Quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

I Semana do Tempo Comum - Ano “C”  (Ímpar) - 1ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Verde

 

Santos do Dia: Barbascêmino de Selêucia-Ctesifon (bispo) e Companheiros (mártires), Dácio de Milão (bispo), Félix de Nola (presbítero), Félix de Roma (presbítero), Macrina (viúva, mãe de São Basílio Magno, de São Gregório de Nissa e de São Pedro de Sebaste), Malaquias (profeta bíblico do Antigo Testamento), Sabas de Serbia (monge, bispo), Amadeu de Clermont (monge, bem-aventurado), Odo de Novara (monge, bem-aventurado), Pedro Donders (missionário redentorista, bem-aventurado)

 

Antífona: Ergamos os nossos olhos para aquele que tem o céu como trono; a multidão dos anjos o adora, cantando a uma só foz: Eis aquele cujo poder é eterno.

 

Oração: Ó Deus, atendei como pai às preces do vosso povo; dai-nos a compreensão dos nossos deveres e a força de cumpri-los.  Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: I Samuel (1 Sm 3, 1-10.19-20)
 Devemos estar atentos aos chamados que Deus nos faz

 

Naqueles dias, 1o jovem Samuel servia ao Senhor na presença de Eli. Naquele tempo a palavra do Senhor era rara e as visões não eram freqüentes. 2Aconteceu que, um dia, Eli estava dormindo no seu quarto. Seus olhos começavam a enfraquecer e já não conseguia enxergar. 3A lâmpada de Deus ainda não se tinha apagado e Samuel estava dormindo no templo do Senhor, onde se encontrava a arca de Deus.

 

4Então o Senhor chamou: "Samuel, Samuel!" Ele respondeu: "Estou aqui". 5E correu para junto de Eli e disse: "Tu me chamaste, aqui estou". Eli respondeu: "Eu não te chamei. Volta a dormir!" E ele foi deitar-se. 6O Senhor chamou de novo: "Samuel, Samuel!" E Samuel levantou-se, foi ter com Eli e disse: "Tu me chamaste, aqui estou". Ele respondeu: "Não te chamei, meu filho. Volta a dormir!" 7Samueí ainda não conhecia o Senhor, pois, até então, a palavra do Senhor não se lhe tinha manifestado. 8O Senhor chamou pela terceira vez: "Samuel, Samuel!" Ele levantou-se, foi para junto de Eli e disse: "Tu me chamaste, aqui estou". Eli compreendeu que era o Senhor que estava chamando o menino.

 

9Então disse a Samuel: "Volta a deitar-se e, se alguém te chamar, responderás: 'Senhor, fala, que teu servo escuta!"' E Samuel voltou ao seu lugar para dormir. 10O Senhor veio, pôs-se junto dele e chamou-o como das outras vezes: "Samuel! Samuel!" E ele respondeu: "Fala, que teu servo escuta". 19Samuel crescia, e o Senhor estava com ele. E não deixava cair por terra nenhuma de suas palavras. 20Todo Israel, desde Dá até Bersabéia, reconheceu que Samuel era um profeta do Senhor. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Fala, Senhor, que teu servo escuta

 

O episódio de Samuel é o trecho clássico do Antigo Testamento que manifesta o sentido da vocação profética. Deus confia aos homens missões particulares, sensibiliza-os diante de seu plano de salvação e torna-os disponíveis à sua vontade: "Falai, Senhor que vosso servo escuta". Aqueles que são chamados encontram nesse rapaz um modelo singular. Entretanto, parece importante salientar duas coisas. Nem sempre quem é chamado para tarefas importantes recebe sinais evidentes de sua escolha. Deus age normalmente através de causas segundas, pessoas, acontecimentos, encontros fortuitos. O que importa é saber reconhecer nas causas segundas a vontade de Deus e segui-la com humildade, mas também com coragem.

 

Há um chamado para cada homem. Cada um tem um papel a desempenhar no mundo, na sociedade, na família em que vive. Mais importante ou menos importante, pouco importa; o que vale diante de Deus é desempenhá-lo com fidelidade. Um dos requisitos é saber escutar. [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 39(40), 2 e 5.7-8a.8b-9.10 (R/.cf.8a e 9a)

Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

 

Esperando, esperei no Senhor, e inclinando-se, ouviu meu clamor. É feliz quem a Deus se confia; quem não segue os que adoram os ídolos e se perdem por falsos caminhos.

 

Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados. E então eu vos disse: "Eis que venho!"

 

Sobre mim está escrito no livro: "Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!"

 

Boas novas de vossa justiça anunciei numa grande assembléia; vós sabeis: não fechei os meus lábios!

 

 

Evangelho: Marcos (Mc 1, 29-39)

A dedicação de Jesus à missão de curar os doentes

 

Naquele tempo,29Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. 30A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. 31E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los. 32À tarde, depois do pôr-do-sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. 33A cidade inteira se reuniu em frente da casa.

 

34Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era. 35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. 36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. 37Qúando o encontraram, disseram: "Todos estão te procurando". 38Jesus respondeu: "Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim". 39E andava por toda a Galiléia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios. Palavra da Salvação!

 

Contexto: O ministério de Jesus na Galiléia.  Leitura paralelas: Mt 8, 14-15; Lc 4, 38-39; Mt 8, 16; Lc 4, 40-44. O evangelho de hoje é sempre válido para a quarta-feira da primeira semana do tempo comum; a I leitura e o Salmo Responsorial são específicos para os anos pares

 

 

Comentário o Evangelho

E pôs-se a servi-los

 

O gesto da sogra de Pedro, após ter sido curada, chama a atenção para um aspecto, às vezes negligenciado por quem foi objeto da misericórdia de Jesus. Como retribuir o benefício recebido, de forma a manifestar gratidão? Colocando-se a serviço do próximo. Não existe maneira melhor de mostrar-se grato ao Senhor.

 

Seria pura ingratidão se alguém, que foi libertado ou curado de algum mal, levasse uma vida egoísta, pensando só em si mesmo. Os gestos de Jesus traziam a marca do amor, de alguém que estava voltado para as necessidades e carências do próximo. Por isso, estava sempre pronto a servir quem quer que fosse. As multidões procuravam-no, trazendo seus doentes e gente possuída pelo demônio. A ninguém ele despedia, sem antes libertá-los de seus males.

 

Esta disposição de Jesus é uma lição de vida. A sogra de Pedro parece tê-la aprendido. Assim que se viu livre da febre, a qual poderia vir a ser fatal, pôs-se a servir Jesus e os discípulos que o acompanhavam. Servi-los, significou vir ao encontro de suas necessidades de missionários, cansados por causa das suas peregrinações por cidades e aldeias. Significou matar-lhes a fome, providenciar-lhes repouso, fazê-los recuperar as forças para continuar a missão. Esta foi a maneira concreta que ela encontrou para retribuir a graça recebida. (O EVANGELHO DO DIA, Ano “A”. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1997)

 

São Pedro Donders

 

Nasceu em Tilburg, Brabante do Norte em 27 de outubro de 1805. Filho de Arnold e de Petronila van den Brekel. Profundamente impressionado pelas lições do apóstolo Paulo (Hb 5,1) ordenou-se sacerdote aos 32 anos de idade em Oogstgeest, deixou sua pátria e trabalhou apostolicamente por quase 45 anos na Guiana Holandesa. Quando o vicariato apostólico da Guiana Holandesa foi confiado aos redentoristas que queriam se ocupar das almas mais abandonadas, são Pedro Donders pediu para ser admitido entre eles, em 27 de junho de 1867. Emitiu os votos perpétuos, tornando assim, definitivamente mais um dos filhos de Santo Afonso. Logo depois retornou para o meio dos leprosos entre os quais trabalhou com a maior dedicação até 1856. Além dos leprosos, ocupou-se dos índios e negros escravos e não escravos. O seu primeiro livro intitulou-se "Novo Apóstolo dos negros, dos índios e dos leprosos" São Pedro Donders naturalmente também se ocupou dos brancos em seus serviços sacerdotais. De 1842 a 1856 trabalhou na capital Paramaribo e de 1883 a 1885 em Corronie, na costa. Morreu em Batávia - na época, colônia dos leprosos no dia 14 de janeiro de 1887, aos 82 anos de idade.

 

Palavras humanas nem sempre são sábias, pois palavras hipócritas

são sempre ditas sem sabedoria. (Paulo de Lacerda)

 

Somente depois da última árvore derrubada, depois do último animal extinto, e quando perceberem

o último rio poluído, sem peixe, o Homem irá ver que dinheiro não se come. (Provérbio Indígena)