Quinta-feira, 22 de julho de 2010

Santa Maria Madalena, Memória, Ano Par, 4ª do Saltério (Livro III),  cor Litúrgica Verde

 

Santos: Arbogasto de Estrasburgo (bispo), Constantino de Monte Cassino (abade, foi discípulo de São Bento), Daniel (profeta bíblico do Antigo Testamento), João de Edessa (eremita), Júlia de Troyes (virgem, mártir), Praxedes de Roma (virgem), Vítor de Marselha e Companheiros (mártires), Wastrada de Utrecht (mãe de família), Zótico da Capadócia (bispo, mártir).

 

Antífona: O Senhor disse a Maria Madalena: Vai a meus irmãos e anunciai-lhes: Subo a meu Pai e vosso Pai, a meu Deus e vosso Deus.

 

Oração: Ó Deus, o vosso Filho confiou a Maria Madalena o primeiro anúncio da alegrai pascal; dai-nos, por suas preces e a seu exemplo, anunciar também que o Cristo vive e contemplá-lo na glória de seu Reino. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leituras próprias para a celebração da Memória de Santa Maria Madalena

 

 

Leitura: Cânticos (Ct 3,1-4a)

Deus está sempre atento à oração de seus filhos

 

Eis o que diz a noiva: 1Em meu leito, durante a noite, busquei o amor de minha vida: procurei-o, e não o encontrei. 2Vou levantar-me e percorrer a cidade, procurando pelas ruas e praças, o amor de minha vida: procurei-o, e não o encontrei. 3Encontraram-me os guardas que faziam a ronda pela cidade. “Vistes porventura o amor de minha vida?” 4aE logo que passei por eles, encontrei o amor de minha vida. Palavra do Senhor!

 

 

Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6.8-9 (+2b)
Minh’alma tem sede de vós, ó Senhor!

 

Sois vós, ó Senhor, o meu Deus! Desde a aurora ansioso vos busco! A minh’alma tem sede de vós, minha carne também vos deseja, como terra sedenta e sem água!


Venho, assim, contemplar-vos no templo, para ver vossa glória e poder. Vosso amor vale mais do que a vida: e por isso meus lábios vos louvam.


Quero, pois, vos louvar pela vida, e elevar para vós minhas mãos! A minh’alma será saciada, como em grande banquete de festa; cantará a alegria em meus lábios, ao cantar para vós meu louvor!


Para mim fostes sempre um socorro; de vossas asas à sombra eu exulto! Minha alma se agarra em vós; com poder vossa mão me sustenta.

 

Evangelho: João (Jo 20, 1-2.11-18)
É Maria Madalena que anuncia que o Senhor está vivo

 

1No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. 2Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”.

 

11Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. 13Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”.

 

14Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15Jesus perguntou-lhe: Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”. 16Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabunni” (que quer dizer: Mestre). 17Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”.

 

18Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor”, e contou o que Jesus lhe tinha dito. Palavra da salvação!

 

 

Comentando o Evangelho

Não me retenhas!


A cena comovente do encontro de Maria de Mágdala com Jesus evidencia a mudança de relacionamento entre o discípulo e o Mestre, operada a partir da ressurreição. A nova condição de Jesus exigia um novo tipo de relacionamento.


Maria expressou o carinho que nutria por Jesus nos vários detalhes de seu comportamento. A notícia do desaparecimento do corpo do Senhor deixou-a perplexa. Com isso, perdia um sinal seguro da presença do amigo querido, mesmo reduzido a um cadáver. Sem ele, não teria um lugar preciso ao qual se dirigir quando quisesse prantear a perda irreparável do amigo. Por isso, mesmo que todos tivessem se afastado, ela permaneceu sozinha, à entrada do túmulo, chorando.


Seu diálogo com os anjos ocorreu de maneira espontânea, sem ela se dar conta de estar falando com seres celestes. Só lhe importava saber onde puseram "o meu Senhor". Da mesma forma aconteceu o diálogo com o Ressuscitado. Num primeiro momento, Maria pensou tratar-se de um jardineiro. Demonstrando uma admirável fortaleza de ânimo mostrou-se disposta a ir, sozinha, buscar o cadáver do Mestre para recolocá-lo no sepulcro. Tão logo reconheceu a voz do Mestre, tentou agarrar-se a ele. Ele, porém, exortou-a a mudar de comportamento. Doravante, o sinal de amizade que o Senhor queria dela era que se tornasse missionária da ressurreição. Já se fora o tempo em que podia tocá-lo fisicamente.
[Evangelho Nosso de Cada Dia, Pe. Jaldemir Vitório, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: O primeiro dia da semana é o primeiro dia da nova criação: os cristãos o dedicarão ao Senhor (Dominus) glorificado, e por isso o chamado “dies dominicaldominicus” (ou seja, domingo). Maria de Magdala é uma das três que estiveram junto à cruz. Esperou todo o sábado e a noite do dia seguinte, mas se levanta impaciente de madrugada: “por ti madrugo”; ainda fechada no seu mundo “obscuro”; da cruz ao sepulcro. Maria Madalena é a primeiramente mensageira do sepulcro vazio. São duas testemunhas celestes, como mostram suas vestes. Guardam o lugar não o corpo; ou então, “sentados” tomam posse do lugar da morte como enviados celestes. Jesus fala no timbre costumeiro de sua voz e a chama pelo nome. Ela o reconhece. É o mesmo de antes e é novo, e não precisa de aromas. Maria é a primeira evangelista da ressurreição. O título de Senhor é o título que a fé dá ao Ressuscitado. (Bíblia do Peregrino)

 

Santa Maria Madalena

 

 

Os Evangelhos, além da Mãe de Jesus, falam explicitamente de três mulheres de nome Maria: Maria, mãe de Tiago e José (Mc 15,40); Maria, irmã de Marta e Lázaro (Jo 11,1-2) e Maria Madalena da qual foram expulsos sete demônios (Lc 10,38) e finalmente se fala de mais uma mulher pecadora que ungiu os pés de Jesus (Lc 7,44). A liturgia romana faz uma única comemoração destas três mulheres como se se tratasse de uma só, enquanto a liturgia oriental as festeja separadamente. Sem dúvida, os textos não oferecem clareza.

 

Os dados históricos que possuímos sobre esta santa são os que nos oferece o Evangelho. Seu nome era Maria, proveniente de Mágdala, uma cidade muito próspera no tempo de Cristo.

 

Numa passagem de São Lucas, encontramos a primeira referência a esta mulher: "Jesus caminhava de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, pregando e anunciando a Boa-Nova do Reino de Deus. Iam com ele os doze apóstolos com algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos maus ou de doenças: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; Joana, esposa de Cuza, intendente de Herodes; Susana, e muitas outras que lhe prestavam assistência com seus bens" (Lc 8,1-3).

 

Alguns exegetas quiseram identificar Maria Madalena com a pecadora pública, de que fala Lucas no capítulo anterior. A identificação parece certa pelo fato de que a cena se deu bem perto de Mágdala, nas bandas ocidentais do lago de Tiberíades. Vejamos um resumo desta linda página evangélica: "Jesus era hóspede de um certo Simão fariseu, que o tinha convidado a jantar com intenções não muito retas. Durante o banquete, entra na sala uma mulher que se prostra aos pés de Jesus, lava-os com suas lágrimas, enxuga-os com seus cabelos; beija-os repetidamente e os perfuma... Os olhos dos comensais estão cravados sobre a mulher conhecida como pecadora pública. Daí veio a crítica contra Cristo: 'Se este fosse um profeta, com certeza, não teria permitido que uma tal mulher lhe tocasse os pés'. Jesus leu tais pensamentos na mente dos opositores e tomou a defesa da mulher: 'Veja, disse Jesus a Simão: eu entrei na tua casa e não me deste água para lavar os pés; ela os banhou com suas lágrimas e enxugou com seus cabelos; tu não deste o ósculo da paz; e ela não cessou de beijar-me os pés; tu não derramaste o perfume na cabeça; ela me ungiu os pés com aroma precioso. Em tudo isso ela demonstrou grande amor porque muito lhe foi perdoado' (Lc 7,44-50).

 

Maria Madalena foi das poucas pessoas que estava presente ao pé da Cruz, ao lado da Virgem Maria. Duas mulheres, dois extremos: a Imaculada e uma pecadora pública! Ambas receberam a redenção de Cristo, mas em forma diversa: Maria por antecipação, por força da qual foi concebida imaculada; Madalena, representando a humanidade pecadora, precisou ser lavada pelo sangue do Redentor!

 

Maria Madalena foi a feliz mulher que, por primeiro, viu o Cristo ressuscitado. Era a manhã de Páscoa. Maria tinha ido ao sepulcro vazio. Andava quase desesperada, achando que alguém tivesse roubado o corpo do Mestre. Vê a um certo momento um hortelão e, angustiada, lhe pergunta: "Se foste tu que o levaste, dize-me onde o puseste". Jesus a chama pelo nome: "Maria..." A este nome abrem-se-lhe os olhos e exclama: "Rabboni", isto é, Mestre! Foi então levar a Boa-Nova da Ressurreição aos apóstolos.

 

Desde este momento os Livros Sagrados silenciam sobre Madalena. A tradição diz que ficou ao lado de Nossa Senhora e São João Evangelista. Acompanhou-os a Éfeso. A Igreja Católica e ortodoxa a veneram como santa. [O SANTO DOA DIA, Dom Servilio Conti, © Vozes, 1997]

 

O remorso é a única dor da alma que nem a reflexão nem o tempo atenuam. (Madame de Stael)