Quarta-feira, 17 de agosto de 2011

XX Semana do Tempo Comum, Ano Impar, 4ª do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Verde

 

 

Hoje: Dia do Patrimônio Histórico

 

Santos: Anastácio de Terni (bispo), Beatriz da Silva (virgem, fundadora das Concepcionistas), Carlomano (765), Clara da Cruz de Montefalco (virgem), Elias de Enna (monge), Estrato, Eusébio (papa), Felipe e Eutíquio (queimados vivos na Ásia Menor, por testemunharem sua felicidade em Cristo), Jacinto de Cracóvia (1257,presbítero), Joana Delanoue de Saumour (fundadora), João de Montemarano (bispo), Liberato e Companheiros (monges, mártires), Mamnés (274, Palestina), Mamede (mártir, filho dos mártires Santa Rufina e São Teodoro), Miro (sacertote grego), Nicolau Politi (eremita na Sicília), Servo.

 

Antífona: Ó Deus, nosso protetor, volvei para nós o vosso olhar e contemplai a face do vosso ungido, porque um dia em vosso templo vale mais do que mil  (Sl 83,10-11)

 

Oração: Ó Deus, preparastes para quem vos ama bens que nossos olhares não odem ver; acendei em nossos corações a chama da caridade para que, amando-vos em tudo e acima de tudo, corramos aos encontro das vossas promessas, que superam todo desejo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Leitura: Juízes (Jz 9,6-15)

Grande será o seu reino

 

Naquele tempo: 6Todos os habitantes de Siquém e os de Bet-Melo se reuniram junto a um carvalho que havia em Siquém e proclamaram rei a Abimelec. 7Informado disso, Joatão foi postar-se no cume do monte Garizim e se pôs a gritar em alta voz, dizendo: 'Ouvi-me, moradores de Siquém, e que Deus vos ouça. 8Certa vez, as árvores resolveram ungir um rei para reinar sobre elas, e disseram à oliveira: 'Reina sobre nós`. 9Mas ela respondeu: 'Iria eu renunciar ao meu azeite, com que se honram os deuses e os homens, para me balançar acima das árvores?' 10Então as árvores disseram à figueira: 'Vem e reina sobre nós'. 11E ela lhes respondeu: 'Iria eu renunciar à minha doçura e aos saborosos frutos, 12As árvores disseram então à videira: 'Vem e reina sobre nós'. 13E ela lhes respondeu: 'Iria eu renunciar ao meu vinho, que alegra os deuses e os homens, para me balançar acima das outras árvores?' 14Por fim, todas as árvores disseram ao espinheiro: 'Vem tu reinar sobre nós'. 15O espinheiro respondeu-lhes: 'Se deveras me constituís vosso rei, vinde e repousai à minha sombra; mas se não o quereis, saia fogo do espinheiro e devore os cedros do Líbano!'. Palavra do Senhor!

 

 

Salmo: 20(21), 2-3.4-5.6-7 (R/.2a) 

Ó Senhor, em vossa força o rei se alegra

 

Ó Senhor, em vossa força o rei se alegra; quanto exulta de alegria em vosso auxílio! O que sonhou seu co ração, lhe concedestes; não recusast­es os pedidos de seus lábios.

 

Com bênção generosa o preparastes; de ouro puro coroastes sua fronte. A vida ele pediu e vós lhe destes, longos dias, vida longa pelos séculos.

 

É grande a sua glória em vosso auxílio; de esplendor e majestade o revestistes. Transformastes o seu nome numa bênção, e o cobristes de alegria em vossa face.

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 20, 1-16a)
Todo trabalhador tem direito a um salário justo

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1”O Reino dos céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. 3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 4e lhes disse: 'Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo'. 5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.

6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: 'Por que estais aí o dia inteiro desocupados?' 7Eles responderam: 'Porque ninguém nos contratou'. O patrão lhes disse: 'Ide vós também para a minha vinha'. 8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: 'Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!' 9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 10Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata. 11Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 12'Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro'.

 

13Então o patrão disse a um deles: 'Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 14Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?' 16aAssim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos". Palavra da Salvação!

 

 

Comentário o Evangelho

A igualdade no Reino de Deus

 

A comunidade dos discípulos do Reino tem um modo de proceder diverso dos esquemas do mundo. Este organiza-se a partir de privilégios, precedências, importância, de modo a estabelecer um esquema de desigualdade entre as pessoas. Tudo isto, especialmente em detrimento dos pobres e dos pequeninos que acabam sendo marginalizados. Esta desigualdade está longe do projeto de Jesus.


A mentalidade mundana contaminou o coração dos primeiros discípulos de Jesus. Pensando a partir do critério de mérito e tempo de pertença ao grupo de discípulos, imaginavam que teriam prerrogativas no Reino, tanto na Terra quanto no Céu. Foi preciso serem alertados a respeito deste equívoco. A parábola dos vinhateiros teve esta função.


A resposta ao chamado de Jesus acontece na total gratuidade. Quem adere ao Reino abre mão de todos os seus interesses e ambições, entregando-se com generosidade ao projeto que lhe é proposto. Não é movido pela busca de recompensa, nem age visando agradar ao Senhor do Reino - Deus -, de olho nos benefícios futuros que daí possam advir.


Todas estas atitudes opõem-se à ambição, ao espírito de competição, às rivalidades que contaminam os discípulos. Aliás, o critério de julgamento divino ("Os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos") poderia ser uma boa pista de orientação para eles. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

Oração da assembleia (Liturgia Diária)

Iluminai, Senhor, vossa Igreja, para que seja fiel à missão: Ouvi-vos, Senhor.

Tomai os patrões generosos e justos com seus empregados:

Protegei os trabalhadores contra a injustiça e a exploração:

Favorecei os agricultores com boas e fartas colheitas:

(preces espontâneas)

 

Oração sobre as Oferendas:

Acolhei, ó Deus, estas nossas oferendas, pelas quais entramos em comunhão convosco, oferecendo-vos o que nos destes e recebendo-vos em nós. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

No Senhor se encontra toda graça e copioso redenção. (Sl 129,7)

 

Oração Depois da Comunhão:

Unidos a Cristo por este sacramento, nós vos imploramos, ó Deus, que, assemelhando-nos a ele aqui na terra, participemos no céu da sua glória. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Para sua reflexão: Como o dono da vinha, e por livre iniciativa de sua graça, Deus dá a seus filhos e filhas uma recompensa que não mantém proporção com a duração do trabalho. Tal é a resposta de Jesus às pessoas legalistas que viam com maus olhos seu trato amistoso com os arrecadadores de impostos e pecadores. Portanto, na comunidade de Mateus, alguns cristãos de origem judaica não podiam entender que os pagãos, vindos mais tarde, tivessem na Igreja o mesmo reconhecimento que eles. A parábola mostra que se trata de um dom, um presente não merecido, e é igual para todos. Assim é Deus em sua bondade para conosco! (Novo Testamento, Ave-Maria)

 

São Jacinto

 

 

Celebrado por alguns em dia 15 de agosto, Jacinto é considerado o Apóstolo da Polônia, país onde nasceu. Foi o grande anunciador do Evangelho a povos que ainda o desconheciam, e levou a influência dominicana a diversas regiões, como a Rússia, os Bálcãs, a Prússia e a Lituânia. Ingressou na Ordem Dominicana por volta de 1218, em Roma. Depois, de volta a sua cidade natal, fundou diversos conventos na Polônia, como o convento de Breslau, Sandomir e Dantziga: mais trinta conventos só na Polônia. Em 1228, criou a Ordem Dominicana Polonesa.

 

 

Compromisso de esperança

Dom Paulo Mendes Peixoto, Bispo de São José do Rio Preto - SP

 

A história que presenciamos é nossa e somos nós que a construímos. A participação é de todos, uns mais e outros menos. Não importa o grau desta ação. Mas há aqueles que marcam mais e conseguem dar uma contribuição de maior relevância, porque assumem compromissos de mais esperança.

 

Olhando para a realidade na caminhada de toda a bíblia, são inúmeras as personalidades que deixaram importantes legados que continuam marcando e influenciando os novos tempos. Foram pessoas vocacionadas e que souberam colocar em prática os seus dons e facilidade em realizar atos de construção do bem.

 

Entre muitos dos vocacionados bíblicos, podemos destacar a figura de Maria, mãe de Jesus Cristo, com sua marca de simplicidade e doação total de vida. Consta ter sido mulher da esperança, de fidelidade aos compromissos assumidos, e mulher de muita fé.

 

A exemplo de Maria, como mãe da esperança, também hoje encontramos vocacionados convictos de sua missão. São verdadeiros construtores dos novos tempos, deixando transparecer a confiança e a certeza de um mundo melhor, principalmente com a marca da justiça.

 

Essas figuras estão presentes em todos os setores da sociedade. Agem, às vezes de forma simples, sem muito barulho, mas construindo o bem e provocando a esperança. Não se deixam abater pela força do mal e nem pela violência que os cercam.

 

Quem se doa na construção do bem e da vida da coletividade, acaba fazendo acontecer a vitória da vida sobre a morte. Não podemos deixar que o mal tenha relevância sobre o bem, fazendo minar a esperança constitutiva das pessoas.

 

Construir a esperança é proclamar a libertação dos oprimidos, dos sem voz e sem vez. Isto é compromisso de solidariedade, de transformação da realidade de sofrimento, angústia, dores, exploração social etc., em situações de vida.

 

Falar de compromisso de esperança é olhar o mundo com olhos de quem acredita em dias melhores. É acreditar que é possível a existência de um mundo melhor, mais humano, fraterno e menos violento. Esta é uma descoberta de conquista e de luta constante. [Fonte: CNBB]

 

Conheça o buraco da agulha por onde passa o camelo

 

Estando na Terra Santa, muitos detalhes presentes no evangelho podem ser demonstrados, como por exemplo a famosa frase: “é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!”

 

Vendo-o assim, Jesus disse: “Como é difícil aos que têm riquezas entrar no Reino de Deus! Com efeito, é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!” Os ouvintes disseram: “Mas então, quem poderá salvar-se?  Jesus  respondeu:  “As coisas impossíveis aos homens são possíveis a Deus”. (Lc 18, 24-27)

 

Conforme os escritos originais, em grego, esse camelo é o animal camelo. Digo isso, porque existe uma corda de grossa espessura, também chamada de camelo. Estando na Terra Santa, muitos detalhes presentes no evangelho podem ser demonstrados, como por exemplo a famosa frase: “é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!”

 

Vendo-o assim, Jesus disse: “Como é difícil aos que têm riquezas entrar no Reino de Deus! Com efeito, é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!” Os ouvintes disseram: “Mas então, quem poderá salvar-se? Jesus respondeu: “As coisas impossíveis aos homens são possíveis a Deus”. Lc 18, 24-27

 

O que Jesus se refere é ao animal camelo e não a corda. Essa corda grossa, o camelo, vinha utilizada principalmente nos tempos de guerra, onde através desse buraco, chamado de agulha, podia-se fazer o transporte de armas e comida. Essas agulhas são muito presentes ainda hoje nas muralhas da cidade antiga de Jerusalém.  s foto aqui presente e um exemplo dessas agulhas feitas nas muralhas. (http://blog.cancaonova.com/nomundodabiblia/)

 

Quando o caminho se fizer resistente, faça com resistência o caminho. (Frank Leah)