Sábado, 4 de junho de 2011

Sexta Semana da Páscoa e 2ª do Saltério (Livro II), cor litúrgica Branca

 

 

Hoje: Dia mundial contra a agressão infantil e dia do engenheiro agrimensor

 

Santos: Justino (165, mártir palestino), Cândida, Herculano de Piegaro, Afonso Navarrete, Fernando Ayala, João Story, Tespésio (Séc. III, Capadócia), Isquirião (Séc. III, Egito), Próculo (Séc. III, Itália), Inácio (Espanha), Panfílio (309, mártir, Cesaréia da Palestina), Valêncio, Branca, Próculo (542, bispo) e Próculo (304, soldado), Caprásio (430), Vistrano (849), Simeão (1035, Siracusa/Sicília), Êneco (1057, abade), Teobaldo de Alba (1150), João Pelingotto (1304), Herculano  de Piegaro (1451), João Storey (15,71, beato, mártir), Félix de Nicósia (1787, beato)

 

Antífona: Povo resgatado por Deus, proclamai suas maravilhas: ele vos chamou das trevas à sua luz admirável, aleluia! (1Pd 2,9)

 

Oração: Ó Deus, inspirai aos nossos corações a prática das boas obras para que, buscando sempre o que é melhor, vivamos constantemente o mistério pascal. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Atos (At 18, 23-28 )

Jesus é o Messias

 

23Paulo permaneceu algum tempo em Antioquia. Em seguida, partiu de novo, percorrendo sucessivamente as regiões da Galácia e da Frígia, fortalecendo todos os discípulos. 24Chegou a Éfeso um judeu chamado Apolo, natural de Alexandria. Era homem eloqüente, versado nas escrituras. 25Fora instruído no caminho do Senhor e, com muito entusiasmo, falava e ensinava com exatidão a respeito de Jesus, embora só conhecesse o batismo de João.

 

26Então, ele começou a falar com muita convicção na sinagoga. Ao escutá-lo, Priscila e Áquila tomaram-­no consigo e, com mais exatidão, expuseram-lhe o caminho de Deus. 27Como ele estava querendo passar para a Acaia, os irmãos apoiaram-no e escreveram aos discípulos para que o acolhessem bem. Pela graça de Deus, a presença de Apoio aí foi muito útil aos fiéis. 28Com efeito, ele refutava vigorosamente os judeus em público, demonstrando pelas escrituras que Jesus é o Messias. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a Leitura

Apolo demonstrava com as escrituras que Jesus é o messias 

 

O episódio de hoje é significativo, pela atitude de Áquila e Priscila em face de Apolo. Teriam podido opor-se a ele, combatê-lo, porquanto pregava ainda o batismo de João, de qualquer forma, não formava parte do grupo dos cristãos..., até mesmo lhes fazia concorrência com seu saber e vigor. Ao contrário, com muita franqueza chegam-se a Apolo e lhe expõem as lacunas de sua doutrina. O resultado desse comportamento límpido e honesto foi ganharem um irmão, em vez de fazerem um inimigo, e o espírito da comunidade se reforçou na comunhão e no ímpeto apostólico, em vez de se meter em vãs denúncias, nos ciúmes e na descortesia.

 

A passagem destaca indiretamente o importante papel dos leigos na evangelização. Leigo é Apolo, leigos são os dois cônjuges, como eram leigos os primeiros irmãos que, banidos da comunidade de Jerusalém pela perseguição, se tornam o primeiro fermento missionário da Igreja primitiva, fora da Palestina. [Extraído do MISSAL COTIDIANO  ©Paulus, 1997]

 

Salmo: 46 (47), 2-3.8-9.10 (R/.8a)

O Senhor é o grande rei de toda a terra

 

Povos todos do universo, batei palmas, gritai a Deus aclamações de alegria! Porque sublime é o Senhor, o Deus altíssimo, o soberano que domina toda a terra.

 

Porque Deus é o grande rei de toda a terra, ao som da harpa acompanhai os seus louvores! Deus reina sobre todas as nações, está sentado no seu trono glorioso.

 

Os chefes das nações se reuniram com o povo do Deus santo de Abraão, pois só Deus é realmente o altíssimo, e os poderosos desta terra lhe pertencem!

 

 

Evangelho: João (Jo 16, 23b-28)

O Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 23b"Em verdade, em verdade vos digo, se pedirdes ao Pai alguma coisa em meu nome, ele vo-la dará. 24Até agora nada pedistes em meu nome; pedi e recebereis; para que a vossa alegria seja completa. 25Disse-vos estas coisas em linguagem figurativa. Vem a hora em que não vos falarei mais em figuras, mas claramente vos falarei do Pai. 26Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que vou pedir ao Pai por vós, 27pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes que eu vim da parte de Deus. 28Eu saí do Pai e vim ao mundo; e novamente parto do mundo e vou para o Pai". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

A volta para o Pai 

 

A existência de Jesus pode ser definida como uma longa caminhada cujo ponto de partida e de chegada é o Pai. Saiu de junto do Pai e veio ao mundo. Ao concluir sua missão, regressou para junto dele, e, com ele, está em perfeita comunhão.


Jesus veio da parte do Pai, na condição de enviado. Este é um dado fundamental de sua identidade e de sua ação. Caso contrário, toda a sua aspiração não teria sentido, e suas palavras cairiam no vazio. Suas palavras e seu testemunho tinham valor em vista de sua condição de Filho de Deus.


O mundo foi a meta da vinda de Jesus. Afinal, ele veio para salvar o mundo de seus pecados, fazendo jorrar vida abundante onde imperava a morte. Veio para fazer brilhar a luz da verdade libertadora onde imperavam as trevas do pecado.


Uma vez concluída a sua missão, o Filho de Deus deveria voltar para junto do Pai. Ele agiu como todo enviado em missão, que volta e presta contas a quem o enviou. Jesus tem consciência de ter cumprido fielmente a missão recebida. Por sua fidelidade, tornar-se-á o grande intercessor dos discípulos junto do Pai. Doravante, eles deverão dirigir-se ao Pai, invocando o nome de Jesus, para serem sempre atendidos. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A, ©Paulinas, 1997]

 

Oração da assembleia (Deus Conosco)

Para que nossas orações sejam autênticas e fervorosas, rezemos ao Pai. Pai do céu, ouvi-nos!

Pelas Comunidades, para que a oração em comum as conduza à vida em comum as conduza à vida de fraternidade e caridade, rezemos ao Pai.

Para que nossas atitudes e palavras animem as pessoas e as conduzam nos caminhos do Reino, rezemos ao Pai.

Por todos os que sofrem, por todos os que precisam de apoio e força para viver, rezemos ao Pai.

Para que cesse toda violência contra crianças e menores abandonados nas ruas e praças, rezemos ao Pai.

(preces espontâneas)

 

 

Oração sobre as Oferendas:

Dignai-vos, ó Deus, santificar estes dons e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós mesmos uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que contemplem a glória que me deste, aleluia! (Jo 17, 24)

 

Oração Depois da Comunhão:

Tendo participado do sacramento do Corpo e do Sangue do vosso Filho, nós vos suplicamos, ó Deus, que nos faça crescer em caridade a Eucaristia que ele nos mandou realizar em sua memória. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: Quem pede e recebe fica satisfeito e contente; que o pedir não tenha limites, para que o receber complete a alegria. Um pai que ama seu filho não lhe nega o que pede razoavelmente. Pois bem, Deus Pai ama os que amam seu Filho, e lhes concede tudo o que pedem movidos pelo Espírito. (Bíblia do Peregrino)

 

São Francisco Caracciolo

Seu primeiro e verdadeiro nome era Ascânio e morava junto à Congregação dos Brancos da Justiça, e se dedicavam aos presidiários, condenados à morte. Aos 21 anos, foi acometido por uma enfermidade terrível na pele, semelhante a lepra, e todos acreditavam ser incurável. Então Francisco fez a Deus esta promessa: "Se me curas desta enfermidade, dedicarei minha vida ao sacerdócio e ao apostolado". Curado milagrosamente, decidiu cumprir com sua promessa, indo para Nápoles e a outros lugares. Assim que se ordenou sacerdote uniu-se a um grupo de apostolado que se dedicava a atender a presidiários. Em 1588 um grande apóstolo chamado João Adorno, dispôs edificar uma comunidade religiosa, dedicando a metade do tempo à oração e a outra metade ao apostolado. Para isto mandou uma carta a um Ascânio Caracciolo, pedindo-lhe conselhos sobre este projeto e propondo-lhe sua colaboração. Porém, sucedeu que os que levavam a carta equivocaram-se de destinatário e em vez de entregá-la a Ascânio entregaram-na a Francisco Caracciolo, que ao lê-la sentiu que esta comunidade era o que ele havia desejado por muitos anos. Com João Adorno fundaram a nova congregação. Durante uma estada com os padres do Oratório caiu gravemente enfermo e veio a falecer. Seu copo foi transportado para Nápoles e sepultado na igreja de Santa Maria Maior. O primeiro de seus numerosos milagres foi a de um aleijado, durante seu funeral. Foi canonizado a 24 de maio de 1807.

 

 

Oração e Comunhão

Dom José Alberto Moura, CSS, Arcebispo Metropolitano de Montes Claros - MG

 

Testemunhar a ressurreição de Jesus é de fundamental importância para quem nele crê. Faz isso a pessoa unida a Deus através da oração e fiel ao seguimento do mandamento do amor. Caso contrário, não se consegue convencer ninguém sobre a pessoa e a missão do Filho de Deus. Não bastam os atos de devoção nem o mergulho e a divulgação dos dizeres bíblicos. Alguns até os usam de modo a provocar desunião, desentendimento e falta de amor ao diferente.

 

Paulo lembra a necessidade da ação do Pai para a pessoa ter condição de andar no caminho do ressuscitado: “Que ele abra o vosso coração à sua luz... Ele manifestou sua força em Cristo, quando o ressuscitou dos mortos e o fez sentar-se à sua direito nos céus” (Efésios 1,18.20).  O próprio Jesus caminha unido à sua Igreja por Ele mesmo instituída: “Ele pôs tudo sob seus pés e fez dele, que está acima de tudo, a Cabeça da Igreja, que é o seu corpo” (1,22-23). É de suma importância a união de todos os membros dessa família, unidos pelo batismo. Quem quiser ficar unido ao Filho precisa ter a pertença a seu corpo. Nele todos se sentem irmãos. Daí a necessidade de tudo fazerem para o bem de todos.

 

Nesta Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, somos instados a pedir a Deus a força necessária para vivermos nossa fé em Cristo, conforme o desejo do Pai. Sozinhos não saímos de nossos limites ou fronteiras pessoais e institucionais, com suas virtudes e seus defeitos. Daí a união na oração. O Espírito Santo nos ajuda a romper as barreiras circunstanciais e históricas, que fragilizam nosso testemunho de amor. Este é fundamental para os outros crerem no que dizemos de Jesus. Os primeiros cristãos davam testemunho de comunhão e oração.

 

Nesta festa da Ascensão de Jesus o convite de olharmos para o alto, vendo-o sair visível e historicamente de nosso meio, deve aguçar nossa vontade de mais união. Sem esta não conseguiremos contribuir o suficiente para a promoção da vida plena desejada para todos pelo Divino Mestre. Ele continua conosco através de sua divindade, de sua palavra, de seus dons sacramentais, da autoridade deixada para seus apóstolos e demais discípulos. A Igreja de Cristo tem a grande novidade de libertação e promoção da vida, que extrapola o que é puramente material. O segredo do amor deixado por Jesus caracteriza sua pessoa e missão através de sua continuação na sua Igreja.

 

Nossa ação evangelizadora não se restringe ao interno de nossa comunidade: “Toda a autoridade me foi dada no céu e sobre a terra. Portanto, ide e fazei discípulos meus todos os povos” (Mateus, 28,18-19). A missão fez evangélicos de muitas denominações se unirem, há mais de cem anos, em Edimburgo, Escócia, para darem testemunho de união. Caso contrário, não seriam acreditados no que ensinassem sobre Jesus. Da mesma forma hoje somos também conclamados para o mesmo. A paciência para compreendermos as diferenças e modos de interpretar os ensinamentos do Mestre exige de nós perseverança e fé no ecumenismo. O testemunho da própria fé não significa impedimento para compreendermos o modo de ser e até percebermos os valores dos outros, muitas vezes semelhantes aos nossos em muitos aspectos.

 

Esta semana nos desafie para suplicarmos ao Espírito Santo que nos ajude a encontrar sempre mais o caminho da fraternidade e da união, que não significa uniformidade.

 

Quando a última árvore tiver caído, quando o último rio tiver secado, quando o último peixe for pescado, vocês vão entender que dinheiro não se come. (Greenpeace)