Sábado, 6 de fevereiro de 2010

São Paulo Miki (Mártir) - 4ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Litúrgica Vermelha

 

Santos do Dia: Amando de Maastricht (abade, bispo), Amando de Nantes (abade), André de Elnon (abade), Anatoliano de Auvergne (mártir), Dorotéia de Cesaréia (virgem, mártir), Gastão de Arras (bispo), Geraldo de Óstia (monge, bispo), Guerino de Palestrina (bispo), Hildegunda de Meer (viúva, monja), Renilda de Eyck (abadessa), Saturnino, Teófilo, Revocata e Antoniano (mártires), Silvano, Lucas e Múcio (mártires), Teófilo de Cesaréia (mártir), Ângelo de Furci (agostiniano, bem-aventurado), Diego de Azevedo (monge, bispo, bem-aventurado)

 

 

Antífona: Alegram-se nos céus os santos que na terra seguiram a Cristo. Por seu amor derramaram o próprio sangue; exultarão com ele eternamente.

 

Oração: Ó Deus, força dos santos, que em Nagasaki chamastes à verdadeira vida São Paulo Miki e seus companheiros pelo martírio da cruz, concedei-nos, por sua intercessão, perseverar até a morte na fé que professamos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: I Reis (1Rs 3, 4-13)
Salomão faz o pedido por sabedoria

 

Naqueles dias, 4rei Salomão foi a Gabaon para oferecer um sacrifício, porque esse era o lugar alto mais importante. Salomão ofereceu mil holocaustos naquele altar. 5Em Ga­baon o Senhor apareceu a Salomão, em sonho, durante a noite, e lhe disse: "Pede o que desejas e eu to darei". 6Salomão respondeu: "Tu mostraste grande benevolência para com teu servo Davi, meu pai, porque ele andou na tua presença com sinceridade, justiça e retidão de coração para contigo. Tu lhe conservaste esta grande benevolência, e lhe deste um filho que hoje ocupa o seu trono. 7Portanto, Senhor meu Deus, tu fizeste reinar o teu servo em lugar de Davi, meu pai. Mas eu não passo de um adolescente, que não sabe ainda como governar.

 

8Além disso, teu servo está no meio do teu povo eleito, povo tão numeroso que não se pode contar ou calcular. 9Dá, pois, ao teu servo, um coração compreensivo, capaz de governar o teu povo e de discernir entre o bem e o mal. Do contrário, quem poderá governar este teu povo tão numeroso?" 10Esta oração de Salomão agradou ao Senhor. 11E Deus disse a Salomão: "Já que pediste estes dons e não pediste para ti longos anos de vida, nem riquezas, nem a morte de teus inimigos, mas sim sabedoria para praticar a justiça, 12vou satisfazer o teu pedido; dou-te um coração sábio e inteligente, como nunca houve outro igual antes de ti, nem haverá depois de ti. 13Mas dou-te também o que não pediste, tanta riqueza e tanta glória como jamais haverá entre os reis, durante toda a tua vida". Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Dá ao teu servo, um coração compreensivo

 

Salomão, sentindo-se jovem e inexperiente, pede a sabedoria na oração. "Convém recordar aqui a palavra de Cristo sobre a atitude de criança, que deve ser a do cristão. A criança pede, a criança não tem consciência de poder coisa alguma por si mesma. Diante de Deus, diante de nossa vida considerada em seu íntimo, com todas as tentações e fraquezas que a ameaçam, presa do orgulho e do egoísmo cujos germes ~tão em nós mesmos, como não sentiremos necessidade de rezar? Este é um problema de verdade... Não podemos confiar em nós mesmos. Embora precisemos de certa confiança em nós, esta deve ser bem humilde. Porque aqui não se trata de uma atitude de fraqueza ou falta de coragem. Não, pelo contrário, a humildade é uma força imensa, porque só ela nos permite agir sem duvidar de nós mesmos, sem ter medo de nos enganar diante dos outros, sem ter medo de ser humilhados pelo insucesso. Quantas vezes não fomos impedidos de agir por orgulho, por medo de parecer ridículos! A humildade verdadeira jamais enfraqueceu alguém; antes torna as pessoas muito mais fortes. É isto que entra em jogo no nosso relacionamento com Deus quando rezamos.” [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

 

Salmo: 118(119), 9.10.11.12.13.14 (R/.12b)

Ó Senhor, ensinai-me os vossos mandamentos!

 

Como um jovem poderá ter vida pura? Observando, ó Senhor, vossa palavra.

 

De todo o coração eu vos procuro, não deixeis que eu abandone a vossa lei!

 

Conservei no coração vossas palavras, a fim de que eu não peque contra vós.

 

Ó Senhor, vós sois bendito para sempre; os vossos mandamentos ensinai-me!

 

Com meus lábios, ó Senhor, eu enumero os decretos que ditou a vossa boca.

 

Seguindo vossa lei me rejubilo muito mais do que em todas as riquezas.

 

 

Evangelho do Dia: Marcos (Mc 6, 30-34)

Eram como ovelhas sem pastor

 

Naquele tempo, 30os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. 31Ele lhes disse: "Vinde sozinhos para um lugar deserto, e descansai um pouco". Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo que não tinham tempo nem para comer. 32Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. 33Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé, e chegaram lá antes deles. 34Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas. Palavra da Salvação!

 

Essa passagem bíblica também está presente nos seguintes sinóticos

Mt 14, 13-21; Lc 9, 10-17 (Primeira Multiplicação dos Pães) e ainda em Jo 6, 1-11

 

 

 

Comentário o Evangelho

Ovelhas sem pastor

 

As multidões não davam sossego a Jesus e aos discípulos. Era-lhes difícil encontrar tempo e lugar para estarem a sós com o Mestre, e descansar das fadigas da missão. As vezes, nem tinham tempo para comer, tal era o afluxo de gente. Quando sabiam que Jesus estava se dirigindo para algum lugar, corriam para lá, chegando antes dele. Era como se fossem ovelhas em busca de um pastor.

 

A situação de abandono do povo sensibilizava profundamente Jesus. Daí o extremo interesse com que as pessoas ouviam Jesus falar, e a ânsia de serem beneficiadas por ele. E sempre encontravam acolhida por parte do Mestre.

 

A atitude de Jesus estava em estreita relação com o serviço ao Reino, para o qual fora enviado. Esse Reino comportava a Boa Nova de libertação para os pobres, e deveria devolver aos seus corações a esperança há muito perdida pelo descaso com que eram tratados. A Jesus competia, por assim dizer, re-humanizá-los, tirando-os da marginalização a que foram relegados, e abrir-lhes uma perspectiva de vida para além de suas dores e sofrimentos.

 

O Mestre apresentou-se como líder deste grande movimento de recuperação da dignidade humana, dando atenção ao povo sofrido e propondo-lhe o Reino como ideal. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulina, 1998]

 

Para sua reflexão: O povo quando não encontra líderes autênticos, segue outro qualquer (“eram como ovelhas sem pastor”). Isso acontece com relação aos nossos líderes políticos, por exemplo: o falso líder abandona o amor e a justiça para com o interesse comum e se agarra aos seus próprios. A missão de pastor é composta de muito cuidado e compaixão para com as suas ovelhas. “Que a comunidade do Senhor não fique como rebanho sem pastor” (Nm 27, 17). E você, tem tido o cuidado com os seus “lideres”? Que tal deixar que Jesus seja sempre o seu líder? Ele tem estado em seus projetos ou você só se lembra do LIDER nas horas das dificuldades?

 

 

 

São Paulo Miki e companheiros

 

A pregação do Evangelho feita por São Francisco Xavier no Japão nos anos 1549-1551 deu, 30 anos depois, seus frutos mais preciosos na pessoa dos 26 mártires, representados, sobretudo, pela figura empolgante de São Paulo Miki. O motivo da inserção deles no Calendário Litúrgico é para dar ênfase à universalidade da Igreja; ela é universal geograficamente, porque onde é lançada a Palavra de Deus, aí brota a fé e, portanto, cristãos dispostos ao martírio; universal nos tipos de pessoas que aderem à fé e dão seu testemunho no sangue: leigos ou sacerdotes, crianças ou velhos, casados ou solteiros, japoneses ou de outra raça qualquer.

 

Paulo Miki nasceu em Kioto, capital da arte e da cultura no país do sol levante. Batizado ainda criança, assimilou com tal fervor a doutrina e espiritualidade cristã a ponto de desejar tornar-se sacerdote e missionário. E assim aconteceu, tendo ingressado na Companhia de Jesus.

 

Ordenado sacerdote, passou logo à atividade missionária, procurando a conversão de seus compatriotas. Conhecedor da língua, cultura e costumes budistas, pôde penetrar em todos os ambientes sociais, realizando apostolado muito eficiente e obtendo numerosas conversões.

 

Foi ótimo pregador e conferencista. Sempre acolhedor e bondoso a ponto de ter sido dito dele que mostrava seu zelo mais com os sentimentos afetuosos do que com as palavras.

 

Com o deflagrar da perseguição, Paulo Miki foi capturado em Osaka, com dois companheiros de apostolado. A reação dos católicos japoneses foi surpreendente: em vez de se mostrarem atemorizados pela ameaça da morte, proclamavam publicamente a fé, acompanhavam os cristãos presos, e ofereciam-se espontaneamente ao martírio.

 

Aqui apresentamos um relato do martírio destas pessoas, conforme foi narrado por um contemporâneo.

 

"Pregados na cruz, que espetáculo maravilhoso foi ver a constância de todos a que os exortava ora o Padre Pásio, ora o Padre Rodriguez. O padre comissário mantinha-se sempre quase imóvel com os olhos fitos no céu. Irmão Martinho, dando graças à divina bondade, cantava salmos com o versículo: 'Em tuas mãos, Senhor'. Também o Irmão Francisco Blanco agradecia a Deus com voz clara. Irmão Gonçalo dizia muito alto a oração dominical e a saudação angélica.

 

Paulo Miki, nosso irmão, vendo-se colocado no mais honroso e elevado púlpito que jamais tivera, começou por declarar aos circunstantes ser japonês e jesuíta e morrer por ter anunciado o Evangelho; e dava graças a Deus por tão excelente beneficio. Em seguida, pronunciou estas palavras: 'Tendo chegado a este momento, julgo que nem um de vós acredita que desejo faltar à verdade. Declaro-vos, pois, que não há outro caminho de salvação fora daquele que os cristãos seguem. Este caminho me ensina a perdoar aos inimigos e a todos que me ofenderam, por isto de boa mente perdoo ao rei e a todos os responsáveis por minha morte e suplico-lhes queiram ser iniciados pelo batismo cristão'.

 

Volvendo, em seguida, os olhos para os companheiros, começou a animá-los neste combate extremo. No rosto de todos, podia-se ver certa alegria, mas no de Luis (onze anos) era extraordinária; um cristão gritou-lhe que, em breve, estaria no paraíso. Então fez sinal afirmativo com os dedos, atraindo para si os olhares de todos os presentes.

 

Antônio (treze anos), ao lado de Luis, os olhos voltados para o céu depois de invocados os santíssimos nomes de Jesus e Maria, cantou o Salmo 'Louvai, meninos, o Senhor', que aprenderam no curso de catecismo em Nagasaki. Como previsão do martírio, ensinava-se às crianças a recitação de alguns Salmos. Outros, exortavam os circunstantes a uma vida digna de cristãos; com estes e outros atos provaram sua disposição de morrer". O martírio se deu no dia 5 de fevereiro de 1595. [O SANTO DO DIA, Dom Servilio Conti, ©Vozes, 1997, pp.66-67]

 

O saber é para o homem estudioso, a riqueza para o vigilante, o

poder para o valoroso e o céu para a virtude. (Franklin)

 

 

O melhor lugar para ter sucesso é onde você está, com aquilo que você tem. (Charles Schwab)