Sábado, 24 de abril de 2010

Terceira Semana  da Páscoa, 2ª do Saltério (Livro II),  cor Litúrgica Branca

 

Hoje: Dia Internacional do Jovem Trabalhador e dia do Operador de Triagem e Trnasbordo

 

Santos: Marcos (evangelista), Aniano (bispo), Heribaldo (bispo), Roberto Anderton e Guilherme Marsden (beatos e mártires), Calista, Evódio

 

Antífona: Sepultados com Cristo no batismo, fostes também ressuscitados com ele, porque crestes no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos, aleluia! (Cl 2, 12)

 

Oração: Ó Deus, que renovastes nas águas do batismo os que crêem em vós, protegei os que renasceram no Cristo, para que vençam as ciladas do erro e permaneçam fiéis à vossa graça. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Atos (At 9, 31-42   
A Palavra de Deus ouvida e meditada faz brotar a fé

 

Naqueles dias, 31a Igreja vivia em paz em toda a Judéia, Galiléia e Samaria. Ela consolidava-se e progredia no temor do Senhor e crescia em número com a ajuda do Espírito Santo. 32Pedro percorria todos os lugares; e visitou também os fiéis que moravam em Lida. 33Encontrou aí um homem chamado Enéias, que estava paralítico e, há oito anos, jazia numa cama. 34Pedro disse-lhe: "Enéias, Jesus Cristo te cura! Levanta-te e arruma a tua cama!" Imediatamente Enéias se levantou. 35Todos os habitantes de Lida e da região do Saron viram isso e se converteram ao Senhor.

 

36Em Jope, havia uma discípula chamada Tabita, nome que quer dizer gazela. Eram muitas as boas obras que fazia e as esmolas que dava. 37Naqueles dias ela ficou doente e morreu. Então lavaram seu corpo e o colocaram no andar superior da casa. 38Como Lida ficava perto de Jope, e ouvindo dizer que Pedro estava lá, os discípulos mandaram dois homens com um recado: "Vem depressa até nós!" 39Pedro partiu imediatamente com eles. Assim que chegou, levaram-no ao andar superior, onde todas as viúvas foram ao seu encontro. Chorando, elas mostravam a Pedro as túnicas e mantos que Tabita havia feito, quando vivia com elas.

 

40Pedro mandou que todos saíssem. Em seguida, pôs-se de joelhos e rezou. Depois, voltou-se para o corpo e disse: "Tabita, levanta-te!" Ela então abriu os olhos, viu Pedro e sentou-se. 41Pedro deu-lhe a mão e ajudou-a a levantar-se. Depois chamou os fiéis e as viúvas e apresentou-lhes Tabita viva. 42O fato ficou conhecido em toda a cidade de Jope e muitos acreditaram no Senhor. Palavra do Senhor!

 

 

 

Comentando a Leitura

A Igreja consolidava-se e crescia em

número com a ajuda do Espírito Santo

 

A paz, proveniente da posse dos bens divinos; a edificação, que exprime o progresso da vida interior e da expansão exterior; o temor do Senhor, que caracteriza uma vida religiosa preocupada com a vontade de Deus; a consolação do Espírito, manifestada na alegria dos que sabem que estão nos últimos tempos, são os sinais característicos de uma comunidade cristã. Além dos já indicados, eis outros sinais: escuta da Palavra, oração, partir do pão, caridade, comunhão de bens (At 2,42-47; 4,32-35). E agora que as comunidades começam a multiplicar-se, vemos Pedro em 'visita pastoral". E o serviço apostólico em vista da unidade e da edificação. A passagem do apóstolo é a passagem do Senhor. Dão-se os mesmos milagres (cura do paralítico e ressurreição de Tabita) que trazem "conversão" na medida que provam ter sido comunicado aos apóstolos o mesmo poder que animava Jesus. [Extraído do MISSAL COTIDIANO,  ©Paulus, 1997]

 

 

 

Salmo: 115 (116B), 12-13. 14-15. 16-17 (R/. 12)
Que poderei retribuir ao Senhor Deus, por
tudo aquilo que Ele fez em meu favor?

 

Que poderei retribuir ao Senhor Deus por tudo aquilo que ele fez em meu favor? Elevo o cálice da minha salvação, invocando o nome santo do Senhor.

 

Vou cumprir minhas promessas ao Senhor na presença de seu povo reunido. É sentida por demais pelo Senhor a morte de seus santos, seus amigos.

 

Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, vosso servo que nasceu de vossa serva; mas me quebrastes os grilhões da escravidão! Por isso oferto um sacrifício de louvor, invocando o nome santo do Senhor.

 

 

Evangelho: João (Jo 6, 60-69)

Tu tens palavras de vida eterna

 

Naquele tempo, 60muitos dos discípulos de Jesus, que o escutaram, disseram: "Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?" 61Sabendo que seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: "Isto vos escandaliza? 62E quando virdes o Filho do homem subindo para onde estava antes? 63O Espírito é que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vos falei são espírito e vida. 64Mas entre vós há alguns que não crêem". Jesus sabia, desde o início, quem eram os que não tinham fé e quem havia de entregá-lo. 65E acrescentou: "É por isso que vos disse: ninguém pode vir a mim a não ser que lhe seja concedido pelo Pai".

 

66A partir daquele momento, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele. 67Então, Jesus disse aos doze: "Vós também quereis ir embora?" 68Simão Pedro respondeu: "A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. 69Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o santo de Deus". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

Senhor, a quem iremos?

 

Muitos discípulos de Jesus tiveram enorme dificuldade de captar o verdadeiro significado de suas palavras. Ao interpretá-las num sentido contrário, ficavam perplexos e consideravam disparatados os ensinamentos do Mestre. E se escandalizavam com isto!


Apesar das reações negativas de seus ouvintes, Jesus não diminuía o tom de sua pregação, que continuava a ser contundente. Sendo assim, requeria largueza de visão para ser compreendida. O discipulado dependia da compreensão correta dos ensinamentos do Mestre e da adesão a eles.

 

Por outro lado, nenhum discípulo podia agir por coação, independentemente de sua vontade. O discipulado deveria resultar de uma escolha livre. Não interessava a Jesus que seus discípulos permanecessem com ele apenas para agradá-lo. Foi por esta razão que muitos debandaram. Não tinham fibra para pôr em prática o que lhes era ensinado. Com o Mestre permaneceu somente um punhado de discípulos fiéis que foram questionados a respeito da sinceridade de sua adesão. Foi quando Pedro, em nome do grupo, fez uma confissão de fidelidade ao Mestre. Não valia a pena afastar-se, pois só junto dele podiam encontrar palavras de vida eterna, por saírem da boca do “Santo de Deus”. Seria inútil buscar salvação fora dele. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A,  ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: A resposta de muitos discípulos ao discurso do pão da vida, como a dos judeus do deserto, foi a murmuração e o protesto. A resposta do discípulo ideal está colocada aqui nos lábios de Pedro, que em Jesus ele vê o pão e a palavra de vida eterna. Aqui tem inicio, de alguma forma, a traição de Judas quando se nega a crer em Jesus e a aceitar a eucaristia. (cf. Novo Testamento, Edições de Estudos, Editora Ave-Maria)

 

São Marcos

 

 

 

São Marcos, ou João Marcos, judeu de origem, da tribo de Levi, é venerado na Igreja não só como santo mas também como benemérito evangelista, isto é, escritor do Evangelho. Pertencia a uma das primeiras famílias cristãs de Jerusalém. Sua casa era centro de reuniões dos apóstolos e dos cristãos primitivos. De fato, dizem os Atos dos Apóstolos: "Pedro saído da prisão pela intervenção do anjo, dirigiu-se à casa de Maria, mãe de João Marcos. Muitas pessoas estavam aí reunidas em oração pela libertação de Pedro" (12,12).

 

Inspirados em antiga tradição, muitos comentaristas pensam que esta casa de Maria foi o lugar onde Cristo celebrou a última Ceia, e onde depois os apóstolos receberam o Espírito Santo, no dia de Pentecostes. Naquele tempo, João Marcos era pouco mais do que uma criança.

 

Mas no ano de 44, quando Barnabé, primo de Marcos, subiu a Jerusalém com São Paulo para falar com os apóstolos, Marcos decidiu acompanhá-los para a primeira viagem apostólica. Viajou com eles para Chipre, onde se deu a conversão do pró-cônsul Paulo, junto com muitos outros. No entanto, Marcos não conseguia, pela idade juvenil, acompanhar o ritmo das fadigas apostólicas de São Paulo: Teve um momento de debilidade e, a certa altura, por medo ou por saudade, voltou para Jerusalém. Por isso, ao se organizar mais tarde a segunda viagem missionária de São Paulo e Barnabé, sua presença foi causa de separação de Barnabé e Paulo.

 

Mais tarde, Marcos, conforme a tradição, acompanhou São Pedro a Roma, que em sua primeira carta o chama com carinho de "meu filho".

 

Toda a tradição cristã, desde o século 1, o considera autor do segundo Evangelho que leva seu nome e o escreveu seguindo as pregações de São Pedro.

 

Em Roma, esteve também a serviço de São Paulo durante sua primeira prisão, e dele faz menção em suas cartas. Durante a sua segunda prisão em Roma, escrevendo a seu discípulo Timóteo, São Paulo lhe recomenda que venha quanto antes a Roma e que lhe traga Marcos, porque lhe é grandemente útil no apostolado. Esta é a última notícia que temos dele nas Sagradas Escrituras. A tradição nos diz que, depois da morte dos apóstolos Pedro e Paulo, São Marcos viajou para Chipre e em seguida para Alexandria, no Egito, sendo considerado o fundador daquela igreja, onde mais tarde morreu mártir.

 

No ano 815, as relíquias do corpo de São Marcos foram transportadas para Veneza, onde estão sendo veneradas. O leão é símbolo deste evangelista, que inicia seu Evangelho apresentando o profeta João Batista com estas palavras: "Voz daquele que clama no deserto: preparai os caminhos do Senhor".

 

Somos imensamente gratos a São Marcos pelo Evangelho que nos transmitiu. Pela extensão é o mais curto, mas é permeado de uma unção toda especial. Com certeza ele conheceu Cristo, embora, por ser muito jovem, não fosse discípulo do Senhor. Conheceu os lugares onde Cristo passou, conviveu com os apóstolos. Sob este aspecto humano, seu. Evangelho tem toda a credibilidade.

 

Ouçamos também nós seu ardente apelo: "Fazei penitência, convertei-vos e crede no Evangelho!"

 

Não se esquenta uma casa com a promessa de lenha. (Provérbio russo)