Segunda-feira, 26 de julho de 2010

Santa Ana e São Joaquim, Ofício de Memória, 1ª do Saltério (Livro III), cor branca

 

Hoje: Dia dos Avós

 

Santos: Bartolomea Capitanio (virgem, fundadora), Benigno de Malcesine (eremita), Caro de Malcesine (eremita), Erasto de Corinto (bispo, mártir, citado em Rm 16,23, At 19,22, 2Tm 4,20), Maria Madalena de Justamonte e Companheiras (último grupo de 32 religiosas decapitadas no final da Revolução Francesa), Pastor de Roma (presbítero, irmão do Papa São Pio I), Simeão de Polirone, o Armeno (eremita).

 

Antífona: Festejamos santa Ana e são Joaquim, pais da virgem Maria: Deus lhes concedeu a bênção prometida a todos os povos.

 

Oração: Senhor, Deus de nossos pais, que concedestes e são Joaquim e a santa Ana a graça de darem a vida à mãe do vosso Filho, Jesus, fazei que, pela intercessão de ambos, alcancemos a salvação prometida a vosso povo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Eclesiástico (Eclo 44, 1.10-15)
 Seus nomes duram através das gerações 

 

1Vamos fazer o elogio dos homens famosos, nossos antepassados através das gerações. 10Estes são os homens de misericórdia; seus gestos de bondade não serão esquecidos. 11Eles permanecem com seus descendentes; seus próprios netos são a sua melhor herança. 12A descendência deles mantém-se fiel às alianças, 13e, graças a eles, também os seus filhos. Sua descendência permanece para sempre, e sua glória jamais se apagará. 14Seus corpos serão sepultados na paz e seu nome dura através das gerações. 15Os povos proclamarão a sua sabedoria, e a assembléia vai celebrar o seu louvor.  Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Nossos pais são homens de misericórdia; sua
descendência permanece para sempre

 

Este elogio dos homens que foram grandes com Deus será retomado na epístola aos Hebreus (c.11) e permanece na memória que a Igreja faz dos mártires e Santos, que construíram sua história, a história mais profunda e verdadeira, a do homem com Deus. "Em seu dia natalício a Igreja proclama o mistério pascal realizado nos Santos que sofreram com Cristo e com ele são glorificados, e propõe aos fiéis o seu exemplo, que atrai todos ao Pai por meio de Cristo" (SC 104).

 

A luta pela oração, pela vitória sobre si mesmos, por uma ardente bondade, por um amor puro, pela fidelidade conjugal, pela virgindade, paz e a paciência é a verdadeira vitória da Igreja. Também da história de nossa vida, o que em verdade permanecerá será a história de nosso amor com relação a Deus e aos irmãos. [Comentário Bíblico, © Edições Loyola, 1999]

 

 

Salmo: 131(132), 11.13-14.17-18 (R/.Lc 1,32a)
O Senhor vai dar-lhe o trono de seu pai, o rei Davi

 

O Senhor fez a Davi um juramento, uma promessa que jamais renegará: "Um herdeiro que é fruto do teu ventre colocarei sobre o trono em teu lugar!"

 

Pois o Senhor quis para si Jerusalém e a desejou para que fosse sua morada: "Eis o lugar do meu repouso para sempre, eu fico aqui: este é o lugar que preferi!"

 

"De Davi farei brotar um forte herdeiro, acenderei ao meu ungido uma lâmpada. Cobrirei de confusão seus inimigos, mas sobre ele brilhará minha coroa!"

 

Evangelho: Mateus (Mt 13, 16-17)
Felizes sois vós

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 16"Felizes sois vós, porque vossos olhos vêem e vossos ouvidos ouvem. 17Em verdade eu vos digo, muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes e não viram, desejaram ouvir o que ouvis e não ouviram". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

Bem-aventurados

 

São inúmeras as sentenças, no evangelho de Mateus e, principalmente, no de Lucas, que se iniciam com a proclamação "bem-aventurados" ("felizes", nesta tradução). Bem-aventurados, ou felizes, é a tradução da palavra grega "makárioi" que, em seu uso nos evangelhos, tem um conteúdo próprio designando um estado de beatitude ou felicidade divina. A tradução "bem-aventurados" pode nos aproximar mais do sentido original.


O evangelho de Mateus reúne nove vezes a proclamação "bem-aventurados" no início do Sermão da Montanha. Lucas, na passagem paralela, reúne quatro bem-aventuranças, porém ao longo de seu evangelho são encontradas outras doze destas proclamações, três delas especiais para Maria: "Bem-aventurada a que creu" (Lc 1,45), "desde agora todas as gerações me considerarão bem-aventurada" (Lc 1,48), "bem-aventurada aquela que te concebeu e os seios que te amamentaram" (Lc 11,27).


O evangelho de Marcos não menciona nenhuma bem-aventurança e no de João são encontradas duas delas: "Sabendo destas coisas, vós sereis bem-aventurados se as praticardes" (Jo 13,17) e "bem-aventurados aqueles que não viram e creram" (Jo 20,29).


No tempo da encarnação, os discípulos gozam da bem-aventurança de ver e ouvir Jesus. Porém, terminado o seu ministério na história, são bem-aventurados os que não viram e creram.  A Joaquim e Ana aplica-se a bem-aventurança de serem pai e mãe de Maria. [
[O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

Para sua reflexão: Ver o Messias e ouvir sua mensagem era a ânsia oculta dos antigos. Compare-se Is 42,20 “Muito olhavas e nada entendias” com 52,8 “veem face a face o Senhor voltando a Sião” e 62,11 “Vê o teu Salvador chegando”. Da parábola se passa à pessoa de Jesus presente na história, porque nele já se realiza o reinado de Deus. Esse é o grande segredo do reinado de Deus que se dá a conhecer aos que acolhem Jesus como o Messias desejado e esperado. (Bíblia do Peregrino)

 

 

 

 

São Joaquim e Sant´Ana

 

 

O calendário litúrgico da Igreja Romana comemora hoje a memória de São Joaquim e Sant'Ana que a tradição identifica como pais de Nossa Senhora. O nome Joaquim é bíblico, e significa "o homem a que Javé confirma". Há vários personagens no Antigo Testamento com este nome. Com o nome de Ana, aparecem três mulheres na Bíblia: a mãe do profeta Samuel; a mulher de Raquel, parente de Tobias, e a profetisa Ana, que foi ao encontro de Jesus no dia de sua apresentação ao templo. Não há notícia deles na Sagrada Escritura, contudo, existe um livro venerável do século II do Cristianismo: Proto-Evangelho de São Tiago, que granjeou grande autoridade nas comunidades cristãs primitivas. E exatamente este livro que nos traz a mais vetusta tradição sobre os pais de Nossa Senhora.

 

Joaquim e Ana  eram um casal distinto, mas viviam tristes e humilhados porque já estavam chegando à  idade  avançada e eram estéreis.  Eram um casal justo e observante das lei judaicas. Possuíam certa fortuna que lhes proporcionava vida folgada. Dividiam suas rendas anuais em três partes: uma era conservada para as próprias necessidades; a segunda era reservada para o culto judaico e, finalmente, a terceira era distribuída entre os pobres. Eles continuavam rezando confiantes que Deus teria suscitado para eles uma descendência. Joaquim retirou-se ao deserto para rezar, onde permaneceu quarenta dias em jejum e oração.

 

Finalmente, um anjo apareceu a Joaquim comunicando-lhe uma boa notícia: "Joaquim, disse o anjo, tua oração foi ouvida. Uma filha te será dada a quem darás o nome de Maria". Também Ana recebeu um aviso do anjo: "Ana, Ana, o Senhor ouviu teu choro. Conceberás e darás à luz e, por toda a terra, falar-se-á de tua descendência Ao voltar Joaquim para casa, eis que sua esposa atirou-se em seus braços exclamando cheia de alegria: "Agora sei que o Senhor derramou sua bênção sobre o nosso lar; pois eu era como uma viúva, era estéril mas agora meu seio já concebeu, seja bendito o Altíssimo!" Então, fez o voto de consagrar a menina prometida por Deus ao serviço do Templo.

 

De fato, a menina Maria foi levada mais tarde pelos pais Joaquim e Ana para o Templo, onde foi educada, ficando aí até ao tempo do noivado com São José.

 

A tradição não dá notícia da morte de Joaquim e Ana. No entanto, o culto deles foi muito difundido na Igreja desde o século VI. Começou no Oriente e depois passou para a Igreja Romana. Neste caso, a devoção a Sant'Ana foi muito mais popular. Ela difundiu-se, sobretudo, nos povos nórdicos, onde o nome Ana é mais usado. Também no Brasil, o culto a Sant'Ana é muito conhecido. Antes, ela mereceu o título que só é reservado à sua Filha, isto é, Senhora Sant'Ana. [O SANTO DO DIA, Don Servilio Conti, ©Vozes, 1997]                                                         

 

Dia dos avós

 

O papel dos avós na família vai muito além dos mimos dados aos netos, e muitas vezes eles são o suporte afetivo e financeiro de pais e filhos. Por isso, se diz que os avós são pais duas vezes.

 

As avós são também chamadas de "segunda mãe", e os avôs, de "segundo pai", e muitas vezes estão ao lado e mesmo à frente da educação de seus netos, com sua sabedoria, experiência e com certeza um sentimento maravilhoso de estar vivenciando os frutos de seu fruto, ou seja, a continuidade das gerações.

 

Celebrar o Dia dos Avós significa celebrar a experiência de vida, reconhecer o valor da sabedoria adquirida, não apenas nos livros, nem nas escolas, mas no convívio com as pessoas e com a própria natureza.

 

Aproveite esta data para mandar uma mensagem de carinho aos queridos vovô e vovó e dizer o quanto você lembra deles.

 

O Portal da Família expressa seu profundo carinho por todos os vovôs e vovós que nos visitam.

 

Comemora-se o Dia dos Avós em 26 de julho, e esse dia foi escolhido para a comemoração porque é o dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

 

Século I a.C. - Conta a história que Ana e seu marido, Joaquim, viviam em Nazaré e não tinham filhos, mas sempre rezavam pedindo que o Senhor lhes enviasse uma criança. Apesar da idade avançada do casal, um anjo do Senhor apareceu e comunicou que Ana estava grávida, e eles tiveram a graça de ter uma menina abençoada a quem batizaram de Maria. Santa Ana morreu quando a menina tinha apenas 3 anos. Devido a sua história, Santa Ana é considerada a padroeira das mulheres grávidas e dos que desejam ter filhos. Maria cresceu conhecendo e amando a Deus e foi por Ele a escolhida para ser Mãe de Seu Filho. São Joaquim e Santa Ana são os padroeiros dos avós. [portaldafamilia.org]