Sábado, 10 de julho de 2010

Décima Quinta Semana do Tempo Comum, 2ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Verde

 

Hoje: Dia Internacional da Pizza

 

Santos: Bem-Aventurado Pacífico, Francisco Masabki, Maurício; Januário, Filipe, Alexandre, Vital e Marcial (mártires em Roma); Rufina e Segunda (mártires); Leôncio, Maurício e Daniel (Armênia); Bianor, Silvano e Apolônio (Ásia Menor); Alexandre, Emanuel Ruiz, Félix, Marco Ki-Tien-Siang, Vital e Verônica de Gkuliani (virgem franciscana da segunda ordem)

 

Antífona: Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio do vosso templo. Vosso louvor se estenda, como o vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos. (Sl 47, 10-11)

 

Oração: O Deus, que, pela humilhação do vosso Filho, reerguestes o mundo decaído, enchei os vossos filhos e filhas de santa alegria, e dai aos que libertastes da escravidão do pecado o gozo das alegrias eternas.. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Isaías (Is 6, 1-8) 

Toda a terra está repleta de sua glória

 

1No ano da morte do rei Ozias, vi o Senhor sentado num trono de grande altura; o seu manto estendia-se pelo templo. 2Havia serafins de pé a seu lado; cada um tinha seis asas, duas cobriam-lhes o rosto, duas, os pés e, com duas, eles podiam voar.

 

3Eles exclamavam uns para os outros: "Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; toda a terra está repleta de sua glória". 4Ao clamor dessas vozes, começaram a tremer as portas em seus gonzos e o templo encheu-se de fumaça. 5Disse eu então: "Ai de mim, estou perdido! Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu vi com meus olhos o rei, o Senhor dos exércitos".

6Nisto, um dos serafins voou para mim, tendo na mão uma brasa, que retirara do altar com uma tenaz, 7e tocou minha boca, dizendo: "Assim que isto tocou teus lábios, desapareceu tua culpa, e teu pecado está perdoado". 8Ouvi a voz do Senhor que dizia: "Quem enviarei? Quem irá por nós? Eu respondi: "Aqui estou! Envia-me". Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a 1ª Leitura

Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu

vi com meus olhos o rei, o Senhor dos exércitos

 

A vocação de Isaías propõe o tema de nossa vocação. Todo batizado é chamado a dar testemunho de Deus e de sua mensagem de salvação, também num mundo hostil, firmado na palavra de Cristo: “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo...” (Mt 10, 28)

 

Para Isaías, descobrir a santidade de Deus e sua glória universal torna-se a base de uma vocação. Não é importante definir filosoficamente Deu, embora se saiba fazê-lo; é importante, porém, que aquilo que se sabe de Deus influa em toda a nossa vida, transforme-ª Tudo na palavra de Isaías fala da “santidade e glória” de Deus. Por isso, sua mensagem é sempre mensagem de “conversão”, de entrega à vontade de Deus, de colaboração em sua obra. Ver a Deus é “irradiá-lo” como calor e luz. [Missal Cotidiano, ©Paulus, 1997]

 

 

 

Salmo: 92(93), 1ab.1c-2.5 (R/.1a)
Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor

 

Deus é Rei e se vestiu de majestade, revestiu-se de poder e esplendor!

 

Vós firmastes o universo inabalável, vós firmastes vosso trono desde a origem, desde sempre, ó Senhor, vós existis!

 

Verdadeiros são os vossos testemunhos, refulge a santidade em vossa casa, pelos séculos dos séculos, Senhor!

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 10, 24-33)
 Nada há de escondido que não seja conhecido

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 24"O discípulo não está acima do seu senhor. 25Para o discípulo, basta ser como o seu mestre, e para o servo, ser como o seu senhor. Se ao dono da casa eles chamaram de Belzebu, quanto mais aos seus familiares!

 

26Não tenhais medo deles, pois nada há de encoberto que não seja revelado, e nada há de escondido que não seja conhecido. 27O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados! 28Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!

 

29Não se vendem dois pardais por algumas moedas? No entanto, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do vosso Pai. 30Quanto a vós, até os cabelos da cabeça estão todos contados. 31Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais.

 

32Portanto, todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus. 33Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus. Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Lc 12, 2-7

 

 

Comentando o Evangelho

O modelo do discípulo

 

Basta olhar para a vida e o destino de Jesus para saber qual será a sorte de seus apóstolos. Não haverá engano! As reações provocadas pela pregação de Jesus seriam também provocadas pela pregação dos apóstolos. As perseguições desencadeadas por causa dos milagres do Mestre seriam também desencadeadas por causa do ministério apostólico a serviço da vida. De certo modo, isto pode servir de referencial para a veracidade do seu ministério. Se forem cobertos de honrarias e receberem o reconhecimento dos grandes e poderosos, é sinal de que algo não está correto em sua pregação. É normal que as pessoas denunciadas pela pregação deles se ergam furiosas para combatê-los.


A certeza de gozarem a proteção do Pai do Céu devia fazê-los anunciar sem temor. Se o Pai cuida dos mais simples elementos da natureza, não haveria de se importar com os apóstolos de seu Filho? Esta certeza dá-lhes forças para resistir. Afinal, eles devem temer somente o Pai, porque ele tem o poder não só de tirar-lhes a vida física, como fariam seus perseguidores, mas também de lançá-los na condenação eterna.


O discípulo medroso corre o risco de fraquejar e, num momento de tribulação, renegar o Mestre. Para aquele, está reservada a sorte de ser renegado por Jesus, quando se apresentar diante do Pai.
[Evangelho Nosso de Cada Dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: Eis um grande princípio da relação do apóstolo com Jesus: nunca deixará de ser servo e discípulo.  Aprende para servir e servindo aprende. Máxima blasfêmia é atribuir ao diabo ação de Deus. Partindo de um ditado popular (“tudo acaba sendo descoberto à luz do dia”), Jesus afirma que é chegada a hora de proclamar a todos quanto Ele disse aos discípulos. A prioridade dada “a casa de Israel” (v.6), e pertencente ao horizonte da primeira missão dos Doze, cessa perante a exigência da universalidade da Boa-Nova. Os cabelos da cabeça são exemplo proverbial de algo incontável. Tudo está nas mãos de Deus. Por fim, a esta solidariedade radical com Cristo, por meio do testemunho até o próprio sangue, contrapõe-se o negá-lo.

 

 

São Manoel Ruiz

 

Foi um dos oito franciscanos trucidados pelos maometanos por resistirem até o fim, a renegar a Jesus Cristo. Manuel, Carmelo, Emnngilberto, Nicanor Maria e Pedro, sacerdotes. João e Tiago eram irmãos leigos. Eram sete espanhóis e um austríaco, embora os chamassem de "irmãos franceses". Manuel Ruiz era o superior e antes de falecer havia feito a seguinte profissão de fé: "Nós não temos senão uma alma. Perdida esta, tudo está perdido. Somos cristãos e queremos morrer cristãos". Os curdos assaltaram o convento em Damasco, o qual era muito conhecido. Lá se refugiaram três maratonitas cristãos que também foram martirizados. Frei Manoel era conhecido como Frei Paciência e o trabalho que faziam chamavam a atenção quanto a prosperidade, dos muitos muçulmanos (os curdos) que lá viviam Teria sido mais terrível ainda, se o próprio Ab-el-Kader, muçulmano mas admirador da obra dos franciscanos não interviesse mas não foi atendido e além desses freis, morreram mais onze cristãos. Obs. No livro das Edições Loyolas, (pág. 168) dia 10 é dia de São Cristóvão. Porém como em algumas cidades se comemoram-no no dia 25 você encontrará sua história anexada a um outro santo do mesmo dia: dia 25, finalizando com uma oração também dedicada a ele.

 

 

A política é uma vocação, e quando não é uma vocação é

uma especulação. (Machado de Assis)