Segunda-feira, 6 de junho de 2011

Sétima Semana da Páscoa,  3ª do Saltério (Livro II),  cor Litúrgica Branca

 

Hoje: Dia Nacional do Teste do Pezinho, Semana de Orações Pela Unidade Cristã.

 

Santos: Justino (165, mártir palestino), Cândida, Herculano de Piegaro, Afonso Navarrete, Fernando Ayala, João Story, Tespésio (Séc. III, Capadócia), Isquirião (Séc. III, Egito), Próculo (Séc. III, Itália), Inácio (Espanha), Panfílio (309, mártir, Cesaréia da Palestina), Valêncio, Branca, Próculo (542, bispo) e Próculo (304, soldado), Caprásio (430), Vistrano (849), Simeão (1035, Siracusa/Sicília), Êneco (1057, abade), Teobaldo de Alba (1150), João Pelingotto (1304), Herculano  de Piegaro (1451), João Storey (15,71, beato, mártir), Félix de Nicósia (1787, beato)

 

Antífona: Recebereis a força do Espírito Santo, que descerá em vós, e dareis testemunho de mim até os confins da terra, aleluia! (At1, 8)

 

Oração: Nós vos pedimos, ó Deus, que venha a nós a força do Espírito Santo, para que realizemos fielmente a vossa vontade e a manifestemos por uma vida santa. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Atos (At 19, 1-8)

Vós recebestes o Espírito Santo quando abraçastes a fé?

 

1Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as regiões montanhosas e chegou a Éfeso. Aí encontrou alguns discípulos e perguntou-lhes: 2"Vós recebestes o Espírito Santo quando abraçastes a fé?" Eles responderam: "Nem sequer ouvimos dizer que existe o Espírito Santo!" 3Então Paulo perguntou: "Que batismo vós recebestes?" Eles responderam: "O batismo de João". 4Paulo disse-lhes: "João administrava um batismo de conversão, dizendo ao povo que acreditasse naquele que viria depois dele, isto é, em Jesus". 5Tendo ouvido isso, eles foram batizados no nome do Senhor Jesus. 6Paulo impôs-lhes as mãos e sobre eles desceu o Espírito Santo. Começaram então a falar em línguas e a profetizar. 7Ao todo, eram uns doze homens. 8Paulo foi então à sinagoga e, durante três meses, falava com toda convicção, discutindo e procurando convencer os ouvintes sobre o reino de Deus. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Vós recebestes o Espírito Santo quando abraçastes a fé?

 

Este fato dirige e orienta nossa reflexão sobre a presença maciça e o papel de agente que tem o Espírito Santo na Igreja apostólica, e na extraordinária e mesmo sensível experiência que têm os primeiros cristãos de sua presença e atuação. Não é à toa que se definem os Atos como “o evangelho do Espírito Santo”.

 

À parte a ausência, hoje, das manifestações exteriores e vistosas que eram chamadas “dons do Espírito” (carismas?), é de se perguntar porque é tão pouco relevante o Espírito na vida e na experiência dos cristãos de agora. Depois do Concílio fala-se dele com mais frequência, porém muito mais se fala de “carismas” do que do Espírito que dá os carismas. (Missal Cotidiano, Paulus 1997)

 

Salmo: 67 (68), 2-3.4-5ac.6-7ab (R/.33a)

Reinos da terra, cantai ao Senhor

 

Eis que Deus se põe de pé, e os inimigos se dispersam! Fogem longe de sua face os que odeiam o Senhor! Como a fumaça se dissipa, assim também os dissipais, como a cera se derrete, ao contato com o fogo, assim pereçam os iníquos ante a face do Senhor!

 

Mas os justos se alegram na presença do Senhor, rejubilam satisfeitos e exultam de alegria! Cantai a Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! O seu nome é Senhor: exulta diante dele!

 

Dos órfãos ele é pai, e das viúvas protetor; é assim o nosso Deus em sua santa habitação. É o Senhor quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, quem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura.

 

 

Evangelho: João (Jo 16, 29-33)

Tende coragem! eu venci o mundo!

 

Naquele tempo, 29os discípulos disseram a Jesus: "Eis, agora falas claramente e não usas mais figuras. 30Agora sabemos que conheces tudo e que não precisas que alguém te interrogue. Por isto cremos que vieste da parte de Deus". 31Jesus respondeu: "Credes agora?

 

32Eis que vem a hora - e já chegou - em que vos dispersareis, cada um para seu lado, e me deixareis só. Mas eu não estou só porque o Pai está comigo. 33Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo, tereis tribulações. Mas, tende coragem! Eu venci o mundo!" Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

Eu venci o mundo!  

 

O mundo, entendido como força de oposição a Jesus e empecilho para a realização de sua obra, está em contínuo conflito com o Filho de Deus. Em todo o seu ministério houve uma luta ininterrupta com o mundo.


Desde o início, este procurou desconhecer a Palavra revelada por Jesus. Também cultivou um terrível ódio contra ele, porque desmascarava a malícia de suas obras. O mundo maquinou a morte de Jesus, arregimentando todos os inimigos e tentando convencê-los de que o Mestre era um blasfemo e inimigo da nação. Ademais, o mundo assumiu a postura ridícula de reconhecer o imperador romano como rei, porque isto lhe convinha para confirmar a sentença capital contra o enviado de Deus.


O mundo encarna o poder das trevas, da morte, da mentira e do pecado. Por isso, não podia chegar a um acordo com quem era luz e tinha por missão gerar vida e verdade e, assim, fazer a graça divina jorrar sobre toda a humanidade. Mas, a cegueira apossou-se do mundo, impedindo-o de chegar à verdade. Sua auto-suficiência fê-lo desprezar a oferta divina de salvação, proclamada pelo Filho de Deus.


Jesus tem consciência de ter vencido o mundo, embora tivesse de passar pela morte de cruz. Sua vitória resultou da ação conjunta com o Pai. Afinal, ao se levantar contra Jesus, o mundo se insurgia contra o próprio Deus. Seria ingenuidade ter a pretensão de vencê-los! [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A, ©Paulinas, 1997]

 

São Norberto

 

 

 

Norberto nasceu, por volta de 1080, em Xauten, na Alemanha. Filho mais novo de uma família da nobreza, podia escolher entre a carreira militar e a religiosa. Norberto escolheu a segunda, mas buscou apenas prazeres e luxos, como faziam muitos nobres da Europa. Circulava em altas rodas, vestindo riquíssimas roupas da moda, dedicando-se a caçadas e à vida da corte, até que um dia foi atingido por um raio, quando cavalgava no bosque.

 

Seu cavalo morreu e, quando o jovem nobre despertou do desmaio, ouviu uma voz que lhe dizia para abandonar a vida mundana e praticar a virtude para salvar sua alma. Entendeu o acontecido como um presságio para uma conversa com Deus. A partir daquele instante, abandonou a família, amigos, posses e a vida dos prazeres. Passou a percorrer, na solidão, com os pés descalços e roupa de penitente, os caminhos da Alemanha, Bélgica e França. Para aprimorar o dom da pregação, completou os estudos teológicos no mosteiro de Siegburgo e recebeu a ordenação sacerdotal.

 

Talvez envergonhado pelo passado, empreendeu a luta por reformas na Igreja, visando acabar com os privilégios dos nobres no interior do cristianismo. Foi muito contestado, principalmente pelo próprio clero, mas conseguiu o apoio do papa e seu trabalho prosperou. Quando as reformas estavam já implantadas e em andamento, retirou-se para a solidão e fundou a Ordem dos Cônegos Regulares Premonstratenses, também conhecida como "dos Monges Brancos", uma referência ao hábito, que é dessa cor.

 

A principal regra da nova Ordem era fazer com que os sacerdotes vivessem sua vida apostólica com a disciplina e a dedicação dos monges, uma concepção de vida religiosa revolucionária para a época. Mas não encerrou aí seu apostolado, pois desejava continuar como pregador fora do mosteiro. Reiniciou sua obra de evangelização itinerante como um simples sacerdote mendicante.

Em 1126, foi nomeado arcebispo de Magdeburgo, lutando contra o cisma que ameaçava dividir a Igreja naquele tempo. Respeitado pelo rei Lotário III, da Alemanha, foi por ele escolhido para seu conselheiro espiritual e chanceler junto ao papa. Norberto morreu no dia 6 de junho de 1134, na sua sede episcopal, onde foi sepultado.

 

Ele foi canonizado, em 1582, pelo papa Gregório XIII. Devido à Reforma Protestante, suas relíquias foram trasladadas para a abadia de Strahov, na cidade de Praga, capital da República Tcheca, em 1627, onde estão guardadas até hoje.

 

Ao lado de são Bernardo, são Norberto é considerado um dos maiores reformadores eclesiásticos do século XII. Atualmente, existem milhares de monges da Ordem de São Norberto, em vários mosteiros encontrados em muitos países de todos os continentes, inclusive no Brasil. [Paulinas]

 

 

Oração da assembleia (Deus Conosco)

Bendigamos ao Pai, que nos enviará seu Espírito de amor para nos santificar, e roguemos confiantes em nossas preces.

Bendito seja o Pai que tudo criou por amor! Para que respeitemos a natureza criada por Deus, e a cada pessoa humana, imagem e semelhança dele, rezemos ao Senhor. Enviai-nos, Senhor, vosso Santo Espírito!

Bendito seja o Filho, Redentor de nossa humanidade! Para que aprendamos a consultar sempre o evangelho em nossas dificuldades, e nele encontramos a resposta que precisamos, rezemos ao Senhor.

Bendito seja o Espírito Santo que nos santifica! Para que o Espírito de Deus nos inspire em nossas ações, atitudes, gestos e palavras, rezemos ao Senhor.

Bendito quem ouve a Palavra do Senhor! Para que esta Semana da Unidade desperte em nós o amor fraterno, o diálogo sincero e a união pela justiça, rezemos ao Senhor.

(preces espontâneas)

 

 

Oração sobre as Oferendas:

Ó Deus, que este sacrifício perfeito possa purificar-nos e dar a nossos corações a força de vossa graça. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Não vos deixarei órfãos, diz o Senhor: a vós retornarei e vosso coração se encherá de alegria, aleluia! (Jo 14, 18; 16,22)

 

Oração Depois da Comunhão:

Ó Deus de bondade, permanecei junto ao vosso povo e fazei passar da antiga à nova vida aqueles a quem concedestes a comunhão nos vossos mistérios. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: Os discípulos continuam sem entender plenamente a mensagem de Jesus. Sentem-se intrigados. Jesus lhes anuncia que são chamados a dar à luz a um mundo novo, baseado no amor e guiado pelo Espírito. O ato de dar à luz produz um sofrimento passageiro que acaba em uma alegria imensa. Este momento de alegria e prazer esta próximo, quase ao alcance da mão. O amor de Jesus e do Pai que lhes vai ser revelado mudará a perspectiva dos discípulos. Vão ter fé, valor e paz para enfrentar todas as dificuldades que se apresentarem, porque saberão que Jesus sesta com eles como o Pai tem estado sempre com Jesus. (Novo Testamento, Edições de Estudos, Ave-Mareia)

 

 

Dia nacional do teste do pezinho

 

O Teste do Pezinho é fundamental para diagnosticar precocemente doenças complexas e passíveis de tratamento. Este exame completa 10 anos de existência e desde a sua criação tem realizado o diagnóstico de até quatro doenças, dependendo do estado brasileiro.

 

Neste dia 6 de junho, Dia Nacional do Teste do Pezinho, o Senado Federal reúne especialistas e representantes do Ministério da Saúde em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos para avaliar o atual Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) e propor a inclusão de novas doenças.

 

A SBEM-SP (Regional São Paulo da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) é favorável à inclusão de novas doenças, em especial, da hiperplasia adrenal congênita, moléstia que faz parte apenas da triagem neonatal da rede privada.

 

“Existe um consenso em todo o mundo de que a triagem para a Hiperplasia Adrenal Congênita deva ser incluída nos programas públicos de triagem, já fazendo parte do programa dos Estados Unidos e de vários países da Europa. A inclusão desta e de demais doenças no processo de triagem neonatal representaria uma importante ação na promoção de saúde pediátrica da população, causando impacto na redução da mortalidade infantil”, defende Tania Bachega, médica endocrinologista da SBEM-SP.

 

Sobre a Hiperplasia Adrenal Congênita

 

A Hiperplasia causa a diminuição da produção de um hormônio essencial à vida, o  cortisol ou cortisona, naturalmente produzido pelas glândulas adrenais. Os recém-nascidos com esta doença apresentam uma grave desidratação nas primeiras semanas de vida e sem tratamento específico a maioria deles evolui para choque e óbito. Para os que sobrevivem à crise, é frequente a ocorrência de déficits intelectuais, alterações neurológicas e, em casos extremos, até a paralisia cerebral. Junto com a falta da produção de cortisona, existe um desequilíbrio na produção de testosterona, o que resulta em malformações da genitália externa em recém-nascidos do sexo feminino. Esta malformação, que é passível de cirurgia corretiva e de vida normal, pode causar erros de identificação de sexo civil ao nascimento, cujo trauma psicológico para as pacientes e familiares é imensurável. [www.sbemsp.org.br]

 

Comunicar com dignidade...

Dom Nelson Westrupp, scj, Bispo Diocesano de Santo André - SP

 

Em tempos de novas tecnologias da comunicação, de mudanças quanto ao modo de comunicar, de estabelecer relações e de estreitar amizades, jamais podemos perder de vista que esses instrumentos, por mais sofisticados que sejam, devem estar a serviço do bem integral da pessoa humana.

 

Pondo-me a pensar sobre a dignidade da pessoa humana e os meios de comunicação social, pergunto-me: qual é o alcance da Declaração Universal dos Direitos Humanos em relação ao que lemos em seu art. 12º?: “Ninguém será sujeito à interferência na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Todo ser humano tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques”. E a Constituição Federal do Brasil de 1988, art. 5o , X, acrescenta: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”.

 

É isso que está acontecendo? As informações que recebemos correspondem sempre à verdade? A fonte, a aquisição e a difusão das notícias e informações respeitam a dignidade da pessoa humana? Se aquele que comunica não estiver revestido de ética e reta intenção, sua informação não será verdadeira, não respeitará a dignidade do outro. Direitos e deveres da comunicação social devem desenvolver-se internamente à lógica da responsabilidade. Urge promover códigos deontológicos que respeitem os direitos fundamentais do ser humano (cf. Estudos da CNBB, 101, n. 8).

 

Os responsáveis pela imprensa deveriam levar em conta a verdade, a justiça e o bem comum. Um meio de comunicação (TV, rádio, jornal, revista, internet, etc.) não se torne instrumento que reduza as pessoas a categorias, manipulando-as por motivos escusos. “Como qualquer outro fruto do engenho humano, escreve Bento XVI em sua Mensagem para o 45º Dia Mundial das Comunicações Sociais, as novas tecnologias da comunicação pedem que sejam postas ao serviço do bem integral da pessoa e da humanidade inteira”. Assim sendo, é preciso comunicar com integridade e transparência, pois a falsidade e a falácia andam na contramão da verdade e da liberdade.

 

Se, por um lado, a sociedade tem direito a uma informação fundada sobre a verdade, por outro, o correto exercício desse direito exige que a comunicação seja, quanto ao objeto, sempre autêntica, correta e completa, dentro do respeito às exigências da justiça e da caridade; que ela seja, quanto ao modo, honesta e conveniente, quer dizer, que na aquisição e difusão das notícias observe absolutamente as leis morais, os direitos e a dignidade humana (cf. Catecismo da Igreja Católica, 2494).

 

Nem sempre é o que se verifica. Quantos “furos de reportagem” interferem diretamente na privacidade, na intimidade, na honra ou na imagem das pessoas! Causa indignação, muitas vezes, o modo como as pessoas são “puro objeto” de notícias escandalosas e infundadas. Como os fatos são distorcidos e manipulados! Sem muito compromisso com a “veracidade” do que se publica, os princípios éticos e direitos fundamentais são inescrupulosamente desrespeitados. Como proceder para coibir os abusos do “direito a não ser notícia” antes da comprovação dos fatos?

 

Não raras vezes se lê: “Imprensa relata os fatos, não os inventa”. E se os “fatos” relatados não passam de “boatos”, ou até de mentira, calúnia, difamação?

 

“Fato”, segundo o dicionário Aurélio, “é aquilo que realmente existe, que é real; coisa ou ação feita. “Boato” é “notícia anônima que corre publicamente sem confirmação; boatice, balela, zunzum”.

 

Quantos abusos no exercício da liberdade de expressão! Quantas almas feridas e destruídas em nome de sensacionalismos baratos, pouco ou nada se importando com a dignidade da pessoa!

 

Por que tanta sede, tanta fome de vender “boatos” por “fatos”? Para muitos, a “regra de ouro” é pouco lembrada: “Tudo aquilo que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles, pois esta é a Lei e os profetas” (Mt 7,12). Quem de nós gostaria do contrário? Em tempos de eleições políticas, causa tristeza e indignação a baixeza usada para combater os candidatos adversários. Não cabe ao jornalista ou ao profissional da imprensa, em nome da liberdade de expressão, insinuar, manipular ou inventar “fatos” e “boatos”...

 

Não cabe aos “donos” dos meios de comunicações sociais assumirem a função que compete à Justiça ou a Deus. “Quem és tu, que te arvoras em juiz do teu próximo?” (Tg 4,12). Quantas mortes causa a maledicência, a calúnia, a mentira, a difamação! Quantos ressentimentos e até ódio causa a língua falsa ou mentirosa! Ela é “cheia de veneno mortal” (cf. Tg 3, 1-12). Por isso, não basta reformar só a linguagem; é preciso começar pelo coração. Deus fez da “palavra” o seu meio predileto de revelar o seu amor. Jesus mesmo é a “Palavra” boa, saída do coração do Pai.

 

Por que, então, não devemos interferir na intimidade e na honra das pessoas? Simplesmente porque só Deus pode julgar, pois só Ele conhece a intenção e os segredos íntimos do coração humano. Não é tanto o “juízo” que devemos banir do coração quanto o “veneno do nosso juízo” (cf. Lc 6,37). Condenemos sempre o pecado, mas nunca o pecador!

 

Ecumenismo não é só uma busca de entendimento entre as Igrejas, é um

espírito de reconciliação e ternura fraterna. (Diversidade e Comunhão)