Segunda, 5 de dezembro de 2010

Segunda Semana do Advento, Ano “A”, 2ª do Saltério (Livro I), cor Roxa

 

Dia: Dia do Casal

 

Santos: Abraão de Cratia (bispo), Apolinário de Trieste (mártir), Asela de Roma (virgem), Bassa de Jerusalém (abadessa), Dionísia, seu filho Majórico, Bonifácio, Dativa, Leôncia, Tércio e Companheiros (mártires da África), Geraldo de Bayeux (bispo), Geraldo de Braga (arcebispo), Gertrudes de Hamay (abadessa), Pedro Pascásio (bispo de Braga, mártir), Policrônio de Ganfanetis (prebítero, mártir), Benevenuto de Piticchio (bem-aventurado), Francisco Catalano (bem-aventurado).

 

Antífona: Ó nações, escutai a palavra do Senhor; levai a boa-nova até os confins da terra! Não tenhais medo: eis que chega o nosso salvador. (Jr 31, 10; Is 35,4)

 

Oração: Cheguem à vossa presença, ó Deus, as nossas orações suplicantes, e possamos celebrar de coração puro o grande mistério da encarnação do vosso Filho. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Isaias (Is 35, 1-10)
Regresso a Sião

 

1Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. 2Germine e exulte de alegria e louvores. Foi-lhe dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e de Saron; seus habitantes verão a glória do Senhor, a majestade do nosso Deus. 3Fortalecei as mãos enfraquecidas e firmai os joelhos debilitados.  4Dizei às pessoas deprimidas: "Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar". 5Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. 6O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos, assim como brotarão águas no deserto e jorrarão torrentes no ermo. 


7A terra árida se transformará em lago, e a região sedenta, em fontes de água; nas cavernas onde viviam dragões crescerá o caniço e o junco. 8Ali haverá uma vereda e um caminho; o caminho se chamará estrada santa: por ela não passará o impuro; mas será uma estrada reta em que até os débeis não se perderão. 9Ali não existem leões, não andam por ela animais depredadores, nem mesmo aparecem lá; os que forem libertados, poderão percorrê-la, 10Os que o Senhor salvou, voltarão para casa. Eles virão a Sião cantando louvores, com infinita alegria brilhando em seus rostos: cheios de gozo e contentamento, não mais conhecerão a dor e o pranto". Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

É  Deus mesmo que vem para vos salvar

 

A esperança é a característica dos que creem, mesmo na provação, no sofrimento, no próprio pecado e na tentativa, tantas vezes falha, de melhorar, de deixar o próprio egoísmo e a própria sensualidade. O motivo profundo dessa esperança é um só: Sim, o nosso Deus vem nos salvar (Salmo). Mas o Deus que quer “mudar” nossa vida não nos salvará sem nossa colaboração, por limitada que seja e cheia de defeitos. Por isso nos diz, a nós que esperamos a sua vinda: Fortalecei as mãos cansadas, arregaçai as mangas, é chegado o momento! Os defeitos da chegada de Deus ao coração dos homens são significados pela transformação de tantos motivos de sofrimento e de lágrimas em motivos de alegria. Isso é obra conjunta de Deus e do homem. Os múltiplos paraísos que o homem tenta reconstruir, triunfando da guerra, da fome, das escravidões do trabalho, são outras tantas etapas que conduzem o cristão ao paraíso querido por Deus. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

 

Salmo: 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R/. Is 35, 4d)

Eis que vem o nosso Deus! Ele vem para salvar

 

Quero ouvir o que o Senhor irá falar: é a paz que ele vai anunciar; a paz para o seu povo e seus amigos, para os que voltam ao Senhor seu coração. Está perto a salvação dos que o temem, e a glória habitará em nossa terra.

 

A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão; da terra brotará a fidelidade, e a justiça olhará dos altos céus.

 

O Senhor nos dará tudo o que é bom, e a nossa terra nos dará suas colheitas; a justiça andará na sua frente e a salvação há de seguir os passos seus.

 

Evangelho: Lucas (Lc 5, 17-26)

Deus  a quem está disposto a converter-se

 

17Um dia Jesus estava ensinando. A sua volta estavam sentados fariseus e doutores da lei, vindos de todas as aldeias da Galiléia, da Judéia e de Jerusalém. E a virtude do Senhor o levava a curar. 18Uns homens traziam um paralítico num leito e procuravam fazê-lo entrar para apresentá-lo. 19Mas, não achando por onde introduzi-lo, devido à multidão, subiram ao telhado e por entre as telhas o desceram com o leito no meio da assembleia diante de Jesus. 20Vendo-lhes a fé, ele disse: "Homem, teus pecados estão perdoados". 

 

21Os escribas e fariseus começaram a murmurar, dizendo: "Quem é este que assim blasfema? Quem pode perdoar os pecados senão Deus?" 22Conhecendo-lhes os pensamentos, Jesus respondeu, dizendo: "Por que murmurais em vossos corações? 23O que é mais fácil dizer: 'teus pecados estão perdoados', ou dizer: 'levanta-te e anda'? 24Pois, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados - disse ao paralítico - eu te digo: 'levanta-te, pega o leito e vai para casa"'. 25Imediatamente, diante deles, ele se levantou, tomou o leito e foi para casa, louvando a Deus. 26Todos ficaram fora de si, glorificavam a Deus e cheios de temor diziam: "Hoje vimos coisas maravilhosas!" Palavra da Salvação!

 

 Leituras paralelas: Mc 2, 1-12; Mt 9, 1-8; Jo 5, 1-9

 

 

Comentando o Evangelho

 

As verdadeiras amizades

 

O contexto desta passagem é o ministério de Jesus na Galileia. Ele estava ensinando para os fariseus e doutores da lei, que de fato, não estavam ali para aprenderem, mas para espionarem as atitudes e ações do Messias. Por onde Jesus passava as multidões o acompanhava e o local onde se encontrava estava bem lotado. Daí forma-se o seguinte cenário:

 

1.    O esforço dos amigos foi muito grande. Havia fé tanto através dos quatro, quanto da pessoa diretamente interessada. o paralítico, vítima dos males do pecado;

2.    Naquele tempo pensava-se que as doenças eram causadas pelos demônios e pelos pecados (Jo 5, 14);

3.    Perdoando os pecados Jesus estava atingindo a causa e não apenas os sintomas;

4.    Baseado numa interpretação fundamentalista do AT pelos críticos de Jesus, somente Deus podia perdoar os pecados, e, portanto, como se atreve fazer isso um homem qualquer?

5.    Jesus não cura a paralisia, mas os pecados do paralitico: “Homem, seus pecados estão perdoados” (v.20b);

6.    Jesus cura o mal pela raiz. Liberta o espírito e o corpo e nada cobra por “estes serviços”;

7.    Na época de Jesus o perdão só acontecia no Templo tendo-se como contrapartida do fiel as ofertas e os sacrifícios;

8.    Através do paralítico Jesus manifesta os poderes que obteve do Pai: o poder sobre as doenças corporais e o perdão dos pecados.

 

Como o texto seria atualizado para os tempos presentes?

 

1.    A fé é o pressuposto fundamental do fiel cristão; sem ela tudo perde sentido;

2.    Quatros irmãos envidaram todos os esforços possíveis para ver o amigo paralítico bem próximo de Jesus, superando todos os obstáculos. Isso é possível nos dias atuais? Claro que sim: evangelizando, tomando parte na missão, fazendo a sua parte, com base no amor e respeito ao próximo. Utopia? Para os incrédulos, sim, para o cristão, tudo é possível pela misericórdia de Deus e pela presença do Espírito Santo aos olhos da fé do cristão. Acredite: amigos existem e se apresentam nas horas mais difíceis;

3.    Jesus é amigo de todos; basta que o cristão abra o coração para receber a cura dos seus pecados, dos seus males do corpo e do espírito;

4.    Os quatros amigos lembram o poder da comunidade à luz da fé: “Onde duas ou mais pessoas estiverem reunidas em meu nome...”;

5.    Jesus fazia tudo de graça, obviamente, com base no amor. Hoje fazemos favores na perspectiva da retribuição. Se não houver o retorno perde-se o amigo, na prática. O desafio para o cristão comprometido com o evangelho é desligar-se dos referenciais puramente materiais e mesquinhos;

6.    Faça bem ao próximo sem esperar retonos terrenos, mas seguramente de Deus que está bem ligado em nossas ações e atitudes;

 

No tempo do Advento abra seu coração e prepare-se bem para receber o presente do Amigo Maior! [Everaldo Souto Salvador, ofs]

 

A palavra se faz oração (Missal Dominical)

·  Congregai, Senhor, na unidade a vossa Igreja. Vinde, Senhor Jesus.

·  Purificai nosso coração do egoísmo e da ganância.

·  Curai-nos de nossas enfermidades e de nossa fraqueza.

·  Revigorai as pessoas com o poder da vossa divindade.

·  Iluminai os que vivem oprimidos nas trevas do pecado.

·  (outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Recebei, ó Deus, estas oferendas que escolhemos entre os dons que nos destes, e o alimento que hoje concedeis à nossa devoção torne-se prêmio da redenção eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Vinde, Senhor, visitai-nos com a vossa paz, para que nos alegremos de todo o coração na vossa presença. (Sl 105, 4-5; Is 38,3)

 

Oração Depois da Comunhão:

Aproveite-nos, ó Deus, a participação nos vossos mistérios. Fazei que eles nos ajudem a amar desde agora o que é do céu e, caminhando entre as coisas que passam, abraçar as que não passam. Por Cristo, nosso Senhor.

 

São Nicolau Bari

São Nicolau: foi ele quem deu origem ao Papai Noel, a personificação do bom velhinho, sempre ajudando as pessoas com seus milagres. Na juventude realizou uma peregrinação rumo ao Egito e à Palestina e logo depois foi eleito bispo de Mira. Foi mantido um bom tempo na prisão durante as perseguições do imperador Diocleciano. Um de seus milagres foi a ressurreição de três meninos que haviam sido assassinados por um açougueiro. Outro de inumeráveis fatos, foi a ajuda que deu a três moças, que devido a miséria, choravam por não ter dotes e assim se casar com um bom moço, como era o costume da época. Secretamente são Nicolau depositou três sacos de moedas de ouro na porta da casa, as quais vieram a servir como dotes. Conta-se também que mesmo após sua morte aparecia a marinheiros durante tempestades, acalmando-a.

 

Pouca coisa é necessária para transformar inteiramente uma vida:

amor no coração e sorriso nos lábios? (Martin Luther King)