Sábado, 30 de janeiro de 2010

III Semana do Tempo Comum - Ano “C” (Ímpar) - 3ª Semana do Saltério - Cor Verde

 

Hoje: Dia Nacional dos Quadrinhos e dia da Saudade

 

Santos do Dia: Aquilino de Milão (mártir), Báculo de Sorrento (bispo), Cesário de Angoulême (diácono), Constâncio (primeiro bispo de Perúgia) e Companheiros (mártires), Flora de Kildare (virgem), Papias e Mauro (soldados, mártires de Roma), Sabiniano de Troyes (mártir), Sharbel e Bebaia (casal de irmãos, mártires de Edessa), Sulpício Severo (bispo de Bourges), Trifina da Bretanha (viúva), Valério de Trèves (bispo).

 

Antífona: Cantai ao Senhor um canto novo, cantai ao Senhor, ó terra inteira; esplendor, majestade e beleza brilham no seu templo santo (Sl 95,1.6)

 

Oração: Deus eterno e todo-poderoso, dirigi a nossa vida segundo o vosso amor, para que possamos, em nome do vosso Filho, frutificar em boas obras. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Leitura: II Samuel (2Sm 12, 1-7a.10-17)
 Davi se arrepende e pede perdão ao senhor

 

Naqueles dias, 1o Senhor mandou o profeta Natã a Davi. Ele foi ter com o rei e lhe disse: "Numa cidade havia dois homens, um rico e outro pobre. 2O rico possuía ovelhas e bois em grande número. 3O pobre só possuía uma ovelha pequenina, que tinha comprado e criado. Ela crescera em sua casa junto com seus filhos, comendo do seu pão, bebendo do mesmo copo, dormindo no seu regaço. Era para ele como uma filha.

 

4Veio um hóspede à casa do homem rico, e este não quis tomar uma das suas ovelhas ou um dos seus bois para preparar um banquete e dar de comer ao hóspede que chegara. Mas foi, apoderou-se da ovelhinha do pobre e preparou-a para o visitante". 5Davi ficou indignado contra esse homem e disse a Natã: "Pela vida do Senhor, o homem que fez isso merece a morte!6Pagará quatro vezes o valor da ovelha, por ter feito o que fez e não ter tido compaixão". 7aNatã disse a Davi: "Esse homem és tu! Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: 10'Por isso, a espada jamais se afastará de tua casa, porque me desprezaste e tomaste a mulher do hitita Urias para fazer dela a tua esposa'. 11Assim diz o Senhor: 'Da tua própria casa farei surgir o mal contra ti e tomarei as tuas mulheres, sob os teus olhos, e as darei a um outro, e ele se aproximará das tuas mulheres à luz deste sol. 12Tu fizeste tudo às escondidas. Eu, porém, farei o que digo diante de todo o Israel e à luz do sol"'. 13Davi disse a Natã: "Pequei contra o Senhor". Natã respondeu-lhe: "De sua parte, o Senhor perdoou o teu pecado, de modo que não morrerás! 14Entretanto, por teres ultrajado o Senhor com teu procedimento o filho que te nasceu morrera.

 

15E Natã voltou para a sua casa. O Senhor feriu o filho que a mulher de Urias tinha dado a Davi e ele adoeceu gravemente. 16Davi implorou a Deus pelo menino e fez um grande jejum. E, voltando para casa, passou a noite deitado no chão. 17Os anciãos do palácio insistiam com ele para que se levantasse do chão; mas ele não o quis fazer nem tomar com eles alimento algum. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Pequei contra o Senhor

 

O arrependimento de Davi mostra, sob uma lUZ exemplai; o caminho de volta para Deus: o anúncio da palavra profética, que denuncia e contesta nossa má conduta; a conversão do coração e a reparação eficaz; o perdão de Deus, único que pode livrar-nos do mal, recriando o coração com seu Espírito. Pecado e arrependimento são vistos através do prisma de relacionamentos pessoais e não de tabus infringidos ou de leis violadas; o verdadeiro sacrifício, agradável a Deus, é o coração contrito e o louvor reconhecido.

 

Podemos questionar-nos e ver se para nós o sacramento da penitência representa busca de certa segurança humana (estar dentro da regra), ou o momento culminante do caminho de retorno; se cremos mais em nossos atos" do que no dom superabundante do Pai; se levamos bastante a sério o aspecto medicinal da penitência, e não recomeçamos alegremente a rotina de culpas e de transgressões; se cremos no poder salvador da Eucaristia cotidiana e no esforço que esta supõe de perdoar para sermos perdoados. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 50(51), 12-13.14-15.16-17 (R/.12a)

Criai em mim um coração que seja puro!

 

Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

 

Dai-me de novo a alegria de ser salvo e confirmai-me com espírito generoso! Ensinarei vosso caminho aos pecadores, e para vós se voltarão os transviados.

 

Da morte como pena libertai-me, e minha língua exaltará vossa justiça! Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, e minha boca anunciará vosso louvor!

 

Evangelho: Marcos (Mc 4, 35-41)

O medo dos discípulos revela sua falta de fé em Jesus

 

35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: "Vamos para a outra margem!" 36Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava na barca. Havia ainda outras barcas com ele. 37Corneçou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher.

 

38Jesus estava na parte de trás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: "Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?" 39Ele se levantou ordenou ao vento e ao mar: "Silêncio! Cala-te!" O ventou cessou e houve uma grande calmaria. 40Então Jesus perguntou aos discípulos: "Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?" 41Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros: “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?” Palavra da Salvação!

 

Essa passagem bíblica também está presente nos seguintes sinóticos Mt 8, 23-27; Lc 8, 22-25: Acalma a tempestade

 

 

Comentário o Evangelho

A necessidade da fé

 

Pouco a pouco, os discípulos foram firmando sua fé em Jesus. Nele depositavam plena confiança. Seu Mestre era veraz no que falava e fazia; não era um impostor. Seu modo de falar do Reino de Deus revelava sua superioridade em relação a todos os demais mestres, pois pregava com autoridade. Seu jeito de falar de Deus revelava que ele estava tão próximo de Deus, como jamais alguém estivera. Os discípulos consideravam-no o Messias esperado.

 

Entretanto, os momentos de provação e dificuldade é que testam a solidez da fé. Nem sempre os discípulos foram capazes de superar as perseguições, sem negar sua fé no Senhor. Quando sobrevinham tempestades, fraquejavam.

 

Então era preciso ter cautela para evitar precipitações. A presença de Jesus junto aos seus discípulos em dificuldade estava sempre garantida. Mesmo quando parecia não ter mais jeito, a não ser morrer, lá estava ele, numa forma de presença discreta, mas atenta e ativa, para socorrer a comunidade em apuros, e salvá-la.

 

A salvação dependia disto: reconhecer a presença do Senhor e recorrer à sua ajuda. De fato, ele estava mais próximo do que os discípulos podiam imaginar. Donde a necessidade premente da fé.

 

O Senhor protege a comunidade das investidas do mal. Os discípulos, por estarem em suas mãos, não têm por que temer seus adversários. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulina, 1998]

 

Para sua reflexão: Enquanto Jesus dorme tranquilamente, seus acompanhantes temem, sem fé, e o acordam. Quando vem a calma eles se questionam entre si sem entender! Esta passagem traz uma palavra de ânimo para a Igreja nas perseguições; a tradição posterior comparará a Igreja a uma barca no mar. E você, tem realmente fé quando o seu barco começa a navegar por águas turbulentas? A nossa fé é provada nos momentos mais difíceis da vida. O testemunho de Jó, no Antigo Testamento, por exemplo, é focado numa fé inabalável em Deus, vivenciada por poucos!

 

Santa Jacinta de Mariscotti

Jacinta, de nobre família romana, nasceu perto de Viterbo, em 1585. tendo professado ainda muito jovem entre as Irmãs da Ordem Franciscana Secular, descuidou-se por algum tempo do cumprimento de suas obrigações. Na convalescença de uma doença grave, caiu em si e abandonou de vez todas vaidades do mundo. E castigando desde então seu corpo com aspérrima penitência, entregou-se inteiramente a obras de caridade, merecendo que Deus a ornasse de dons celestes. Morreu em Viterbo, no ano de 1640. Ela era da ordem terceira franciscana, que hoje é conhecida pela Ordem Franciscana Secular, o braço leigo do franciscanismo.

 

 

Cada cristão tem de ser apóstolo: não é um conselho, mas um mandamento, o

mandamento da caridade. (BV Charles de Foucauld)

 

 

O tempo não para! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo... [Mário Quintana]