Quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Santa Escolástica (Virgem e fundadora) - 1ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Branca

 

Hoje: Dia Mundial do Enfermo

 

Santos do Dia: André e Apônio (mártires), Austreberta de Pavilly (abadessa), Baldegundes (abadessa de Sainte-Croix, Poitiers), Desiderato de Clermont (bispo), Erlufo de Werden (bispo, mártir), Guilherme de Maleval (eremita), Protádio de Besançon (bispo), Sálvio de Albelda (abade), Silvano de Terracina (bispo), Sotéria de Roma (virgem, mártir), Zótico, Irineu, Jacinto, Amâncio e Companheiros (um grupo de dez soldados, mártires de Roma), Alexandre de Lugo (dominicano, mártir, bem-aventurado), Luís Stepinac (cardeal, mártir, bem-aventurado), Clara de Agolanti (viúva, bem-aventurada), Eusébio de Murano (eremita, bem-aventurado), Hugo de Fosse (monge, bem-aventurado), Pagano da Sicília (monge, bem-aventurado).

 

Antífona: Exultemos de alegria, pois o Senhor do universo  amou esta virgem santa e gloriosa.

 

Oração: Celebrando a festa de santa Escolástica, nós vos pedimos, ó Deus, a graça de imitá-la, servindo-vos com caridade perfeita e alegrando-nos com os sinais do vosso amor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: I Reis (1 Rs 10, 1-10)
A rainha testemunhou a sabedoria de Salomão
 
Naqueles dias, 1a rainha de Sabá, tendo ouvido falar – para a glória do Senhor – da fama de Salomão, veio prová-lo com enigmas. 2Chegou a Jerusalém com numerosa comitiva, com camelos carregados de aromas, e enorme quantidade de ouro e pedras preciosas. Apresentou-se ao rei Salomão e expôs-lhe tudo o que tinha em seu pensamento. 
 
3Salomão soube responder a todas as suas perguntas: para ele nada houve tão obscuro que não pudesse esclarecer. 4Quando a rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão, a casa que tinha construído, 5os manjares da sua mesa, os cortesãos sentados em ordem à mesa, as diversas classes dos que o serviam e suas vestes, os copeiros, os holocaustos que ele oferecia no templo do Senhor, ficou pasmada e disse ao rei: 6"Realmente era verdade o que eu ouvi no meu país a respeito de tuas palavras e de tua sabedoria! 7Eu não queria acreditar no que diziam, até que vim e vi com os meus próprios olhos, e reconheci que não me tinham dito nem a metade. Tua sabedoria e tua riqueza são muito maiores do que a fama que chegara aos meus ouvidos. 
 
8Feliz a tua gente, felizes os teus servos que gozam sempre da tua presença e que ouvem a tua sabedoria! 9Bendito seja o Senhor, teu Deus, a quem agradaste, que te colocou sobre o trono de Israel, porque o Senhor amou Israel para sempre, e te constituiu rei para governares com justiça e equidade". 10Depois, ela deu ao rei cento e vinte talentos de ouro e grande quantidade de aromas e pedras preciosas. Nunca mais foi trazida tanta quantidade de aromas como a que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão. Palavra do Senhor!

 

 

Comentando a I Leitura

A rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão

 

A glória e sabedoria de Salomão, em todo o seu esplendor, são reconhecidas por uma rainha estrangeira, da mesma forma como um dia Cristo será visitado e honrado por reis pagãos. São encontros e diálogos que o Concílio deseja se realizem ainda hoje. A Igreja é convidada a olhar com atenção as grandes religiões e a integrar sabedoria humana e fé, com uma atitude essencialmente positiva com relação aos valores humanos. Por certo uma escolha se impõe, como também uma purificação, integração e aprofundamento destes valores. O cristão é chamado a trabalhar pela difusão de ma cultura integral, hoje tanto mais difícil quanto mais necessária, e para realizar um entrosamento entre cultura humana e ensino cristão, de modo a alcançar e difundir a verdadeira sabedoria. “A natureza intelectual da pessoa humana atinge a perfeição. Como é seu dever, mediante a sabedoria, a qual, com suavidade, leva a mente a procurar e amar a verdade e o bem, e, quando o homem já está impregnado deles, o conduz do visível para o invisível” [MISSAL COTIDIANO, ©Paulus, 1997]

 

 

Salmo: 36(37), 5-6.30-31.39-40 (R/.30a)

O justo tem nos lábios o que é sábio (30a)
 
Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; confia nele, e com certeza ele agirá. Fará brilhar tua inocência como a luz, e o teu direito, como o sol do meio-dia. 
 
O justo tem nos lábios o que é sábio, sua língua tem palavras de justiça; traz a aliança do seu Deus no coração, e seus passos não vacilam no caminho. 
 

A salvação dos piedosos vem de Deus; ele os protege nos momentos de aflição. O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, defende-os e protege-os contra os ímpios, e os guarda porque nele confiaram.

 

 

Evangelho do dia: Marcos (Mc 7, 14-23)

O que torna impuro o homem é o que sai do seu interior
 

Naquele tempo, 14Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: "Escutai todos e compreendei: 15o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16Quem tem ouvidos para ouvir, ouça".

 

17Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18Jesus lhes disse: "Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa, pode torná-la impura, 19porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?" Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros.

 

20Ele disse: "O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem". Palavra da Salvação!

 

Essa passagem bíblica também está presente no seguinte sinótico

Mt 15, 10-20 (Ensinamento sobre o puro e o ímpio)

 

 

 

Comentário o Evangelho

De onde vem a impureza?

 

Jesus buscou recuperar a interioridade e a profundidade da prática da fé, contrapondo-se à exterioridade e superficialidade dos escribas e fariseus. Exortava seus discípulos a perceberem que a verdadeira contaminação do ser humano não provém do seu exterior, e sim, do coração. Assim, quem pretende apresentar-se puro diante de Deus, deve, antes, purificar o seu íntimo de onde provém todo o mal.

 

Esta purificação não consiste num gesto exterior, como seria um banho ou uma lavagem de mãos. Ela acontece quando a pessoa, sintonizada com Deus, elimina tudo o que pode perturbar sua relação com o próximo. Quem é puro, pensa bem de seu semelhante; respeita-lhe a vida, o corpo e a propriedade; é misericordioso no trato com ele; não age com dolo ou malícia. Estes são sinais inequívocos de pureza interior.

 

Se isto não acontece, por mais que o indivíduo se lave com água, estará cheio de impurezas e despreparado para realizar um culto agradável a Deus. As coisas materiais são indiferentes; não têm um poder mágico de contaminação.

 

Portanto, os discípulos não devem dar atenção às insinuações dos fariseus. Não vale a pena buscar a pureza pelo caminho indicado por eles. [O EVANGELHO DO DIA. Jaldemir Vitório. ©Paulina, 1998]

 

Para sua reflexão: Em Mc 7,19 o coração representa a consciência livre, isto é, a fonte da vida moral do ser humano. Os doze pecados citados em Mc 7, 21-22 continuam nos dias de hoje também; alguns deles estão incluídos nos Dez Mandamentos! Os discípulos, naquela época, tinham dificuldades de entender essas colocações de Jesus, mas essa falta de entendimento não continua hoje também em nosso meio? Como libertar-se das nossas impurezas, se não abrimos o nosso coração para o entendimento e a prática da Palavra?

 

Santa Escolástica

Santa Escolástica era irmã de São Bento, colaborando com este seu irmão na fundação de um ramo de beneditinas (comunidade religiosa). Sentiu-se sempre ligada ao santo irmão pelo ideal de consagração a Deus e por uma comum vocação de fundadores. Bento, de monges, Escolástica, de irmãs, que passaram a ter o nome de beneditinas, ou por ter São Bento codificado os estatutos da Ordem, ou por ter sido ele o seu grande inspirador. Consagrada a Deus desde sua infância costumava visitar o irmão uma vez por ano no mosteiro. E assim por sua vez São Bento procedia e costumava visitar a irmãzinha. Passavam o dia em santos colóquios e louvores ao Senhor. À noite tomavam juntos a refeição. Certa vez Santa Escolástica, vendo o aproximar-se da noite rogou-lhe: " Não me deixes esta noite, suplico-te! - para que possamos falar a noite toda sobre as alegrias da vida celestial!" E São bento lhe respondeu: "De forma alguma, mina irmã, de forma alguma posso permanecer fora do mosteiro!" Quando a religiosa ouviu a negativa do irmão, juntou as mãos sobre a mesa e apoiou a cabeça para rogar a Deus que não o deixasse ir. Naquele momento trovões prenunciaram uma grande tempestade que nem São Bento e os freis que com eles estavam poderiam sair. São Bento então começou a dizer: "Que Deus perdoe você, minha irmã. Que é que você fez?" E ela respondeu: "Pedi ao a você e você não me ouviu; Então pedi ao Senhor e Ele me ouviu". E assim passaram a noite, conforme Escolástica desejou: em santos colóquios com todos os freis. Três dias após, estando em oração, São Bento viu a alma de sua irmã subindo ao céu em forma de pomba. Teve tanta certeza de sua partida para a eternidade que pediu que fossem buscar seu corpo para enterrá-lo no próprio túmulo. Não foi por pouco a insistência dessa sua irmã: era uma despedida em que Deus realizava sua santa vontade!

 

Precisamos amar para  não adoecer. (Sigmund Freud)

 

 

 

 A verdade sempre brilha no final, quando toda a gente se tiver afastado. (Júlio Ceron)Alberto Moura

 

 

 

 

Dia Mundial do Enfermo

No dia 11 de fevereiro de 1858, ocorreu em Lourdes, na França, a célebre aparição da Virgem Maria em que esta declarou: “Sou a Imaculada Conceição”. Desde então, milhões de fiéis buscam no santuário ali construído a saúde do corpo e da alma.

 

Em alusão a tal data, o Papa João Paulo II instituiu o Dia Mundial do Enfermo, no ano de 1993. Seu principal objetivo é sensibilizar os governos e a sociedade civil para que os enfermos tenham a melhor assistência possível.

 

A Igreja Católica também enfatiza a importância de ajudá-los a valorizarem o sofrimento em seu significado cristão de aproximação com Deus. Outra intenção é defender a formação moral e espiritual dos agentes sanitários.

 

Uma cidade é escolhida a cada ano para a celebração da data na presença do Papa, em um dia de orações e incentivo ao envolvimento de todos. [Fonte: Editora FTD]