Quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Santos Simão e Judas (Apóstolos), Ofício de Festa, 2ª do Saltério, cor Litúrgica Vermelha

 

 

 

Hoje: Dia do Funcionário Público

 

Santos: Judas Tadeu, Simão Cananeu (ambos apóstolos), Firmiliano (268, Capadócia), Malquião (270, Constantinopla), Farão (670), Bem-Aventurado João Dat (1798, sacerdote tonquinês, mártir), Francisco Serrano, Pedro Sanz.

 

Antífona: No seu amor inabalável, o Senhor escolheu como apóstolos Simão e Judas e lhes deus uma glória eterna.

 

Oração: Ó Deus, que pela pregação dos Apóstolos, nos fizestes chegar ao conhecimento do vosso Evangelho, concedei pelas preces de São Simão e São Judas, que a vossa Igreja não cesse de crescer, acolhendo com amor novos fieis. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Carta de São Paulo aos Efésios (Ef 2, 19-22)
Jesus Cristo, pedra fundamental

 

Irmãos, 19já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. 20Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus Cristo como pedra principal. 21É nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. 22E vós também sois integrados nesta construção, para vos tomardes morada de Deus pelo Espírito. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Do que era dividido ele fez uma unidade

 

Nota-se logo a diferença entre a atitude do turista e a do habitante que conhece cada ângulo, e para quem cada rosto é familiar. A quem se quisesse passear, na Igreja-comunidade de pessoas com a mentalidade. "desligada" do visitante, Paulo lembra que esta é a família da SS. Trindade. Quem se sente desambientado, julga-se de fora e mantém distância, não é capaz de compreender. Sob o arcabouço das estruturas institucionais, "também nós somos edificados em Cristo para nos tornarmos habitação de Deus no Espírito". É a família das três Pessoas, em que nos sentimos de casa. O tempo passado com Jesus em oração ao Pai, no Espírito, é o tempo verdadeiro, tempo da realidade, em que estamos "em casa". O outro tempo, o das ocupações ordinárias, toma daqui seu sentido. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo Responsorial: 18 (19A), 2-3.4-5 (R/.5a)

Seu som ressoa e se espalha em toda a terra

 

2Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãos; 3o dia ao dia transmite esta mensagem, a noite à noite publica esta noticia.

 

4Não são discursos nem frases ou palavras, nem são vozes que possam ser ouvidas; 5seu som ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do universo a sua voz.

 

 

Evangelho: Lucas (Lc 6, 12-19)

Jesus passou a noite toda em oração a Deus

 

12Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: 14Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; 16Judas Iscariotes, aquele que se tomou traidor.

 

17Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar piano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judéia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 18Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. 19A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saia dele, e curava a todos. Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mt 10, 1-4; Mc 3, 13-10; Mt 4, 23-25; 5, 1-12

 

 

Comentário o Evangelho

Uma escolha feita com discernimento

A escolha dos doze Apóstolos deu-se num processo de oração e de discernimento. Tratava-se de um ato importante no contexto da missão de Jesus. Ele não podia ser movido por critérios que não fossem aqueles do Reino. Teria incorrido em erro se escolhesse somente quem lhe era simpático, quem fosse rico ou de família nobre ou, então, quem lhe pudesse oferecer ajuda financeira.


Só a obediência ao Pai, depois de uma noite passada em oração, explica por que Jesus escolheu um punhado de pessoas humanamente tão pouco qualificadas. E mais: gente que haveria de traí-lo, abandoná-lo, renegá-lo. Entretanto, foi assim que se manifestou a sabedoria divina. A consolidação do Reino, na história humana, haveria de ser obra de Deus. A precariedade de dotes nas pessoas escolhidas para serem instrumento de sua ação demonstrou-o muito bem.


Embora humanamente cheios de limitações, os doze Apóstolos receberam a missão de levar adiante a missão iniciada por Jesus, o enviado do Pai. A ação deles revelou-se grandiosa, porque souberam confiar plenamente em Deus e deixar-se guiar por ele.


O tempo demonstrou o acerto de Jesus na escolha dos doze. Excetuando Judas Iscariotes, que não soube confiar no perdão misericordioso de Jesus, todos os demais apóstolos assumiram com um ardor incrível sua missão de servidores do Reino.
[O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

São Simão o apóstolo

 

Simão era filho de Cleophas e Maria. Cleophas era irmão de São José e ela irmã de da Virgem Maria, assim Simão era primo irmão de Jesus. Há indícios de que este Simão tenha sido o mesmo que é apontado como sendo irmão de São Tiago Menor e claro, também irmão de São Judas Tadeus.


Outra versão de modernos escolares diz que talvez tenha havido dois com o nome de Tiago, um filho de Alphaeus e um dos 12 apóstolos; e o outro o "irmão de Jesus", que seria um primo em primeiro grau ou um filho de José do seu primeiro casamento. Estudiosos sustentam que José era viuvo quando foi escolhido para se casar com a Virgem Maria e ser o pai de Jesus; e tinha vários filhos sendo um deles de nome Simão. (Judas, Justus, Tiago e Simão e as filhas Assia e Lídia).

Alguns especialistas acham Simão era o noivo do casamento no qual Jesus transformou a água em vinho.(Bodas de Cana). Também chamado de Canaanite (Mt 10, 4; Mc 3, 18) ele era um dos apóstolos e foi mencionado varias vezes no Novo Testamento. Conhecido como o Zeloso (Lc 6, 15 e At 1, 13) por sua dura obediência lei dos judeus, Simão foi um dos primeiros discípulos de Jesus. Foi bispo em Jerusalém. É dito ainda que foi avisado por um anjo da e destruição de Jerusalém em 66 DC e levou os cristãos para a cidade de Pella e lá ficaram até seu retorno seguro em 70. Euzebius e Epiphanius asseguram que a Igreja floresceu em Pella e multidões de judeus foram convertidos pelo grande número de prodígios e milagres de São Simão.

 

Segundo a tradição durante as perseguições de Atticus sob as ordens do Imperador Trajano em 107 Simão foi preso torturado e crucificado e teria 102 ou 120 anos na época. Atticus e os executores teriam expressado admiração pela força e fé de Simão durante o seu martírio. Teria sido morto na Pérsia. Parece que no final teria sido serrado ao meio.

 

Outra versão inclui a assertiva de que ele teria morrido calmamente em Edessa, com 106 anos e governado a igreja durante 43 anos.

 

Na arte litúrgica da Igreja ele é representado segurando um peixe ou uma serra ou com em um barco segurando um remo.

 

 

Para sua reflexão: Lucas registra a oração de Jesus. Sai da massa entusiasta e dos rivais hostis, sobre à “montanha”, lugar do encontro com Deus (1Rs 19), “passa a noite” (Sl 1, 2; 42,4; 119, 55) “orando”. Sobre o conteúdo da oração de Jesus, os sinóticos são muito sóbrios: uma efusão (10, 21-22), Getsêmani (22, 39-46); João é mais explícito. No contexto, essa oração prepara a escolha dos doze e o grande discurso da planície. No texto que compõe os versículos de 13 a 16, com seu contexto já aparece uma estrutura da comunidade. Em circuitos concêntricos situam-se o povo, os discípulos, os doze. Pedro figura sempre em primeiro lugar e Judas Iscariot no último. O grupo é heterogêneo; há dois nomes gregos, um ex-colaboracionista (identificando Mateus com Levi), um ex-simpatizante dos extremistas zelote, e até um traidor. Jesus impõe o titulo de “apóstolos”, aceito sem discussão, titulo que define a função e muda o nome de Simão. O nome implica nomeação. Significa enviado em geral e legado em particular. São doze, como as tribos que formam o Israel clássico. São doze como corpo ou colégio. Por fim, como Moisés, Jesus desce da montanha para dirigir-se ao povo. O narrador insiste na multidão de discípulos e de povo. (Bíblia do Peregrino)

 

São Judas Tadeu, apóstolo

 

Veneração pela Igreja Católica, Igrejas orientais, Igreja Ortodoxa, Igreja Copta, Igreja Anglicana, Umbanda. Padroeiro: Das causas desesperadas. São Judas Tadeu é um santo cristão e um dos doze apóstolos de Jesus. Seus outros nomes são Judas Tadeus, Judas Lebeus e Judas, irmão de Tiago. Ele é também conhecido como São Tadeu, soletrado como "Thaddæus" ou "Thaddaeus" em diferentes versões da Bíblia, e como São Matfiy na tradição ortodoxa russa (junto com São Judas). Ele não deve ser confundido com Judas Iscariotes, também outro apóstolo, que traiu Jesus e mais tarde, (segundo Mateus), cometeu suicídio.

 

São Judas foi um irmão de Tiago, e, segundo algumas crenças, um parente (primo) de Jesus. Marcos 6:3 declara sobre Jesus: “Não é esse o carpinteiro? Não é esse o filho de Maria e o irmão de Tiago, José, Judas e Simão? Não são essas suas irmãs conosco?”.

 

Nos Atos de Tomás, um livro apócrifo do Novo Testamento, escrito na Síria no início do século III, ele foi identificado como Judas Tomás, que é o nome completo do apóstolo Tomás, segundo a tradição síria.

 

É o suposto autor da Epístola de Judas do Novo Testamento. Judas, sendo São Judas, é suposto na visão da Igreja Apostólica Armênia, ter levado o Cristianismo à Armênia.

 

Antigas tradições citadas pelos Padres da Igreja afirmam que foi martirizado na Pérsia, a mando de sacerdotes pagãos que instigaram as autoridades locais e o povo, tendo sido decapitado juntamente com outro apóstolo de Jesus, Simão Zelote, que também pregava naquela região.

 

Suas relíquias se encontram supostamente em Roma, para onde teriam sido trasladadas e são veneradas até hoje. É o santo patrono das causas desesperadas e das causas perdidas na Igreja Católica Romana. É o santo padroeiro do Clube de Regatas do Flamengo.

 

O símbolo de São Judas é um machadinho e às vezes é representado segurando um machado, uma clava, uma espada ou uma alabarda, por sua morte ter ocorrido por uma dessas armas. Ele é também geralmente apresentado em ícones com uma flama ao redor de sua cabeça. Essa flama representa a presença do Pentecoste, quando ele recebeu o Espírito Santo, junto com os outros apóstolos. Em alguns casos ele é mostrado como um rolo ou livro (sua epístola) ou segurando uma régua de carpinteiro. [Wikipedia]