Segunda-feira, 18 de outubro de 2010

São Lucas (Evangelista), Festa, 1ª do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Vermelha

 

 

Hoje: Dia do Médico

 

Santos: Lucas (Evangelista, Antioquia), Renato, Cirila, Atenodoro (séc. III),  franciscano espanhol), Julião Sabas (380), Amável e Inês de Jesus

 

Antífona: Como são belos sobre os montes os passos daquele que anuncia a paz, trazendo a boa nova e proclamando a salvação! (Is 52,7)

 

Oração: Ó Deus, que escolhestes São Lucas para revelar em suas palavras e escritos o mistério do vosso amor para com os pobres, concedei aos que já se gloriam do vosso nome perseverar num só coração e numa só alma, e a todos os povos do mundo ver a vossa salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito santo.

 

 

I Leitura: 2ª Carta de Paulo a Timóteo (2Tm 4, 10-17b)

Lucas, o grande apoio de Paulo

 

Caríssimo, 10Demas me abandonou por amor deste mundo, e foi para Tessalônica. Crescente foi para a Galácia, Tito para a Dalmácia. 11Só Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, porque me é útil para o ministério. 12Mandei Tíquico a Éfeso. 13Quando vieres, traze contigo a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos. 14Alexandre, o ferreiro, tem-me causado muito dano; o Senhor lhe pagará segundo as suas obras! 15Evita-o também tu, pois ele fez forte oposição às nossas palavras. 16Na minha primeira defesa, ninguém me assistiu; todos me abandonaram. Oxalá que não lhes seja levado em conta. 17bMas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças, ele fez com que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente, e ouvida por todas as nações. Palavra do Senhor!

 

 

Salmo: 144(145), 10-11.12-13ab.17-18 (R/.12a)

Ó Senhor, vossos amigos anunciem vosso reino glorioso!

 

Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder!

 

Para espalhar vossos prodígios entre os homens e o fulgor de vosso Reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração.

 

É justo o Senhor em seus caminhos, é santo em toda obra que ele faz. Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente.

 

 

Evangelho: Lucas (Lc 10, 1-9)

Não só doze mas setenta e dois são enviados em missão

 

Naquele tempo, 1o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2E dizia-lhes: "A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: `A paz esteja nesta casa!' 6Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: `O Reino de Deus está próximo de vós'". Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mt 9, 37-38; Mt 10,16; Mt 10, 9-15; Mc 6, 8-11; 1Tm 5, 18.

 

 

Comentário o Evangelho

Como cordeiros entre lobos

A metáfora da condição dos discípulos é uma forma de descrever o futuro da missão. Ser cordeiros entre lobos não dá margem para dúvidas: a missão está destinada a ser uma batalha desigual, onde toda prudência é pouca. Nada de ilusões!


Humanamente falando, as orientações dadas por Jesus deixavam os discípulos numa situação de fragilidade. A pobreza material levava-os a depender da caridade alheia. Como se sabe, nem todo mundo está disposto a ajudar. Quem depende de esmolas, está sujeito a toda sorte de ironia, gozações e humilhações, sem contar o risco de sofrer agressões físicas. A recomendação de não escolher casa ou cidade onde entrar - os discípulos deveriam ir a toda cidade e lugar por onde Jesus passaria - obrigava-os a visitar até mesmo povoados hostis, especialmente os situados na região da Samaria. Se a hospitalidade em uma cidade lhes fosse recusada, eles não teriam o direito de fazer uso da força ou da violência. Bastava-lhes sacudir o pó das sandálias, e seguir adiante. Falando na perspectiva do Reino, a ação missionária oferecida aos setenta e dois discípulos exigia deles serem testemunhas do mundo novo proclamado por Jesus. Aí os bens materiais deveriam ser relativizados, não tendo primazia no coração humano. A solidariedade seria um imperativo, e a violência, banida. Por conseguinte, a reação dos apóstolos diante de situações adversas já seria uma ação evangelizadora
. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

 

Para sua reflexão: Uma e outra leitura indicam o número de nações pagãs, tal como o judaísmo o via em Gn 10 (segundo o texto hebreu, 70, ou o texto grego, 72). A missão aos gentios começará após a Páscoa e Pentecostes, mas Lucas procura mostrar já uma prefiguração dessa missão. É o único a referir esta missão, para mostrar que a missão não é reservada aos Doze e ela simboliza, na Palestina, a missão aos pagãos. Só a imagem da messe, os profetas do Antigo Testamento descreviam muitas vezes o juízo de Deus. Para João Batista, a messe é obra de Deus. Jesus associa os discípulos, pela oração e pela pregação, à sua obra. Ao contrário de Mt 10, 11-14, Lucas distingue o comportamento dos discípulos numa casa e numa cidade. Paz: saudação usual no Antigo Testamento, que inclui votos de bem-estar, prosperidade, saúde. Aqui trata-se da bênção, dom messiânico que acompanha o Evangelho. A regra do salário também é indicada por Paulo, como lei pertinente à missão, embora ele renunciasse a beneficiar dela. (Bíblia dos Capuchinhos)

 

São Lucas

Lucas nasceu em Antioquia e exerceu a profissão de médico (Cl 4, 14), depois da conversão, esteve a serviço de Paulo (Fm 24; 2Tm 4,11; At 16, 10-17; 20, 21; 28) e encontrou-se provavelmente a seu lado em seus últimos dias (2Tm 4, 11). Sua origem grega, sua procedência do paganismo e a colaboração com a obra apostólica de Paulo aparecem sob muitos aspectos em toda ação evangelizadora e nos escritos paulinos.

 

O Evangelho de Lucas tem como tema fundamenta a admissão de todos os povos à salvação (Lc 3, 6; 7, 1-9; 13, 28-30) e a participação no Reino de todas as categorias de pessoas que a antiga Lei excluía do culto: os pobres, os pecadores, os fracos, as mulheres, os pagãos (Lc 5, 29-32; 7, 36-50; 8, 1-3; 10, 21-22). É todo um “alegre anúncio” de que Jesus é o Salvador, todo bondade, misericórdia, doçura, alegria. Sua vida e ministério são apresentados como uma “viagem” de subida a Jerusalém, ao Calvário, à glória.

 

Médico e Padroeiro

 

A data 18 de outubro foi escolhida em homenagem a São Lucas, padroeiro da medicina, e consta como dia do santo pela tradição litúrgica.

 

São Lucas exercia a profissão de médico e também tinha vocação pela pintura. Escreveu o terceiro evangelho e o "ato dos apóstolos" da Bíblia Sagrada. Acredita-se que veio de família abastada pelo seu estilo literário.

 

Nasceu na Turquia no século I, quando esta ainda se chamava Antioquia. Discípulo de São Paulo, o seguiu em missão, sendo chamado por este de "colaborador" e "médico amado".

 

Hipócrates, o pai da medicina

 

Hipócrates, considerado o Pai da Medicina, nasceu na ilha de Cos, 460 anos a.C., tendo pertencido ao ramo de Cos da família Esculápio (ou Asclepíades) por descendência masculina.

 

O termo esculápio é igualmente empregado para designar os médicos em geral, na medida em que praticam a arte de Esculápio (ou Asclepios), o Deus da medicina na época clássica. Na sua origem, o termo restringe-se aos filhos de Esculápio, Podalira e Machaon, personagem famosos, ambos médicos, e seus descendentes.

 

Fundador da família, Esculápio era conhecido por seu grande saber médico e, de acordo com algumas biografias, Hipócrates era seu décimo nono descendente e o vigésimo a partir de Zeus.

 

O avô de Hipócrates, também médico, chamava-se Hipócrates, mas nunca alcançou a fama daquele que tornou-se conhecido como o pai da medicina.

 

Até hoje os recém-formados fazem o juramento de Hipócrates no dia da colação de grau, no qual prometem exercer a medicina com ética, seriedade e respeito aos pacientes.

 

Um pouco de história da medicina

 

A medicina é a ciência que investiga a natureza e a origem das doenças do homem de modo a preveni-las, controlá-las e curá-las, preservando assim a saúde das pessoas. A palavra deriva do verbo latino mederi que significa curar e tratar.

 

A ciência surge de forma experimental, como resultado de experiências com técnicas ainda rudimentares (como tomar banho frio para baixar a febre, por exemplo). Desenhos rupestres mostram que na pré-história o homem já reconhecia algumas doenças e o efeito terapêutico de plantas curativas, além do calor, frio e luz solar.

 

Somente no final do século é que se inicia a medicina moderna com o estudo da anatomia humana. Em 1543, o médico André Vesálio publica "A organização do corpo humano" com descrições e detalhes do corpo humano, representando um grande avanço na medicina ainda incipiente. Para conceber a obra, André usou a técnica de dissecação de cadáveres, tendo sido, por isso, condenado à morte pela Inquisição.

 

O dia 18 de outubro foi escolhido como "dia dos médicos" por ser o dia consagrado pela Igreja a São Lucas. Como se sabe, Lucas foi um dos quatro evangelistas do Novo Testamento. Seu evangelho é o terceiro em ordem cronológica; os dois que o precederam foram escritos pelos apóstolos Mateus e Marcos.

 

Lucas não conviveu pessoalmente com Jesus e por isso a sua narrativa é baseada em depoimentos de pessoas que testemunharam a vida e a morte de Jesus. Além do evangelho, é autor do "Ato dos Apóstolos", que complementa o evangelho. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997 e IBGEteen]

 

 

Os médicos mais notáveis são os que sabem incluir fé e esperança na receita de seus clientes. (Marden)