Segunda-feira, 1º de março de 2010

Segunda Semana da Quaresma - 2ª Semana do Saltério (Livro III) - cor Litúrgica Roxa

 

 

Santos do Dia: Alberto de Fontenelle (monge, bispo), Alexandre e Companheiros (mártires de Roma), Alto de Altomünster (abade), Amon, Emiliano, Lassa e Companheiros (mártires de Membressa, na África), Amônio e Alexandre (mártires de Soli, em Chipre), Aniano de Llanengan (eremita), Apolônia de Alexandria (virgem) com Metras, Quinta e Serapião (todos mártires), Elídio de Llandaff (bispo), Miguel do Equador (religioso), Nebrídio de Egara (bispo), Nicéforo de Antioquia (mártir), Primo e Donato (diáconos, mártires da África), Reinaldo de Nocera (monge, bispo), Sabino de Canossa (bispo), Álvaro de Córdoba (dominicano, bem-aventurado), Mariano Scoto (abade, bem-aventurado)

 

Antífona: Tende compaixão de mim, ó Deus, e libertai-me! Meus pés estão firmes no caminho reto, nas assembleias bendirei ao Senhor. (Sl 25, 11-12)

 

Oração do Dia: Deus, que para remédio e salvação nossa nos ordenais a prática da mortificação, concedei que possamos evitar todo pecado e cumprir de coração os mandamentos do vosso amor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Daniel (Dn 9, 4b-10)

A ti, Senhor, cabe a misericórdia e perdão

 

4b"Eu te suplico, Senhor, Deus grande e terrível, que preservas a aliança e a benevolência aos que te amam e cumprem teus mandamentos; 5temos pecado, temos praticado a injustiça e a impiedade, temos sido rebeldes, afastando-nos de teus mandamentos e de tua lei; 6não temos prestado ouvidos a teus servos, os profetas, que, em teu nome, falaram a nossos reis e príncipes, a nossos ante passados e a todo o povo do país.

 

7A ti, Senhor, convém a justiça; e a nós, hoje, resta-nos ter vergonha no rosto: seja ao homem de Judá, aos habitantes de Jerusalém e a todo Israel, seja aos que moram perto e aos que moram longe, de todos os países, para onde os escorraçaste por causa das infidelidades cometidas contra ti. 8A nós, Senhor, resta-nos ter vergonha no rosto: a nossos reis e príncipes, e a nossos antepassados, pois que pecamos contra ti; 9mas a ti, Senhor, nosso Deus, cabe misericórdia e perdão, pois nos temos rebelado contra ti, 10e não ouvimos a voz do Senhor, nosso Deus, indicando-nos o caminho de sua lei, que nos propôs mediante seus servos, os profetas". Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Pecamos, temos praticado a injustiça e a impiedade

 

A Escritura, história do amor de Deus, é também uma história do pecada. Como Israel, o homem moderno descobre grande incapacidade coletiva de amar e reconhece que o pecado reina no mundo. Todos fomos contagiados por ele e contribuímos para isso. Também os males físicos que nos afligem têm alguma conexão com o nosso pecado. Quando menos porque, em vez de nos unirmos para "sujeitar a terra" ao bem de todos, por causa do pecado que está em nós, subjugamo-nos, exploramos e fazemos o mal uns aos outros. Entretanto, a misericórdia de Deus, a graça, a vida que Jesus nos traz, são mais fortes do que o pecado. As forças de verdade e de graça postas por Deus no homem, e continuamente comunicadas por meio da Igreja, fazem o bem mais forte e mais contagioso que o mal. Reconhecendo-nos pecadores, tenhamos confiança na misericórdia do Pai, que nos ama mesmo quando estamos fora do caminho. [Extraído do MISSAL COTIDIANO,  ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 78(79), 8.9.11 e 13 (R/.Sl 102[103],10a)
O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas

 

8Não lembreis as nossas culpas do passado, mas venha logo sobre nós vossa bondade, pois estamos humilhados em extremo.

 

9Ajudai-nos, nosso Deus e salvador! Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos! Por vosso nome, perdoai nossos pecados!

 

11Até vós chegue o gemido dos cativos: libertai com vosso braço poderoso os que foram condenados a morrer! 13Quanto a nós, vosso rebanho e vosso povo, celebraremos vosso nome para sempre, de geração em geração vos louvaremos.

 

 

Evangelho: Lucas (Lc 6, 36-38)

Com a mesma medida com que medires

os outros vós também sereis medidos

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 36"Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário do Evangelho

Perdoar e ser perdoado

 

A reconciliação foi um tema fundamental do ministério de Jesus. Tudo quanto fazia visava restaurar os laços de amizade dos seres humanos entre si e com Deus. Ele foi, por excelência, um construtor de reconciliação. Portanto, um bem-aventurado!


No seu ensinamento, o Mestre mostrou a transcendência do perdão que rompe os limites do puro relacionamento humano para levar ao relacionamento das pessoas com Deus. No ato de perdoar, o discípulo do Reino decide seu destino eterno.


A ordem de Jesus – “Perdoai, e sereis perdoados!” – não expressa a reciprocidade do perdão no nível puramente humano, como se ele dissesse: na medida em quem vocês perdoarem o próximo, serão perdoados por ele. Pelo contrário, o perdão oferecido ao próximo tem, como contrapartida, o perdão recebido de Deus. Quem abre o coração e oferece o perdão a seu semelhante, restabelecendo o relacionamento fraterno encontrará no Pai um coração aberto para perdoá-lo e acolhê-lo.


Conclui-se da ordem de Jesus que, quem não perdoa, não receberá o perdão do Pai, pois a falta de comunhão com o semelhante é indício de ruptura com o Pai. Assim, o discípulo do Reino busca construir um relacionamento sólido com o Pai, por meio da comunhão com o seu semelhante. É ilusório querer trilhar um caminho diferente. [O EVANGELHO DO DIA, Ano “A”. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1996]

 

Contexto: Ministério de Jesus na Galiléia. Leituras paralelas: Es 34, 6-7; Mt 7,1-2; Mc 4, 24  

 

Para sua reflexão: O cristão não pode ser juiz do seu irmão, do seu próximo; não deve condenar sem razão, mas ser indulgente. Deus é compassivo e generoso. Obter a misericórdia de Deus parece ser mais fácil do que consegui-la do seu próximo! O mal da pessoa contemporânea é julgar fácil o outro, desde que ele não compartilhe dos próprios erros e pensamentos; o outro está quase sempre errado e “eu sou o dono da verdade”! Quando se julga o outro se passa pelo crivo do filtro preconceituoso e ai a coisa fica mais complexa! A quaresma traz para o cristão um forte desafio: o jejum do julgamento, isto é, deixar de falar negativamente do outro. Isso é possível? Como?

 

São Félix

 

Enfrentou com coragem aa tendências sucessuinistas da Igreja grega, ou seja, o cisma de Acácio. Apoiando o decreto Henótico (unificador) do imperador Zenon, depôs os bispos que se opunham a um acordo entre os monofisitas(doutrina que admitia uma só natureza a Jesus Cristo) e os nestorianos (em que se concebia as duas naturezas em Jesus Cristo: divina e humana). O Papa protestou e mais tarde se viu obrigado a depor o patriarca são Felix. Os monges e o povo apoiavam a são feliz mas o imperador jogou todo sua responsabilidade para o patriarca. Acácio rompeu com Roma, raspou o nome do papa das tábuas de mármore que perpetuavam no santo sacrifício da Missa, como que se tentasse tirar toda lembrança do chefe da Igreja. Foi a primeira separação da Igreja latina da Igreja grega. Esse cisma durou 35 anos, até o ano 518. Feliz foi um dos sucessores imediatos de São João leão Magno no pontificado (483-492).

 

Quem opta pelo Evangelho, tem de contar com essa realidade de luta contra o mal. (Dom Mário Gurgel)

 

 Experiência é o nome que nós damos aos nossos próprios erros. (Oscar Wilde)