Segunda-feira, 5 de abril de 2010

Oitava da Páscoa, 1ª Semana do Saltério (Livro II),  cor  litúrgica Branca

 

Santos: Vicente Ferrer, Derfel Gadarn, Etelburga de Lyminge (matrona), Geraldo de Sauve-Majeure (abade), Alberto de Montecorvino (bispo), Juliana de Monte Cornillon (virgem e beata), Crescência de Kaufbeuren (virgem e beata franciscana da 3ª ordem), Catarina Tomás, Zeno, João de Penna (bem aventurado, confessor franciscano da 1ª ordem)

 

Antífona: O Senhor vos introduziu a terra onde corre leite e mel; que sua lei esteja sempre em vossos lábios, aleluia! (Ex. 13,5.9)

 

Oração: Ó Deus, que fazeis crescer a vossa Igreja, dando-lhe sempre novos filhos e filhas, concedei que por toda a sua vida estes vossos servos e servas sejam fiéis ao sacramento do batismo que receberam, professando a fé. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo

 

 

 

Leitura: Atos (At 2, 14.22-32)
O plano salvífico de Deus está completo

 

No dia de pentecostes, 14Pedro, de pé, junto com os onze apóstolos, levantou a voz e falou à multidão: 22"Homens de Israel, escutai estas palavras: Jesus de Nazaré foi um homem aprovado por Deus, junto de vós, pelos milagres, prodígios e sinais que Deus realizou, por meio dele, entre vós. Tudo isto vós bem o sabeis. 23Deus, em seu desígnio e previsão, determinou que Jesus fosse entregue pelas mãos dos ímpios, e vós o matastes, pregando-o numa cruz. 24Mas Deus ressuscitou a Jesus, libertando-o das angústias da morte, porque não era possível que ela o dominasse. 25Pois Davi dele diz: 'Eu via sempre o Senhor diante de mim, pois está à minha direita para eu não vacilar. 26Alegrou-se por isso meu coração e exultou minha língua e até minha carne repousará na esperança. 27Porque não deixarás minha alma ria região dos mortos nem permitirás que teu santo experimente corrupção. 28Deste-me a conhecer os caminhos da vida e a tua presença me encherá de alegria.

 

29Irmãos, seja-me permitido dizer com franqueza que o patriarca Davi morreu e foi sepultado e seu sepulcro está entre nós até hoje. 30Mas, sendo profeta, sabia que Deus lhe jurara solenemente que um de seus descendentes ocuparia o trono. 31É, portanto, a ressurreição de Cristo que previu e anunciou com as palavras: 'Ele não foi abandonado na região dos mortos e sua carne não conheceu a corrupção'. 32Com efeito, Deus ressuscitou este mesmo Jesus e disto todos nós somos testemunhas".  Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a Leitura

Disto todos nós somos testemunhos

 

Por que o Pentecostes? Porque Cristo ressuscitou! O homem Jesus que todos viram e conheceram, sua vida miraculosa e sua morte ignominiosa, não foram tragadas pela história. A morte e ressurreição de Jesus é o acontecimento definitivo que completou os tempos. Para o homem a salvação é a proposta de Deus no Senhor ressuscitado. Não há que procurar em outra parte, nem que esperar do futuro. O Cristo ressuscitado é a salvação do homem. Na origem da Igreja está, pois, a experiência do Ressuscitado. Sem ressurreição, os discípulos  teriam sido absorvidos pelas vicissitudes da vida, fechando às pessoas o parêntese do convívio com o rabi de Nazaré. Sem ressurreição, nada teriam os apóstolos para anunciar. O apóstolo define-se como testemunha da ressurreição. [Extraído do MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

 

Salmo: 15(16), 1-2a e 5.7-8.9-10.11  (R/.1)
Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

 

Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio! Digo ao Senhor: somente vós sois meu Senhor. Ó Senhor, sois minha herança e minha taça, meu destino está seguro em vossas mãos!

 

Eu bendigo o Senhor, que me aconselha, e até de noite me adverte o coração. Tenho sempre o Senhor ante meus olhos, pois se o tenho a meu lado não vacilo.

 

Eis por que meu coração esta' em festa, minha alma rejubila de alegria, e até meu corpo no repouso está tranqüilo; pois não haveis de me deixar entregue à morte, nem vosso amigo conhecer a corrupção.

 

Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites, delícia eterna e alegria ao vosso lado!

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 28, 8-15)
Ressurreição de Jesus

 

Naquele tempo, 8as mulheres partiram depressa do sepulcro. Estavam com medo, mas correram com grande alegria, para dar a notícia aos discípulos. 9De repente, Jesus foi ao encontro delas, e disse: "Alegrai-vos!" As mulheres aproximaram-se, e prostraram-se diante de Jesus, abraçando seus pés. 10Então Jesus disse a elas: "Não tenhais medo. Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galiléia. Lá eles me verão". 11Quando as mulheres partiram, alguns guardas do túmulo foram à cidade, e comunicaram aos sumos sacerdotes tudo o que havia acontecido. 12Os sumos sacerdotes reuniram-se com os anciãos, e deram uma grande soma de dinheiro aos soldados, 13dizendo-lhes: "Dizei que os discípulos dele foram durante a noite e roubaram o corpo, enquanto vós dormíeis. 14Se o governador ficar sabendo disso, nós o convenceremos. Não vos preocupeis". 15Os soldados pegaram o dinheiro, e agiram de acordo com as instruções recebidas. E assim, o boato espalhou-se entre os judeus, até o dia de hoje. Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mc 16, 1-8; Lc 24, 1-12 e Jo 20, 1-18

 

 

Comentando o Evangelho

Uma falsa explicação

 

Os judeus adeptos da sinagoga divulgaram falsas explicações a respeito da ressurreição de Jesus no contexto da controvérsia com os cristãos. Foram tentativas de esvaziar o elemento central da fé cristã, reduzindo ao descrédito tudo quanto se dizia a respeito do Senhor. Com isto, buscava-se dar um xeque-mate no que se configurava como uma nova seita no interior do judaísmo.

 

Uma falsa explicação consistiu em dizer que os discípulos haviam roubado o corpo de Jesus, num momento de descuido dos soldados romanos que vigiavam o sepulcro. O túmulo vazio, portanto, resultava de uma fraude grosseira.

 

Os cristãos rebateram tal acusação. Os soldados prestaram-se para mentir, grosseiramente, por terem sido subornados. O dinheiro fê-los ocultar a verdade e propagar uma reconhecida mentira!

 

Ao rebater a falsa acusação, os cristãos tornavam seus acusadores testemunhas do evento maravilhoso acontecido com Jesus. Eles sabiam que o corpo do Mestre não se encontrava mais no sepulcro, embora desconhecessem como isto acontecera. Também desconheciam as reais dimensões do que se passara. Tinham apenas consciência de não terem tirado o corpo de Jesus do sepulcro. Faltava-lhes ainda saber que tinha sido o Pai quem o ressuscitara. [Evangelho nosso de cada dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: Temos aqui três momentos: a mensagem do anjo às mulheres, a aparição de Jesus às mulheres, a missão dos apóstolos. As mulheres farão uma visita de afeto ou de inspeção. Do sepulcro vazio partem duas mensagens: a das mulheres, transformadas em mensageiras da ressurreição, e a dos guardas do sepulcro, que se dirigem aos sumos sacerdotes para lhes comunicar o ocorrido.  O fato é que o sepulcro está vazio. São duas mulheres as encarregadas de realizar o primeiro anúncio da ressurreição. Elas são portadoras da mensagem pascal. O que aconteceu naquele momento continua acontecendo nos nossos tempos. A ressurreição de Jesus não é um fato que se possa comprovar experimentalmente, mas um fato sobrenatural admissível unicamente a partir da fé. Quando se fecha o coração à fé, a ressurreição passa automaticamente para o terreno da lenda. Se Cristo não ressuscitou vã e nossa fé, já dizia Paulo em 1Cor 15, 14.17. (Bíblia Ave-Maria, Novo Testamento)

 

São Vicente Ferrer

 

São Vicente Ferrer tornou-se sacerdote na época mais difícil da história da Igreja: em 1378 quando houve o grande cisma que perdurou até 1417, dividindo os cristãos em duas obediências: a Roma e a Avignon. Pregava a unidade da Igreja e um milagre aconteceu: enquanto falava em sua língua materna, muitos que não eram do país ouviram-- no em sua própria língua. Sua voz era vigorosa e pregava tão bem que multidões ajuntavam-se para ouvi-lo nas praças, pois a Igreja não os comportava. Fustigava os costumes, ameaçava, e chegava a ser violento em suas palavras na tentativa desesperadora de evangelizar. Dois anos antes de morrer, teve o consolo de ver a Igreja novamente unida: em 1417. Realmente, Deus chama os homens certos para os momentos críticos do povo e da Igreja. Recomposta a unidade da Igreja no concílio de Constância, viajou para a França na tentativa de por fim à guerra dos Cem anos.

 

Ainda hoje na Espanha é costume dizer "Beba a água do Mestre Vicente!" - quando se deseja incutir o silêncio. Este fora um conselho que são Vicente Ferrer dera a uma mulher que sofria com o humor alterado com seu marido, quase sempre a brigar com ela. E qual foi o conselho que o santo lhe deu? "Minha senhora, quando seu esposo chegar do trabalho, encha a boca de água e permaneça assim o maior número de minutos que puder. Assim não lhe será difícil não responder aos insultos dele". São Vicente Ferrer foi chamado de "o anjo do Apocalipse" pois em suas pregações quase sempre falava dos flagelos e tribulações pelas quais haveria de passar a humanidade.

 

Quem encontrou verdadeiramente a Cristo não pode tê-lo

somente para si, deve anunciá-lo. (Papa João Paulo II)