Segunda, 28 de novembro de 2011

Primeira Semana do Advento e do Saltério (Livro I), cor Litúrgica Roxa

 

Hoje: Dia do Soldado Desconhecido

 

Santos: Antônio de Lérins (eremita), Castor, Vítor e Rogaciano (mártires da África), Cesário da Armênia (mártir), Donião de Roma (presbítero), Êutico e Domiciano (presbítero e diácono, respectivamente, mártires de Ankara, na Galácia), Govana de Wales (mãe de família), Indes, Domna, Ágape e Teófila (virgens, mártires da Nicomédia), Morgan da Ilha de Man (bispo), Rômulo e Conindro (bispos), Santos Inocentes (meninos mártires, assassinados pelo rei Herodes), Trôade do Ponto (mártir), Oto de Heidelberg (eremita, bem-aventurado).

 

Antífona: Ó nações, escutai a palavra do Senhor; levai a boa-nova até os confins da terra! Não tenhais medo: eis que chega o nosso salvador. (Jr 31,10; Is 35,4)

 

Oração: Senhor nosso Deus, dai-nos esperar solícitos a vinda do Cristo, vosso Filho. Que ele, ao chegar, nos encontre vigilantes na oração e proclamando o seu louvor.  Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Isaias (Is 2, 1-5)
Vinde, caminhemos à luz do Senhor, luz das nações

 

1Visão de Isaias, filho de Amós, sobre Judá e Jerusalém. 2Acontecerá, nos últimos tempos, que o monte da casa do Senhor estará firmemente estabelecido no ponto mais alto das montanhas e dominará as colinas. A ele acorrerão todas as nações, 3para lá irão numerosos povos e dirão: "Vamos subir ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que ele nos mostre seus caminhos e nos ensine a cumprir seus preceitos"; porque de Sião provém a lei e de Jerusalém, a palavra do Senhor. 4Ele há de julgar as nações e arguir numerosos povos; estes transformarão suas espadas em arados e suas lanças em foices: não pegarão em armas uns contra os outros e não mais travarão combate. 5Vinde, todos da casa de Jacó, e deixemo-nos guiar pela luz do Senhor. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

O Senhor reúne todas as nações para a paz eterna do Reino

 

Advento: o período de espera começou. O Reino que está por vir tem característica fundamental: firma-se a paz. A Igreja, que do Reino é a semente, irradia para o mundo uma mensagem de paz, para a conversão dos povos. O cristão é por vocação testemunha da paz: condena toda violência, ponto de lado as ideologias que a sustentam e os sistemas políticos que a fomentam, e as elimina de cada comportamento seu. Violência é impor as próprias ideias, não temperar com a caridade o direito próprio, não rejeitar a própria obra, para aplainar os caminhos. No transformar as espadas em peças de arado e as lanças em foices (espadas e lanças de egoísmo, do desinteresse, do ódio e do desamor) se descobre o verdadeiro modo, o modo cristão, de preparar-se para a vinda de Cristo, com o anseio de que realmente nos transforme a nós e ao mundo. [Missal Cotidiano, Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 121(122), 1-2.3-4a.(4b-5, 6-7).8-9

Que alegria, quando me disseram: "Vamos à casa do Senhor!"

 

Que alegria, quando ouvi que me disseram: 'Vamos à casa do Senhor!" E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas.

 

Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; as tribos do Senhor.

 

Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi.

 

Rogai que viva em paz Jerusalém, e em segurança os que te amam! Que a paz habite dentro de teus muros, tranqüilidade em teus palácios!

 

Por amor a meus irmãos e meus amigos, peço: "A paz esteja em ti". Pelo amor que tenho à casa do Senhor, eu te desejo todo bem.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 8, 5-11)

Os pagãos, estrangeiros, entrarão no reino!

 

Naquele tempo, 5quando Jesus entrou em Cafarnaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: 6"Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia". 7Jesus respondeu: "Vou curá-lo". 8O oficial disse: "Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. 9Pois eu também sou subordinado e tenho soldados debaixo de minhas ordens. E digo a um: 'Vai!', e ele vai; e a outro: 'Vem!', e ele vem; e digo ao meu escravo: 'Faze isto!', e ele faz". 10Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado, e disse aos que o seguiam: "Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. 11Eu vos digo: muitos virão do oriente e do ocidente, e se sentarão à mesa no reino dos céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó". Palavra da Salvação!

 

 

Comentando o Evangelho

Jesus cura a todos

O centurião, terceiro nível da hierarquia militar romana, era o soldado responsável por comandar a centúria (unidade de infantaria), dando ordens que deveriam ser prontamente obedecidas pelos soldados, especialmente as formações militares. Era um pagão que ficava de fato fora da comunidade de Israel, considerando-se que um judeu praticante não podia entrar na casa desse tipo de gente, daí a atitude de humildade do centurião (v.8b): "Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa”. A fé do centurião é o cerne dessa passagem, pois Jesus, judeu, por estar obviamente à frente do seu tempo, não fazia acepção de grupos ou profissões; a missão Dele era curar a todos: judeus, pagãos, gentios, enfim. Por fim, Jesus lembra os patriarcas como exemplos de fidelidade do acordo ou aliança de Deus com os seus filhos. A fé é o elemento essencial nesse processo e o centurião, pagão, entendeu bem e utilizou os préstimos de Jesus em favor do escravo e não em benefício próprio. [Everaldo Souto Salvador, ofs]

 

A palavra se faz oração (Missal Dominical)

Senhor, esplendor do povo, iluminai a caminhada da Igreja. Senhor, atendei nossa prece.

Senhor, servo sofredor, curai as enfermidades do vosso povo.

Senhor, conduzi-nos neste tempo de preparação para o Natal.

Senhor, fazei que a eucaristia fortaleça e alimente a nossa fé.

Senhor, tornai-nos instrumentos da paz trazida pelo vosso Filho.

(outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Recebei, ó Deus, estas oferendas que escolhemos entre os dons que nos destes, e o alimento que hoje concedeis à nossa devoção torne-se prêmio da redenção eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Vinde, Senhor, visitai-nos com a vossa paz, para que nos alegremos de todo o coração na vossa presença. (Sl 105, 4-5; Is 38,3)

 

Oração Depois da Comunhão:

Aproveite-nos, ó Deus, a participação nos vossos mistérios. Fazei que eles nos ajudem a amar desde agora o que é do céu e, caminham do entre as coisas que passam, abraçar as que não passam. Por Cristo, nosso Senhor.

 

São Tiago das Marcas

 

Tiago se chamava "das Marcas" porque nascera nessa região da Itália. Foi um grande pregador, acudia os pobres e combatia a usura. Obedientíssimo, ao chegar a carta do Papa para que partisse para a Hungria, estava se alimentando: levantou-se prontamente sem terminar a refeição. Sua vida era de extrema pobreza. Fazia sete quaresmas durante o ano e nos demais dias comia pouquíssimo. Mesmo recebendo por seis vezes a extremunção, conseguiu sobreviver até os 80 anos de idade.

 

A coroa de Advento

 

Origem: A Coroa de Advento tem a sua origem em uma tradição pagã europeia. No inverno, se acendiam algumas velas que representavam ao “fogo do deus sol” com a esperança de que a sua luz e o seu calor voltasse. Os primeiros missionários aproveitaram esta tradição para evangelizar as pessoas. Partiam de seus próprios costumes para ensinar-lhes a fé. Assim, a coroa está formada por uma grande quantidade de símbolos:

 

A forma circular: O círculo não tem princípio, nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e nem fim, e também do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca se deve terminar. Além disso, o círculo dá uma idéia de “elo”, de união entre Deus e as pessoas, como uma grande “Aliança”.

 

As ramas verdes: Verde é a cor da esperança e da vida. Deus quer que esperemos a sua graça, o seu perdão misericordioso e a glória da vida eterna no final de nossa vida. Bênçãos que nos foram derramadas pelo Senhor Jesus, em sua primeira vinda entre nós, e que agora, com esperança renovada, aguardamos a sua consumação, na sua segunda e definitiva volta.

 

As quatro velas: As quatro velas da coroa simbolizam, cada uma delas, uma das quatro semanas do Advento. No inicio, vemos nossa coroa sem luz e sem brilho. Nos recorda a experiência de escuridão do pecado. A medida em que se vai aproximando o natal, vamos ao passo das semanas do Advento, acendendo uma a uma as quatro velas representando assim a chegada, em meio de nós, do Senhor Jesus, luz do mundo, quem dissipa toda escuridão, trazendo aos nossos corações a reconciliação tão esperada. Nos domingos de Advento, é de costume que as famílias e as comunidades católicas se reúnam em torno à coroa para rezar. A liturgia de coroa, como é conhecida esta oração em torno a coroa, se realiza de um modo muito simples. Todos se colocam em volta da coroa; se acende a vela que corresponde a semana em questão, acompanhando, se possível, com um canto. Logo se lê uma passagem da Bíblia, própria do tempo do Advento e se fazem algumas meditações. Se recomenda também levar a coroa para ser abençoada pelo sacerdote.

 

Sugestões:

 

a)   Recomenda-se fazer a coroa de Advento em família, aproveitando a ocasião para ensinar as crianças o sentido e o significado de tal símbolo de natal;

b)   A coroa deverá estar em um lugar privilegiado da casa, de preferência onde seja facilmente visível a todos, recordando assim a vinda cada vez mais próxima do Senhor Jesus e a importância de preparar-se bem para este momento;

c)   É conveniente fixar um horário para se fazer a liturgia da coroa de Advento de maneira tal que seja uma ocasião familiar e ordenada, com a participação consciente de todos;

d)  Recomenda-se repartir as funções de cada membro da família durante a liturgia. Um pode ser o que acende a vela, outro o que lê a passagem bíblica, outro que faz algumas preces, outro que faz algum comentário... em fim, a idéia é que todos possam participar e que seja uma ocasião de encontro familiar. [Fonte: ACIDIGITAL]

 

 

Novena de natal em família e Campanha para a Evangelização

Dom Enemésio Ângelo Lazzaris, Bispo Diocesano de Balsas - MA

 

Mais uma vez somos convocados a nos prepararmos bem para celebrar a memória do nascimento do Menino Deus. Já é hora de providenciar o nosso livrinho e começar a organizar nossos grupos para preparar e realizar bem a novena. Nada de improvisação; os que vão coordenar os encontros devem estar bem por dentro do assunto, preparar os cânticos, visitar e orientar cada uma das famílias onde vão ser realizados os encontros. É importante que as famílias estejam presentes e participem de todos os encontros.

 

Há alguns anos, a Igreja no Brasil realiza, durante o advento, a campanha para a evangelização. Qual a finalidade desta Campanha?

 

- É para todos tomarmos consciência da importância da evangelização. E para participarmos de uma contribuição especial para que seja formado o fundo para a evangelização. Embora o “dia D” desta campanha seja o 3º domingo (3º fim de semana) do advento, é preciso, desde o início, ir motivando o povo para que saiba o que está fazendo e faça com generosidade a sua oferta. Não se deve deixar para a última hora. Lembro que todas as ofertas das celebrações dos dias 17 e 18 de dezembro, que estejam no envelope ou não, devem ser enviadas na íntegra para a diocese, que, do total, enviará uma parte para a CNBB e ficará com a outra para constituir o fundo diocesano de evangelização. Com estes recursos poderemos levar adiante com mais segurança o processo de formação nos dois polos, de Pastos Bons e Balsas, nas diaconias e paróquias. Isso implica gastos com a infra estrutura, com alimentação, com assessores, com viagens e com material. Parte deste fundo será destinado para o orçamento das pastorais e movimentos eclesiais, a fim de que possam organizar suas atividades evangelizadoras.

 

Se os fiéis entenderem bem do que se trata, farão sua oferta com mais consciência e maior generosidade.

 

O tempo cura o que a razão não consegue curar. (Sêneca)