Terça-feira, 11 de agosto de 2010

Santa Clara de Assis (Consagrada ao Senhor), Memória, 3ª do Saltério, cor Branca

 

 

Hoje: Dia da Televisão, dia do Advogado, dia do Estudante, dia do Garçom e dia da Consciência Nacional

 

Santos: Clara de Assis, Digna (venerada em Todi), Filomena de Roma (mártir), Heliano de Filadélfia (mártir), Lélia (virgem, da Irlanda), Rufino de Assis (bispo, mártir), Sereno de Marselha (bispo), Tibúrcio e Suzana (mártires de Roma).

 

Antífona: Estes são os santos que receberam a bênção do Senhor e a misericórdia de Deus, seu salvador. É a geração dos que buscam a Deus. (Sl 23, 5-6)

 

Oração: Ó Deus, que, na vossa misericórdia, atraístes santa Clara ao amor da pobreza, concedei, por sua intercessão, que, seguindo o Cristo com um coração de pobre, vos contemplemos um dia vosso reino. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Ezequiel (Ez 9, 1-7;10, 18-22)
Aproxima-se o castigo da cidade!

 

9,1Senhor gritou a meus ouvidos, com voz forte: "Aproxima-se o castigo da cidade! Cada um tenha sua arma destruidora na mão!" 2Então, eu vi seis homens vindo da porta superior, voltada para o norte, cada qual empunhando uma arma de destruição. Entre eles havia um homem vestido de linho, que levava um estojo de escriba na cintura. Eles foram colocar-se junto do altar de bronze. 3Então a glória do Deus de Israel elevou-se de cima do querubim sobre o qual estava, em direção à soleira do Templo. E chamou o homem vestido de linho, que levava um estojo de escriba à cintura. 4O Senhor disse-lhe: "Passa pelo meio da cidade, por Jerusalém, e marca com uma cruz na testa os homens que gemem e suspiram por causa de tantos horrores que nela se praticam". 5E escutei o que ele dizia aos outros: "Percorrei a cidade atrás dele e matai sem dó nem piedade. 6Matai velhos, jovens e moças, mulheres e crianças, matai a todos, até o extermínio. Mas não toqueis em nenhum homem sobre quem estiver a cruz. Começai pelo meu santuário". E eles começaram pelos anciãos que estavam diante do Templo.

 

7EIe disse-lhe: "Profanai o Templo, enchei os átrios de cadáveres. Ide". E eles saíram para matar na cidade! 10,18Então a glória do Senhor saiu da soleira do Templo e parou sobre os querubins. 19Os querubins levantaram suas asas e elevaram-se da terra à minha vista, partindo juntamente com eles as rodas. Eles pararam à entrada da porta oriental do Templo do Senhor, e a glória do Deus de Israel estava em cima deles.

 

20Eram estes os seres vivos que eu tinha visto debaixo do Deus de Israel, nas margens do rio Cobar, e compreendi que eram querubins. 21Cada um tinha quatro faces e quatro asas, e debaixo das asas, uma forma de mão humana. 22Suas faces eram semelhantes às faces que eu tinha visto junto ao rio Cobar. Cada um seguia em sua frente. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

Marca com uma cruz Ana testa os que gemem e suspiram

 

Graves culpas – infidelidade a Deus (idolatria no templo, violências na cidade: Ez 8, 1-18), desconfiança para com Deus (Ez 9,9) – atraem a terrível punição: “farei recair suas obras sobre suas cabeças” (Ez 9, 10). Cada um é tratado pelo que é e faz (“retribuição pessoal”: Ez 18). Não é Deus que pune! Os acontecimentos humanos recaem sobre aqueles que os provocam; estes não alcançam a intervenção salvífica de Deus, pela própria infidelidade, maldade, desconfiança. Em tal sentido, aquelas desventuras têm cunho de “castigo de Deus”, como diz o povo. Deus, porém, não faz justiça sumária; as ferozes represálias são vinganças do homem. Os prenúncios proféticos são advertência para a conversão, para o afastamento da ruína. Deus salva quem lhe é fiel, quem chora pela maldade, violência, injustiça, mentira, infidelidade do mundo; Deus afasta-se do templo contaminado para ir ter com os exilados... Aviso para nós: não criar falsas seguranças, não ficar insensíveis e inertes ante o mal difundido. [COMENTÁRIO BÍBLICO, ©Edições Loyola, 1999]

Salmo: 112(113), 1-2.3-4.5-6 (R/4b)
A glória do Senhor vai além dos altos céus

 

Louvai, louvai, ó servos do Senhor, louvai, louvai o nome do Senhor! Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

 

Do nascer do sol até o seu ocaso, louvado seja o nome do Senhor! O Senhor está acima das nações, sua glória vai além dos altos céus.

 

Quem pode comparar-se ao nosso Deus, ao Senhor, que no alto céu tem o seu trono e se inclina para olhar o céu e a terra?

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 18, 15-20)
Como praticar com caridade a correção fraterna

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 15"Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, à sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão. 16Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. 17Se ele não vos der ouvido, dize-o à Igreja. Se nem mesmo à Igreja ele ouvir; seja tratado como se fosse um pagão ou um pecador público.

 

18Em verdade vos digo, tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. 19De novo, eu vos digo: se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre qualquer coisa que quiserem pedir, isto vos será concedido por meu Pai que está nos céus. 20Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome eu estou ali, no meio deles". Palavra da Salvação!

 

 

 

Comentário o Evangelho

Corrigir com discernimento

 

É preciso agir com extremo discernimento, quando se trata de afastar um membro da comunidade do convívio fraterno. Em geral, as lideranças da comunidade são tentadas a deixar-se levar por critérios irrelevantes, revelando-se injustos contra quem cometeu uma falta. Uma decisão deste porte não pode depender de preconceitos ou do que pensam os líderes. Importa somente fazer a vontade de Deus.


A comunidade cristã deve rezar e refletir muito, antes de excomungar alguém. Sua decisão deve corresponder ao pensamento de Jesus. Por isso, é necessário evitar que a reunião onde se toma uma tal decisão se assemelhe a um tribunal onde se submete a pessoa a um juízo inclemente. O melhor lugar para se decidir isso é a assembleia eucarística. A ela se refere a afirmação do Senhor: Onde dois ou três estão reunidos em meu nome, estou ali, no meio deles. Neste caso, trata-se de uma reunião bem específica, na qual a comunidade põe-se de acordo para pedir a luz divina, antes de decidir sobre a sorte do membro que errou. Se a comunidade pede com sinceridade, poderá estar certa de ser atendida pelo Pai.


A decisão comunitária, se tomada seriamente, terá o aval de Deus. Ou seja, se o membro for desligado da comunidade terrestre, será também desligado da comunidade celeste. O Pai confirma o veredicto da comunidade que agiu com discernimento. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulinas, 1998]

 

 

A televisão matou a janela. (Nelson Rodrigues)

 

 

Santa Clara de Assis

 

 

Você sabia que a televisão tem a sua padroeira? Pois ela tem. Ela se chama Santa Clara. Antes de sabermos por que Santa Clara tornou-se a padroeira da televisão, faz-se necessário conhecermos um pouco da sua história.

 

Clara Favarone nasceu na cidade de Assis, Itália, no ano de 1194, século XII. De família nobre, tinha duas irmãs: Beatriz e Catarina, ambas, depois, tornaram-se religiosas, e Catarina passou a se chamar Irmã Inês. Seu pai chamava-se Favarone e sua mãe Hortolana, que, depois que ficou viúva, também entrou para o mosteiro.

 

O nome Clara foi escolhido pela mãe pois quando ela estava grávida, ouviu uma voz em suas orações que dizia: " Não temas, mulher, porque salva, vais dar ao mundo uma luz que vai deixar a própria luz mais clara". E ao ser batizada com o nome de Clara, cumpria-se a vontade divina.

 

Sua vocação religiosa manifestou-se desde pequena, através da devoção e caridade para com os pobres, privando-se de sua alimentação e mandando-a aos pobres e órfãos; entregava-se a jejuns e a orações.

 

No ano de 1212, com 18 anos, Clara fugiu de casa, abandonando suas origens, aderindo a vida religiosa calcada nos ideais de Francisco de Assis: pobreza e fraternidade. Tornou-se abadessa no Mosteiro de São Damião, que havia sido reconstruído  pelo  próprio  Francisco, criando a Segunda Ordem Franciscana, a das Irmãs Clarissas. Somente em 1263, dez anos após sua morte, é que as irmãs passaram a ser chamadas de "Clarissas". Elas, ao seguirem os ideais franciscanos, tinham como meta viver em humildade e pobreza voluntária.

 

Santa Clara passou a ser reconhecida como a padroeira da televisão devido ao seguinte episódio: Era noite de Natal, Clara encontrava-se gravemente doente no mosteiro de São Damião, não podendo ir à Igreja de São Francisco rezar com as outras irmãs e, por isso, ficou sozinha e desolada. Mas, acreditou-se que, por graça divina, Clara fez-se presente em espírito na Igreja, participou de toda a solenidade festiva e mais, recebeu a comunhão e se sentiu alegre; tudo isso sem sair do mosteiro.

 

Este foi o primeiro relato da era cristã em que uma santa pôde presenciar o que se passava muito além das paredes que a cercavam, da mesma forma que nós podemos, hoje, através da televisão, testemunhar, com nossos olhos, o que ocorre, até mesmo, do outro lado do nosso pequeno mundo. Santa Clara morreu no dia 11 de agosto de 1253 e foi canonizada no ano de 1255. Foi oficialmente reconhecida como padroeira da televisão no dia 14 de fevereiro de 1958, em Roma, pelo Papa Pio XII.

 

Para sua reflexão: Na comunidade deve reinar a paz, exatamente porque não existem ofensas ou porque se busca a reconciliação. Se um membro da comunidade cristã se nega a reconciliar-se será como um estranho para a comunidade, e os responsáveis têm o direito de excluí-lo enquanto permanecer nessa atitude. A referência ao perdão e à reconciliação completa-se com uma instrução sobre a oração comunitária. A comunidade orante é um lugar privilegiado da presença de Jesus sempre que se deem as condições e atitudes que Jesus assinalou na oração do Pai-Nosso. (Novo Testamento, Edição de Estudos, Ave-Maria)

 

Oração a Santa Clara, Patrona da TV

 

Altíssimo Senhor Deus, que concedestes ternamente à virgem Santa Clara de Assis ouvir e ver de longe a sagrada celebração Eucarística do nascimento do vossos divino Filho, em Belém, milagre de som, de luz e de imagem, que fez de Clara a excelsa padroeira da TV, concedei que as nossas famílias sempre bem atentas aos valores do Evangelho não cedam à TV o domínio e a educação de seus filhos, mas cooperem generosamente com as empresas que trabalham no espírito da Igreja, que nos destes, por vosso Filho Jesus Cristo, no amor do Espírito Santo. Amém.