Segunda, 18 de janeiro de 2010

II Semana do Tempo Comum - Ano “C” (Ímpar) - 2ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Verde

 

Hoje: Dia Internacional do Riso

 

Santos do Dia: Arquelaide, Tecla e Susana (virgens, mártires), Atenógenes do Ponto (mártir), Deícola de Lure (abade), Faustina e Liberata (virgens), Leobardo de Tours (eremita), Liberata de Como (virgem), Moseus e Amônio (mártires), Paulo e 36 soldados cristãos (mártires), Prisca de Roma (virgem, mártir), Volusiano de Tours (bispo, mártir), Beatriz d'Este (virgem de Ferrara, bem-aventurada), Cristina Ciccarelli (virgem, eremita agostiniana, bem-aventurada).

 

Antífona: Que toda a terra se prostre diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome. Deus altíssimo! (Sl 65,4)

 

Oração: Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade as preces do vosso povo e daí ao nosso tempo a vossa paz.  Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: I Samuel (1 Sm 15, 16-23)
A obediência vale mais do que os sacrifícios

 

Naqueles dias, 16Samuel disse a Saul; "Basta! Deixa-me dizer-te o que o Senhor me revelou esta noite". Saul disse: "Fala!" 17Então Samuel começou: "Por menor que sejas aos teus próprios olhos, acaso não és o chefe das tribos de Israel? O Senhor ungiu-te rei sobre Israel 18e te enviou em expedição, com a ordem de eliminar os amalecitas, esses malfeitores, combatendo-os até que fossem exterminados. 19Por que não ouviste a voz do Senhor, e te precipitaste sobre os despojos e fizeste o que desagrada ao Senhor?"

 

20Sau1 respondeu a Samuel: "Mas eu obedeci ao Senhor! Realizei a expedição a que ele me enviou. Trouxe Agag, rei de Amalec, para cá, e exterminei os amalecitas. 21Quanto aos despojos, o povo reteve, das ovelhas e dos bois, o melhor do que devia ser eliminado, para sacrificar ao Senhor teu Deus em Guilgal". 22Mas Samuel replicou: "O Senhor quer holocaustos e sacrifícios, ou quer a obediência à sua palavra? A obediência vale mais que o sacrifício, a docilidade mais que oferecer gordura. de carneiros. 23A rebelião é um verdadeiro pecado de magia, um crime de idolatria, uma obstinação. Assim, porque rejeitaste a palavra do Senhor, ele te rejeitou: tu não es mais rei". Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

A obediência vale mais que o sacrifício

 

O episódio de Saul nos leva a considerar a natureza da verdadeira "religião", isto é, das relações do homem com Deus. Essas relações podem ser falsificadas pela presunção e pela ilusão. A presunção é a posição de quem diz: "Quanto a mim, vivo a religião a meu modo, não quero imposições de ninguém: vou à igreja quando tenho vontade, pratico as ações que me sinto inclinado a praticar ou, então, não faço nada disso". A ilusão, ao contrário, leva a agir não por inclinação, mas por ignorância, ou porque, tomadas pelo engano do sentimento que faz com que dêem muita importância a coisas secundárias ou a práticas supersticiosas, as pessoas se descuidam das que têm relevância fundamental. A mensagem cristã "é mensagem de suprema liberdade". Mas é uma "mensagem" com um conteúdo bem preciso. É Deus quem primeiro se dirige ao homem, é Deus que faz ao homem uma "proposta". Só o conhecimento dessa proposta dá ao homem a possibilidade de estabelecer com Deus um relacionamento autêntico. A escuta da palavra de Deus e a genuína interpretação que lhe dão os pastores da Igreja oferecem esta possibilidade. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 49(50), 8-9.16bc-17.21 e 23 (+ 23b)

A todo homem que procede retamente, eu

mostrarei a salvação que vem de Deus

 

Eu não venho censurar teus sacrifícios, pois sempre estão perante mim teus holocaustos; não preciso dos novilhos de tua casa nem dos carneiros que estão nos teus rebanhos.

 

Como ousas repetir os meus preceitos e trazer minha aliança em tua boca? Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos e deste as costas às palavras dos meus lábios!

 

Diante disso que fizeste, eu calarei? Acaso pensas que eu sou igual a ti? É disso que te acuso e repreendo e manifesto essas coisas aos teus olhos.

 

Quem me oferece um sacrifício de louvor, este sim é que me honra de verdade. A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

 

 

Evangelho: Marcos (Mc 2, 18-22)

A palavra do Senhor é viva e eficaz

 

Naquele tempo, 18os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: "Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?" 19Jesus respondeu: "Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar.

 

21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos". Palavra da Salvação!

 

 

O ministério de Jesus na Galiléia.  Leitura paralelas: Mt 9, 14-19; Lc 5, 33-39 (Debate sobre o jejum). O evangelho de hoje é

válido para a segunda-feira da 2ª semana do tempo comum; a I leitura e o Salmo Responsorial são específicos para os anos pares

 

 

Comentário o Evangelho

A mistura inconveniente

 

Jesus não admitia intromissões indevidas na maneira como orientava seus discípulos. Aqui e acolá, os fariseus davam palpites e eram repreendidos. Não aceitava que se misturasse, inconvenientemente, a novidade do Reino trazida por ele com os esquemas caducos da uma religiosidade feita de exterioridades.

 

O fato de os seus discípulos não jejuarem deu pé para um entrevero com os fariseus. Estes não podiam entender como aqueles não jejuavam, enquanto eles faziam não só os jejuns prescritos, mas também, os jejuns voluntários, manifestando, assim, uma piedade acima de qualquer suspeita. Portanto, digna de ser imitada.

 

Isto não impressionava Jesus, pois ele pensava a partir de outros parâmetros. Enquanto estivesse com os discípulos, seria tempo de alegria e festa. Portanto, nada de jejuns e penitências. Só quando fossem privados da presença do Mestre, é que haveriam de jejuar, preparando-se para a sua nova vinda, tempo de alegria sem fim. Seria insensato formar um grupo de penitentes, quando não era o momento para isso.

 

O período de convivência com o Mestre teria uma finalidade bem diferente: preparar-se para a missão, deixar-se instruir, abrir o coração para acolher o testemunho dele. Quando Jesus tivesse partido, ai sim, teria início uma nova etapa na caminhada, na qual seria justificável jejuar. Cada coisa em seu tempo.  [O EVANGELHO DO DIA, Ano “A”. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1997]

 

São Sulpício

 

Sulpício faz parte de um grupo seleto de santos que alcançaram importância teológica, cultural e política na história da Igreja, pois atuaram na formação política e religiosa de toda uma nação, no seu caso, a França. Além de serem venerados e chamados à interceder nas aflições diárias ou nas curas dos males físicos da população, à ele recorrem os que sofrem de males nos pulmões.

 

Para entender o alcance da atuação pastoral e política deste santo, é preciso primeiro visualizar o contexto em que ela aconteceu. Era o século VII e a França se consolidava como nação. Mas, ainda co-existiam vários grupos étnicos que geravam muitos conflitos naqueles domínios e Sulpício, bispo de Burges, impedia e controlava os choques, mediando e negociando entre eles as convivências difíceis, sempre dentro dos preceitos da Igreja.

 

Pouco se sabe de sua vida antes de se tornar bispo, mas pode-se calcular que tenha sido exemplar e trabalhosa, pois Burges era uma importante cidade, situada bem no centro da França. Foi conquistada, pelo Império Romano, meio século antes de Cristo, sendo anexada ao Império dos Francos no ano 507. O cristianismo só chegou no século II. Como bispo, Sulpício, além de colocar a Igreja como base da consolidação política do país, estruturou uma sólida formação religiosa e humana do clero, através da vida monástica que implantou, para garantir a maneira mais segura de evangelização do povo.

 

A diocese de Burges teve a felicidade de acrescentar seis santos ao corpo da Igreja, todos bispos. Um deles foi Sulpício que morreu em 647. Em Paris, foi erguida a igreja de São Sulpício de belíssima arquitetura, à esquerda do rio Sena, onde foram depositadas as suas relíquias. Ao lado dela se estabeleceu um seminário beneditino, que adotou o nome do santo, e se tornou, depois, no maior centro de formação do clero francês. Esta comunidade deu origem à uma nova família de religiosos, chamada de Ordem dos Padres Religiosos de São Sulpício.

 

Entretanto, São Sulpício se fixou no coração do povo antes mesmo do seu transito, e é ainda o grande auxiliador e intercessor na cura das doenças pulmonares. Segundo uma antiga tradição, o rei Clotário II, soberano da primeira dinastia francesa, foi curado milagrosamente de uma severa pleurite, pelo bispo Sulpício, cuja fama de santidade era muito grande. O rei ficou tão contente que até diminuiu os impostos que cobrava da população de Burges.

 

O humor é um dos direitos da mente civilizada. (Saul Bellow)