Segunda-feira, 28 de junho de 2010

Santo Irineu (Bispo e Mártir), Memória, 4ª do Saltério (Livro III),  cor Vermelha

 

Santos: Irineu (discípulo de S. Policarpo de Esmirna), Argemiro, Vicência, Leão II, Lúcia, Paulo I, Três Marias, Pápias, Bem-Aventurado Paulo Giustiniani (veneziano, monge, fundador da Ordem Companhia dos Eremitas de S. Romualdo)

 

Antífona: Farei surgir um sacerdote fiel, que agirá segundo o meu coração e a minha vontade, diz o Senhor. (1Sm 2, 35)

 

Oração: Ó Deus, vós concedestes ao bispo santo Irineu firmar a verdadeira doutrina e a paz da Igreja; pela intercessão de vosso servo, renovai em nós a fé e a caridade, para que nos apliquemos constantemente em alimentar a união e a concórdia.. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Profecia de Amós (Am 2, 6-10.13-16)
Eles vendem o justo por dinheiro

 

6Isto diz o Senhor: "Pelos três crimes de Israel, pelos seus quatro crimes, não retirarei a palavra: porque eles vendem o justo por dinheiro e o indigente pelo preço de um par de chinelos; 7pisam, na poeira do chão, a cabeça dos pobres, e impedem o progresso dos humildes; filho e pai vão à mesma mulher, profanando meu santo nome; 8deitando-se junto a qualquer altar, usando roupas que foram entregues em penhor, bebem vinho à custa de pessoas multadas, na casa de Deus.

 

9Entretanto, eu tinha aniquilado, diante deles, os amorreus, homens espadaúdos como cedros e robustos como carvalhos, destruindo-lhes os frutos na ramada e arrancando-lhes as raízes. 10Fui eu que vos fiz sair da terra do Egito e vos guiei pelo deserto, durante quarenta anos, para ocupardes a terra dos amorreus.

 

13Pois bem, eu vos calcarei aos pés, como calca o chão a carroça carregada de feixes; 14o mais ágil não conseguirá fugir, o mais forte não achará força, o valente não salvará a vida; 15o arqueiro não resistirá de pé, o corredor veloz não terá pernas para escapar, nem se salvará o cavaleiro; 16o mais corajoso dentre os corajosos fugirá nu, naquele dia". Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a 1ª Leitura

Pisam, na poeira do chão, a cabeça dos pobres

 

Com seu povo, liberto da escravidão, Deus fizera “aliança” e dera-lhe uma lei, “fonte de sabedoria” entre as nações (Dt 4, 5-8). Israel aceitou a aliança como garantia de proteção futura, mas foi infiel muitas vezes como no período a que se refere a leitura. Deus, porém, não emudece, porque quer salvar seu povo. Que podia Deus fazer para emendar esse povo? Põe-lhe sob os olhos todas as suas intervenções de amor e proteção; depois engrossa a voz, como faria um pai angustiado pelo abandono do filho. Precisamos todos ouvir essa voz, rever como num filme a longa seqüência de intervenções amorosas de Deus em nossa vida. Se fizéssemos de vez em quando um pouco de silêncio ao nosso redor, muitas coisas nos voltariam à mente, e a lembrança poderia aproximar-nos mais do Senhor. Seria uma desventura se nos endurecêssemos numa infidelidade encoberta, porém real. [Missal Cotdiano, ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 49 (50), 16bc-17.18-19.20-21.22-23  (R/.22a)
Entendei isto, todos vós que esqueceis o Senhor Deus!

 

"Como ousas repetir os meus preceitos e trazer minha Aliança em tua boca? Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos e deste as costas às palavras dos meus lábios!

 

Quando vias um ladrão, tu o seguias e te juntavas ao convívio dos adúlteros. Tua boca se abriu para a maldade e tua língua maquinava a falsidade.

 

Assentado, difamavas teu irmão, e ao filho de tua mãe injuriavas. Diante disso que fizeste, eu calarei? Acaso pensas que eu sou igual a ti? E disso que te acuso e repreendo e manifesto essas coisas aos teus olhos.

 

Entendei isto, todos vós que esqueceis Deus, para que eu não arrebate a vossa vida, sem que haja mais ninguém para salvar-vos! Quem me oferece um sacrifício de louvor, este sim é que me honra de verdade. A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus".

 

 

 Mateus (Mt 8, 18-22)

 Segue-me!

 

Naquele tempo, 18vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. 19Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: "Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás". 20Jesus lhe respondeu: "As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça".

 

21Um outro dos discípulos disse a Jesus: "Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai". 22Mas Jesus lhe respondeu: "Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos". Palavra da Salvação!

Leitura paralela: Lc 9, 57-62

 

 

 

Comentando o Evangelho

Dispostos a seguir Jesus

 

O seguimento de Jesus tem seus pré-requisitos. Além da disposição de tornar-se discípulo, é preciso saber o que o seguimento exige de cada categoria de pessoas. O Evangelho refere-se ao caso de um escriba e de um discípulo. São dois exemplos ilustrativos do que se passa com quem se predispõe a seguir Jesus.


O mestre da Lei judaica é advertido para não tomar uma decisão apressada e superficial. Talvez confundindo Jesus com os rabinos da época, não tinha consciência de um dado importante: para seguir o Mestre Jesus era preciso estar pronto para abraçar a pobreza e o despojamento. Seria ilusório escolher segui-lo, pensando em poder levar uma vida de bem-estar e segurança. As exigências da pobreza deveriam ser previamente conhecidas e aceitas.


Quanto ao discípulo, parece não ter-se dado conta das reais exigências de sua opção. Por isso, pede ao Mestre para interromper sua missão e voltar para casa, a fim de cumprir seu dever de filho, e dar uma sepultura digna a seu velho pai. O pedido não é aprovado, pois, na família, deve haver quem se preocupe em fazer este gesto de misericórdia.


Qualquer que seja a questão, Jesus pensa o discipulado como uma escolha coerente, total e radical, feita para toda a vida, e que se torna a opção fundamental do discípulo. Diante dela, tudo é relativizado, mesmo as coisas mais caras ao ser humano. [Evangelho Nosso de Cada Dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: Um letrado quer tornar-se discípulo; o outro, que já é discípulo, quer sair do rumo da sua nova missão, preocupando-se com os detalhes humanos. Assim é a nossa caminhada: vamos à Igreja, rezamos, somos ativos nas pastorais, mas estamos quase sempre fora de foco em nossa missão que é de seguir o Mestre, de fato. Como? Deixando de investir mais no pessoal e no material para investir no espiritual, nas coisas do Reino, segundo o testemunho de Jesus. Ele nos chama a uma vida nova. Seguir é tornar-se discípulo mesmo, na prática, sendo reto nas ações, amante da justiça e da paz, preocupado com o outro, evangelizando, sendo missionário, pois cada cristão tem uma missão consigo mesmo (mudar a si próprio) e com o mundo (contribuir para a mudança positiva do irmão).

 

Santo Irineu de Lyon

 

 

Padre da Igreja, grego de nascimento, filho de pais cristãos, nasceu na ilha de Esmirna, no ano 130. Foi discípulo de Policarpo, outro Padre e santo da Igreja. Dele Irineu pôde recolher ainda viva a tradição apostólica, pois Policarpo fora consagrado bispo pelo próprio João Evangelista, o que torna importantíssimos os seus testemunhos doutrinais.


Muito culto e letrado em várias línguas, Irineu foi ordenado por são Policarpo, que o enviou para a Gália, atual França, onde havia uma grande população de fiéis cristãos procedentes do Oriente. Lá, trabalhou ao lado de Fotino, o primeiro bispo de Lyon, que, em 175, o enviou a Roma para, junto do papa Eleutério, resolver a delicada questão doutrinal dos hereges montanistas. Esses fanáticos, vindos do Oriente, pregavam o desprezo pelas coisas do mundo, anunciando o breve retorno de Cristo para o juízo final.


Contudo tanto o papa quanto Irineu foram tomados pela surpresa da bárbara perseguição decretada pelo imperador Marco Aurélio. Rapidamente, em 177, ela atingiu a cidade de Lyon, ocasionando o grande massacre dos cristãos, todos mortos pelo testemunho da fé.


Um ano depois, Irineu retornou a Lyon, onde foi eleito e aclamado sucessor do bispo mártir, Fotino. Nesse cargo ele permaneceu vinte e cinco anos. Ocupou-se da evangelização e combateu, principalmente, a heresia dos gnósticos, além das outras que proliferavam nesses primeiros tempos. Obteve êxito, junto ao papa Vitor I, na questão da comemoração da festa da Páscoa, quando lhe pediu que atuasse com moderação para manter a união entre a Igreja do Ocidente e a do Oriente.


A sua obra escrita mais importante foi o tratado "Contra as heresias", onde trata da falsa gnose, e depois, de todas as outras heresias da época. O texto grego foi perdido, mas existem as traduções latina, armênia e siríaca.


Importante não só do lado teológico, onde expôs já pronta a teoria sobre a autoridade doutrinal da Igreja, mas ainda do lado histórico, pois documentou e nos apresentou um quadro vivo das batalhas e lutas de então.


Mais tarde, um outro tratado, chamado "Demonstração da pregação apostólica", foi encontrado inteiro, numa tradução armênia. Além de vários fragmentos de outras obras, cartas, discursos e pequenos tratados.


Irineu morreu como mártir no dia 28 de junho de 202, em Lyon, e sua festa litúrgica ocorre nesta data. As relíquias de santo Irineu estão sepultadas, junto com os mártires da Igreja de Lyon, na catedral desta cidade. (paulinas.org.br)

 

Devemos deixar transparecer e transbordar a presença de Deus em nós.

(D. Bernardo Schuck)