Domingo, 27 de fevereiro de 2011

Oitavo do Tempo Comum, Ano “A”, 4ª Semana do Saltério, Livro III, cor, Litúrgica Verde

 

Santos: Antígono e Fortunato (mártires de Roma), Ana Lina (viúva, mártir), Basílio e Procópio (monges de Constantinopla), Gabriel da Virgem Dolorosa (religioso passionista), Honorina da Normandia (virgem, mártir), Juliano, Euno e Besa (mártires de Alexandria), Francisca Ana das Dores de Maria (virgem, bem-aventurada), Manuel de Cremona (bispo, bem-aventurado).

 

Antífona: O Senhor se tornou o meu apoio, libertou-me da angústia e me salvou porque me ama. (Sl 17,19-20)

 

Oração: Fazei, ó Deus, que os acontecimentos deste mundo decorram na paz que desejais e vossa igreja vos possa servir alegre e tranquila. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

I Leitura: Isaías (Is 49,14-15)

Eu não me esquecerei de ti

 

14Disse Sião: 'O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-se de mim!' 15Acaso pode a mulher esquecer-se do filho pequeno, a ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, eu, porém, não me esquecerei de ti. Palavra do Senhor!

 

Comentando a I Leitura

Eu jamais te esquecerei

 

As Sagradas Escrituras afirmam que “o Altíssimo cuida” (Sb 5,15). O ser humano deve viver na confiança de que Deus vela por ele. Deus guarda seus filhos em tudo e sempre. Como Pai-Mãe amoroso, ele sabe de tudo aquilo de seus filhos necessitam e não os esquece um só momento.

 

É verdade que existem sofrimentos e provações pelos quais passa toda a humanidade. Não há nenhuma pessoa que passe uma vida inteira sem experimentar algum tipo de sofrimento. Nesses momentos, é difícil perceber o amor e o cuidado de Deus. Mas também são esses momentos que mais exigem a fidelidade a Deus e a confiança nele.

 

É necessário olhar para além da dificuldade a fim de ver o amor de Deus, apesar de tudo parecer afirmar o contrário. Às vezes, não é possível encontrar nenhuma explicação para o sofrimento. Mesmo assim, nunca deveríamos desconfiar do amor de Deus. O amor verdadeiro não tem explicação, simplesmente acontece. Temos de dar lugar ao mistério e abandonar a arrogância de pensar que tudo tem uma explicação ou que necessitamos de explicação como condição para o amor. [Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj, Vida Pastoral n.276, Paulus]

 

 

Sl 61(62),2-3.6-7.8-9ab (R/.6a)[1]

Só em Deus a minha alma tem repouso, só ele é meu rochedo e salvação

 

2Só em Deus a minha alma tem repouso, porque dele é que me vem a salvação! 3Só ele é meu rochedo e salvação, a fortaleza, onde encontro segurança!

 

6Só em Deus a minha alma tem repouso, porque dele é que me vem a salvação! 7Só ele é meu rochedo e salvação, a fortaleza, onde encontro segurança!

 

8A minha glória e salvação estão em Deus; o meu refúgio e rocha firme é o Senhor! 9aPovo todo, esperai sempre no Senhor, e abri diante dele o coração.

 

 

 Salmo individual de confiança em Deus.

 

II Leitura: 1 Coríntios (1Cor 4, 1-5)

     Cada um receberá o louvor que tiver merecido

 

Irmãos: 1Que todo o mundo nos considere como servidores de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. 2A este respeito, o que se exige dos  administradores é que sejam fiéis. 3Quanto a mim, pouco me importa ser julgado por vós ou por algum tribunal humano. Nem eu me julgo a mim mesmo. 4É verdade que a minha consciência não me acusa de nada. Mas não é por isso que eu posso ser considerado justo. 5Quem me julga é o Senhor. Portanto, não queirais julgar antes do tempo. Aguardai que o Senhor venha. Ele iluminará o que estiver escondido nas trevas e manifestará os projetos dos corações. Então, cada um receberá de Deus o louvor que tiver merecido. Palavra do Senhor!

Comentando a II Leitura

Somos servidores de Cristo

 

Muitas vezes, nas nossas comunidades, nos chateamos porque não temos reconhecimento por nossas atividades. Nesse texto da primeira carta aos Coríntios, Paulo exorta os cristãos, falando a respeito de suas preocupações. A vida cristã não terá como centro as ambições, o hiperativismo, a busca de reconhecimento ou qualquer outra coisa que desvie a atenção do realmente importante: o amor de Deus.

 

É na lógica do amor e da gratuidade que Paulo afirma serem os cristãos “ministros de Cristo e administradores de Deus”. O amor que recebemos do Pai é pura gratuidade. Quando se é fiel ao que se recebe de Deus, as vãs preocupações se dissipam, deixando lugar para a ação dele na vida da comunidade. Quando se serve por amor, não há preocupação com o julgamento humano. Espera-se o julgamento de Deus, que conhece os corações e, no devido tempo, manifestará a consistência das intenções humanas. Para quem ama, o louvor devido a Deus é simplesmente vislumbrar a realização da sua obra e alegrar-se com isso. [Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj, Vida Pastoral n.276, Paulus]

Evangelho: Mateus (Mt 6, 24-34)

      Confiança na Providência

 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 24”Ninguém pode servir a dois senhores: pois, ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro. 25Por isso eu vos digo: não vos preocupeis com a vossa vida, com o que havereis de comer ou beber; nem com o vosso corpo, com o que havereis de vestir. Afinal, a vida não vale mais do que o alimento, e o corpo, mais do que a roupa? 26Olhai os pássaros dos céus: eles não semeiam, não colhem, nem ajuntam em armazéns. No entanto, vosso Pai que está nos céus os alimenta. Vós não valeis mais do que os pássaros? 27Quem de vós pode prolongar a duração da própria vida, só pelo fato de se preocupar com isso? 28E por que ficais preocupados com a roupa? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. 29Porém, eu vos digo: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. 30Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no forno, não fará ele muito mais por vós, gente de pouca fé? 31Portanto, não vos preocupeis, dizendo: O que vamos comer? O que vamos beber? Como vamos nos vestir? 32Os pagãos é que procuram essas coisas. Vosso Pai, que está nos céus, sabe que precisais de tudo isso. 33Pelo contrário, buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo. 34Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia, bastam seus próprios problemas.” Palavra da Salvação!

 

Leituras paralelas: Lc 12,22-31

 

Comentando o Evangelho

Buscai primeiro o reino de Deus

 

“Não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Mt 6,24). No idioma original, em vez de “dinheiro” está escrito “Mamon”, o deus das riquezas. O termo “Mamon” significa “tesouro”, “aquilo em que se põe a confiança”, “aquilo em que alguém se apoia”, “coisa que serve de alicerce”. Dessa forma, o dinheiro ou Mamon é um senhor tirânico que exige total atenção, que ocupa a mente de seu servidor, que lhe causa a preocupação de perdê-lo.

 

Para melhor compreender o que Jesus está querendo nos dizer na liturgia de hoje, tomemos um exemplo: imaginemos que alguém está se afogando e encontra uma tábua em que se pode apoiar. Essa tábua será de extrema importância para o náufrago, que acredita perecer sem esse apoio. Agora imaginemos que alguém ordene ao náufrago que solte a tábua. Certamente o náufrago recusará e lutará para não soltar seu apoio. É isso que significa Mamon, um apoio ao qual se dá total confiança e sem o qual se acredita não ser possível viver.

 

Muitas pessoas têm uma relação assim com os bens materiais. Não confiam em Deus porque confiam apenas neles. Por isso, não se pode servir a Deus e ao dinheiro (Mamon). E, quanto mais riqueza, mais fácil se torna cair na tentação de servir a Mamon. Contudo, o que Jesus ressalta é que todos os seus discípulos necessitam estar em vigilância para não idolatrar o dinheiro, seja ele muito ou pouco. O serviço ao dinheiro (Mamon) não se define pela quantidade dos bens, mas pela relação que se tem com eles. Jesus denuncia esse perigo e exortou seus discípulos a se dedicar primeiramente à construção do Reino, sendo tudo o mais secundário. [Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj, Vida Pastoral n.276, Paulus]

 

A Palavra se faz oração (Missal Dominical)

Peçamos a Deus que aumente nossa fé enquanto lhe dirigimos nossa oração. Senhor, atendei-nos.  

 

-Pela santa Igreja de Deus, para que viva com esperança e coragem este tempo pós-conciliar, confiante na presença de Cisto e na incessante ação do Espírito Santo, rezemos.

-Pelos homens de hoje, tão orgulhosos por suas novas possibilidades, a fim de que as conquistas da ciência e da técnica não diminuam sua fé no Deus criador das maravilhas do universo, rezemos.

-Por todos os cristãos, para que seu amor e sua ativa solidariedade prolonguem a obra da Providência, proporcionando pão a quem tem fome, rezemos.

(Outras intenções)

 

Oração sobre as Oferendas:

Ó Deus, que nos dais o que oferecemos e aceitais nossa oferta como um gesto de amor, fazei que os vossos dons, nossa única riqueza, frutifiquem para nós em prêmio eterno. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Antífona da comunhão:

Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos, diz o Senhor. (Mt 28,20)

 

Oração Depois da Comunhão:

Tendo recebido o pão que nos salva, nós vos pedimos, ó Deus, que este sacramento, alimentando-nos na terra, no faça participar da vida eterna. Por Cristo, nosso Senhor!  

 

 

Deus e as riquezas

Padre Bantu Mendonça K. Sayla (Canção Nova)

 

Neste belíssimo texto do evangelho Jesus põe em relevo o valor das realidades correntes da vida. Ao mesmo tempo ensina-nos a pôr a nossa confiança na Divina Providência. Com exemplos e comparações simples, tomados da vida quotidiana, convida-nos ao abandono sereno nas mãos de Deus: não se preocupem com a comida e com a bebida que precisam para viver nem com a roupa que precisam para se vestir. Afinal, será que a vida não é mais importante do que a comida? E será que o corpo não é mais importante do que as roupas? Vejam os passarinhos que voam pelo céu: eles não semeiam, não colhem, nem guardam comida em depósitos. No entanto, o Pai de vocês, que está no céu, dá de comer a eles. Será que vocês não valem muito mais do que os passarinhos?

 

Basta como disse depositar tudo em Suas mãos porque se Ele veste e faz crescer assim as flores do campo: elas não trabalham, nem fazem roupas para si mesmas. Mas eu afirmo a vocês que nem mesmo Salomão, sendo tão rico, usava roupas tão bonitas como essas flores. É Deus quem veste a erva do campo, que hoje dá flor e amanhã desaparece, queimada no forno. Então é claro que ele vestirá também vocês.

 

O que exige de nós é fé nele e na realização plena das suas palavras. O nosso Deus é file. Nele está o fim último do homem é Deus. Por este fim o homem deve entregar todo o seu ser de uma maneira indivisível. O homem não pode dividir-se entre dois fins absolutos e contrários.

 

Onde se diz “vida”, pode dizer-se também “estatura”, mas seria versão mais afastada do texto (cfr Lc 12,25). A palavra “côvado” significa uma medida de espaço aplicável também ao tempo metaforicamente.

 

Uma vez mais a justiça do Reino de Deus aparece como a vida de graça no homem; o que leva consigo todo um conjunto de atitudes espirituais e morais, e pode resumir-se no conceito de “santidade”. A busca da santidade é a primeira coisa que se deve intentar nesta vida. De novo Jesus insiste na primazia das exigências espirituais. Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e o resto vos será dado por acréscimo. Este resto são todos os outros bens temporais, inclusive necessários e legítimos, que normalmente empenham os desejos humanos. A pobreza de Cristo torna possível este desprendimento afetivo das coisas terrenas para pôr à frente das aspirações humanas a relação com Deus.

 

O Senhor exorta-nos a viver com serenidade cada dia, eliminando preocupações inúteis pelo que aconteceu ontem ou pelo que possa acontecer amanhã. É a sabedoria que se apoia na providência paternal de Deus e na própria experiência quotidiana.

 

O importante para ti e para mim está em Deus. Viver só é possível com e diante de Deus. Só assim viveremos com intensidade o momento presente.

 

Um conselho: Porta-te bem hoje e agora, sem te lembrares de ontem. Porque o que passou, passou! Porta-te bem hoje e agora, sem te preocupares com o amanhã! Porque não sabes se chegará para ti. Portanto, viva cada segundo como se fosse o único da tua vida.

 

Evangelização da juventude é prioridade

Dom Canísio Klaus, Bispo Diocesano de Santa Cruz do Sul

 

Na próxima semana, as lideranças da Diocese de Santa Cruz do Sul vão se reunir no Lançamento do Ano Pastoral, para aprofundar o tema da Evangelização da Juventude, uma vez que a juventude será prioridade na pastoral diocesana em 2011. Fazemos isso em base ao Plano Global de Formação, já que estamos convencidos de que somente uma boa formação prepara os jovens para enfrentarem a complexidade do mundo moderno, inserindo-os na dinâmica da construção da civilização do amor.

 

O Documento sobre a Evangelização da Juventude, elaborado com maciça participação dos jovens e aprovado pelos bispos na 45ª Assembleia Geral da CNBB em 2007, indica várias pistas de ação, entre as quais destacamos:

 

a) Promover e valorizar projetos e processos de educação aos valores, principalmente a educação para o amor.

 

b) Privilegiar processos de educação e amadurecimento na fé, com atenção à espiritualidade, formando, de maneira gradual, os jovens para a missão, a ação política e a transformação do mundo.

 

c) Propiciar capacitação profissional, apoio humano e comunitário, ajudando os jovens a não caírem no mundo das drogas, na violência e na criminalidade.

 

Espero que a programação do Lançamento do Ano Pastoral, somada aos projetos do Plano Global de Formação a serem implementados em 2011, ajudem a Igreja da Diocese de Santa Cruz do Sul a qualificar a evangelização da juventude. Convido especialmente os jovens em suas pastorais, movimentos e organismos a se empenharem no propósito de buscar uma formação permanente e atualizada, garantia de uma eficiente evangelização.

 

A jornada Mundial da Juventude em Madrid (Espanha), no mês de agosto, será mais um grande momento de valorização e animação do espírito evangelizador dos jovens. Queremos, com toda Igreja, participar e celebrar desta Jornada, acolhendo e assumindo as luzes, orientações e perspectivas que aparecerem.

 

Queridos jovens e querido povo de Deus: ao nos debruçarmos sobre a Evangelização da Juventude, façamos de 2011 um ano de graça e bênção para nossa Igreja Diocesana. Reconhecendo, valorizando e formando os jovens, estaremos renovando em cada um de nós o espírito e a alma jovem que nunca morrem.

 

Jovens evangelizados! Comunidades renovadas! [CNBB]

 

 



[1] Numeração dos Salmos: a numeração dentro do primeiro parêntese refere-se á anotação hebraica; a de fora segue a Nova Vulgata, adotada pela Igreja Católica e também usada pela Bíblia AVE-MARIA; as demais seguem a numeração inversa (Nova Vulgata dentro do parêntese). A numeração dos versículos (estrofes) é obtida no DIRETÓRIO LITÚRGICO DA CNBB, 2011; a numeração do segundo parêntese está relacionada ao versículo de resposta.