Segunda, 7 de novembro de 2011

32ª Semana do Tempo Comum, Ano IMPAR, 4ª Semana do Saltério (Livro III) cor litúrgica verde

 

Dia: Dia do Radialista.

 

Santos: Acesima, Leão e Isidoro (mártires), Agáton de Alexandria (mártir), Ambrósio (Bispo de Milão e Doutor da Igreja), Atenodoro da Mesopotâmia (mártir), Burgundófora de Faremouthiers (abadessa), Bute Mac Brónaigh (abadessa), Eutiquiano (papa), Eutrópio de Saintes (abade), Geraldo de Óstia (bispo), Geretrando de Bayeux (bispo), Maria José Rosseló (virgem, fundadora), Martinho de Saujon (abade), Pigimi do Egito (eremita), Policarpo e Teodoro de Antioquia (mártires), Servo de Tuburbo (mártir), Simeão de Vancé (eremita), Ptolomeu de Antinoe (mártir), Humberto de Igny (abade), Urbano de Teano (bispo), Vítor de Piacenza (bispo).

 

Antífona: Chegue até vós a minha súplica; inclinai vosso ouvido à minha prece. (Sl 87,3)

 

Oração: Deus de poder e misericórdia, afastai de nós todo obstáculo para que, inteiramente disponíveis, nos dediquemos ao vosso serviço. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Leitura: Sabedoria (Sb 1, 1-7)
Em busca da sabedoria que ama aos homens

 

1Amai a justiça, vós que governais a terra; tende bons sentimentos para com o Senhor e procurai-o com simplicidade de coração. 2Ele se deixa encontrar pelos que não exigem provas, e se manifesta aos que nele confiam.

 

3Pois os pensamentos perversos afastam de Deus; e seu poder, posto à prova, confunde os insensatos. 4A Sabedoria não entra numa alma que trama o mal nem mora num corpo sujeito ao pecado.

 

5O espírito santo, que a ensina, foge da astúcia, afasta-se dos pensamentos insensatos e retrai-se quando sobrevém a injustiça.

 

6Com efeito, a Sabedoria é o espírito que ama os homens, mas não deixa sem castigo quem blasfema com seus próprios lábios, pois Deus é testemunha dos seus pensamentos, investiga seu coração segundo a verdade e mantém-se à escuta da sua língua; 7porque o espírito do Senhor enche toda a terra, mantém unidas todas as coisas e tem conhecimento de tudo o que se diz. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

A sabedoria é o espírito da alma dos homens

 

Se, ao entrar numa biblioteca, pudéssemos visualizar o pensamento dos autores sob forma de linhas, veríamos formar-se um emaranhado de cruzamentos , choques e desvios. Vivemos sob um bombardeio de ideias e opiniões. O que era notem impensável aparece hoje na primeira página, para ser desmentido amanhã. Que nos poderá orienta neste turbilhão? A “Sabedoria”! Ela não é matéria de ensinamento universitário; vem do alto. É um dom, mas é exigente. Não vinga em quem não é humilde e puro. Não vem de nós, vem de Deus entre nós. Se formos capazes de manter sua presença através de nossa transparência, sua luz brilhará em nós. Os problemas que outrora pareciam confusos, adquirem sentido. “Manifestar-me-ei a quem me ama” (Jo 14, 21) [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 138 (139), 1-3. 4-6. 7-8. 9-10 (R/. 24b)

Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!

 

Senhor, vós me sondais e conheceis, sabeis quando me sento ou me levanto; de longe penetrais meus pensamentos, percebeis quando me deito e quando eu ando, os meus caminhos vos são todos conhecidos.

 

A palavra nem chegou à minha língua, e já, Senhor, a conheceis inteiramente. Por detrás e pela frente me envolveis; pusestes sobre mim a vossa mão. Esta verdade é por demais maravilhosa, é tão sublime que não posso compreendê-la.

 

Em que lugar me ocultarei de vosso espírito? E para onde fugirei de vossa face? Se eu subir até os céus, ali estais; se eu descer até o abismo, estais presente.

 

Se a aurora me emprestaras suas asas, para eu voar e habitar no fim dos mares; mesmo lá vai me guiar a vossa mão e segurar-me com firmeza a vossa destra.

 

 

Evangelho: Lucas (Lc 17, 1-6)

Instrução sobre o escândalo, o perdão, a fé

 

Naquele tempo, 1Jesus disse a seus discípulos: "E inevitável que aconteçam escândalos. Mas ai daquele que produz escândalos! 2Seria melhor para ele que lhe amarrassem uma pedra de moinho no pescoço e o jogassem no mar, do que escandalizar um desses pequeninos.

 

3Prestai atenção: se o teu irmão pecar, repreende-o. Se ele se converter, perdoa-lhe. 4Se ele pecar contra ti sete vezes num só dia, e sete vezes vier a ti, dizendo: 'Estou arrependido', tu deves perdoá-lo".

 

5Os apóstolos disseram ao Senhor: "Aumenta a nossa fé!" 6O Senhor respondeu: "Se vós tivésseis fé, mesmo pequeno como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: 'Arranca-te daqui e planta-te no mar', e ela vos obedeceria". Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mt 18, 6-7; Mc 9, 42, Mt 18, 15.21.22; Mt 17,20; 21,21; Mc 11,23.

 

 

Comentário o Evangelho

Evitar escândalos

 

O relacionamento, no interior da comunidade cristã, deve ser de fraternidade e de respeito mútuos. Contudo, as pessoas que estão dando os primeiros passos na fé merecem atenção especial. Não devem ser tratadas com intolerância e impaciência por quem se considera firme e madura na sua adesão a Jesus. Esse tratamento poderia levá-las ao desespero, acabando por abandonarem sua caminhada de fé. A isso chamamos de escândalo. E Jesus advertiu seus discípulos a evitá-lo.

 

A ofensa feita a uma pessoa fraca na fé atinge o próprio Deus. Daí o castigo terrível que Jesus sugeriu para quem escandalizar um pequenino. É Deus o primeiro interessado em que alguém se converta ao Reino anunciando por Jesus, e se esforce por adequar sua vida a esse mesmo Reino. Porque conhece a fraqueza humana, o Pai sabe que ninguém é capaz de atingir a maturidade da fé, da noite para o dia. O processo é lento e penoso, feito de altos e baixos. Ele acompanha com carinho e paciência, cada discípulo do Reino que se esforça para crescer na fé.

 

Deus não suporta que alguém se intrometa e ponha a perder a obra de sua graça. E o escândalo, em última análise, consiste em desfazer a obra de Deus, no coração das pessoas. Portanto, é obrigação da comunidade colaborar para que os pequeninos, apesar de suas quedas, sigam adiante, fazendo amanhecer sempre mais a própria fé. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

A palavra se faz oração (Liturgia Diária)

Para que saibamos permanecer firmes em meio à atribulações, rezemos: Senhor, escutai a nossa fé.

Para que sempre escolhamos os caminhos que conduzem á vida, rezemos.

Para que sejamos pessoas capazes de perdoar e acolher, rezemos.

Para que evitemos ser mau exemplo para a comunidade, rezemos.

Para que nossa fé nos ajude a viver com fidelidade o evangelho de Jesus, rezemos.

(outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Lançai, ó Deus, sobre o nosso sacrifício um olhar de perdão e de paz, para que, celebrando a paixão do vosso Filho, possamos viver o seu mistério. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma. Pelos prados e campinas verdejantes ele me leva a descansar. (Sl 22,1-2)

 

Oração Depois da Comunhão:

Fortificados por este alimento sagrado, nós vos damos graças, ó Deus, e imploramos a vossa clemência; fazei que perseverem na sinceridade do vosso amor aqueles que fortalecestes pela infusão do Espírito Santo. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para Sua Reflexão:

Escândalo é o que faz tropeçar e cair (Sl 73,2); geralmente se refere à fé. É um agravante que as vítimas sejam os pequenos: “Não amaldiçoarás o surdo nem porás tropeços ao cego” (Lv 9, 14). São inevitáveis, porque brotam como reação a exigências do evangelho, e também de estilos de vida socialmente certos e amplamente divulgados. Os pequenos, os fracos e necessitados, os que passam por crises, estão mais expostos. Paulo tira uma aplicação: “Comendo, não destruas alguém pelo qual o Messias morreu... Por um alimento não destruas a obra de Deus” (Rm 14, 15.20). Lucas fala primeiro de pecado em geral e recomenda a repreensão ou admoestação, para que o pecador se dê conta e se corrija. É uma espécie de denúncia profética em formato menor. Ora, perdoar o irmão supõe que ele nos ofendeu. O culpado seja rápido em arrepender-se, humilde em pedir perdão; o ofendido esteja sempre disposto a que, pelo perdão, triunfe a paz. Irmão é o israelita no Antigo, é o cristão no Novo Testamento. A força da fé não depende da grandeza, mas sim do seu ponto de apoio e é a promessa de Jesus. Pedir que Jesus a faça crescer já é expressão de fé, estima do seu valor, consciência da própria impotência. [Bíblia do Peregrino].

 

 

São Vicente Grossi

 

 

 

Filho de família modesta e muito amado por todos, aos 19 anos de idade entrou no seminário de Cremona e em 1869, aos 24 anos de idade, tornou-se sacerdote. Em 1873 foi nomeado pároco de Regona. Nessa paróquia, deu início a uma nova congregação religiosa, a das Filhas do Oratório que agrupava moças para visitas e ajudas aos mais necessitados. Dez anos após foi transferido para a Paróquia de Vicobellignano, onde permaneceu até o fim de sua vida. Em 1983, já havia 59 casas e 455 religiosas. Esse santo representa todos os humildes sacerdotes dedicados à curas das almas, santificando as pessoas a ele confiadas.

 

 

Creio na vida eterna!

Dom Redovino Rizzardo, cs, Bispo de Dourados - MS

 

No dia 12 de outubro de 2010, Bento XVI criou o “Conselho para a Promoção da Nova Evangelização”. Formado por prelados, religiosos e leigos preocupados com o fenômeno da descristianização do Ocidente, seu objetivo é colocar-se «a serviço das Igrejas particulares, especialmente nos territórios de antiga tradição cristã, onde se manifesta mais claramente o fenômeno da secularização».

 

Como acontece com outros conceitos em voga, por secularização pode-se entender um fato positivo ou negativo. Positivo, quando o assunto é a autonomia das realidades terrenas, levando o cristão a «dar a Deus o que é de Deus e a César o que é de César» (Mt 22,21), sem instrumentalizar nem a religião nem o Estado. Negativo, quando se refere a comportamentos e preconceitos contrários à religião e à fé. Nesse caso, é preferível recorrer ao termo “secularismo”.

 

Fruto do orgulho humano, enfatuado pela ciência e pelo progresso, o secularismo se identifica com o materialismo e, de acordo com o momento e a situação, se camufla sob as vestes do laicismo, do relativismo moral e do pluralismo cultural. Uma de suas conseqüências práticas é a negação da vida após a morte, de acordo, aliás, com a doutrina de alguns de seus líderes, para quem o único paraíso é o que se constrói aqui e agora. Era o que afirmava Hegel (1770/1831), um dos pais do socialismo: «Os cristãos desperdiçam no céu a energia destinada à terra».

 

Mas não é apenas a sociedade manipulada pela esquerda ou pela direita que não se preocupa com a vida além-túmulo. Há padres e pastores que jamais tocam no assunto, pelo medo de alienarem seus fiéis e passarem por antiquados. Kierkegaard (1813/1855) – que além de filósofo era também teólogo – se escandalizava com o que via em sua Igreja: «A vida após a morte tornou-se uma piada, algo tão incerto que não só a ninguém preocupa, mas nem mesmo se admite existir. Há pessoas que se divertem lembrando que houve tempos em que essa ideia era capaz de transformar a existência».

 

Perdendo-se o horizonte da eternidade, porém, a vida humana, sobretudo em seus momentos dolorosos, acaba um absurdo. Não por nada a violência, a depressão e o suicídio são apanágios de sociedades que passam por desenvolvidas porque... materialistas! Se tudo termina com a morte, então, “quem pode mais, chora menos!” Era o que, com palavras mais escolhidas, afirmava São Paulo: «Se os mortos não ressuscitam, comamos e bebamos, pois amanhã morreremos!» (1Cor 15,32).

 

A quem se admirava que um escritor e filósofo de sua envergadura acreditasse na vida eterna, Miguel de Unamuno (1864/1936) – que não era nenhum apologista da fé! – respondia: «O que é passageiro não me satisfaz; tenho sede de eternidade! Sem ela, a alegria de viver nada significa. Mas não é que, por desejar a eternidade, eu despreze o mundo e a vida aqui na terra. Eu amo tanto a vida que, para mim, perdê-la, é o pior dos males. Não ama a vida quem vive o dia-a-dia, sem se preocupar por saber se vai perdê-la ou não». Diferentemente do que pensavam Hegel e Marx, o ideal e a esperança do paraíso fortalecem também o compromisso e o empenho com a construção de um mundo melhor. É o que lembrava o Concílio Vaticano II, em 1965: «A esperança de novos céus e nova terra, longe de atenuar, deve impulsionar a solicitude pelo aperfeiçoamento dessa terra».

 

Como conclusão, uma estória para quantos – pela idade, pela doença ou pelo acaso (que não existe!) – se preparam para ingressar na vida eterna. Havia uma vez dois gêmeos, um menino e uma menina, tão inteligentes e precoces que, apesar de se encontrarem ainda no seio materno, conversavam entre si. Certo dia, estabeleceu-se o seguinte diálogo entre a menina e o irmão: «Para você, existe vida após o nascimento?». «Não seja ridícula! O que leva você a pensar que há algo fora desse espaço estreito e escuro onde estamos?». «Talvez haja uma mãe, alguém que nos colocou aqui e que vai cuidar de nós». «Mas, onde está essa mãe? Tudo o que existe é o que você vê aqui». «Mas você não sente uma pressão no peito, que aumenta dia a dia e nos empurra para a frente?». «Pensando bem, é verdade, sinto isso o tempo todo». «Veja, essa dor não pode ser para nada. Eu acho que ela está nos preparando para algo maior do que esse espaço tão pequeno!». [CNBB]

 

Dia do Radialista

 

Durante muito tempo o Dia do Rádio, ou da Radiodifusão, e o Dia do Radialista foram comemorados juntamente, em 21 de Setembro que é também o Dia da Árvore. A celebração teve início em 1945, quando um decreto assinado pelo presidente Getúlio Vargas fixou os níveis mínimos de salário dos trabalhadores em empresas de radiodifusão.

 

Nos anos 80, por ocasião do IV Congresso Brasileiro de Radiodifusão, realizado na Bahia, os proprietários de Emissoras decidiram estabelecer uma data para comemorar em separado O Dia da Radiodifusão. Escolheram 25 de Setembro, pois nesse dia nasceu Roquette-Pinto. Edgard Roquette-Pinto, médico, antropólogo e professor, nascido em 1.884, fundou a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, em 21 de abril de 1.923. Dessa forma, passamos a comemorar em 21 de Setembro o Dia do Radialista e em 25 desse mês o Dia do Rádio, ou da Radiodifusão.

 

Mais recentemente, em decreto assinado pelo Presidente Lula, foi instituído no calendário de efemérides nacionais o Dia do Radialista a ser comemorado em 7 de Novembro, data de nascimento do compositor, músico e radialista Ary Barroso. [Ubiratan Lustosa, http://www.ulustosa.com]

 

Se dentro de ti está o amor, nenhuma outra coisa

senão o bem poderá sair de tal raiz. (Santo Agostinho)