Quinta-feira, 2 de junho de 2011

Sexta Semana da Páscoa, 2ª do Saltério (Livro II),  cor Litúrgica Branca

 

Hoje: São Marcelino e São Pedro (mártires), Memória Facultativa.

 

Santos: Cecílio (248, mártir), Pergentino e Laurentino (251, mártires), Luciliano (273, mártir), Clotilde (545, viúva), Carlos Lwanga (1886, padroeiro celeste da juventude africana, mártir) e companheiros, Olívia, Lifardo e Urbício (Séc. VI, abade), Quevino (618, abade de Glendaloough), Genésio (660, bispo de Clermont),  Isaac (852, mártir, monge em Córdova), Davino (cristão armênio), Morando (1115, monge beneditino de Cluny, de origem germânica), André de Spello (1254, beato), João "Pecador" (1600), Mkasa (mártir de Uganda)

 

Antífona: Ó Deus, quando saístes à frente do vosso povo, abrindo-lhe o caminho e habitando entre eles, a terra estremeceu, fundiram-se os céus, aleluia! (Sl 67, 8-9.20)

 

Oração: Ó Deus, que fizestes o vosso povo participar da vossa redenção, concedei que nos alegremos constantemente com a ressurreição do Senhor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Atos (At 18, 1-8)

Paulo passou a morar com eles

 

Naqueles dias, 1Paulo deixou Atenas e foi para Corinto. 2Ai encontrou um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, que acabava de chegar da Itália, e sua esposa Priscila, pois o imperador Cláudio tinha decretado que todos os judeus saíssem de Roma. Paulo entrou em contato com eles. 3E, como tinham a mesma profissão, eram fabricantes de tendas, Paulo passou a morar com eles e trabalhavam juntos. 4Todos os sábados, Paulo discutia na sinagoga, procurando convencer judeus e gregos.

 

5Quando Silas e Timóteo chegaram da Macedônia, Paulo dedicou-se inteiramente à palavra, testemunhando diante dos judeus que Jesus era o messias. 6Mas, por causa da resistência e blasfêmias deles,. Paulo sacudiu as vestes e disse: "Vós sois responsáveis pelo que acontecer. Eu não tenho culpa; de agora em diante, vou dirigir-me aos pagãos". 7Então, saindo dali, Paulo foi para a casa de um pagão, um certo Tício Justo, adorador do Deus único, que morava ao lado da sinagoga. 8Crispo, o chefe da sinagoga, acreditou no Senhor com toda a sua família; e muitos coríntios, que escutavam Paulo, acreditavam e recebiam o batismo. Palavra do Senhor!

 

 

 

 

Comentando a Leitura

Paulo passou a morar com eles;

trabalhava e discutia na sinagoga 

 

O ministério da Palavra é sina da gratuidade do dom de Deus. Todo o comportamento do missionário deve refleti-lo e testemunhá-lo (Mt 10, 8). Não fará como os levitas, cuja principal ocupação parecia ser recolher o dízimo. Por outro lado, porém, o dom “!oferecido” pelo apóstolo deve normalmente suscitar um “dom” igualmente gratuito, igualmente revelador da gratuidade divina, por parte dos ouvintes. Para ser mais livre e não dar motivo a suspeitas, Paulo, em geral, não aceita a ajuda ou o dom das comunidades. Trabalha com suas mãos; o que importa acima de tudo é salvaguardar a gratuidade do dom de Deus.

 

Em situação de missão, as Igrejas redescobriram o valor de um testemunho como o trabalho manual dos sacerdotes, solidários com os mais pobres e, por outro lado, o contratestemunho do “ruído de dinheiro em torno do altar”, por ocasião dos sacramentos. [Extraído do MISSAL COTIDIANO  ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4 (R/.cf.2b)

O Senhor fez conhecer seu poder salvador perante as nações

 

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

 

O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

 

Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

 

 

Evangelho: João (Jo 16, 16-20)

Alegria após o sofrimento

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 16"Pouco tempo ainda, e já não me vereis. E outra vez pouco tempo, e me vereis de novo". 17Alguns dos seus discípulos disseram então entre si: "O que significa o que ele nos está dizendo: 'Pouco tempo, e não me vereis, e outra vez pouco tempo, e me vereis de novo', e 'eu vou para junto do Pai'?" 18Diziam, pois: "O que significa este pouco tempo? Não entendemos o que ele quer dizer". 19Jesus compreendeu que eles queriam interrogá-lo; então disse-lhes: "Estais discutindo entre vós porque eu disse: 'Pouco tempo e já não me vereis, e outra vez pouco tempo e me vereis'? 20Em verdade, em verdade vos digo, vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará. Vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

Um pouco de tempo

 

Os discípulos ficaram cheios de dúvidas diante da expressão enigmática de Jesus: "um pouco de tempo". Por um pouco de tempo, não veriam o Mestre; mais outro pouco de tempo, e voltariam a vê-lo, pois estava indo para o Pai.


As palavras de Jesus são dirigidas a todos quantos haveriam de aderir a ele pela fé. Portanto, a um grupo maior do que o presente na última ceia. A questão do "ver" diz respeito a todos os cristãos.


Durante a sua existência terrena, os discípulos puderam "ver" Jesus, na sua expressão histórica. Foi o tempo da convivência humana com ele. A morte que se aproximava poria fim a esta experiência de proximidade. Algo de novo estava para acontecer: haveriam de ver novamente o Mestre, mas de maneira muito diferente. Como?


A fidelidade do Pai era algo inquestionável para Jesus. Ele estava indo para o Pai, e tinha consciência de que o Pai não permitiria o fracasso de seu projeto de salvação. Isto aconteceu concretamente com a ressurreição, que permitiu a Jesus continuar presente em meio aos discípulos. O Ressuscitado tornou-se, assim, o centro da vida da comunidade.


Ele continuou também a fazer-se presente, na história humana, na vida dos homens e das mulheres que o acolheram na fé. Além disso, Jesus pode ser visto no testemunho de fidelidade a Deus e de amor arraigado ao próximo dado pelos cristãos de todos os tempos. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano A, ©Paulinas, 1997]

 

 

Oração da assembleia (Deus Conosco)

Brotem do mais profundo de nossa alma as preces que agora elevamos ao Senhor, e que Ele nos fortaleça na esperança. Ó Pai, nós vos louvamos!

Porque pela ressurreição de Cristo também temos certeza da nossa ressurreição, rezemos.

Porque pela ressurreição de Cristo o mundo e cada um de nós pode ser transformado, rezemos.

Porque pela ressurreição de Cristo o Espírito Divino inspira-nos e conduz nos caminhos do Reino, rezemos.

Porque pela ressurreição de Cristo nossa vocação é viver unidos na Comunidade e na fraternidade, rezemos.

(Intenções próprias da comunidade)

 

 

Oração sobre as Oferendas:

Subam até vós, ó Deus, as nossas preces com estas oferendas para o sacrifício, a fim de que, purificados por vossa bondade, correspondamos cada vez melhor aos sacramentos do vosso amor. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Eis que estou convosco todos os dias até o fim dos tempos, aleluia! (Mt 28,20)

 

Oração Depois da Comunhão:

Deus eterno e todo-poderosos, que, pela ressurreição de Cristo, nos renovais para a vida eterna, fazei frutificar em nós o sacramento pascal e infundi em nossos corações a fortaleza desse alimento salutar. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: No contexto da ceia e da despedida, o anúncio de Jesus parece transparente: não o verão quando morrer, mas quando ressuscitar, tudo sucederá em breve. De fato o veem e se alegram. O verão quando deixar o mundo e voltar ao Pai; voltarão a vê-lo ao experimentar sua presença gloriosa. “Em breve” significa que sempre está próximo ao homem. A pesar da ausência física de Jesus, o fiel conhece, por experiência e pelo testemunho do Espírito, que Jesus está vivo, perto, e o contempla com os olhos iluminados da fé. (Bíblia do Peregrino)

 

 

São Marcelino e São Pedro

 

 

 

São Marcelino era sacerdote e São Pedro havia recebido a ordem menor do exorcismado. Durante a perseguição de Diocleciano foram ambos decapitados e tiveram a honra de ter seus nomes inscritos no Cânon tradicional da Santa Missa. Eles deveriam desaparecer da história, pois iam ser decapitados numa mata, a fim de serem esquecidos para sempre. Mas por uma ironia da Providência, os nomes de ambos estão inseridos até hoje na Prece Eucarística Romana, que é a primeira das Orações Eucarísticas do nosso Missal. Assim, se perpetuaram por todos esses dezessete séculos e irão até o fim da História. Foram vítimas da perseguição aos cristãos, no ano de 304. Duas piedosas mulheres exumaram os cadáveres e lhes deram correta sepultura na catacumba de São Tibúrcio, sobre a Via Lavicana. O imperador Constantino mandou edificar uma Igreja sobre a tumba dos mártires e, no ano 827, o Papa Gregório IV doou os restos mortais destes Santos a Eginhard, homem de confiança de Carlomagno, para que as relíquias fossem veneradas. Finalmente, os corpos dos mártires descansaram no Mosteiro de Selingestadt, a uns 22 km de Frankfurt. Durante esse traslado, contam alguns relatos, ocorreram numerosos milagres.

 

A caminho de Pentecostes

Dom Orani João Tempesta, O. Cist., Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro - RJ

Dentro do belo e entusiasmante tempo da Páscoa, a liturgia da Igreja tem nos feito vislumbrar os umbrais de Pentecostes. Preparamo-nos para a bonita e profunda celebração da vinda do Espírito Santo. A liturgia deste domingo nos introduz na certeza de uma presença permanente em nossas vidas. Neste final de semana de Simpósio e Peregrinação das famílias a Aparecida, da inauguração da réplica da Capela das Aparições de Fátima e da festa de Nossa Senhora da Penha olhemos a bem-aventurada Maria que acreditou e deixou-se conduzir pelo Espírito Santo.

Em nossas tradições católicas estamos também para iniciar a novena em preparação à Solenidade de Pentecostes culminando com a Vigília da Festa e atualizando em nossas vidas e atitudes esse grande Dom de Deus que é o Espírito Santo derramado em nossos corações.

 

Nós não estamos sozinhos, o Senhor repete isso de várias maneiras. A memória de suas palavras nos conforta, como também a experiência viva da fé que não abandona aqueles que examinam cuidadosamente as Escrituras, nem aqueles que vivem suas vidas diárias com coração generoso e acolhedor. Se medirmos as nossas forças, percebemos que somos fracos e necessitados, mas se nós reconhecemos do que fomos feitos, aquela Palavra entra em nós como Espírito vivificante, prometido para preencher nossas lacunas, para ampliar nossos horizontes e fortalecer os muros dos nossos corações estremecidos pelo medo...

 

Se hospedarmos o Espírito, nós cultivaremos com ele a esperança da qual podemos ter razão com a alegria e a segurança dos filhos de Deus. "Caríssimos, adorai ao Senhor Jesus Cristo em vossos corações, sempre prontos para responder a quem lhes perguntar o motivo da esperança que há em vós.” A vida testemunhada também pelas motivações e aprofundamentos de nossa fé.

 

Pedro, chamado pelo Senhor Jesus e enviado a confirmar os seus irmãos e guiar a Igreja de ontem e de hoje, convida-nos a todos à doçura, ao respeito, à retidão que faz discernir a vontade de Deus. É um caminho em direção à nossa verdadeira identidade mais profunda, que não teme ameaças externas e que é reforçada na adversidade. É então que podemos atestar a força do Espírito Santo que age em nós; somente com esta disponibilidade se pode superar aquilo que sacode as águas e tira a estabilidade do nosso barco. Mudança de rumo é perigoso, arriscamos não encontrar aquele que nunca deixou de nos dar indicações claras e inequívocas para alcançar a meta, para nos mostrar o caminho mais simples e direto, aquele que, talvez, por natureza, nunca teríamos escolhido.

 

"Quem me ama será amado por meu Pai e eu o amarei e me manifestarei a ele”. Será possível que alguém se atemorize com um convite para amar e ser amado? "Vinde e vede as obras de Deus, em suas maravilhas no meio dos homens! Vinde escutar, vós todos que temeis a Deus e narrarei o que ele fez por mim." Este é o nosso compromisso como cristãos, pequenos espelhos que refletem os raios de luz em um mundo envolto em trevas.

 

O apóstolo Pedro, entusiasmado pelo Senhor, nos faz um convite de uma beleza surpreendente. Um apelo urgente: aquele de adorar o Senhor na interioridade, nas profundezas do coração. Um convite que se desdobra nesta outra solicitação: aquela de estar sempre pronto para dar expressão convincente da própria fé com esperança. O autor sagrado também não deixa de ensinar o modo como este testemunho deve ser feito. É hoje uma recomendação ainda mais relevante do que nunca.

 

Acolhendo a presença do Espírito Santo prometido, e aprofundando a nossa vida de fé para dar as razões de nossa esperança poderemos, como os apóstolos, ver as maravilhas da evangelização e dos sinais pela pregação proclamada. Não é à toa que Pedro nos diz, antes de tudo: Adorai a Cristo em vossos corações. A fé está em ti. A fé é uma Pessoa. É preciso que façamos o encontro pessoal com Ele, caminho, verdade e vida, Espírito que nos convida a contemplar a Verdade da fé. [Fonte: CNBB]

 

Os aborrecimentos dificultam, mas não inviabilizam a busca da felicidade. (Frei Neylor Tonin)