Quinta-feira, 6 de maio de 2010

Quinta Semana da Páscoa e 1ª do Saltério (Livro II), cor litúrgica Branca

 

Hoje: Dia do Taquígrafo, dia do Cartógrafo e dia do Ex-Combatente da FEB

 

Santo: André Kim (e companheiros, mártires coreanos), Benta, Heliodoro, Edberto (Bispo de Lindisfarne), Evódio (Bispo da Antioquia), Protógeno (bispo), Teódoto (bispo), Petronace (Abade de Monte Cassino), Prudência (Beata, virgem), Eduardo Jones e Antônio Middleton (beatos, mártires); Gerard de Lunel (Bem-Aventurado, confessor franciscano da 3ª ordem).

 

Antífona: Cantemos ao Senhor: ele se cobriu de glória. O Senhor é a minha força e o meu cântico: foi para mim a salvação, aleluia! (Ex 15, 1-2)

 

Oração: Ó Deus, vossa graça nos santificou quando éramos pecadores e nos deu a felicidade, quando infelizes. Vinde em socorro das vossas criaturas e sustentai-nos com vossos dons, para que não falte a força da perseverança àqueles a quem destes a graça da fé. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

 

 

I Leitura: Atos (At 15, 7-21)

Não impor a lei mosaica aos novos cristãos

 

Naqueles dias, 7depois de longa discussão, Pedro levantou-se e falou aos apóstolos e anciãos: "Irmãos, vós sabeis que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu, do vosso meio, para que os pagãos ouvissem de minha boca a palavra do evangelho e acreditassem. 8Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo como o deu a nós. 9E não fez nenhuma distinção entre nós e eles, purificando o coração deles mediante a  fé. 10Então, por que vós agora colocais Deus à prova, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais e nem nós mesmos tivemos força para suportar? 11Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que acreditamos ser salvos, exatamente como eles".  

 

12Houve então um grande silêncio em toda a assembléia. Depois disso, ouviram Barnabé e Paulo contar todos os sinais e prodígios que Deus havia realizado, por meio deles, entre os pagãos. 13Quando Barnabé e Paulo terminaram de falar, Tiago tomou a palavra e disse: "Irmãos, ouvi­-me: 14Simão acaba de nos lembrar como, desde o começo, Deus se dignou tomar homens das nações pagãs para formar um povo dedicado ao seu nome. 15Isso concorda com as palavras dos profetas, pois está escrito: 16'Depois disso, eu voltarei e reconstruirei a tenda de Davi que havia caído; reconstruirei as ruínas que ficaram e a reerguerei, 17a fim de que o resto dos homens procure o Senhor com todas as nações que foram consagradas ao meu nome. E o que diz o Senhor, que fez estas coisas, 18conhecidas há muito tempo'.

 

19Por isso, sou do parecer que devemos parar de importunar os pagãos que se convertem a Deus. 20Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne de animal sufocado e o uso do sangue. 21Com efeito, desde os tempos antigos, em cada cidade, Moisés tem os seus pregadores, que o lêem todos os sábados nas sinagogas". Palavra do Senhor!

 

Comentando a Leitura

Devemos parar de importunar os

pagãos que se convertem a Deus 

 

O judeu não goza de vantagem alguma ou privilégio em face do pagão que se converte, porque a conversão é para ambos fruto da graça, e a graça não está ligada à economia da lei, nem às observâncias judaicas, nem às demais obras do homem. Não tem, pois, o menor sentido impor aos neoconvertidos do paganismo leis e observâncias que, com a vinda de Cristo, não mais têm significado algum. Deus “que conhece os corações, nenhuma distinção faz entre judeus e pagãos. Com as palavras de Pedro, a Igreja deixa para trás uma perigosa crise e liberta-se dos entraves de um passado glorioso, mas doravante superado pelos acontecimentos, sobretudo pelo evento único e irrepetível de Cristo. Esta página continua sendo de perene atualidade. Ao longo de sua história, a Igreja será continuamente tentada a ligar-se e a identificar-se com práticas, observâncias, modelos de cultura, que lhe tolherão a liberdade e a plena disponibilidade para os novos povos que lhe baterão à porta. Uma Igreja livre e fiel a Cristo deverá ser sempre consciente de que “nada se deve impor àqueles que se convertem a Deus”, senão o próprio Deus. [Extraído do MISSAL COTIDIANO  ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 95 (96), 1-2a.2b-3.10 (R/.cf 3)

Anunciai as maravilhas do senhor entre todas as nações 

 

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Cantai e bendizei seu santo nome!  

 

Dia após dia anunciai sua salvação, manifestai a sua glória entre as nações, e entre os povos do universo seus prodígios!  

 

Publicai entre as nações: "Reina o Senhor!" Ele firmou o universo inabalável, pois os povos ele julga com justiça.

 

 

Evangelho: João (Jo 15, 9-11)

Permanecei no meu amor para que a vossa alegria seja plena

 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 9"Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11Eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

A alegria plena

 

As revelações de Jesus, por ocasião de sua partida para o Pai, visavam despertar alegria no coração dos discípulos e levá-los a enfrentar, de maneira conveniente, os desafios da missão. Seria deplorável deixarem-se abater pela tristeza e pelo pessimismo!


A alegria cristã não se reduz a um sentimento superficial e inconsistente. Ela é de origem divina e brota do fundo do coração, pela força do Espírito Santo. É o Pai quem produz a verdadeira alegria no coração do discípulo, que se reconhece amado e chamado a viver em comunhão com ele e com seu Filho Jesus.


O discípulo é capaz de alegrar-se mesmo em meio aos sofrimentos e contrariedades. A experiência do Mestre serve-lhe de inspiração. Quando falou em "a minha alegria", Jesus tinha consciência do que isto significava, no contexto de sua vida pontilhada de perseguições, por parte dos adversários. Perseguições que culminariam com sua morte de cruz, mas precedida da infidelidade dos discípulos, que o traíram, negaram-no e o abandonaram. Contudo, nada disto foi suficiente para tirar-lhe a alegria de viver.


A plenitude da alegria dos discípulos resultaria da disposição a permanecer no amor de Jesus, sendo fiel aos seus mandamentos, como ele fora fiel ao querer do Pai, mesmo tendo de morrer numa cruz. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A, ©Paulinas, 1997]

 

Para sua reflexão: O amor referenciado é paterno, filial, e os frutos são amor fraterno. Não é um amor simplesmente humano, porque recebe sua seiva de Jesus. Funda e engloba tudo o que abrange a justiça e o direito.  O amor filial de Jesus se traduz em cumprir o mandamento do Pai, o amor do fiel para com Jesus se traduzirá em cumprir seu mandamento. Quando há amor, o cumprimento é gozoso, até os sacrifícios pode ser alegre.  [Bíblia do Peregrino].

 

Santa Madre Maria Catarina Troiani

 

 

 

No batismo recebeu o nome de Constância. Aos 5 anos de idade por acontecimentos na família, foi confiada Às Clarissas de Ferentino, passando a se interessar muito pela vida religiosa. Em 8 de dezembro de 1829, aos 16 anos de idade, iniciou o noviciado e após um ano fez sua profissão. Pe. José Môdena, vendo seu carisma missionário planejou levar algumas Clarissas de Ferentino para o Egito na finalidade de abrir uma escola. E seis religiosas partiram em 14 de setembro de 1859 (Catarina com 46 anos de idade) para o Cairo onde conquistaram a simpatia geral. Por causa da seca que adveio, não puderam chamar mais irmãs, tornando-se assim uma Casa Mãe de uma nova Congregação: "Franciscanas Missionárias do Imaculado Coração de Maria" conhecidas popularmente como Franciscanas missionárias do Egito. E Irmã Catarina Troiani, que desde que se consagrara perpetuamente a Deus concebera o nome de Irmã Catarina de Santa Rosa tornou-se a superiora da Congregação. Incansável em suas atividades, adquirira muita confiança do governador muçulmano do Egito, Kedivé) que declarou-se "pai" da obra. Com um ardor cada vez maior ao trabalho, as casas foram aumentando no Egito, Palestina e em outras regiões. Em 1983 a congregação de Madre Maria Catarina contava com 126 casas e mais se 1200 religiosas. Foi beatificada em Roma a 14 de abril de 1985 ao som do hino composto em sua homenagem.

 

A esperança é uma coisa boa – talvez a melhor, e o que é bom nunca morre. (Stephen King)