Quinta-feira, 7 de julho de 2011

Santa Paulina,  Virgem, Memória, 2ª do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Branca

 

Santos: Vilibaldo (filho de S. Ricardo, rei dos ingleses), Ilídio, Félix de Nantes, Panteno (fundador a Escola de Alexandria), Alírio (bispo, Auvergne), Etelburga (Inglaterra), Edo (bispo de Winchester, Inglaterra), Odo (Espanha) Bento XI (mestre geral dos dominicanos e papa)

 

Antífona: Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio do vosso templo. Vosso louvor se estenda, como o vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos. (Sl 47, 10-11)

 

Oração: O Deus, que, pela humilhação do vosso Filho, reerguestes o mundo decaído, enchei os vossos filhos e filhas de santa alegria, e dai aos que libertastes da escravidão do pecado o gozo das alegrias eternas.. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Gêneses (Gn 44, 18-21.23b-29;45, 1-5)
José consola seus irmãos

 

Naqueles dias, 44,18Judá aproximou-se de José e, cheio de ânimo, disse: "Perdão, meu senhor, permite ao teu servo falar com toda a franqueza, sem que se acenda a tua cólera contra mim. Afinal, tu és como um faraó! 19Foi meu senhor quem perguntou a seus servos: 'Ainda tendes pai ou algum outro irmão?' 20E nós respondemos ao meu senhor: 'Temos um pai já velho e um menino nascido em sua velhice, cujo irmão morreu; é o único filho de sua mãe que resta, e seu pai o ama com muita ternura'. 21E tu disseste a teus servos: 'Trazei­-o a mim, para que eu possa vê-lo. 23bSe não vier convosco o vosso irmão mais novo, não vereis mais a minha face'. 24Quando, pois, voltamos para junto de teu servo, nosso pai, contamos tudo o que o meu senhor tinha dito. 25Mais tarde disse-nos nosso pai: 'Voltai e comprai para nós algum trigo'. 26E nós lhe respondemos: 'Não podemos ir, a não ser que o nosso irmão mais novo vá conosco. De outra maneira, sem ele, não nos podemos apresentar àquele homem'. 27E o teu servo, nosso pai, respondeu: 'Bem sabeis que minha mulher me deu apenas dois filhos. 28Um deles saiu de casa e eu disse: Um animal feroz o devorou! E até agora não apareceu. 29Se me levardes também este, e lhe acontecer alguma desgraça no caminho,fareis descer de desgosto meus cabelos brancos à morada dos mortos"'. 45,1Então José não pôde mais conter-se diante de todos os que o rodeavam e gritou: "Mandai sair toda a gente!" E, assim, não ficou mais ninguém com ele, quando se deu a conhecer aos irmãos. 2José rompeu num choro tão forte, que os egípcios ouviram e toda a casa do faraó. 3E José disse a seus irmãos: "Eu sou José! Meu pai ainda vive?" Mas os irmãos não podiam responder-lhe nada, pois foram tomados de um enorme terror. 4Ele, porém, cheio de demência, lhes disse: "Aproximai­-vos de mim". Tendo-se eles aproximado, disse: "Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. 5Entretanto, não vos aflijais, nem vos atormenteis, por me terdes vendido a este pais. Porque foi para a vossa salvação que Deus me mandou adiante de vós, para o Egito". Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Foi para a vossa salvação que Deus me

mandou adiante de vós para o Egito

 

Pelos próprios irmãos vivemos a saber que José chorou e suplicou ao ser vendido. Se então lhe fosse dado a conhecer que, por efeito daquela venda, teria ele um futuro glorioso, não o teria acreditado. Se aos irmãos fosse dito que chorariam diante dele, vice-rei do Egito, teriam rido. Quando se sofre, sobretudo se injustamente, não se consegue pensar que bem pode Deus tirar disso. É grande então a ajuda da oração e da esperança. Verificar-se-á muitas vezes que “de tal” sofrimento (injustiça, arrogância) proveio um grande benefício. Pelo contrário, quando se pratica o mal, seria necessário pensar quão amargamente e deverá chorar havê-lo praticado, e enrubescer ao ser que o mal redundou em bem daqueles a quem queríamos ferir. Deus tem sempre um planto amoroso a nosso respeito, procura sempre salvar. Cumpre ter fé e confiar. [Missal Cotidiano, © Paulus]

Salmo 104 (105), 16-17.18-19.29-21 (R/.5a)

Lembrai as maravilhas do Senhor!

 

Mandou vir, então, a fome sobre a terra e os privou de todo pão que os sustentava; um homem enviara à sua frente, José que foi vendido como escravo.

 

Apertaram os seus pés entre grilhões e amarraram seu pescoço com correntes, até que se cumprisse o que previra, e a palavra do Senhor lhe deu razão.

 

Ordenou, então, orei que o libertassem, o soberano das nações mandou soltá-lo; fez dele o senhor de sua casa, e de todos os seus bens o despenseiro.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 10, 7-15)

Conselhos aos missionários

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7"Em vosso caminho, anunciai: 'O reino dos céus está próximo'. 8Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar! 9Não leveis ouro nem prata nem dinheiro nos vossos cintos; 10nem sacola para o caminho, nem duas túnicas nem sandálias nem bastão, porque o operário tem direito ao seu sustento. 11Em qualquer cidade ou povoado onde entrardes, informai-vos para saber quem ali seja digno. Hospedai­-vos com ele até a vossa partida. 12Ao entrardes numa casa, saudai-a. 13Se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; se ela não for digna, volte para vós a vossa paz. 14Se alguém não vos receber, nem escutar vossa palavra, sai daquela casa ou daquela cidade, e sacudi a poeira dos vossos pés. 15Em verdade vos digo, as cidades de Sodoma e Gomorra serão tratadas com menos dureza do que aquela cidade, no dia do juízo".Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Mc 6, 8-9;10-11; 1Cor 9,14.

 

 

 

Comentário o Evangelho

Portadores de paz

 

Os apóstolos foram orientados a saudar seus hospedeiros, dizendo: "A paz esteja nesta casa!". Esta saudação pode ser entendida como mera formalidade, e sinal de boa educação. Sem dúvida, Jesus não estava ensinando aos apóstolos apenas uma regra de boas maneiras.


A palavra hebraica shalom, traduzida como paz, é rica de sentidos. Significa prosperidade, bem estar, saúde, boa convivência com o próximo, respeito pela dignidade alheia, e tantas coisas mais. Tudo isto tem a ver com o Reino de Deus que anunciavam. Portanto, a paz desejada correspondia à salvação messiânica instaurada na história humana pelo ministério de Jesus. Aos apóstolos competia a tarefa de fazê-la chegar a todas as pessoas que encontrassem ao longo de suas andanças missionárias.


Os milagres que os missionários iriam realizar devem ser entendidos no contexto da construção da paz almejada por Jesus. Ao curar os doentes, ressuscitar os mortos, purificar os leprosos e expulsar os demônios, estavam se colocando a serviço da vida, da reconstrução da dignidade humana, da libertação de todas as formas de opressão, da reconciliação das pessoas com Deus. Em suma, entregavam-se, de corpo e alma, à construção da paz. Quem os acolhia, tornava-se beneficiário desta paz messiânica e salvífica que os apóstolos tinham para oferecer. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

Rezemos pelos ministros leigos e leigas e pelos agentes de pastoral das comunidades. Senhor, atendei a nossa prece!

Rezemos pelos que põem seus dons a serviço da Igreja e da evangelização.

Rezemos pelos que se comprometem com os pobres e necessitados.

Rezemos pelos missionários que se encontram em terras distantes.

Rezemos pelos nossos amigos e familiares falecidos.

(preces espontâneas)

 

Oração sobre as Oferendas:

Possamos, ó Deus, ser purificados pela oferenda que vos consagramos; que ela nos leve, cada vez mais, a viver a vida do vosso reino. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Provai e vede quão suave é o Senhor! Feliz o homem que tem nele o seu refúgio! (Sl 33,9)

 

Oração Depois da Comunhão:

Nos vos pedimos, ó Deus, que, enriquecidos por essa tão grande dádiva, possamos colher os frutos da salvação sem jamais cessar vosso louvor. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: Os enviados devem anunciar a fé de Jesus, o Reino de Deus que penetra na história com o poder da libertação de todo mal que afeta a sociedade e família humana. E, semelhante à Jesus, os portadores da mensagem devem adotar seu mesmo estilo de vida itinerante e pobre, como fazia Francisco de Assis em sua época: não levar duas túnicas (seria um luxo), nem ouro nem prata para o caminho, simplesmente viver de maneira simples no dia a dia, com apenas o suficiente para seu sustento, ou seja, os enviados não acumularão dinheiro, viverão do seu salário merecido dia por dia, confiando em Deus segundo o ensinamento do Mestre. Quando os pregadores são rejeitados em um lugar devem reagir sem violência e apenas simbolicamente, devem “sacudir a poeira dos vossos pés”. Devem permanecer fiéis a sua tarefa e acreditar que Deus decidirá essas questões no dia do juízo. Na escolha dos doze o Mestre estabelece a missão e os desafios que devem encontrar pela frente. Ao longo de cerca de dois mil anos tem sido assim a missão dos discípulos de Jesus. Já descobriu a sua missão como enviado de Jesus em sua comunidade? Paz e Bem!

 

 

Santa Maria Goretti

 

 

 

São Vilibaldo (Guilhebaldo, ou ainda Willibrord), era filho de São Ricardo, rei dos saxões. Segundo a tradição, sua mãe, Winna, era irmã de São Bonifácio, apóstolo da Alemanha. São Vilibaldo foi educado na abadia de Waldreim. Acompanhou o pai e o irmão Vinebaldo numa peregrinação à Roma. Seu pai, que não queria tal ideal para filho, antes de são Vibaldo partir para Roma, morreu em Lucca, Itália. De Roma, São Vilibaldo partiu para a Terra Santa e ali permaneceu sete anos. Por volta de 728, retornou à Itália, entrando para um mosteiro beneditino, mosteiro de Monte Cassino, onde exerceu o cargo de porteiro. Em 738 foi enviado à Roma, a serviço da Ordem, onde se encontrou com Bonifácio, o apóstolo da Alemanha. Seu tio, são Bonifácio, o apóstolo da Alemanha convidou-o para trabalhar com ele, como sacerdote. Este o levou consigo para a Alemanha, onde foi ordenado Sacerdote, e 15 anos mais tarde sagrou-o bispo de Eichstadt. Fundou um mosteiro ao estilo do de Monte-Cassino e presidiu a vários concílios alemães. Morreu provavelmente no ano 790.

 

 

O valor da semente

Dom Paulo Mendes Peixoto, Bispo de São José do Rio Preto - SP

 

A semente é símbolo de esperança, de fartura e de colheita abundante. Mas depende de seu cultivo, de ser lançada na terra e fertilizada com os insumos necessários para o seu verdadeiro desenvolvimento. Não basta ser jogada na terra e deixá-la sem cuidado.

Tanto a semente como a terra têm que ser boas. Aí está a base para os bons frutos, frutos de qualidade e em condição para atender os objetivos para os quais são destinados. Esses objetivos devem coincidir com o que identificamos como esperança numa semente.

 

A Palavra de Deus é comparada com uma semente. Quem a anuncia é como o semeador que vai ao campo para plantá-la. Ele encontra inúmeros tipos de terrenos, isto é, de corações humanos onde é lançada essa semente-palavra. A terreno é sinônimo de vida, como a vida das pessoas.

 

A terra enxertada pela semente necessita de água para se engravidar e fazer brotar uma nova vida, uma árvore por exemplo. A fecundidade da Palavra depende da ação do Espírito Santo. Ele a faz germinar provocando atitudes concretas de vida cristã na comunidade.

 

Acolher a Palavra supõe atitude de fé e de assentimento a ela. Os frutos são de libertação e de luta pela dignidade da vida em todos os sentidos. Não só vida humana, mas também do planeta, da terra, das árvores, da água, das nascentes etc.

 

Muita coisa hoje abafa a Palavra anunciada. São muitos os terrenos pedregosos, cheios de espinhos e sem água. Podemos dizer do desânimo, do individualismo, do coração endurecido e fechado, da superficialidade, das estruturas políticas e econômicas...

 

Muitos corações são solos férteis, mas estão como sem-terra à beira do caminho, caminhando sem direção. Com facilidade caem nas mãos de oportunistas que aproveitam da sua incapacidade de resistência. Resistir deve ser nossa bandeira de luta.

 

A Palavra, como semente, deve ser escutada. Escutar e compreender são ações da razão e do coração. Quem é superficial não coloca paixão naquilo que faz. A semente espalhada será comida pelos pássaros, e não vai nascer.

 

O verdadeiro amor é vitória conquistada sobre o egoísmo. (P.Montecheuil)