Quinta-feira, 26 de maio de 2011

São Filipe Néri, presbítero, Memória, 1ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Branca

 

Hoje: Dia do Revendedor Lotérico

 

Santos: Mariana de Paredes, Felipe Néri (presbítero), Eva de Liége, Mari Ana de Jesus de Paredes (Quito, virgem franciscana da 3ª Ordem), Quadrato (Bispo de Atenas), Eleutério (bispo de Roma), Gôndio, Prisco (e seus companheiros, mártires), Lamberto (Bispo de Vence), Eva de Liège (Virgem), Pedro Sanz (Beato, Bispo)

 

Antífona: Repousa sobre mim o Espírito do Senhor; ele me ungiu para levar a boa-nova aos pobres e curar os corações contritos. (Lc 4, 18)

 

Oração: Ó Deus, que não cessais de elevar à glória da santidade os vossos sérvios fiéis e prudentes, concedei que nos inflame o fogo do Espírito Santo que ardia no coração de são Filipe Néri. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Atos (At 15, 7-21)

Não impor a lei mosaica aos novos cristãos

 

Naqueles dias, 7depois de longa discussão, Pedro levantou-se e falou aos apóstolos e anciãos: "Irmãos, vós sabeis que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu, do vosso meio, para que os pagãos ouvissem de minha boca a palavra do evangelho e acreditassem. 8Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo como o deu a nós. 9E não fez nenhuma distinção entre nós e eles, purificando o coração deles mediante a  fé. 10Então, por que vós agora colocais Deus à prova, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais e nem nós mesmos tivemos força para suportar? 11Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que acreditamos ser salvos, exatamente como eles".  

 

12Houve então um grande silêncio em toda a assembleia. Depois disso, ouviram Barnabé e Paulo contar todos os sinais e prodígios que Deus havia realizado, por meio deles, entre os pagãos. 13Quando Barnabé e Paulo terminaram de falar, Tiago tomou a palavra e disse: "Irmãos, ouvi­-me: 14Simão acaba de nos lembrar como, desde o começo, Deus se dignou tomar homens das nações pagãs para formar um povo dedicado ao seu nome. 15Isso concorda com as palavras dos profetas, pois está escrito: 16'Depois disso, eu voltarei e reconstruirei a tenda de Davi que havia caído; reconstruirei as ruínas que ficaram e a reerguerei, 17a fim de que o resto dos homens procure o Senhor com todas as nações que foram consagradas ao meu nome. E o que diz o Senhor, que fez estas coisas, 18conhecidas há muito tempo'.

 

19Por isso, sou do parecer que devemos parar de importunar os pagãos que se convertem a Deus. 20Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne de animal sufocado e o uso do sangue. 21Com efeito, desde os tempos antigos, em cada cidade, Moisés tem os seus pregadores, que o leem todos os sábados nas sinagogas". Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a Leitura

Devemos parar de importunar os

pagãos que se convertem a Deus 

 

O judeu não goza de vantagem alguma ou privilégio em face do pagão que se converte, porque a conversão é para ambos fruto da graça, e a graça não está ligada à economia da lei, nem às observâncias judaicas, nem às demais obras do homem. Não tem, pois, o menor sentido impor aos neoconvertidos do paganismo leis e observâncias que, com a vinda de Cristo, não mais têm significado algum. Deus “que conhece os corações, nenhuma distinção faz entre judeus e pagãos. Com as palavras de Pedro, a Igreja deixa para trás uma perigosa crise e liberta-se dos entraves de um passado glorioso, mas doravante superado pelos acontecimentos, sobretudo pelo evento único e irrepetível de Cristo. Esta página continua sendo de perene atualidade. Ao longo de sua história, a Igreja será continuamente tentada a ligar-se e a identificar-se com práticas, observâncias, modelos de cultura, que lhe tolherão a liberdade e a plena disponibilidade para os novos povos que lhe baterão à porta. Uma Igreja livre e fiel a Cristo deverá ser sempre consciente de que “nada se deve impor àqueles que se convertem a Deus”, senão o próprio Deus. [Extraído do MISSAL COTIDIANO  ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 95 (96), 1-2a.2b-3.10 (R/.cf 3)

Anunciai as maravilhas do senhor entre todas as nações 

 

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Cantai e bendizei seu santo nome!  

 

Dia após dia anunciai sua salvação, manifestai a sua glória entre as nações, e entre os povos do universo seus prodígios!  

 

Publicai entre as nações: "Reina o Senhor!" Ele firmou o universo inabalável, pois os povos ele julga com justiça.

 

Evangelho: João (Jo 15, 9-11)

Permanecei no meu amor para que a vossa alegria seja plena

 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 9"Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11Eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena". Palavra da Salvação!

 

Comentário o Evangelho

A alegria plena

 

As revelações de Jesus, por ocasião de sua partida para o Pai, visavam despertar alegria no coração dos discípulos e levá-los a enfrentar, de maneira conveniente, os desafios da missão. Seria deplorável deixarem-se abater pela tristeza e pelo pessimismo!


A alegria cristã não se reduz a um sentimento superficial e inconsistente. Ela é de origem divina e brota do fundo do coração, pela força do Espírito Santo. É o Pai quem produz a verdadeira alegria no coração do discípulo, que se reconhece amado e chamado a viver em comunhão com ele e com seu Filho Jesus.


O discípulo é capaz de alegrar-se mesmo em meio aos sofrimentos e contrariedades. A experiência do Mestre serve-lhe de inspiração. Quando falou em "a minha alegria", Jesus tinha consciência do que isto significava, no contexto de sua vida pontilhada de perseguições, por parte dos adversários. Perseguições que culminariam com sua morte de cruz, mas precedida da infidelidade dos discípulos, que o traíram, negaram-no e o abandonaram. Contudo, nada disto foi suficiente para tirar-lhe a alegria de viver.


A plenitude da alegria dos discípulos resultaria da disposição a permanecer no amor de Jesus, sendo fiel aos seus mandamentos, como ele fora fiel ao querer do Pai, mesmo tendo de morrer numa cruz. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A, ©Paulinas, 1997]

 

 

 

 

 

 

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

Ajudai-nos, Senhor, a acolher com amor e sinceridade os que aderem ao vosso projeto. Manifestai, Senhor, o vosso amor.

Fazei que cultivemos o amor e sigamos com fidelidade os vossos mandamentos.

Tornai fecundo o diálogo entre os povos em conflito.

Despertai em nossas comunidades a alegria do serviço e da doação em favor do evangelho.

Por intercessão de são Filipe Néri, guiai e protegei os jovens e excluídos de nossa sociedade.

(preces espontâneas)

 

Oração sobre as Oferendas:

Ao oferecermos, ó Deus, este sacrifício de louvor, dai-nos a graça de seguir o exemplo de São Filipe Néri, trabalhando sempre com alegria para a vossa glória e o bem do próximo. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos, diz o Senhor. (Mt 28,20)

 

Oração Depois da Comunhão:

Alimentados, ó Deus, como o pão do céu, levai-nos a imitar são Filipe Néri, procurando sempre as fontes que nos dão a verdadeira vida. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: O amor referenciado é paterno, filial, e os frutos são amor fraterno. Não é um amor simplesmente humano, porque recebe sua seiva de Jesus. Funda e engloba tudo o que abrange a justiça e o direito.  O amor filial de Jesus se traduz em cumprir o mandamento do Pai, o amor do fiel para com Jesus se traduzirá em cumprir seu mandamento. Quando há amor, o cumprimento é gozoso, até os sacrifícios pode ser alegre.  [Bíblia do Peregrino].

 

São Filipe Néri

 

Foi o Apóstolo de Roma, ali tendo fundado a Congregação dos Padres do Oratório, com o objetivo de fazer apostolado entre os católicos leigos da Cidade Eterna. Era conhecido pelo bom humor e pela forma original e vivaz, muito adequada ao público italiano, com que pregava e ensinava. Amigo de vários Papas, nunca quis aceitar a dignidade cardinalícia. São Filipe Neri é considerado como o santo da jovialidade, da simplicidade infantil, que ignora a si mesmo. Reunia os moleques mias arteiros e os educava divertindo-os. E dizia: "Contanto que não pratiquem o mal, ficaria satisfeito até se me quebrassem paus na cabeça". Para ajudar os mais necessitados não hesitava em pedir esmolas. Certa vez um indivíduo sentindo-se importunado deu-lhe um soco. São Filipe disse; "Este é para mim". E agora dê-me uma esmola para meus meninos". Uma de suas frase; "É possível restaurar as instituições com a santidade e não restaurar a santidade com as instituições". Após os 75 anos de idade limitou-se ao confessionário e à direção espiritual. Antes de morrer dizia sentir-se culpado por estar em uma caminha macia enquanto Cristo havia morrido numa cruz. Os sacerdotes do oratório vivem vida comum sob um superior eleito trienalmente e buscam a santificação na observância dos conselhos evangélicos.

 

 

Comunidades cristãs

 

Dom Paulo Mendes Peixoto, Bispo de São José do Rio Preto - SP

 

Tendo comemorado o domingo da Ressurreição do Senhor agora, nos diversos domingos pascais, caminhamos para a Festa da Ascensão e o dia de Pentecostes. As primeiras comunidades cristãs estavam ainda em tempo de gestação, e foram nascendo com a vinda do Espírito Santo.

 

Após a Festa de Pentecostes acontece um desabrochar de vida comunitária. Os apóstolos e os discípulos do Senhor entenderam a presença renovadora do Espírito Santo em suas vidas. Com isto assumiram posturas missionárias e transformadoras no meio do povo.

 

Olhando o contexto daquele tempo, sentimos a expansão da Igreja por todo o mundo então conhecido. Os apóstolos impunham as mãos sobre as pessoas batizadas para que recebessem o Espírito Santo, a fonte de unidade, unindo numa só fé as pessoas de regiões diversas.

 

A prática da vida cristã ia despertando e criando esperança no meio do povo, tendo como fundamento o que era anunciado, isto é, a ressurreição de Jesus Cristo. Foram entendendo que é melhor padecer fazendo o bem do que fazendo o mal, como aconteceu com Cristo.

 

Não foi fácil introduzir a nova mentalidade, o ensinamento novo trazido por Jesus Cristo. As estruturas antigas tiveram que ser superadas para que surgissem verdadeiras comunidades cristãs, marcadas pela vivência do mandamento do amor.

 

Elas foram possíveis por causa da presença do Paráclito, do Espírito Santo. Jesus volta ao Pai e envia o Espírito de vida, dando vida às comunidades. Com isto a Palavra de Cristo pode continuar na prática da caridade e da fraternidade.

 

Hoje falamos de iniciação à vida cristã, que integra o batismo, a crisma e a Eucaristia. São três sacramentos que deveriam ser recebidos juntos. Com o costume de batizar crianças, a crisma passou a significar “sacramento de cristão adulto”.

 

O que faz acontecer a existência da comunidade cristã é o compromisso concreto com a vivência dos sacramentos, com o modo de viver a fé. É o testemunho, da vida de Cristo em nós, para o mundo, na coerência, na ética, na esperança e na prática do amor.

 

Os sonhos de Deus se realizam quando você os assue como seus. (Bv.  Tiag Alberone)