Quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Natividade de Nossa Senhora, Ofício Festivo,  2ª do Saltério (Livro III), cor Branca

 

Hoje: Dia Mundial da Alfabetização e dia Nacional de Luta por Medicamentos

 

Santos: Regina de Alésia, Hesíquio (mártir), Clodoaldo, João de Nicomédia, Bem-Aventurado Evécio (Nicomédia), Estêvão Pongracz, Madelberta, Marcos Crisin, Melquior Grodecz, Gentle de Matelica (mártir franciscano, 1ª ordem)

 

Antífona: Celebremos com alegria o nascimento da virgem Maria: por ela nos veio o sol da justiça, Cristo, nosso Deus.

 

Oração: Abri, ó Deus, para os vossos servos e servas os tesouros da vossa graça: e, assim como a maternidade de Maria foi a aurora da salvação, a festa do seu nascimento aumente em nós a vossa paz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

Leitura: Miquéias (Mq 5, 1-4a)

Os homens viverão a paz

 

Assim diz o Senhor: 1'Tu, Belém de Éfrata, pequenina entre os mil povoados de Judá, de ti há de sair aquele que dominará em Israel; sua origem vem de tempos remotos, desde os dias da eternidade. 2Deus deixará seu povo ao abandono, até o tempo em que a mãe der a luz; e o resto de seus irmãos se voltará para os filhos de Israel. 3EIe não recuará, apascentará com a força do Senhor e com a majestade do nome do Senhor seu Deus; os homens viverão em paz, pois ele agora estenderá o poder até os confins da ferra, 4ae ele mesmo será a paz". Palavra do Senhor!

 

Comentando a Leitura

Salvação pela prova

 

A dinastia tem de resgatar seus humildes começos; não Sião, mas Belém, chamada também de Éfrata (1Sm 17, 12; Sl 132, 6). A “origem antiga” pode remontar à genealogia do final de Rute.  Quando Mateus aplica este versículo ao Messias, muda ou lê “não és a menor” (Mt 2,6), sem contradizer o que implica o original. A tradição cristã, prolongando a sugestão de Mateus, leu neste versículo a origem eterna do Messias.

 

A restauração anunciada tem um momento previsto, que o profeta só pode propor num enigma. Suas duas peças se referem ao crescimento do povo por dois fatores: porque as mulheres voltam a dar à luz, porque os desterrados volta a reunir-se com seus irmãos (cf. Is 7,14; 9, 5 e 10, 21s). Aquela que dá à luz é qualquer mulher judia, e também a capital personificada como matrona. Os que voltam podem ser os israelitas do reino do Norte ou os judeus depois de um desterro previsto. “Mãe” e “irmãos” imprimem a esta profecia um tom familiar.

 

Os falsos profetas rejeitam a visão humilde de Miquéias, aplicando o esquema de Is 14, 24-27. Os pastores serão capitães, a vitória será obtida pelas armas e a Assíria será submetida à vassalagem, mesmo que encarne o legendário Nemrod, caçador e guerreiro (Gn 10, 8-12) [COMENTÁRIO BÍBLICO, ©Edições Loyola, 1999]

 

 

Salmo: 70 (71), 6; 12 (13), 6ab.6cd (R/.Is 61, 10)

Exulto de alegria no Senhor

 

Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, desde o seio maternal, o meu amparo: para vós o meu louvor eternamente!

 

Uma vez que confiei no vosso amor, meu coração, por vosso auxílio, rejubile, e que eu vos cante pelo bem que me fizestes!

 

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 1, 1-16.18-23)
Jesus, o filho de Deus, o Emanuel

 

1Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2Abraão gerou lsaac; lsaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. 3Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; 4Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; 5Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. 6Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido mulher de Urias. Salomão gerou Roboão; 7Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; 8Asa gerou Josafá, Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias; 9Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; 10Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. 11Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio da Babilônia. 12Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel; 13Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; 14Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; 15Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matá; Matá gerou Jacó. 16Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo.

 

18A origem de Jesus foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria, em segredo. 20Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: "José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo.

 

21Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar seu povo dos seus pecados". 22Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23"Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco". Palavra da Salvação!

 

 

Leitura paralela: Lc 3, 23-38; 1, 26-38

 

 

Comentando o Evangelho

Natividade de Nossa Senhora

Como quase todas as solenidades principais de Maria, também a Natividade é de origem oriental. Na Igreja latina tê-la-ia introduzido o papa oriental São Sérgio I, pelos fins do século VII. Originariamente, devia ser a festa da dedicação da atual basílica de santa Ana em Jerusalém. De fato, a Tradição indicava esse lugar como a sede da humilde morada de Joaquim e Ana, longínquos descendentes de Davi, pais de Nossa Senhora. Devemos buscar neste culto da Natividade de Maria uma verdade profunda: a vinda do homem-Deus à terra foi longamente preparada pelo Pai no decurso dos séculos. A pessoa divina do Salvador supera infinitamente tudo o que a humanidade podia gerar, porém a história da humanidade foi como um lento e difícil parto das condições necessárias à Encarnação do filho de Deus.

 

Quis por isso a devoção cristã venerar as pessoas e os acontecimentos que prepararam o nascimento de Cristo no plano humano e no plano da graça: sua Mãe, o nascimento dela, sua concepção, seus pais e antepassados. Crer nos preparativos da Encarnação significa crer na realidade da Encarnação e reconhecer a necessidade da colaboração do homem na efetivação da salvação do mundo. A verdadeira devoção a Maria leva sempre a Jesus. [O EVANGELHO NOSSO DE CADA DIA, Ano B, ©Paulinas, 1996]

 

 

 

Para sua reflexão: Jesus, considerado como Messias pela comunidade cristã, enraizava os principais depositários das promessas messiânicas (Abraão e Davi), Mateus evidencia que nele encontra sentido toda a História de Israel. Ele sugere que Jesus ocupa o lugar de Adão, relativamente a uma nova geração, a dos seus discípulos. A ideia de remontar a Adão, cabeça da humanidade, é própria da genealogia de Lc 3, 23-38, mais universalista. Ambas as listas de nomes terminam com José, que era apenas pai legal de Jesus; esse título bastava para conferir os direitos de herança, neste caso linhagem davídica. Mencionando os nomes de quatro mulheres, Tamar, Raab, Rute e a mulher de Urias, que geraram em condições irregulares e das quais três eram estrangeiras. Graças a citação de Is 7,14, o texto de Mateus exprime a fé da Igreja na concepção virginal. Assim, Jesus, filho de uma virgem, era também filho de Davi. Anjo do Senhor, como no Antigo Testamento, designa a intervenção do próprio Deus. Indicado o sonho como meio de comunicação com os seres humanos, Mateus acentua a iniciativa e a transcendência de Deus.  (Cf. Bíblia dos Capuchinhos)

 

O céu não ajuda a quem não quer se mexer. (Sófocles)