Domingo, 30 de outubro de 2011

31º do Tempo Comum, Ano “A”, 3ª Semana do Saltério (Livro III), cor litúrgica Verde

 

Hoje: Dia Nacional da Juventude e Dia do Comerciário

 

Santos: Afonso de Palma, Antônio de Milão, Foilano (séc. VII, Bélgica), Afonso Rodrigues (1531, Palma de Maiorca, Ilhas Baleares), Volgang (994, monge beneditino), Quintino (séc. III, Roma), Bem-Aventurado Cristóvão (1271, franciscano).

 

Antífona: Não me abandoneis jamais, Senhor, meu Deus, não fiqueis longe de mim! Depressa, vende em meu auxílio, ó Senhor, minha salvação! (Sl 37, 22-23)

 

Oração: Ó Deus de poder e misericórdia, que concedeis a vossos filhos e filhas a graça de vos servir como devem, fazei que corramos livremente ao encontro das vossas promessas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: (Ml 1, 14b-2.2b.8-10)
Por que cada um é desonesto com seu irmão

 

14bEu sou o grande rei, diz o Senhor dos exércitos, e o meu nome é terrível entre as nações. 2,1E agora este mandamento para vós, ó sacerdotes. 2Se não quiserdes ouvir e tomar a peito glorificar o meu nome, diz o Senhor dos exércitos, lançarei sobre vós a maldição.

 

8Vós, porém, vos afastastes do reto caminho e fostes para muitos, na observância da lei, pedra de tropeço; quebrastes o pacto de Levi, diz o Senhor dos exércitos; 9e eu também vos fiz desprezíveis e vos rebaixei aos olhos de todos os povos, na medida em que não guardastes meus caminhos e praticastes discriminação de pessoas no serviço da lei.

 

10Acaso não é um só o pai de todos nós? Acaso não fomos criados por um único Deus? Então, por que cada um de nós é desonesto com seu irmão, violando o pacto de nossos pais? Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Um só é vosso guia

 

Os sacerdotes levitas tinham como missão ensinar a vontade de Deus ao povo. Essa vontade, expressa na Escritura, nem sempre é realizada pelo ser humano, porque este é limitado e pecador. Em decorrência disso, os sacerdotes deveriam realizar os ritos de reconciliação entre o pecador e Deus. Os ritos eram, portanto, secundários; vinham em auxílio ao pecador para que este não permanecesse afastado de Deus. O profeta Malaquias faz dura crítica aos sacerdotes, porque não realizam de forma correta estes dois aspectos da missão deles: não ensinam ao povo a vontade de Deus nem realizam corretamente os ritos de reconciliação e comunhão. Portanto, o povo fica duplamente afastado de Deus por culpa dos sacerdotes levitas. Os que tinham a missão de guiar o povo como representantes de Deus não o faziam adequadamente, e por isso Deus os rejeitou para essa função. Para que o povo não se perdesse, Deus mesmo prometeu ser seu guia. [Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj, Vida Pastoral nº 280, Paulus]  

 

 

Salmo: 130 (131), 1.2.3 
Guardai-me, ó Senhor, convosco, em vossa paz!

 

1Senhor, meu coração não é orgulhoso, nem se eleva arrogante o meu olhar; não ando à procura de grandezas, nem tenho pretensões ambiciosas!

 

2Fiz calar e sossegar a minha alma; ela está em grande paz dentro de mim, como a criança bem tranquila, amamentada no regaço acolhedor de sua mãe.

 

3Confia no Senhor, ó Israel, desde agora e por toda a eternidade!

 

 

 

II Leitura: São Paulo aos Tessalonicenses (1Ts 2, 7b-9.13)
Desejávamos dar-vos não somente o

evangelho de Deus, mas até a própria vida.

 

Irmãos: 7bFoi com muita ternura que nos apresentamos a vós, como uma mãe que acalenta os seus filhinhos. 8Tanto bem vos queríamos, que desejávamos dar-vos não somente o evangelho de Deus, mas até a própria vida, a tal ponto chegou a nossa afeição por vós.

 

9Irmãos, certamente ainda vos lembrais dos nossos trabalhos e fadigas. Trabalhamos dia e noite, para não sermos pesados a nenhum de vós. Foi assim que anunciamos o evangelho de Deus. 13Por isso, agradecemos a Deus sem cessar por vós terdes acolhido a pregação da palavra de Deus, não como palavra humana, mas como aquilo que de fato é: Palavra de Deus, que está produzindo efeito em vós que abraçastes a fé. Palavra do Senhor!

 

Comentando a II Leitura

Um só é vosso Pai

O apóstolo Paulo é exemplo concreto de como deve ser o seguidor de Jesus. Ele se apresentou perante os tessalonicenses sem ostentação e sem orgulho. Não se sentia melhor que os outros apenas porque tinha recebido de Deus a missão de ensinar as verdades do cristianismo. Paulo esteve entre os tessalonicenses cheio de doçura e mansidão. Estava convicto de sua autoridade para ensinar, no entanto o fazia como uma mãe a seus filhinhos. A responsabilidade que sentia era tão grande, que estava disposto a dar a própria vida em favor deles. O apóstolo trabalhava dia e noite, por generosidade, para que os tessalonicenses não tivessem gastos com ele. E porque não buscava os próprios interesses, a sua pregação foi eficaz. Paulo deixava toda a honra para Deus Pai, a quem servia por meio de Jesus e do Espírito Santo. [Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj, Vida Pastoral nº 280, Paulus]  

 

 

Evangelho: Mateus (Mt 23, 1-12)
Eles falam, mas não praticam

 

Naquele tempo, 1Jesus falou às multidões e a seus discípulos: 2"Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. 3Por isso, deveis fazer e observar tudo o que eles dizem. Mas não imiteis suas ações! Pois eles falam e não praticam. 4Amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros, mas eles mesmos não estão dispostos a movê-los nem sequer com um dedo.

 

5Fazem todas as suas ações só para serem vistos pelos outros. Eles usam faixas largas, com trechos da Escritura, na testa e nos braços, e põem na roupa longas franjas. 6Gostam de lugar de honra nos banquetes e dos primeiros lugares nas sinagogas. 7Gostam de ser cumprimentados nas praças públicas e de ser chamados de Mestre.

 

8Quanto a vós, nunca vos deixeis chamar de Mestre, pois um só é vosso Mestre, e todos vós sois irmãos. 9Na terra, não chameis a ninguém de pai, pois um só é o vosso Pai, aquele que está nos céus.

 

10Não deixeis que vos chamem de guias, pois um só é o vosso Guia, Cristo. 11Pelo contrário, o maior dentre vós deve ser aquele que vos serve. 12Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado". Palavra da Salvação!

 

Comentando o Evangelho

Um só é vosso mestre

O evangelho de hoje vem nos exortar acerca da responsabilidade que assumem os que se dedicam ao ensino e à liderança da comunidade.

 

Jesus afirma a autoridade dos que assumiram a tarefa do ensino. Exorta a todos os seus ouvintes a fazer e observar o que lhes é ensinado. Mas chama a atenção para a conduta desses líderes, pois o comportamento deles está em contraste com o que ensinam. E isso é sinal de infidelidade à missão assumida.

 

O primeiro contraste apontado por Jesus é o acúmulo de observâncias exigidas do povo que não fazem parte do cerne da fé. E tais práticas não são de todo desconhecidas para nós. Vemos muitas vezes fiéis que se impõem “pesados fardos” como necessários para chegar a Deus. Esse tipo de conduta retrata uma visão deturpada de Deus. Ele não quer de nós observâncias externas, mas apenas o nosso coração. E é dever nosso, sejamos líderes ou não, ajudar essas pessoas a encontrar o núcleo na fé cristã: seguir Jesus.

 

Outro contraste diz respeito à hipocrisia e ostentação das pessoas que, por estarem à frente da comunidade, querem ser tratadas com honra e gostam de ser reconhecidas como “mestres”. Mas Jesus afirma: “um só é vosso mestre”. Dessa forma, destrói toda pretensão de usurparmos o lugar que não é nosso. Podemos nos sentar na “cátedra” para ensinar, mas ela não nos pertence.

 

Jesus nos ensina como deve ser o comportamento do verdadeiro discípulo: deixar que Cristo seja o único mestre. E a prova da grandeza do discípulo não está no uso de títulos, mas no serviço humilde ao irmão, pois o mais importante é a fraternidade. Foi isso o que Jesus, o mestre, nos ensinou com sua vida. Se nos dedicarmos ao serviço fraterno, com certeza mereceremos nos sentar para ensinar, pois o mais eloquente discurso que proferimos é nossa própria vida configurada a Cristo. [Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj, Vida Pastoral nº 280, Paulus]  

 

 

A palavra se faz oração (Missal Dominical)

Reconhecendo com simplicidade e humildade nossas limitações e nossos pecados, peçamos ao Senhor supri-los com sua graça. Senhor, ouvi-nos.

Pelos pastores da Igreja, para que desempenhem sua função de mestres e guias com plena disponibilidade, como exercício de caridade efetiva, rezemos;

Pelos religiosos e cristãos engajados, para que não considerem sua vocação um privilégio, mas um serviço para o bem de todos, rezemos.

Por todos os que ouvimos a palavra do evangelho, para que o Senhor nos livre da hipocrisia e de toda falsa confiança em nossos méritos, rezemos.

(outras intenções)

Ó Deus, protetor dos que esperam em vós, sem vós não há força nem santidade; multiplicai sobre nós vossas misericórdias, para que possamos servir-vos com coração sincero. Por Cristo nosso Senhor.

 

Oração sobre as Oferendas:

Ó Deus, que este sacrifício se torne uma oferenda perfeita aos vossos olhos e fonte de misericórdia para nós. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto de vós, felicidade sem limites. (Sl 15,11)

 

Oração Depois da Comunhão:

Ó Deus, frutifique em nós a vossa graça, a fim de que, preparados por vossos sacramentos, possamos receber o que prometem. Por Cristo, nosso Senhor.

 

 

Fugir da inautenticidade

Pe. Lucas de Paula Almeida, cm

No capítulo XXIII de São Mateus está contido aquele que é considerado o mais veemente de todos os discursos de Jesus. É quando o Divino Mestre, movido de sagrada indignação, recrimina aos fariseus e aos escribas sua hipocrisia. Eles faziam pesar sobre os humildes todo o peso da Lei, carregada ainda de uma odiosa casuística e de uma revoltante problemática a respeito de juramentos, de pagamento de dízimos, de rigorosas abluções rituais na hora das refeições. Eles que deviam abrir a porta da salvação para o povo, fechavam-na. Nem entravam eles - disse Jesus -nem deixavam entrar os que queriam entrar. E, concretamente, não aceitando a Jesus como Messias, impediam que as outras pessoas também o aceitassem. Fechavam a grande porta da salvação. E por outro lado, faziam uma vaidosa ostentação de sua observância e de sua sabedoria doutrinal. Gostavam de ocupar os primeiros lugares nas sinagogas e faziam questão de que todos os saudassem nas praças públicas e que os chamassem de "rabi", que quer dizer "meu mestre". Porém o mais grave é que sua observância da Lei era puramente exterior. Limpavam por fora as taças e os pratos, mas seu coração estava cheio de cobiça e de maldade. Jesus não lhes poupa a acusação de "sepulcros caiados": por fora, brancura e beleza; por dentro, ossos e podridão (cf Mt 23, 13-33).

 

 

Dia Nacional da Juventude – DNJ

 

O Dia Nacional da Juventude (DNJ), surgiu em 1985, no ano internacional da juventude promovido pela ONU. Foi uma forma de mobilizar os jovens para refletir sobre seu futuro e seu papel na sociedade. A partir daí todos os anos foram elaborados temas para a reflexão dos jovens marcando assim um dia especial para a juventude mundial. No Brasil, a Pastoral da Juventude (PJ) há vinte e cinco anos vem convocando os jovens para celebrar a vida, lutar por seus direitos, defender a vida, celebrar a fé, semear sinais do Reino.

 

É uma história de muita oração, luta e claro muita festa. Momentos marcantes na vida da sociedade juvenil diante de temas como a cultura, a política, direitos humanos, trabalho, ecologia, juventude e os meios de comunicação. Contra o extermínio da juventude, na luta pela vida – Juventude em Marcha contra a violência.

 

Neste ano o tema proposto é: “Juventude e o Protagonismo Feminino”. E o lema: “jovens mulheres tecendo relações de vida”. O DNJ se tornou um momento importante para nossa sociedade e o futuro de nossos jovens. Em nossa Diocese não é diferente, neste sábado, dia vinte e nove de outubro, na Paróquia Bom Pastor, estaremos reunidos com a Juventude Diocesana, vivendo este momento celebrativo.

 

Nós teremos como tema: o Jovem Construindo o Futuro e o lema: Se Você não faz, eu faço a diferença!” será a partir das 17h no salão de festas da paróquia. Os próprios jovens estão empenhados na produção deste evento, são eles os protagonistas desta história de sonhos e busca de realização. A participação é fundamental uma vez que é preparado especialmente para eles.

 

Este dia deve ser marcado pela alegria juvenil, pelo entusiasmo pela vida, dinamismo e força, pelo rosto jovem da Igreja de Rondonópolis. Todos estão convidados. (Frei Padre Fábio Junior de Deus, A TRIBUNA, Mato Grosso)