Segunda-feira, 7 de junho de 2010

Décima Semana do Tempo Comum, Ano par, 2ª do Saltério,  cor Litúrgica Verde

 

Santos: Antônio Maria Gianelli (bispo de Bobbio), Aventino de Bagnères (mártir), Colmano de Dromore (bispo), Deocaro de Herriedon (abade), Landulfo Variglia (monge, bispo de Asti), Licário do Egito (mártir), Meriadoc de Vannes (bispo), Meriadoc II de Vannes (bispo), Paulo de Constantinopla (bispo, mártir), Pedro, Wallabonso, Sabiniano, Wistremundo, Evêncio e Jeremias (monges, mártires de Córdova), Roberto de Newminster (abade), Vulflágio de Abbeville (eremita), Willibaldo de Eichstätt (bispo). 

 

Antífona: O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem poderia eu temer? O Senhor é o balkuarte de minha vida, perante quem tremerei? Meus opressores e inimigos, são eles que vacilam e sucumbem. (Sl 26, 1-2)

 

Oração: Ó Deus, fonte de todo bem, atendei ao nosso apelo e fazei-nos, por vossa inspiração, pensar o que é certo e realizá-lo com vossa ajuda. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: I Livro dos Reis (1Rs 17, 1-6)
Querem desviar o povo do caminho de Deus

 

Naqueles dias, 1o profeta Elias, tesbita de Tesbi de Galaad, disse a Acab: "Pela vida do Senhor, o Deus de Israel, a quem sirvo, não haverá nestes anos nem orvalho nem chuva, senão quando eu disser!" 2E a Palavra do Senhor foi dirigida a Elias nestes termos: 3"Parte daqui e toma a direção do oriente. Vai esconder-te junto à torrente de Carit, que está defronte ao Jordão. 4Lá beberás da torrente. E eu ordenei aos corvos que te dêem alimento". 5Elias partiu e fez como o Senhor lhe tinha ordenado, e foi morar junto à torrente de Carit, que está defronte ao Jordão. 6Os corvos traziam-lhe pão e carne, tanto de manhã como de tarde, e ele bebia da torrente. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura
Elias, de pé, na presença do deus de Israel

 

Os livros dos Reis são uma meditação de fé sobre a história: Israel precipita-se na ruína porque os reis desviam de Deus o povo, e este é infiel à aliança. Por isso Deus deixa livre curso à lógica da política humana. Essa história mostra o pecado como um mal social que domina e oprime, do qual os homens não se podem livrar e a ele se prendem sempre mais; é, portanto, uma fremente invocação ao Deus salvador. A ação profética de Elias é uma violenta denúncia sempre mais sistemática, feita aos reis, de desviarem o povo de Deus. Para Acab, Deus não existe; Elias, cujo nome é uma Proclamação: "O Senhor é meu Deus", fá-lo sentir as conseqüências do ateísmo: silêncio de Deus! Elias, crente, fala e ameaça, depois retira-se. Confia em Deus, e Deus o assiste. Hoje, num mundo incrédulo e ateu, a Igreja deve ser testemunha de Deus, com sua vida sem apoios terrenos, sustentada pelo "pão que é a carne de Cristo". [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1987]

 

Salmo: 120(121), 1-2.3-4.5-6.7-8 (R/. cf. 2)
Do Senhor é que me vem o meu socorro,

do Senhor que fez o céu e fez a terra!

 

Eu levanto os meus olhos para os montes: de onde pode vir o meu socorro? "Do Senhor é que me vem o meu socorro, do Senhor que fez o céu e fez a terra!"

 

Ele não deixa tropeçarem os meus pés, e não dorme quem te guarda e te vigia. Oh, não! Ele não dorme nem cochila, aquele que é o guarda de Israel!

 

O Senhor é o teu guarda, o teu vigia, é uma sombra protetora à tua direita. Não vai ferir-te o sol durante o dia, nem a lua através de toda a noite.

O Senhor te guardará de todo o mal, ele mesmo vai cuidar da tua vida! Deus te guarda na partida e na chegada. Ele te guarda desde agora e para sempre!

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 5, 1-12)
 Bem-aventurados os pobres em Espírito

 

Naquele tempo, 1vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2e Jesus começou a ensiná-los: 3"Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus. 4Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra. 6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 10Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. 11Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. 12Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus. Do mesmo modo perseguiram os profetas que vieram antes de vós". Palavra da Salvação!

 

 

Comentando o Evangelho

É possível ser santo

 

A santidade é uma meta a ser atingida por todos os cristãos. Ninguém é excluído deste apelo nem pode eximir-se de dar sua resposta. Mas importa nutrir um ideal sadio de santidade, sem se deixar levar por falsas concepções.


Ser santo é ser capaz de colocar-se totalmente nas mãos do Pai, contar com ele, sabendo-se dependente dele. Por outro lado, é colocar-se a serviço dos semelhantes, fazendo-lhes o bem, como resposta aos benefícios recebidos do Pai. O enraizamento em Deus desabrocha em forma de misericórdia para com o próximo.


A santidade constrói-se no ritmo da entrega da própria vida nas mãos do Pai, explicitada no serviço gratuito e desinteressado aos demais, deixando de lado os interesses pessoais e tudo quanto seja incompatível com o projeto de Deus.


Este ideal não é inatingível. E se constrói nas situações mais simples nas quais a pessoa é chamada a ser bondosa, a não agir com dolo ou fingimento, a criar canais de comunicação entre os desavindos, a superar o ódio e a violência, a cultivar o hábito da partilha fraterna, a ser defensor da justiça.


Qualquer cristão, no seu dia-a-dia, tem a chance de fazer experiências deste gênero. Se o fizer, com a graça de Deus, estará dando passos decisivos no caminho da bem-aventurança.
[Evangelho nosso de cada dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: O sermão da Montanha (o primeiro dos cinco discursos programáticos de Jesus) é a carta magna do novo povo de Deus. Deve ser lida com o monte Sinai e Moisés no fundo (Ex 19) para apreciar diferenças e contrastes. Diferentemente de Lucas (6, 20-23), cujas bem-aventuranças são dirigidas a todos sem especificar, como uma mensagem profética que assinala os pobres, perseguidos e marginalizados como os preferidos, as bem-aventuranças de Mateus têm um auditório concreto e restrito: o grupo dos que Jesus havia chamado a segui-lo: “Seus discípulos aproximaram-se dele e lhes ensina, dizendo...” (Novo Testamento, Edição de Estudos, Ave-Maria)

 

Santo Antônio Maria Gianelli

 

 

 

 

Fundou a Congregação das Filhas de Maria (Irmãs Gianellinas) e a Congregação dos Missionários (ou Oblatos) de Santo Afonso de Ligório. Nomeado bispo de Bobbio, na Itália, reformou completamente essa diocese, afastando sacerdotes indignos e substituindo-os por outros formados segundo seu espírito inteiramente apostólico. Na Itália, venera-se SANTO ANTÔNIO GIANELLI, bispo de Bobbio e fundador de duas congregações religiosas. De extraordinário nada houve em sua vida, a não ser a fidelidade constante para com os deveres de estado. Foi por isso mesmo que Pio XII o canonizou, apresentando-o como modelo a toda a Igreja, por essa fidelidade nas coisas pequeninas. Viveu entre os séculos XVIII e XIX.

 

Se a vida é um milagre, viver é uma graça e viver bem é

a maior das graças e o grande milagre. (Frei Neylor Tonin)