Sábado, 28 de maio de 2011

Quinta Semana  da Páscoa e 1ª do Saltério (Livro II),  cor Litúrgica Branca

 

 

Hoje: Dia do Seresteiro, Dia Nacional da Luta pela Saúde da Mulher.

 

Santos: Bernardo de Novara, Emílio, Margarida Pole, Crescêncio, Dioscórido, Paulo, Germano (abade e bispo de Paris), Guilherme de Gellone, Págio (bispo de Florença), Bernardo de Montjoux (padroeiro dos montanheses e dos alpinistas), Agostinho (Arcebispo de Cantuária), Senador (Bispo de Milão), Justo (Bispo de Urgel), Inácio (Bispo de Rostov), Margarida (Beata, viúva e mártir), Maria Bartoloméia de Florença (Beata, virgem), Gerardo de Villamagna (beato, confessor franciscano, 3ª Ordem).

 

Antífona: Sepultados com Cristo no batismo, fostes também ressuscitados com ele, porque crestes no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos, aleluia! (Cl 2, 12)

 

Oração: Deus eterno e todo-poderoso, vós nos fizestes participar de vossa própria vida pelo novo nascimento do batismo; conduzi à plenitude da glória aqueles a quem concedestes, pela justificação, o dom da imortalidade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

 

 

I Leitura: Atos (At 16, 1-10)

Deus acabava de nos chamar para pregar-lhes o Evangelho 

 

Naqueles dias, 1Paulo foi para Derbe e Listra. Havia em Listra um discípulo chamado Timóteo, filho de uma judia, crente, e de pai grego. 2Os irmãos de Listra e Icônio davam bom testemunho de Timóteo. 3Paulo quis então que Timóteo partisse com ele. Tomou-o consigo e circuncidou-o, por causa dos judeus que se encontravam nessas regiões, pois todos sabiam que o pai de Timóteo era grego.

 

4Percorrendo as cidades, Paulo e Timóteo transmitiam as decisões que os apóstolos e anciãos de Jerusalém haviam tomado. E recomendavam que fossem observadas. 5As igrejas fortalecem-se na fé e, de dia para dia, cresciam em número. 6Paulo e Timóteo atravessaram a Frigia e a região da Galácia, pois o Espírito Santo os proibira de pregar a palavra de Deus na Ásia. 7Chegando perto da Mísia, eles tentaram entrar na Bitinia, mas o Espírito de Jesus os impediu. 8Então atravessaram a Mísia e desceram para Trôade.  

 

9Durante a noite, Paulo teve uma visão: na sua frente, estava de pé um macedônio que lhe suplicava: 'Vem à Macedônia e ajuda-nos!" 10Depois dessa visão, procuramos partir imediatamente para a Macedônia, pois estávamos convencidos de que Deus acabava de nos chamar para pregar-lhes o evangelho.  Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a Leitura

Vem à Macedônia e ajuda-nos! 

 

Paulo, que se mostrara rígido nas questões de princípio, mostra-se dúctil e disponível na aplicação e na práxis concreta. Manifestara-se inflexível em rejeitar toda volta às observâncias mosaicas; agora não hesita um instante em submeter Timóteo ao rito inútil e superado da circuncisão. Não há nenhuma contradição no modo de agir de Paulo. Lá, estava em jogo a própria identidade do cristianismo; aqui, ao contrário, trata-se apenas de um gesto de boa vontade, um sinal de compreensão e condescendência para com homens de consciência ainda débil e  imatura. Numa situação semelhante verificada na Igreja de Corinto, a das carnes oferecidas aos ídolos, Paulo procederá no mesmo modo: a fim de não ser motivo de escândalo para um irmão de consciência frágil e incerta, nunca comerá carne (1Cor 8,13) [Extraído do MISSAL COTIDIANO  ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 99(100), 2.3.5 (R/.2a)

Aclamai o Senhor, ó terra inteira 

 

Aclamai o Senhor, ó terra inteira, servi ao Senhor com alegria, ide a ele cantando jubilosos!  

 

Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, ele mesmo nos fez, e somos seus, nós somos seu povo e seu rebanho.  

 

Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, sua bondade perdura para sempre, seu amor é fiel eternamente!

 

Evangelho: João (Jo 15, 18-21)

Não sois do mundo, porque eu vos escolhi e apartei do mundo 

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 18"Se o mundo vos odeia, sabei que primeiro odiou a mim. 19Se fôsseis do mundo, o mundo gostaria daquilo que lhe pertence. Mas, porque não sois do mundo, porque eu vos escolhi e apartei do mundo, o mundo por isso vos odeia. 20Lembrai-vos daquilo que eu vos disse: 'O servo não é maior que seu senhor'. Se me perseguiram, também perseguirão a vós. Se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. 21Tudo isto eles farão contra vós por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou" Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

Escolhidos do meio do mundo

 

O evangelho refere-se ao "mundo" como se fosse uma pessoa. Neste sentido, pode-se falar em ódio e perseguição, bem como amor por parte do mundo. Ou então, que os discípulos foram escolhidos do meio do mundo. Pode ainda referir-se à possibilidade de o mundo guardar a palavras de Jesus e as dos discípulos.


O vocábulo "mundo", neste caso, engloba o conjunto das pessoas incrédulas que foram incapazes de reconhecer Jesus como Filho de Deus, enviado pelo Pai com a missão de salvar a humanidade. Mas estas pessoas odiaram-no ferozmente, a ponto de decidirem eliminá-lo sem piedade. Optaram pelas trevas e rejeitaram a luz oferecida por Deus, persistindo no pecado, mesmo diante da abundância das graças divinas.


Os discípulos foram arrancados deste mundo. Por causa do nome de Jesus, caminham na contramão do mundo. Esse confronto resulta sempre em ódio e perseguição. O destino do servo não difere daquele do seu Senhor. É por isso que os discípulos deverão contar com toda sorte de adversidade, sem excluir a possibilidade de morrer, como aconteceu com seu Mestre.


A palavra "mundo", na linguagem figurada, tem referenciais bem concretos. No tempo de Jesus, podia significar certas alas do farisaísmo e outros grupos de judeus. Contudo, em cada época e em cada circunstância, é preciso reconhecer com que roupagem o "mundo" se apresenta. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A, ©Paulinas, 1997]

 

São Germano de Paris

 

 

São Germano viveu no século VI. Morreu em Paris no dia 28 de maio de 576. O início de sua vida foi atribulado. Sua mãe tentou abortá-lo. Uma tia quis envenená-lo, mas os planos frustraram-se. Isto graças à criada que se equivocou. Em vez de dar a Germano o copo de vinho envenenado, deu-o a Estratídio, seu primo e filho da mandante. Em 531, foi ordenado sacerdote e, mais tarde, tornou-se abade do mosteiro de São Sinforiano de Autun. Em consequência de sua austeridade, os monges destituíram-no do cargo. Em 555 foi eleito bispo de Paris. Fortunato, bispo de Poitiers, contemporâneo seu, descreve o seu amor incondicional pelos pobres: A voz de todo povo, reunindo-se numa só, nem assim exprimiria qual pródigo era ele em esmolas: frequentemente, contentando-se com uma túnica, cobria com o resto das vestes um pobre nu, assim que, enquanto o pobre se sentia quente, o bem-aventurado padecia frio. Ninguém pode dizer em quantos lugares e em que quantidade libertou cativos... Quando nada lhe restava, permanecia sentado, triste e inquieto, com fisionomia mais grave e conversação mais severa...

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

Para que a Igreja progrida sempre n anúncio da palavra de Deus, rezemos. Senhor, ouvi nossa oração.

Para que as dificuldades no exercício da evangelização sejam superados, rezemos.

Para que saibamos ser no mundo sinais autênticos de Cristo, rezemos.

Para que as ações em favor de uma sociedade fraterna superem todo ódio, rezemos.

Para que os jovens sejam educados com base em valores humanos e cristãos, rezemos.

(preces espontâneas)

                                  

 

Oração sobre as Oferendas:

Acolhei, ó Deus, com bondade, as oferendas da vossa família e concedei-nos, com o auxílio da vossa proteção, sem perder o que nos destes, alcançar os bens eternos. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Pai, eu te rogo por eles, para que sejam um em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste, diz o Senhor, aleluia! (Jo 18, 20-21)

 

Oração Depois da Comunhão:

Guardai, oi Deus, no vosso constante amor aqueles que salvastes, para que, redimidos pela paixão do vosso Filho, nos alegremos por sua ressurreição. Por Cristo, nosso Senhor.

 

 

Êxito da Pregação

Dom José Alberto Moura, CSS, Arcebispo Metropolitano de Montes Claros - MG

 

O diácono Felipe fazia pregação sobre Cristo. Seu êxito era grande. Ele fazia o bem aos doentes e até os curava. “Era grande a alegria naquela cidade” (Atos 8, 8). Ele anunciava a verdade sobre a pessoa e os ensinamentos de Jesus. Seu modo de ser, falar e agir era muito admirado. Muitos se convertiam com sua pregação e ensinamento. Ele batizava as pessoas que se convertiam e as introduziam na vida da comunidade para continuarem a alimentar a fé e tomar parte na família de Deus.

 

No meio de tantas propostas, até divergentes das cristãs, muitos precisam de quem apresente com clareza a Palavra de Deus e mostre a todos os valores do Evangelho, para seguirem pelo caminho certeiro de salvação. O fato da ressurreição de Jesus dá sustentação à fé nele como Deus. Com suas duas naturezas, humana e divina, provou ter poder de fazer ressuscitar seu corpo de natureza humana, morto e sepultado. Por isso, ser pregoeiro da fé em Cristo faz a pessoa testemunhar sua ressurreição.

 

Felizmente temos pessoas de entusiasmo em viverem a coerência com sua fé, sendo seguidoras de Jesus e assumindo a missão de levar aos outros, nas diversas situações, a verdade de fé no Cristo Ressuscitado. São incansáveis em testemunharem sua convicção com a vida coerente com a verdade que pregam. Não medem esforços para formar famílias conforme o projeto de Deus, ensinando os filhos a construírem a vida com os ditames do Evangelho. Em seus respectivos ambientes de trabalho e convivência social não perdem oportunidade de prestarem seus serviços com ética, fraternidade, justiça e solidariedade. Ensinam, oportunamente e de modo caritativo, a verdade em que creem. Tornam o ambiente agradável com suas atitudes de bom serviço e convívio amigável. Unem-se a causas sociais de promoção da vida e da dignidade humana, com ações especiais de inclusão humana e social de quem é mais deixado de lado. Ajudam a promover a cidadania, com conscientização política realmente adequada para a eleição de pessoas com qualidades éticas e profissionais para o bom serviço à comunidade. O resultado disso não é procurado somente a curto prazo. Por isso, tais pessoas sabem plantar, irrigar a terra e esperar o fruto, porque agem contando com a graça de Deus, em razão de Quem dá de si pelo bem dos outros.

 

Nessa perspectiva o Concílio Vaticano II, que já deverá fazer 50 anos do início da emissão de seus escritos a partir de 2012,  coloca bem à luz os documentos Lumen Gentium (Luz dos Povos), Gaudim et Spes (Alegria e Esperança) e Apostolicam Actuositatem (Ação Apostólica – sobre o apostolado dos leigos). No primeiro apresenta a Igreja como servidora e indicativa do caminho de Cristo para a humanidade. O outro mostra a ação da mesma Igreja na realidade da sociedade nos diversos desafios e situações. O terceiro apresenta o apostolado dos leigos, com a necessidade de sua atuação para a transformação de tudo com os critérios do Evangelho. Vale a pena analisarmos esses e os outros 13 documentos do referido Concílio, que nos dão grande força para realizarmos a evangelização de acordo com o Evangelho para o mundo de hoje. É preciso sempre sairmos de nossos âmbitos internos e particulares de comunidades para ajudarmos a sociedade com a linguagem de hoje e renovado ardor apostólico de tantos exemplos, como o de Felipe, para termos convivência realmente humana e promotora da vida plena de Cristo para todos!

 

O hoje  se trona claro amanhã. (Primo Mazzolari)