Dicas sobre Bíblia


Que Bíblia comprar?
Johan Konings*

Existem em nosso país muitas traduções da Bíblia. Está ficando difícil comprar uma, não só por causa do preço, mas também porque não se sabe qual escolher. Será que existe apenas uma Bíblia que é a verdadeira?

Devemos ser muito prudentes nessa questão. Em primeiro lugar, as Bíblias em língua portuguesa são traduções, e todo mundo sabe que existem sempre diversas maneiras de traduzir qualquer frase. Além disso, a história dos textos bíblicos está cheia de percalços. Pois se Deus quis se tornar presente em Jesus, desconhecido carpinteiro de Nazaré, ele também permitiu que sua palavra, na Bíblia, sofresse os problemas que atingem todas as realidades humanas. Se Jesus, mesmo sendo Deus, assumiu toda a existência humana, inclusive a morte - menos o pecado - podemos dizer coisa semelhante da Bíblia: em torno dela existe uma série de problemas humanos, que não a impedem, todavia, de ser palavra de Deus.

Devemos levar em consideração sua origem, sua história; em primeiro lugar, a distinção entre a Bíblia judaica e a Bíblia cristã. A judaica contém somente o que nós cristãos chamamos de Antigo Testamento ou Aliança - para os judeus é a única Aliança de Deus, a que ele firmou com o povo de Israel. O Novo Testamento é a parte que se refere a Jesus, o qual, como Messias, veio restaurar a Aliança desrespeitada pelos homens; ele fundou a Nova Aliança em sua morte por amor; mas os que são simplesmente judeus não aceitam isso. Mesmo assim, a Bíblia judaica tem valor para nós: ela eqüivale ao Antigo Testamento, que Jesus renovou e levou à plenitude. Os escritos que falam de Jesus chama-se, por isso, Novo Testamento juntos constituem a Bíblia cristã.

Ora, mesmo entre as Bíblias cristãs existem diferenças. Os protestantes, ou evangélicos, têm em sua Bíblia sete livros a menos que os católicos. Isso porque no Antigo Testamento eles incluem apenas os livros que constam da Bíblia judaica em língua hebraica, enquanto os católicos seguem, para o Antigo Testamento, a lista dos livros da antiga tradução grega, feita pelos judeus antes de Cristo. Essa tradução, feita pelos judeus do Egito a partir dos anos 250 a.C., continha alguns livros que não eram usados ou lidos pelos judeus da Palestina, que liam a Bíblia na língua original, o hebraico. Trata-se dos livros Eclesiástico, Baruc, 1 e 2 Macabeus, Sabedoria, Judite e Tobias. Ora, como muitos dos primeiros cristãos eram judeus de língua grega (Paulo, Estêvão, etc.), foi o uso da Bíblia grega que se impôs entre os cristãos. Mas quinze séculos depois, no tempo de Lutero, os Reformadores (protestantes) achavam que "voltar às fontes bíblicas" significava voltar ao uso hebraico e, por isso, incluíram no Antigo Testamento apenas os livros da Bíblia hebraica, conforme o uso das sinagogas da Palestina. Os sete livros que os católicos têm a mais são chamados "deuterocanônicos" pelos católicos (entram no cânon ou lista das Escrituras num segundo momento), mas muitos protestantes os chamam de apócrifos ("escondidos"), embora esse termo tenha um sentido muito mais amplo.

É importante saber que as Bíblias protestantes não são falsas, mas são incompletas para um católico. Quem gostaria de que em sua Bíblia faltassem Tobias ou Sabedoria, por exemplo?

Dito isso, podemos apresentar a lista das boas Bíblias existentes hoje no Brasil.

Temos, em primeiro lugar, as Bíblicas católicas: Bíblia Sagrada, tradução de matos Soares, feita com base na tradução latina de São Jerônimo (Ed. Paulus); Bíblia Sagrada, da Editora Ave Maria, baseada numa tradução francesa já um pouco antiga; Bíblia, co-edição das Editoras Vozes e Santuário (reproduzida também pela SVD), traduzida diretamente dos originais para o português do Brasil; Bíblia Mensagem de Deus, traduzida diretamente dos originais para o português pela Liga de Estudos Bíblicos e publicada por Edições Loyola; Bíblia de Jerusalém, muito completa, com base na edição científica francesa de École Biblique de Jérusalem (Ed. Paulus); Bíblia Sagrada, Edição Pastoral, seguindo a mesma linha que a anterior, porem numa linguagem bem mais acessível (Ed. Paulus).

Existem as Bíblias ecumênicas, que recebem também a recomendação expressa do episcopado católico: A Bíblia na linguagem de hoje (Ed. Sociedade Bíblica Brasileira), que aguarda, todavia, nova edição com os "deuterocanônicos"; Bíblia, Tradução Ecumênica (TEB), mundialmente reconhecida como a melhor tradução ecumênica, trazendo primeiro os livros do Antigo Testamento na ordem da Bíblia judaica, depois os "deuterocanônicos" e, finalmente, o Novo Testamento. A TEB, editada por Edições Loyola, é uma edição completa, com amplo material de estudo ou edição com notas reduzidas. A Bíblia "padrão" dos evangélicos é tradução portuguesa de J. Ferreira de Almeida, muito boa, mas um tanto rígida e desprovida dos "deuterocanônicos" (Sociedade Bíblica Brasileira).

Para quem usa computador, há à disposição CD-ROM da Bíblia da Editora Vozes, e da TEB, de Edições Loyola. Outras seguirão.

Além do possuir uma Bíblia, importa saber lê-la. Sobre isso tratarei na próxima vez, mas já antecipo que existem diferentes enfoques na leitura das Sagradas Escrituras: 1) leitura inocente; 2) leitura fundamentalista, procurando na Bíblia fundamentos para pontos específicos da doutrina ou dos costumes cristãos, muitas vezes forçando o texto e extraindo as frases do contexto; 3) a leitura ao acaso, que ocorre o mesmo perigo; 4) a leitura na Igreja, nas comunidades, na liturgia; 5) a leitura em relação à vida, de preferência combinada com a anterior; 6) o estudo científico.




Como Ler a Bíblia
Johan Konings*

No mês passado apresentei as diversas traduções bíblicas que atualmente se encontram na praça. Mas não basta comprar uma Bíblia, importa saber lê-la. Existe o que se poderia chamar uma leitura "inocente". O leitor leva a sério o que está escrito, não duvida da fidelidade substancial do texto, compreende vagamente que nem tudo deve ser tomado ao pé da letra, sabe que tanto os grandes personagens bíblicos como os autores usam de figuras, de expressões orientais etc.; em uma palavra, é uma leitura baseada no bom senso. De acordo com essa prática desenvolveu-se o costume de distinguir entre o sentido literal (a história ou a palavra como tal, entendida conforme a intenção do autor) e o sentido pleno ou espiritual (um novo significado que o Espírito inspira aos leitores, em relação aos problemas do momento ou à vida espiritual pessoal). Nessa leitura espiritual, nem sempre respeitou-se a intenção do autor. Ou, então, isolava-se uma palavra ou frase e atribuía-se a ela um sentido que nada tinha a ver com o que o autor quis dizer. Enfim, a leitura de bom senso ficou também abalada porque, com o decorrer do tempo, houve quem abusasse da Escritura para fá-la afirmar o que não pretendia dizer, por exemplo, para defender certos privilégios ou atacar os adversários. Ainda hoje se inventa todo tipo de explicações para dizer que o 666 do Apocalipse refere-se ao Papa.

Por isso surgiu, no fim da Idade Média, início da modernidade, uma reação que foi denominada "leitura crítica" da Bíblia. Examinava com métodos adequados, em primeiro lugar, qual era mesmo o texto da Bíblia, pois antigamente transcrevia-se a Bíblia à mão e, apesar da vigilância, algumas cópias ficavam menos confiáveis. Este primeiro passo é chamado "crítica textual".

Em segundo lugar, procurava-se saber um pouco mais sobre os fatos mencionados na Bíblia, para ver o que era "histórico" no sentido moderno (comprovado pelos critérios da probabilidade histórica). Isso se chama "crítica histórica". Ora, nem tudo o que é real pode ser comprovado por esses critérios da ciência histórica moderna. Um dos critérios de probabilidade é a analogia ou semelhança com outros fatos. Esse critério não se aplica à ressurreição de Jesus, por exemplo. Portanto, quando hoje se fala em realidade histórica, deve-se ter claro que é um conceito filtrado pelos métodos modernos.

Enfim, procurava-se saber qual tinha sido a intenção do autor, a natureza de seu escrito e de suas diversas partes, a quem ele se dirigia, em que circunstâncias havia escrito, com que finalidade... É a "crítica literária".

A leitura crítica levou, sobretudo no meio protestante, à tentação de questionar tudo. Aos poucos, colocavam-se em dúvida todos os fatos extraordinários, os milagres, a ressurreição e, enfim, até as palavras de Jesus. Diante desse exagero "liberal" surgiu - nas Igrejas protestantes - a tendência de assegurar pelo menos alguns dogmas fundamentais, bem fundados no texto literal da Bíblia (a existência de Deus, a divindade de Jesus, a Trindade etc.). A essa maneira de ler deu-se o nome de "fundamentalismo". Hoje, porém, esse termo significa a mentalidade de tomar ao pé da letra ou como verdade imutável uma frase qualquer da Bíblia, o que pode levar aos piores absurdos. Assim, existem nos Estados Unidos grupos querendo que na escola se ensine que a criação ocorreu em seis dias, como está na primeira página da Bíblia; nega-se toda a conquista da ciência da natureza; mas as mesmas pessoas andam pacificamente em carros ou aviões e usam computadores sofisticados baseados exatamente na ciência que eles rejeitam. É muita coragem! Nós próprios conhecemos a atitude fundamentalista de quem recusa transfusões de sangue, porque está escrito na Bíblia que não se pode comer ou tomar sangue. Mas é evidente que uma transfusão de sangue ou uma vacina nada têm a ver com os costumes idolátricos que a Bíblia quis refrear, lá nos tempos antigos, muito antes de Jesus Cristo.

Os fundamentalistas dizem que eles "não interpretam" a Bíblia, não lhe dão novo sentido. Mas isso é impossível. Qualquer coisa que a gente lê deve ser interpretada para ter sentido. Quem não interpreta é a traça ou o caruncho: simplesmente vão roendo...

Cabe aqui uma palavra sobre a leitura "ao acaso". Abre-se a Bíblia numa página qualquer e a primeira frase que cai sob a vista é tida como uma mensagem para aquele momento. Pode até ser. A Bíblia está cheia de frases úteis (embora haja outras...). Mas, muitas vezes, a pessoa terá de interpretar bastante para aplicar a frase a seu caso. Certamente não é uma palavra direta de Deus escrita especialmente para esse caso. Vale como uma "inspiração", mas não como uma "inspiração, mas não como leitura bíblica sistemática. Basta observar que, com esse método, as primeiras e as últimas páginas geralmente ficam esquecidas...

Mais valiosa é a leitura da Bíblia que ocorre na liturgia. Só na missa ou culto dominical, organizado num ciclo de três anos (A, B e C), é lido, Domingo após Domingo, todo o Novo Testamento, como também os trechos do Antigo Testamento que mais ajudam a compreender o Novo (que é mais importante, pois contém a palavra e a vida de Jesus). Portanto, quem vai todo Domingo à missa ou ao culto e tem a sorte de ouvir um bom sermão ou homilia baseados nas leituras bíblicas está fazendo o melhor curso bíblico que se pode imaginar. Se os padres e os agentes pastorais tivessem mais consciência disso, cuidariam melhor das leituras bíblicas e das reflexões que se seguem. Essa leitura que acompanha a liturgia é a melhor maneira de "ler a Bíblia na Igreja", ou seja, em comunhão com a comunidade que a concebeu desde o início e nela reconheceu sempre o espírito que a anima. Pois é possível também ler a Bíblia com um espírito contrário, "espírito de porco". Se compararmos a Bíblia com o álbum de fotografias de nossa família, no qual reconhecemos os momentos mais ricos, como fica esse álbum nas mãos de alguém que nos detesta e odeia?! Pois bem, atualmente há muitos que falam e escrevem sobre a Bíblia com um espírito contrário ao que a Igreja quer. Por isso, importa "ler a Bíblia na Igreja", e o melhor para tanto é a liturgia.

Ler a Bíblia na Igreja significa "ler em comunidade", não cada um por si, preocupado apenas consigo mesmo. Significa ler a Bíblia ao lado dos pobres e excluídos, de quem Jesus e Deus mesmo sempre tomaram partido, desde que Deus libertou o povo da escravidão do Egito até o momento em que Jesus decidiu não fugir, mas enfrentar os poderosos que levavam a mal o fato de ele ensinar a liberdade dos filhos de Deus aos pescadores e lavradores da Galiléia. Importa restituir à comunidade seu "álbum de fotografias". Já não podemos nos contentar com algumas explicações parciais de eruditos que não sentem o que o povo está sentindo. A Bíblia fala da vida do povo, que somos todos nós. Fazer ver isso é a verdadeira leitura da Bíblia

(*)Johan Konings
Revista "MENSAGEIRO DO CORAÇÃO DE JESUS",
Vol 103, Nº  1.154, pág. 14-16, outubro de 1997, "Que Bíblia Comprar?"
Vol 103, Nº  1.155, pág. 16-18, novembro de 1997, "Como Ler a Bíblia"
Edições Loyola, Fone: (011) 6914-1922

A reprodução destes artigos em nosso website foi gentilmente
autorizada pelo autor



MUNDO CATÓLICO WEB SITE deseja conhecer a  sua opinião sobre as atuais versões da Bíblia em CD-ROM, tais como: comentários, críticas, pontos fortes, pontos fracos, etc. Os nossos visitantes portugueses também estão convidados a opinarem. Pretendemos ampliar esta página com estes comentários, para melhor orientação aos novos e aos atuais usuários da versão eletrônica das Sagradas Escrituras.

[Santo do dia/Índice][Evangelho do Dia/Índice] [Curso de Bíblia] [Calendário Litúrgico do Mês]
 [Meditação][Liturgia da Missa] [Manual do Católico] [Preces & Orações] [Ano Litúrgico "A"] [E-mail] [Home]
 
MUNDO CATÓLICO
  Atualizada 12/05/02