Segunda, 1º de novembro de 2010

31º do Tempo Comum (Ano “C”), 3ª Semana do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Verde

 

 

Hoje: Dia de Prevenção contra Doenças do Coração

 

Santos: Todos os Santos, Licínio, Tiago da Pérsia, Maria (Séc. IV, virgem e mártir escrava), Cesário e Juliano (mártires), Benigno de Dijon (séc. III, mártir), Austremônio (bispo de Clermont Séc. IV), Maturino (Séc. IV), Marcelo (410, Bispo de Paris), Cadifano (Séc. V, abade), Vigor (537, Bispo de Bayeux, França)

 

Antífona: Não me abandoneis jamais, Senhor, meu Deus, não fiqueis longe de mim! Depressa, vende em meu auxílio, ó Senhor, minha salvação! (Sl 37, 22-23)

 

Oração: Ó Deus de poder e misericórdia, que concedeis a vossos filhos e filhas a graça de vos servir como devem, fazei que corramos livremente ao encontro das vossas promessas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

 

I Leitura: Filipenses (Fl 2, 1-4)
Vivei em harmonia, procurando a unidade

 

Irmãos, 1se existe consolação na vida em Cristo, se existe alento no mútuo amor, se existe comunhão no Espírito, se existe ternura e compaixão, 2tornai então completa a minha alegria: aspirai à mesma coisa, unidos no mesmo amor; vivei em harmonia, procurando a unidade. 3Nada façais por competição ou vanglória, mas, com humildade, cada um julgue que o outro é mais importante, 4e não cuide somente do que é seu, mas também do que é do outro. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Tornai completa a minha alegria

 

Podemos transportar este texto ao tipo de vida cotidiana vivida num bairro ou numa cidade qualquer. A lei normal é "bancar o esperto". As pessoas que "não procuram os próprios interesses, mas os alheios" destacam-se imediatamente. Se, depois, não se trata de indivíduos isolados, mas de um grupo ou comunidade, o testemunho é notável. Se fizéssemos corajosamente o cálculo aproximado do percentual de tempo dedicado, mesmo disfarçadamente, à procura do nosso interesse, que resultaria? Entretanto, no espírito do evangelho, aquilo que não é "dado" não vale nada. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 130 (131), 1.2.3 
Senhor, guardai-me, em paz, junto de vós, ó Senhor!

 

1Senhor, meu coração não é orgulhoso, nem se eleva arrogante o meu olhar; não ando à procura de grandeza, nem tenho pretensões ambiciosas!

 

2Fiz calar e sossegar a minha alma; ela está em grande paz dentro de mim, no regaço acolhedor de sua mãe.

 

3Confia no Senhor, ó Israel, desde agora e por toda a eternidade!

 

 

Evangelho: Lucas (Lc 14, 12-14)
Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos

 

Naquele tempo, 12dizia Jesus ao chefe dos fariseus que o tinha convidado: "Quando deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos nem teus irmãos nem teus parentes nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. 13PeIo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. 14Então serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos". Palavra da Salvação!

 

 

Comentando o Evangelho

Um ensinamento extravagante?

 

Jesus fez um esforço formidável para colocar no coração de seus discípulos um amor entranhado pelos pobres e marginalizados. Ele bem conhecia o valor salvífico do bem feito aos excluídos, e o quanto agradam ao Pai os gestos de bondade em relação aos necessitados.


O ensinamento a respeito de quem deve ser convidado para um almoço ou jantar tem esta finalidade. Por isso, pode parecer um tanto extravagante. Nada de chamar amigos, irmãos, parentes e vizinhos ricos, quando se oferece um almoço ou jantar. O Mestre aconselha a convidar os aleijados, os coxos, os cegos, que não têm como retribuir.


Jesus opôs-se à tendência humana natural de estreitar as relações com as pessoas às quais queremos bem, e cuja convivência nos é agradável. Ao invés disso, ensinou a escolher os mais carentes de afeto e atenção.


É importante atentar para os motivos sadios que nos devem levar a convidar os pobres para uma ceia familiar. Existem motivos fúteis, como ganhar o prestígio de pessoa caridosa e fazer demagogia barata. Convidar os pobres significa comungar com sua causa, tornar-se solidário com eles, a ponto de tudo fazer para que sua dignidade seja respeitada. Quem age com esta intenção, participará da ressurreição dos justos.
[O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano C,  ©Paulinas, 1996]

 

Para Sua Reflexão

Esse texto trata sobre a generosidade desinteressada. É o ensinamento de 6, 32-33 e é tradicional. A novidade está no modelo de convidados e na recompensa escatológicas. Os convites mútuos, como costume social, criam e afiançam um círculo de bem-estar, do qual são excluídos os mais necessitados. A caridade que Jesus prega e pratica rompe esse circulo a favor dos indigentes e também em proveito de quem é caridoso. O convite interesseiro atinge seu pagamento nesse mundo e nesta vida. A caridade desinteressada tem pagamento transcendente. A “ressurreição dos justos” é a glorificação a exemplo e pelo dom de Jesus Cristo. [Biblia do Peregrino]

 

 

Aos que a certeza da morte entristece, a promessa da imortalidade consola. (Synthélabo)