar com Jesus, foi colocada sob suspeita. Os inimigos de Jesus não podiam entender como um rabi, que se prezava, pudesse misturar-se com aquela gentalha, digna apenas de desprezo. Segundo eles, o Mestre estava se rebaixando demais e, com isso, perdendo o prestígio.


O pensamento de Jesus seguia na direção oposta. O Pai lhe confiara a missão de levar a salvação até os pecadores. O caminho escolhido por Cristo foi o da proximidade e da solidariedade. Sua ação era contrária à dos fariseus, levados sempre a marginalizar toda sorte de pecadores.


Jesus, de forma alguma, tornava-se impuro na convivência com os pecadores. Antes, estes ficavam purificados de seus pecados, aproximando-se do Mestre. Isto não quer dizer que ele aprovasse a maneira de viver dos pecadores. Pelo contrário, sua presença revelava-lhes a malícia do coração dos pecadores, exigindo deles a conversão. Portanto, naquela refeição, alvo de tantas críticas, Jesus estava tão-somente cumprindo a tarefa recebida do Pai. [Evangelho Nosso de Cada Dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: Jesus não só perdoa pecados, mas transforma de pecador (cobrador de impostos) para um dos seus discípulos, com apenas a expressão: “segue-me”. Os evangelistas Marcos e Lucas chamam Mateus de “Levi, filho de Alfeu”. Pouco a Bíblia fala sobre São Mateus. Já os rabinos proibiam o contato dos judeus, como Jesus, aos impuros, como os cobradores de impostos, por exemplo. Os fariseus se sentem guardiães da separação que garante a pureza e com ela a santidade ou consagração do povo; entre as separações, a mais importante é entre “justos e pecadores”. Jesus é um bom pescador de seguidores. Sinta-se você também alcançado pelo convite: siga-O, sem hesitação, mas fuja das ideias farisaicas dos irmãos que querem tirar você do caminho do amor de Jesus que só pensa na sua paz e no seu bem! Se você estava doente, sinta-se curado pelo Doutor dos doutores, através da Sua reconciliação!

 

 

 

São Bernardino Realino

 

 

De nobre família, doutorou-se em Direito e iniciou uma brilhante carreira literária e administrativa. Estando noivo aos 28 anos de idade, faleceu-lhe a noiva. Frequentou por três anos filosofia e Medicina em Bolonha, direito civil e acabou sendo prefeito em Felizzano de Monferato, advogado fiscal em Alexandria e novamente prefeito em Cassine assim como em Castel Leone, indo posteriormente a Nápole s como auditor e tenente geral. Porém, agraciado com a aparição de Nossa Senhora e do Menino Jesus aos braços, fê-lo desiludir-se ainda mais completamente das coisas do mundo, resolvendo consagrar-se inteiramente a Deus. Ingressou na Companhia de Jesus e foi ordenado sacerdote, progredindo rapidamente nas vias da perfeição cristã. Recebia graças místicas, lia segredos dos corações, profetizava, tinha o dom de curar doentes com sua bênção. Apóstolo do confessionário, tinha também o dom do conselho, sendo procurado até por bispos e príncipes que desejavam sua orientação. O Papa Paulo V e diversos soberanos lhe escreviam, pedindo orações. Quando Roberto Belarmino o encontrou pela primeira vez, colocou-se de joelhos diante dele, embora fosse superior a Bernardino na hierarquia da Companhia de Jesus pela sua grande fama de santidade. Foi beatificado em 1895 por Leão XIII e canonizado por Pio XII a 22 de Junho de 1947, como exemplo de educador.

 

 

Ver, julgar e agir. Ver o verdadeiro, decidir o justo, agir por amor e com amor. (João XXIII)