Domingo, 7 de fevereiro de 2010

V Domingo do Tempo Comum - Ano “C”  (Ímpar) - 1ª Semana do Saltério (Livro III) - Cor Verde

 

Hoje: Dia Nacional do Gráfico

 

Santos do Dia: Adauto da Frígia (mártir), Amolvino de Lobbes (abade, bispo), Anatólio de Cahors (bispo), Augúrio (bispo, mártir), Crisólio, o Armeno (bispo, mártir), Fidélis de Mérida (bispo), Juliana de Bolonha (viúva), Lourenço de Siponto (bispo), Meldon de Péronne (bispo), Moisés (bispo do Egito), Ricardo (rei), Ronan de Kilmaronen (bispo), Teodoro de Heracléia (militar romano), Anselmo Polanco (bispo, mártir, bem-aventurado), Antônio de Stroncone (franciscano, bem-aventurado), Filipe Ripoll (presbítero, mártir, bem-aventurado), Nivaldo de Vaucelles (monge, bem-aventurado), Tomás Sherwood (mártir, bem-aventurado).

 

Antífona: Entrai, inclinai-vos e prostrai-vos: adoremos o Senhor que nos criou, pois ele é nosso Deus. (Sl 94, 6-7)

 

Oração: Velai, ó Deus, sobre a vossa família com incansável amor; e, como só confiamos na vossa graça, guardai-nos sob a vossa proteção. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

 

I Leitura: Isaías (Is 6, 1-2a.3-8)

Aqui estou, envia-me

 

1No ano da morte do Ozias, vi o Senhor sentado num trono de grande altura; o seu manto estendia-se pelo templo. 2aHavia serafins de pé a seu lado; cada um tinha seis asas. 3Eles exclamavam uns para os outros: "Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; toda a terra está repleta de sua glória". 4Ao clamor dessas vozes, começaram a tremer as portas em seus gonzos e o templo encheu-se de fumaça.

 

5Disse eu então: "Ai de mim, estou perdido! Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu vi com meus olhos o rei, o Senhor dos exércitos 6Nisto, um dos serafins voou para mim, tendo na mão uma brasa, que retirara do altar com uma tenaz, 7e tocou minha boca, dizendo: "Assim que isto tocou teus lábios, desapareceu tua culpa, e teu pecado está perdoado". 8Ouvi a voz do Senhor que dizia: "Quem enviarei? Quem irá por nós?" Eu respondi: "Aqui estou! Envia-me". Palavra do Senhor!

 

 

Salmo: 137(138), 1-2a.2bc-3.4-5.7c-8 (R/.1c)

Vou cantar-vos, ante os anjos, ó Senhor,

e ante o vosso Templo vou prostrar-me

 

Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, porque ouvistes as palavras dos meus lábios! Perante os vossos anjos vou cantar-vos e ante o vosso templo vou prostrar-me.

 

Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, porque fizestes muito mais que prometestes; naquele dia em que gritei, vós me escutastes e aumentastes o vigor da minha alma.

 

Os reis de toda a terra hão de louvar-vos, quando ouvirem, ó Senhor, vossa promessa. Hão de cantar vossos caminhos e dirão: "Como a glória do Senhor é grandiosa!"

 

Estendereis o vosso braço em meu auxílio e havereis de me salvar com vossa destra. Completai em mim a obra começada; ó Senhor, vossa bondade é para sempre! Eu vos peço: não deixeis inacabada esta obra que fizeram vossas mãos!

 

 

II Leitura: Coríntios (1Cor 15, 1-11)

É isso o que temos pregado e é isso o que crestes

 

1Quero lembrar-vos, irmãos, o evangelho que vos preguei e que recebestes, e no qual estais firmes. 2Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi pregado por mim. De outro modo, teríeis abraçado a fé em vão. 3Com efeito, transmiti-vos em primeiro lugar aquilo que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as escrituras; 4que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as escrituras; 5e que apareceu a Cefas e, depois, aos doze. 6Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram. 7Depois, apareceu a Tiago e, depois, apareceu aos apóstolos todos juntos.

 

8Por último, apareceu também a mim, como a um abortivo. 9Na verdade, eu sou o menor dos apóstolos, nem mereço o nome de apóstolo, porque persegui a Igreja de Deus. 10É pela graça de Deus que eu sou o que sou. Sua graça para comigo não foi estéril: a prova é que tenho trabalhado mais do que os outros apóstolos - não propriamente eu, mas a graça de Deus comigo. 11Ê isso, em resumo, o que eu e eles temos pregado e é isso o que crestes. Palavra do Senhor!

 

Evangelho: Lucas (Lc 5, 1-11)

Deixaram tudo e o seguiram

 

Naquele tempo: 1Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus. 2Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. 4Quando acabou de falar, disse a Simão: "Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca". 5Simão respondeu: "Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes".

 

6Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. 8Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: "Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!" 9É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: "Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens". 11Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.  Palavra da Salvação!

 

Uma comunidade de missionários

 

Para anunciar a Deus, é preciso tê-lo "conhecido". Para conhecer a Deus é necessário que ele se revele". Não podemos atingir a Deus com nossos silogismos, encerrá-lo em nossos raciocínios. A revelação de Deus é ato soberanamente livre, é iniciativa sua, totalmente gratuita. O homem não tem poder sobre Deus. Ora, o profeta não anuncia uma doutrina abstrata, meramente humana, mas o Deus vivo; ele só é profeta se Deus se lhe revela, se o chama, se o envia. Revelação, vocação e missão estão estreitamente unidas.

 

Revelação, chamado para uma missão

 

As três leituras para este domingo propõem um idêntico conceito de vocação. Isaías viu a glória de Deus antes de ser enviado em missão; os apóstolos tiveram que ver o corpo do Cristo ressuscitado antes de percorrer o mundo. Os doze, impressionados com a pesca milagrosa, abandonaram as redes para se tornarem pescadores de homens. A vocação de Isaías é realmente típica. Deus se revela como o "Santo", isto é, o totalmente diferente.

 

Diante dele, o homem toma consciência de ser pecador. (Também Pedro diante da revelação de Jesus na pesca milagrosa, diz ao Cristo: "Afasta-te de mim que sou pecador”).

 

Ouve o "chamado" a anunciar a todos os homens a santidade de Deus e vê a sua glória universal. Mas isto quer dizer pregar-lhes a conversão para conformar-se à santidade de Deus e ao seu desígnio universalista.

 

Deus se revela, chama e envia em Cristo

 

No Novo Testamento também é Deus que se revela e que chama, mas esse chamado divino se efetua nos chamados repetidos que Jesus de Nazaré dirige aos homens durante sua vida terrena (evangelho) e depois de ressuscitado (2ª leitura). Nos lábios de Jesus, o chamado assume o verdadeiro significado. Jesus chama para que o sigam. É ele o iniciador do Reino. É nele que os homens atingem a condição de filhos e são libertados do pecado. Nele os homens se tornam colaboradores de Deus na obra da salvação. Em torno dele, como pedra angular, organiza-se o êxito da aventura humana. Por isso, mais do que nunca o chamado divino está ligado a uma missão. Mas toda missão confiada por Deus está unida à missão pessoal de Jesus e só nessa encontra seu verdadeiro sentido. Desde o princípio as comunidades cristãs se chamaram igrejas". O termo grego ekklesia quer dizer "reunião, assembleia", pessoas convocadas, chamadas.

 

Segundo Paulo, os discípulos do Senhor devem estar convictos de terem sido chamados por Deus em Jesus Cristo. Chamados para um serviço, uma tarefa a desempenhar na edificação do Reino; e é o reconhecimento, da parte da assembleia, que constitui o critério privilegiado para o discernimento deste chamado. As funções são diversas, mas "quem" chama e o fim para o qual chama é único. Entre o chamado de Deus e a missão está a livre resposta do homem. O chamado é uma livre proposta de Deus feita a homem livre. A revelação, o "chamado" e a missão não são, na Igreja, privilégio de alguns, mas um dom feito a todos. Assim, a "missão" não se dirige só a alguns homens, mas a todos.

 

Missão como libertação total

 

A humanidade se encontra à beira de um abismo; basta muito pouco para nele precipitar-se, tal é o seu egoísmo e seu gosto de poder. Hoje, ser pescador de homens significa participar de todos os empreendimentos que querem livrar o homem dessa perdição e que concorrem para arrancar a humanidade do perigo que a ameaça, através de maior igualdade, paz mais estável, mais ampla possibilidade de promoção para os pequenos. Uma Igreja jamais poderá fazer crer na sua vocação de "pescar homens" se seus membros estiverem fora desses movimentos de salvação, ou se se contentarem em intervir ao amanhecer, sem se cansarem a noite toda junto com os outros homens. A Igreja só pode revelar o amor de Deus partilhando este amor com os homens. Neste contexto se revela mais claro o sentido da missão que o evangelho manifesta com a expressão "pescadores de homens O judeu considerava muitas vezes a água do mar como a habitação das forças opostas a Deus; pescar homens queria também dizer libertá-los do mal. Para Lucas, a Igreja é a instituição encarregada de salvar a humanidade do naufrágio que a ameaça.”