Domingo, 29 de agosto de 2010

22º Do Tempo Comum (Ano “C”), 2ª Semana do Saltério (Livro III), cor Litúrgica Verde

 

 

Hoje: Dia Nacional do Combate ao Fumo

 

Santos: Adelfo de Metz (bispo), Alberico de Ocri (monge, bem-aventurado), André (mártir), Basília de Esmirna (virgem), Cândida de Roma (virgem, mártir), Eutímio de Perúgia (mártir), Filipa Guidoni (abadessa, bem-aventurada), Ghebra Mikael (presbítero, mártir, bem-aventurado), Hipácio (mártir, Constantinopla), Joana Jugan (fundadora das Irmãzinhas dos Pobres, bem-aventurada), João Batista (paixão), Mederico de Autun (abade, 700aC), Nicéias (mártir), Paulo (mártir), Repósito (mártir), Ricardo Herst (mártir, bem-aventurado), Sabina de Roma (mártir, séc. V), Sabina de Troyes (virgem), Sator (mártir), Sebe (monge, rei, Inglaterra, séc. VII), Veleico de Kaiserswerth (abade) e Vital (mártir).

 

Antífona: Tende compaixão de mim, Senhor, clamo por vós o dia inteiro; Senhor, sois bom e clemente, cheio de misericórdia para aqueles que vos invocam. (Sl 85, 3.5)

 

Oração: Deus do universo, fonte de todo bem, derramai em nossos corações o vosso amor e estreitai os laços que nos unem convoco para alimentar em nós o que é bom e guardar com solicitude o que nos destes. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

 

I Leitura: Eclesiástico (Eclo 3, 19-21.30-31)
Sê humilde, e encontrarás graça diante do Senhor

 

19Filho, realiza teus trabalhos com mansidão e serás amado mais do que um homem generoso. 20Na medida em que fores grande, deverás praticar a humildade, e assim encontrarás graça diante do Senhor. Muitos são altaneiros e ilustres, mas é aos humildes que ele revela seus mistérios. 21Pois grande é o poder do Senhor, mas ele é glorificado pelos humildes. 30Para o mal do orgulhoso não existe remédio, pois uma planta de pecado está enraizada nele, e ele não compreende. 31O homem inteligente reflete sobre as palavras dos sábios, e com ouvido atento deseja a sabedoria. Palavra do Senhor

 

 

Salmo: 68/67, 4-5ac. 6-7ab. 10-11 (R/. cf. 11b)
Com carinho preparastes uma mesa para o pobre

 

4Os justos se alegram na presença do Senhor, rejubilam satisfeitos e exultam de alegria! 5aCantai a Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! 5co seu nome é Senhor: exultai diante dele!

 

6Dos órfãos ele é pai, e das viúvas protetor: é assim o nosso Deus em sua santa habitação. 7aÉ o Senhor quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, 7bquem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura.

 

10Derramastes lá do alto uma chuva generosa, e vossa terra, vossa herança, já cansada, renovastes; 11e ali vosso rebanho encontrou sua morada; com carinho preparastes essa terra para o pobre.

 

 

II Leitura: Hebreus  (Hb 12, 18-19.22-24)
Vós vos aproximastes da cidade do deus vivo

 

Irmãos, 18vós não vos aproximastes de uma realidade palpável: "fogo ardente e escuridão, trevas e tempestade, 19som da trombeta e voz poderosa", que os ouvintes suplicaram não continuasse. 22Mas vós vos aproximastes do monte Sião e da cidade do Deus vivo, a Jerusalém celeste; da reunião festiva de milhões de anjos; 23da assembleia dos primogênitos, cujos nomes estão escritos nos céus; de Deus, o juiz de todos; dos espíritos dos justos, que chegaram à perfeição; 24de Jesus, mediador da nova aliança. Palavra do Senhor!

 

 

Evangelho, Lucas (Lc 14, 1.7-14)
Quem se eleva, será humilhado

 

1Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam.

 

7Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola: 8"Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, 9e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: 'Dá o lugar a ele'. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. 10Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: 'Amigo, vem mais para cima'. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. 11Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado".

 

12E disse também a quem o tinha convidado: "Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. 13Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. 14Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos." Palavra da Salvação!

 

 

 

A escolha do último lugar

 

A morte de Cristo nos apresenta o Deus "novo", o Deus cuja sabedoria é imprevisível e impensável, tão distante da sabedoria humana que ninguém poderia encontrá-la.

 

O início da verdadeira sabedoria, diz-nos aquele que perscruta os pensamentos de Deus, é o reconhecimento de que a fonte da verdade não está naquilo que o homem experimenta ou deseja espontaneamente. Deus oferece a glória não aos poderosos mas, aos fracos; cerca de dúvida e de mistério os que presumem além de suas possibilidades.

 

Só Deus conhece o que há de secreto em todos os corações e pode revelar-lhes o mistério de verdade que trazem em si mesmos. Quando o homem começa a reconhecer os limites da própria busca, a incerteza ou a insegurança das próprias conclusões, a falência das suas fadigas, está disposto a receber a sabedoria que Deus quer revelar-lhe (1ª leitura).

 

Jesus é a sabedoria de Deus. Seu ensinamento é novo e revoluciona tudo. Um chefe dos fariseus convida Jesus  e  ele aceita  participar de  um  daqueles  banquetes em que os sábios do tempo se reuniam para conversações brilhantes sobre uma virtude ou uma grande personagem do assado. Mas Jesus não participa nisso, e denuncia a "regra" do arrivismo e do interesse, falando de virtudes desconhecidas: a humildade, que escolhe o último lugar; o amor gratuito, que escolhe os desprezados (evangelho).

 

A nova dinâmica iniciada por Cristo

 

Mas Jesus seria um entre os muitos mestres de virtude, se não tivesse vivido até o fim sua palavra, e se sua pessoa, sua palavra, sua vida não fossem a revelação definitiva de Deus. A cruz é sua sabedoria, seu livro, sua palavra reveladora. A morte de Jesus não é o fim de uma tentativa de instaurar um novo reino: L'oseu ato de nascimento; aquele que, impotente, está suspenso no lenho é seu chefe, seu fundador.

 

Pela cruz se inicia um povo novo, cuja unidade está baseada no amor, fruto de uma conversão. Converter-se à sabedoria de Deus é crer na cruz, crer que a verdade do amor tem na morte o seu teste. Quem entra no reino começa uma nova sabedoria. A segurança não está na prudência humana nem na posse das forças do domínio. A prudência humana não põe humanidade a caminho de novas realizações, para o risco de um amor mais universal; a sede de domínio, a competição fazem vítimas, não dão a vida.

 

No último lugar, para servir

 

Cristo nos revela que a vitória coincide com a aparente derrota; e a sua força está naquilo que os outros consideram uma fraqueza. Revela-nos que a verdadeira riqueza está na pobreza, a verdadeira liberdade no faze se escravo, a vida se realiza quando a perdemos.

 

Cristo quis revelar que amamos quando, como ele, damos a própria vida pela vida do outro; que estamos na verdade quando julgamos a nós mesmos e a história não na medida do êxito, mas da liberdade adquirida do futuro que o homem realizou e conquistou, do novo que construiu, do amor que se difundiu (evangelho).

 

Esta nova sabedoria, que vem de Deus e da cruz como que congrega em uma só mesa, em uma só nação, com uma só capital; eles não pretendem mais dominar nem servir-se da sabedoria humana para realizar uma comunhão de valores; encontram eles no amor, que se põe a serviço do homem, a esperança, que impulsiona o mundo para novos e mais vastos horizontes (2ª leitura).

 

 

Contra uma sociedade em competição

 

A sociedade se organiza e vive em torno da competição, da luta a todo custo pelos primeiros lugares, do lucro, considerado como o valor último e absoluto: concorrência industrial até a eliminação da forma adversária; arrivismo social feito de cartas de recomendação, corrida em carro novo ou em traje da última moda para poder subir. O jovem de hoje se prepara para inserir-se neste tipo de sociedade através de uma educação familiar,­e universitária muito frequentemente baseada numa educação para competição social, o arrivismo. E grave o perigo de uma escola que a torna lugar de seleção social, massificando os demais, relegando-os categoria de "inferiores" e fazendo subir os "mais bem dotados". "Uma educação cristã que não se esforça por fazer o homem mais humano, mais capaz de verdadeira relação com o outro, e sim mais autossuficiente, ma: aristocrático, mais separado, termina por torná-lo potencialmente ma:egoísta e explorador". Para todos, em qualquer plano da hierarquia social que se encontrem escolher o último lugar significa usar o próprio lugar para o serviço dos últimos e não para o domínio sobre eles. [MISSAL DOMINICAL, Missal da Assembleia Cristã, ©Paulus, 1995]

 

Dia nacional de combate ao fumo

O dia 29 de agosto foi escolhido como o dia nacional de combate ao fumo, quando são desenvolvidas campanhas alertando as pessoas dos males que o cigarro causa. Desde 1840 o cigarro passou a ser industrializado, proporcionando um grande aumento de pessoas que fumam por todo o mundo. Antes, os cigarros eram feitos manualmente, como os cigarros de palha. Fumar faz mal porque o fumo quando queimado produz mais de quatro mil substâncias químicas, sendo que sessenta delas são cancerígenas.

 

A dependência é causada pela nicotina, um dos elementos presentes no tabaco ou fumo. Após a ingestão da fumaça, o cérebro é estimulado ao prazer, porque a nicotina cai na corrente sanguínea. Com isso, o fumante tem sensação de bem-estar, atenua a ansiedade, diminui a fome, perde peso, sente-se relaxado, etc. O fumo é uma planta variável em mais de sessenta espécies, que podem ser preparadas para mascar, cheirar ou fumar. Porém, apenas algumas delas são cultivadas para o processo de industrialização. O fumante, com o passar do tempo, adquire uma doença denominada tabagismo, que se caracteriza pelo excesso de nicotina no organismo.

 

O tabagismo não é facilmente curado, pois os efeitos do cigarro são processados pelo cérebro e causam prazer. Com isso, o tratamento volta-se para psicoterapias, acupuntura, uso de adesivos e chicletes de nicotina (que juntam pequenas quantidades da mesma no organismo até que a pessoa chegue à baixa taxa), inaladores ou sprays nasais.

 

O tratamento do câncer de pulmão é de muito sofrimento e dor, tanto para o paciente quanto para sua família, pois é um tipo de câncer que pode levar facilmente ao óbito, em razão da sua capacidade de se disseminar para outras áreas do corpo.

 

Para se evitar a aquisição de um câncer ou outras doenças causadas pela fumaça do cigarro, o melhor a fazer é não fumar e ajudar a combater o consumo do fumo, do tabaco, devido aos sérios problemas que causam ao organismo. Ajude, oriente, participe, essa campanha precisa de você! [Jussara de Barros, Graduada em Pedagogia, Equipe Brasil Escola]