Quinta Parte
DEUTERENÔMIO
A Aliança Corporificada

5.30. Encerramento, Preparativos Finais e A Morte de Moisés

Com idade bem avançada (cfr. Ex 7,7) e reconhecendo-se cansado por causa de tantas dificuldades e tribulações no exercício da liderança desde o Egito, vendo cumprida a sua Missão ("...já não posso sair e entrar..." cfr. Nm 27,17), Moisés prepara a já anunciada substituição por Josué (Nm 27,15-23.32 / Dt 3,28):

"1 Passou Moisés a falar estas palavras a todo o Israel2 e disse-lhes: Sou, hoje, da idade de cento e vinte anos. Já não posso sair e entrar, e Iahweh me disse: Não passarás o Jordão.3 Iahweh, teu Deus, passará adiante de ti; ele destruirá estas nações de diante de ti, e tu as possuirás; Josué passará adiante de ti, como Iahweh tem dito." (Dt 31,1-3).

Anuncia a nomeação de Josué e a entrega de todo o comando, garantido o socorro permanente de "Iahweh que vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes". Israel não ficará acéfala ou à mercê nem deverá temer, eis que é o próprio Iahweh quem o conduz e dirige o combate na Conquista da Terra Prometida, que agora vai se consumar e se cumprir. Serão vencidos todos os inimigos, habitantes da região, quando "Iahweh vos entregar estes povos diante de vós, então, com eles fareis segundo todo o mandamento que vos tenho ordenado", votando-os ao interdito, ou livrando-os da idolatria, cumprindo a "Missão do Povo de Iahweh", destruindo seus santuários:

"4 Iahweh lhes fará como fez a Seon e a Og, reis dos amorreus, os quais destruiu, bem como a sua terra.5 Quando, pois, Iahweh vos entregar estes povos diante de vós, então, com eles fareis segundo todo o mandamento que vos tenho ordenado.6 Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos atemorizeis diante deles, porque Iahweh, vosso Deus, é quem vai convosco; não vos deixará, nem vos desamparará.7 Chamou Moisés a Josué e lhe disse na presença de todo o Israel: Sê forte e corajoso; porque, com este povo, entrarás na terra que Iahweh, sob juramento, prometeu dar a teus pais; e tu os farás herdá-la.8 Iahweh é quem vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes." (Dt 31,4-8).

Preparada a sua substituição no comando de Israel para a penetração e ocupação da Terra de Canaã, e na divisão da herança entre as tribos, passa ao preparo também de condução doutrinária de Israel. Assim, escreve toda a lei recebida e promulgada e a passa à responsabilidade dos sacerdotes (Nm 4,15; 10,21 / Dt 33,10) e anciãos, o ensino e a guarda, bem como da leitura dela, de sete em sete anos, na Festa dos Tabernáculos, renovando-se assim com a publicização, o conhecimento pleno de toda a Aliança com Iahweh, e os compromissos assumidos:

"9 Esta lei, escreveu-a Moisés e a deu aos sacerdotes, filhos de Levi, que levavam a arca da Aliança de Iahweh, e a todos os anciãos de Israel.10 Ordenou-lhes Moisés, dizendo: Ao fim de cada sete anos, precisamente no ano da remissão, na Festa dos Tabernáculos,11 quando todo o Israel vier a comparecer perante Iahweh, teu Deus, no lugar que este escolher, lerás esta lei diante de todo o Israel.12 Ajuntai o povo, os homens, as mulheres, os meninos e o estrangeiro que está dentro da vossa cidade, para que ouçam, e aprendam, e temam Iahweh, vosso Deus, e cuidem de cumprir todas as palavras desta lei;13 para que seus filhos que não a souberem ouçam e aprendam a temer Iahweh, vosso Deus, todos os dias que viverdes sobre a terra à qual ides, passando o Jordão, para a possuir." (Dt 31,9-13).

Então transfere seus poderes a Josué na Tenda da Reunião e Iahweh, "na coluna de nuvem", dita as derradeiras advertências, ainda por intermédio de Moisés. Relembra as funestas conseqüências da idolatria, já tantas vezes repetidas nessa ocasião, em virtude do temor de Moisés de que se repitam as sedições e apostasias por que passou. Os males advindos serão de tal envergadura que levará Israel a reconhecer que "...nos alcançaram estes males por não estar o nosso Deus no meio de nós...":

"14 Disse Iahweh a Moisés: Eis que os teus dias são chegados, para que morras; chama Josué, e apresentai-vos na tenda da reunião, para que eu lhe dê minhas ordens. Assim, foram Moisés e Josué e se apresentaram na tenda da reunião.15 Então, Iahweh apareceu, ali, na coluna de nuvem, a qual se deteve sobre a porta da tenda.16 Disse Iahweh a Moisés: Eis que estás para dormir com teus pais; e este povo se levantará, e se prostituirá, indo após deuses estranhos na terra para cujo meio vai, e me deixará, e anulará a aliança que fiz com ele.17 Nesse dia, a minha ira se acenderá contra ele; desampará-lo-ei e dele esconderei o rosto, para que seja devorado; e tantos males e angústias o alcançarão, que dirá naquele dia: Não nos alcançaram estes males por não estar o nosso Deus no meio de nós?18 Esconderei, pois, certamente, o rosto naquele dia, por todo o mal que tiverem feito, por se haverem tornado a outros deuses." (Dt 31,14-18)

Com base nos acontecimentos anteriores de sedições e apostasias (Dt 31,27), preocupados com essa possibilidade após a morte de Moisés, cujo pulso no comando já era conhecido, buscou-se então prevenir com essas admoestações. Iahweh determina a elaboração de um Cântico (Ex 15 / 1Sm2 / 2Sm22 / Lc 1 / Lc 2), para a firmeza dos fatos e conhecimento geral e a tradição da Aliança oralmente às gerações futuras. Após ensiná-lo a todos, e assim popularizando a História da Aliança, ter-se-ia sempre fundamento estrutural para o equilíbrio das instituições e de fidelidade à Iahweh, pelo testemunho perene que teriam nele, contra qualquer atitude desabonadora então praticada:

19 Escrevei para vós outros este cântico e ensinai-o aos filhos de Israel; ponde-o na sua boca, para que este cântico me seja por testemunha contra os filhos de Israel.20 Quando eu tiver introduzido o meu povo na terra que mana leite e mel, a qual, sob juramento, prometi a seus pais, e, tendo ele comido, e se fartado, e engordado, e houver tornado a outros deuses, e os houver servido, e me irritado, e anulado a minha aliança;21 e, quando o tiverem alcançado muitos males e angústias, então, este cântico responderá contra ele por testemunha, pois a sua descendência, sempre, o trará na boca; porquanto conheço os desígnios que, hoje, estão formulando, antes que o introduza na terra que, sob juramento, prometi.22 Assim, Moisés, naquele mesmo dia, escreveu este cântico e o ensinou aos filhos de Israel." (Dt 31,19-22)

Encerrando o ato solene de investidura e posse de Josué, Iahweh dá a derradeira instrução a Josué, encorajando-o e resumindo a sua Missão no comando nas poucas palavras: "...introduzirás os filhos de Israel na terra que, sob juramento, lhes prometi...", podendo confiar com a assistência divina, eis que "... eu serei contigo". Após o encerramento oficial dessa transmissão de poderes, Moisés entrega aos levitas a direção doutrinária de Israel, alerta-os quanto as ocorrências de sedições e deslizes diversos, e passa a pronunciar o seu canto:

23 Ordenou Iahweh a Josué, filho de Num, e disse: Sê forte e corajoso, porque tu introduzirás os filhos de Israel na terra que, sob juramento, lhes prometi; e eu serei contigo.24 Tendo Moisés acabado de escrever, integralmente, as palavras desta lei num livro,25 deu ordem aos levitas que levavam a arca da Aliança de Iahweh, dizendo:26 Tomai este Livro da Lei e ponde-o ao lado da arca da Aliança de Iahweh, vosso Deus, para que ali esteja por testemunha contra ti.27 Porque conheço a tua rebeldia e a tua dura cerviz. Pois, se, vivendo eu, ainda hoje, convosco, sois rebeldes contra Iahweh, quanto mais depois da minha morte?28 Ajuntai perante mim todos os anciãos das vossas tribos e vossos oficiais, para que eu fale aos seus ouvidos estas palavras e contra eles, por testemunhas, tomarei os céus e a terra.29 Porque sei que, depois da minha morte, por certo, procedereis corruptamente e vos desviareis do caminho que vos tenho ordenado; então, este mal vos alcançará nos últimos dias, porque fareis mal perante Iahweh, provocando-o à ira com as obras das vossas mãos. 30 Então, Moisés pronunciou, integralmente, as palavras deste cântico aos ouvidos de toda a congregação de Israel..." (Dt 31,23-29)


5.30.1. O Cântico de Moisés

Perante todo Israel e para o conhecimento de todos os "céus", é publicada a Glorificação do Único Deus de Israel, nos termos da Aliança, em que se realça a Lealdade Perene de Iahweh, a "Rocha", o Deus dos Filhos de Jacó, em contraste com tantas ingratidões, infidelidades e insurreições. Descreve as faltas cometidas a começar com abominável idolatria, após tantas manifestações do amor de Iahweh, separando Israel do meio de outros povos, por "eleição", simples predileção divina e não por merecimento algum. Deixando de ser "santos" e, tornando-se cheios da mancha da idolatria, "... já não serão seus filhos, e sim uma geração perversa e corrompida...". Não podem se desligar da tradição dos antigos, testemunhas de tudo o que Iahweh fez por Seu Povo, daqueles mais velhos que conheceram os prodígios de Iahweh. Quando perguntados, em resposta testemunharão que Iahweh destinou a Israel aquela porção de sua herança, dentre o que destinou aos demais povos, na proporção dos Filhos de Jacó. Aborda Moisés outra fonte da cultura Israelita que serve de orientação definitiva quanto aos fatos da fé, mantendo a pureza doutrinária e a união de Israel com Iahweh: A Tradição dos Antigos. Ela sempre o dirigiu e concorre para a possibilidade da unificação de Israel, apesar das inúmeras tradições que mesclam o tecido da sua História. Sem ela não lhe seria possível agrupar todas as tribos em torno do Único Deus de Israel, apesar de tantos nomes, com o de Iahweh:

"1 Inclinai os ouvidos, ó céus, e falarei; e ouça a terra as palavras da minha boca.2 Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a relva e como gotas de água sobre a erva.3 Porque proclamarei o nome de Iahweh. Engrandecei o nosso Deus.4 Eis a Rocha! Suas obras são perfeitas, porque todos os seus caminhos são juízo; Deus é fidelidade, e não há nele injustiça; é justo e reto.5 Procederam corruptamente contra ele, já não são seus filhos, e sim uma geração perversa e corrompida.6 É assim que recompensas a Iahweh, povo louco e ignorante? Não é ele teu pai, que te adquiriu, te fez e te estabeleceu?7 Lembra-te dos dias da antigüidade, atenta para os anos de gerações e gerações; pergunta a teu pai, e ele te informará, aos teus anciãos, e eles to dirão.8 Quando o Altíssimo distribuía as heranças às nações, quando separava os filhos dos homens uns dos outros, fixou os limites dos povos, segundo o número dos filhos de Israel." (Dt 32,1-8).

Livrou o Povo dos Filhos de Jacó da vida nômade do deserto, velando por ele como a águia por seus filhotes. É a já bíblica imagem das "asas de águia" (Ex 19,4), amparando e carregando os seus filhotes ao aprender os primeiros lances do vôo, não havendo outro deus junto com Iahweh, nem mesmo secundando-O. É graças a Iahweh que Israel progride e vence, não sendo tragado pela barbárie pagã dos outros povos, mais fortes e numerosos. Não há razão para Israel procurar outro Deus que Iahweh, principalmente, nada de outro tendo recebido, nem nenhuma comprovação visível de sua existência. Só Iahweh o conduz às alturas férteis, donde se nutre e ao seus rebanho, tal como no deserto o nutriu com o "mel do rochedo", e com a fartura de outros alimentos naturais, não se podendo esquecer do Maná. Assinala a união estabelecida no deserto, embasada na Aliança do Monte Sinai, incorporada definitivamente na estrutura do Povo de Iahweh, às portas e antes da conquista, nas Planícies de Moab. Recorda o episódio do Bezerro de Ouro, onde ocorreu o desprezo de Iahweh como o Único Deus de Israel, outras sedições e apostasias já debeladas, sempre por causa de alimento e muito bem nutridos. Voltaram-se para a idolatria e suas várias abominações morais e corrompidas (Dt 4,23-24), aos "deuses que não eram deuses", conforme a cultura do tempo, aqueles espíritos ou anjos intermediários que se acreditava existirem entre seus deuses e o homem, que nunca haviam sido objeto de adoração por seus antepassados. Exorta a fidelidade de Israel ao nome de Iahweh, que os gerou (1Cor 4,15), velou, protegeu e sustentou durante a peregrinação (Dt 32,6.15), com a estabilidade de um rochedo, donde se Lhe dá o cognome de "Rocha" (Dt 33,31 / 2Sm 23,3 / Is 26,4 / 30,29 / 44,8 / Hbc 1,12 / Sl 18,3.32 / 31,4 / 92,16 / Mt 7,24-25 / 16,18), que loucamente abandonavam:

"9 Porque a porção de Iahweh é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança. 10 Achou-o numa terra deserta e num ermo solitário povoado de uivos; rodeou-o e cuidou dele, guardou-o como a menina dos olhos.11 Como a águia desperta a sua ninhada e voeja sobre os seus filhotes, estende as asas e, tomando-os, os leva sobre elas,12 assim, só Iahweh o guiou, e não havia com ele deus estranho.13 Ele o fez cavalgar sobre os altos da terra, comer as messes do campo, chupar mel da rocha e azeite da dura pederneira,14 coalhada de vacas e leite de ovelhas, com a gordura dos cordeiros, dos carneiros que pastam em Basan e dos bodes, com o mais escolhido trigo; e bebeste o sangue das uvas, o mosto. 15 Mas, engordando-se o meu amado, deu coices; engordou-se, engrossou-se, ficou nédio e abandonou a Deus, que o fez, desprezou a Rocha da sua salvação.16 Com deuses estranhos o provocaram a ciúmes, com abominações o irritaram.17 Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, dos quais não se estremeceram seus pais.18 Olvidaste a Rocha que te gerou; e te esqueceste do Deus que te deu o ser." (Dt 32,9-18)."

A reação de Iahweh vem descrita a seguir com toda a expressão da cólera celeste, pela idolatria que praticarem, não distinguindo homens e mulheres, "...por causa da provocação de seus filhos e suas filhas...", ninguém escapando à ira, "...fora devastará a espada, em casa, o pavor, tanto ao jovem como à virgem, tanto à criança de peito como ao homem encanecido...". "Esconderei deles o rosto, verei qual será o seu fim; porque são raça de perversidade, filhos em quem não há lealdade": - essa expressão "esconder o rosto" tem o sentido de uma reação calcada pela indiferença e irritação, trazendo como efeitos castigos inúmeros e de toda espécie, em vista de Iahweh o haver abandonado (Is 54,8 / Jó 13,24). Do mesmo modo que trataram Iahweh, Iahweh, por sua vez irá tratá-los, e como provocaram-lhe o ciúme, o traíram com ídolos, Iahweh irá, por sua vez, provocar-lhes o ciúme com outro povo, que os devastará. A ira de Iahweh é um fogo que a tudo devora e consome inexoravelmente (Jó 6,4) "...pela fome, devorados pela febre e peste violenta; e contra eles enviarei dentes de feras e ardente peçonha de serpentes do pó". Não fosse o perigo da presunção pagã de que o fato se daria por força de seus deuses, "...nossa mão tem prevalecido, e não foi Iahweh quem fez tudo isto...", destruiria Israel completamente, também pela guerra:

"19 Viu isto Iahweh e os desprezou, por causa da provocação de seus filhos e suas filhas;20 e disse: Esconderei deles o rosto, verei qual será o seu fim; porque são raça de perversidade, filhos em quem não há lealdade.21 A zelos me provocaram com aquilo que não é Deus; com seus ídolos me provocaram à ira; portanto, eu os provocarei a zelos com aquele que não é povo; com louca nação os despertarei à ira.22 Porque um fogo se acendeu no meu furor e arderá até ao mais profundo do inferno, consumirá a terra e suas messes e abrasará os fundamentos dos montes.23 Amontoarei males sobre eles; as minhas setas esgotarei contra eles.24 Consumidos serão pela fome, devorados pela febre e peste violenta; e contra eles enviarei dentes de feras e ardente peçonha de serpentes do pó.25 Fora devastará a espada, em casa, o pavor, tanto ao jovem como à virgem, tanto à criança de peito como ao homem encanecido.26 Eu teria dito: Por todos os cantos os espalharei e farei cessar a sua memória dentre os homens,27 se eu não tivesse receado a provocação do inimigo, para que os seus adversários não se iludam, para que não digam: A nossa mão tem prevalecido, e não foi Iahweh quem fez tudo isto." (Dt 32,19-27).

A estupidez do povo se realça, pela incompreensão de que as vitórias alcançadas só poderia ter sido conseguidas com o Poder de Iahweh, poder de que não dispunham os inimigos de Israel. Merece por isso os castigos de Sodoma e Gomorra. Mas, Iahweh socorrerá o Seu Povo e o libertará, quando virem, e verão, nos fatos e nos frutos da terra a falácia dos deuses pagãos, como Iahweh lhes mostrará, levando-os a reconhecer que não há outro Deus que se Lhe assemelhe em Grandeza, Poder e Glória. Voltarão a ver que só com a Bênção de Iahweh "...poderia um só perseguir mil, e dois fazerem fugir dez mil, se a sua Rocha lhos não vendera, e Iahweh lhos não entregara...". Finalmente, irão reconhecer que aqueles deuses pagãos a quem ofereceram sacrifícios, de nada valem. Também verão que somente Iahweh se manifesta em sua história, só Ele existe para eles, "... que Eu Sou Eu somente, e mais nenhum deus além de mim; eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há quem possa livrar alguém da minha mão":

"28 Porque o meu povo é gente falta de conselhos, e neles não há entendimento.29 Tomara fossem eles sábios! Então, entenderiam isto e atentariam para o seu fim.30 Como poderia um só perseguir mil, e dois fazerem fugir dez mil, se a sua Rocha lhos não vendera, e Iahweh lhos não entregara?31 Porque a rocha deles não é como a nossa Rocha; e os próprios inimigos o atestam.32 Porque a sua vinha é da vinha de Sodoma e dos campos de Gomorra; as suas uvas são uvas de veneno, seus cachos, amargos;33 o seu vinho é ardente veneno de répteis e peçonha terrível de víboras.34 Não está isto guardado comigo, selado nos meus tesouros?35 A mim me pertence a vingança, a retribuição, a seu tempo, quando resvalar o seu pé; porque o dia da sua calamidade está próximo, e o seu destino se apressa em chegar.36 Porque Iahweh fará justiça ao seu povo e se compadecerá dos seus servos, quando vir que o seu poder se foi, e já não há nem escravo nem livre.37 Então, dirá: Onde estão os seus deuses? E a rocha em quem confiavam?38 Deuses que comiam a gordura de seus sacrifícios e bebiam o vinho de suas libações? Levantem-se eles e vos ajudem, para que haja esconderijo para vós outros!39 Vede, agora, que Eu Sou Eu somente, e mais nenhum deus além de mim; eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há quem possa livrar alguém da minha mão." (Dt 32,28-39).

O Cântico termina com um protesto solene de vingança de Iahweh, contra os inimigos, convidando os povos a celebrarem a vitória e o triunfo, libertando o Povo de Israel. Demonstrando que os inimigos de Israel são inimigos de Iahweh, "que vive eternamente", jura, "levantando a mão por sua própria vida" (Gn 14,22 / Ex 6,8), e apresenta-se como um guerreiro em defesa do seu Filho Primogênito para eliminar os inimigos mútuos. Conseqüentemente, todos os povos virão aderir a Iahweh, aclamando-O e assim recenhecendo-O como o Deus que "...fará a purificação da terra do seu povo", significando com assim uma futura conversão deles:

"40 Levanto a mão aos céus e afirmo por minha vida eterna:41 se eu afiar a minha espada reluzente, e a minha mão exercitar o juízo, tomarei vingança contra os meus adversários e retribuirei aos que me odeiam.42 Embriagarei as minhas setas de sangue (a minha espada comerá carne), do sangue dos mortos e dos prisioneiros, das cabeças cabeludas do inimigo.43 Louvai, ó nações, o seu povo, porque Iahweh vingará o sangue dos seus servos, tomará vingança dos seus adversários e fará a purificação da terra do seu povo." (Dt 32,40-43).

Ao final, Moisés explica ao povo, frente a Josué, todo o Cântico, levando-os a interiorizá-lo "no coração", sabendo-o de cor, "... para que ordeneis a vossos filhos que cuidem de cumprir todas as palavras desta lei, porque esta palavra não é para vós outros coisa vã; antes, é a vossa vida...". A Palavra de Iahweh é Vida: na Palavra de Iahweh repousava a vida Israelita, mantendo-se na posse da terra conquistada. E, cumprida a Missão, Moisés sobe ao Monte de Abarim, para vislumbrar Israel, onde morrerá (cfr. os comentários em Nm 20,1-13; 27,13-14):

"44 Veio Moisés e falou todas as palavras deste cântico aos ouvidos do povo, ele e Josué, filho de Num.45 Tendo Moisés falado todas estas palavras a todo o Israel,46 disse-lhes: Aplicai o coração a todas as palavras que, hoje, testifico entre vós, para que ordeneis a vossos filhos que cuidem de cumprir todas as palavras desta lei.47 Porque esta palavra não é para vós outros coisa vã; antes, é a vossa vida; e, por esta mesma palavra, prolongareis os dias na terra à qual, passando o Jordão, ides para a possuir.48 Naquele mesmo dia, falou Iahweh a Moisés, dizendo:49 Sobe a este monte de Abarim, ao monte Nebo, que está na terra de Moab, defronte de Jericó, e vê a terra de Canaã, que aos filhos de Israel dou em possessão.50 E morrerás no monte, ao qual terás subido, e te recolherás ao teu povo, como Aarão, teu irmão, morreu no monte Hor e se recolheu ao seu povo,51 porquanto prevaricastes contra mim no meio dos filhos de Israel, nas águas de Meribá de Cades, no deserto de Sin, pois me não santificastes no meio dos filhos de Israel.52 Pelo que verás a terra defronte de ti, porém não entrarás nela, na terra que dou aos filhos de Israel." (Dt 32,44-52).

 

5.30.2.- A Bênção de Moisés

Como geralmente se fazia no Oriente (Gn 27,1-40; 48,9.15), Moisés, o Pai de Israel, "homem de Deus", deixa-lhe sua carta de adeus, contendo instruções, em forma de Bênção, no mesmo diapasão da Bênção de Jacó (Gn 49,1-27) e com finalidade unificadora das variadas tradições que quis sintetizar em Iahweh:

Dt 33,1-29

Gn 49,1-27

 

1 Esta é a bênção que Moisés, homem de Deus, deu aos filhos de Israel, antes da sua morte, e disse:

1 Depois, chamou Jacó a seus filhos e disse: Ajuntai-vos, e eu vos farei saber o que vos há de acontecer nos dias vindouros:

2 Ajuntai-vos e ouvi, filhos de Jacó; ouvi a Israel, vosso pai.

Moisés, da mesma maneira que Jacó, antes de morrer traça o futuro dos filhos comprometendo-os à Aliança.

2 Iahweh veio do Sinai e lhes alvoreceu de Seir, resplandeceu do monte Faran; e veio de Meriba Cades; à sua direita, havia para eles o fogo da lei.

3 Na verdade, amas os povos; todos os teus santos estão na tua mão; eles se colocam a teus pés e aprendem das tuas palavras.

4 Moisés nos prescreveu a lei por herança da congregação de Jacó.

5 E Iahweh se tornou rei em Jesurun, quando os cabeças do povo se congregaram com as tribos de Israel.

 

O histórico percorrido por Moisés é como uma tomada de consciência de todo um trajeto de lutas, nas quais a proteção de Iahweh transparece com vigor inaudito. Recorda a presença submissa e obediente dos separados pelo próprio Iahweh. A Lei de Iahweh é a "herança de Israel". De todo o universo Iahweh só se tornou rei (Ex 15,18 / 19,3-8 / 24,7) exclusivo de Israel, distinguindo-os. Quando Iahweh dá a Israel a Sua Lei, torna-o Sua Possessão Sagrada (Ex 19,6 / Dt 7,6; 14,2).

6 Viva Rúben e não morra; e não sejam poucos os seus homens!

3 Rúben, tu és meu primogênito, minha força e as primícias do meu vigor, o mais excelente em altivez e o mais excelente em poder.

4 Impetuoso como a água, não serás o mais excelente, porque subiste ao leito de teu pai e o profanaste; subiste à minha cama.

A Tribo de Rúben após ter sido afastada do direito de primazia da primogenitura, por punição de Jacó, ao tempo dessa Bênção de Moisés, sofria grandes desfalques até mesmo no número de integrantes. Moisés apela para a solidariedade tribal e sua reintegração.

7 Isto é o que disse de Judá: Ouve, ó Iahweh, a voz de Judá e introduza-o no seu povo; com as tuas mãos, peleja por ele e sê tu ajuda contra os seus inimigos.

8 Judá, teus irmãos te louvarão; a tua mão estará sobre a cerviz de teus inimigos; os filhos de teu pai se inclinarão a ti.

9 Judá é leãozinho; da presa subiste, filho meu. Encurva-se e deita-se como leão e como leoa; quem o despertará?

10 O cetro não se arredará de Judá, nem o bastão de entre seus pés, até que venha o tributo; e a ele obedecerão os povos.

11 Ele amarrará o seu jumentinho à vide e o filho da sua jumenta, à videira mais excelente; lavará as suas vestes no vinho e a sua capa, em sangue de uvas.

12 Os seus olhos serão cintilantes de vinho, e os dentes, brancos de leite.

Com o afastamento de Rúben, e, ao tempo, de Levi e Simeão, Judá passa à primazia. Já se viu a luta de Jacó por ocasião do reencontro com José e da adoção de seus filhos "como Rúben e Simeão" (Gn 48,5), tentando restituir o posto que lhe cabia, primogênito que era por parte de Raquel, a predileta. Moisés continua perseguindo a adoção do nome do Deus de Israel - Iahweh, tal como se deu no episódio do Bezerro de Ouro. Porém, para conseguir pacificamente, unindo todos os Filhos de Jacó em torno de Iahweh, procura amenizar diferenças do ciúme e emocionais advindas da preeminência Judá. Na tribo de Judá vai se misturar e confundir a de Simeão (Jz 1,17-19).

8 De Levi disse: Dá, ó Deus, o teu Tumim e o teu Urim para o homem, teu fidedigno, que tu provaste em Massá, com quem contendeste nas águas de Meribá;

9 aquele que disse a seu pai e a sua mãe: Nunca os vi; e não conheceu a seus irmãos e não estimou a seus filhos, pois guardou a tua palavra e observou a tua aliança.

10 Ensinou os teus juízos a Jacó e a tua lei, a Israel; ofereceu incenso às tuas narinas e holocausto, sobre o teu altar.

11 Abençoa o seu poder, ó Iahweh, e aceita a obra das suas mãos, fere os lombos dos que se levantam contra ele e o aborrecem, para que nunca mais se levantem.

5 Simeão e Levi são irmãos; as suas espadas são instrumentos de violência.

6 No seu conselho, não entre minha alma; com o seu agrupamento, minha glória não se ajunte; porque no seu furor mataram homens, e na sua vontade perversa jarretaram touros.

7 Maldito seja o seu furor, pois era forte, e a sua ira, pois era dura; dividi-los-ei em Jacó e os espalharei em Israel.

Levi, por causa de sua atitude durante o episódio do Bezerro de Ouro (Ex 32) e outras sedições ou apostasias, sempre ao lado de Moisés e fiel ao nome de Iahweh, é premiado com o Sacerdócio, que deveria ser daquele que exercesse a chefia, o primogênito. Teria de ser de José, que recebeu a primogenitura diretamente de Jacó, no Egito, tal como já se viu anteriormente. Entre os ofícios está o de ensinar a lei e a doutrina, além das oferendas sacrificiais e consulta de oráculos. Já se abordou esse tema em outros locais e não deve ser do desconhecimento de quem faz o curso.

12 De Benjamim disse: O amado de Iahweh habitará seguro com ele; todo o dia Iahweh o protegerá, e ele descansará nos seus braços.

27 Benjamim é lobo que despedaça; pela manhã devora a presa e à tarde reparte o despojo.

O mesmo carinho que Jacó dedicava ao seu caçula, vai se transformar em fecunda proteção de Iahweh, tornando-se o "amado de Iahweh".

13 De José disse: Bendita de Iahweh seja a sua terra, com o que é mais excelente dos céus, do orvalho e das profundezas,

14 com o que é mais excelente daquilo que o sol amadurece e daquilo que os meses produzem,

15 com o que é mais excelente dos montes antigos e mais excelente dos outeiros eternos,

16 com o que é mais excelente da terra e da sua plenitude e da benevolência daquele que apareceu na sarça; que tudo isto venha sobre a cabeça de José, sobre a cabeça do príncipe entre seus irmãos.

17 Ele tem a imponência do primogênito do seu touro, e as suas pontas são como as de um boi selvagem; com elas rechaçará todos os povos até às extremidades da terra. Tais, pois, as miríades de Efraim, e tais, os milhares de Manassés.

22 José é um ramo frutífero, ramo frutífero junto à fonte; seus galhos se estendem sobre o muro.

23 Os flecheiros lhe dão amargura, atiram contra ele e o aborrecem.

24 O seu arco, porém, permanece firme, e os seus braços são feitos ativos pelas mãos do Poderoso de Jacó, sim, pelo Pastor e pela Pedra de Israel,

25 pelo Deus de teu pai, o qual te ajudará, e pelo Todo-Poderoso, o qual te abençoará com bênçãos dos altos céus, com bênçãos das profundezas, com bênçãos dos seios e da madre.

26 As bênçãos de teu pai excederão as bênçãos de meus pais até ao cimo dos montes eternos; estejam elas sobre a cabeça de José e sobre o alto da cabeça do que foi distinguido entre seus irmãos.

A Bênção de Moisés a José confirma a sua supremacia e preeminência de direito, pela descrição de sua propriedade e de seus frutos, com a Bênção de Iahweh, traduzida da mesma forma na fecundidade do solo e dos mananciais. Essa sua supremacia vem confirmada pela substituição de Moisés por Josué, um Efraimita, descendente de José, no comando absoluto de Israel (Js 8,30 / Js 24). A sua identificação com o touro primogênito e a força de seus ataque, são características culturais de seu valor e a descrição de sua primazia.

18 De Zabulon disse: Alegra-te, Zabulon, nas tuas saídas marítimas, e tu, Issacar, nas tuas tendas.

19 Os dois chamarão os povos ao monte; ali apresentarão ofertas legítimas, porque chuparão a abundância dos mares e os tesouros escondidos da areia.

22 De Dã disse: Dã é leãozinho; saltará de Basan.

13 Zabulon habitará na praia dos mares e servirá de porto de navios, e o seu limite se estenderá até Sidon.

14 Issacar é jumento de fortes ossos, de repouso entre os rebanhos de ovelhas.

15 Viu que o repouso era bom e que a terra era deliciosa; baixou os ombros à carga e sujeitou-se ao trabalho servil.

16 Dã julgará o seu povo, como uma das tribos de Israel.

17 Dã será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda, que morde os talões do cavalo e faz cair o seu cavaleiro por detrás.

18 A tua salvação espero, ó Iahweh!

Zabulon e Issacar serão premiados com grande progresso advindo do comércio com outros povos.

E Dã se distingue já por seu valor pessoal e guerreiro, recebe a alcunha de leão símbolo de uma força bélica.

20 De Gad disse: Bendito aquele que faz dilatar Gad, o qual habita como a leoa e despedaça o braço e o alto da cabeça.

21 E se proveu da melhor parte, porquanto ali estava escondida a porção do chefe; ele marchou adiante do povo, executou a justiça de Iahweh e os seus juízos para com Israel.

19 Gad, uma guerrilha o acometerá; mas ele a acometerá por sua retaguarda.

Gad é premiado por sua bravura na conquista da terra ao lado de seus irmãos, ocupa um território de grandes proporções, conquistado por seu valor e denodo (Nm 32,34-36 / Js 4,12-14 / 13,24-28 / 22,9-33).

23 De Neftali disse: Neftali goza de favores e, cheio da bênção de Iahweh, possuirá o lago e o Sul.

24 De Aser disse: Bendito seja Aser entre os filhos de Jacó, agrade a seus irmãos e banhe em azeite o pé.

25 Sejam de ferro e de bronze os teus ferrolhos, e, como os teus dias, durará a tua paz.

21 Neftali é uma gazela solta; ele profere palavras formosas.

20 Aser, o seu pão será abundante e ele motivará delícias reais.

Neftali recebe o seu quinhão "cheio de Bênção de Iahweh", da mesma forma que Aser, que gozará de paz duradoura, mesmo porque vivendo perto de povos pagãos, estará sempre protegido por sua própria argúcia. Com eles apreenderá a usar o ferro e o bronze para se proteger ("os teus ferrolhos").

 

28 São estas as doze tribos de Israel; e isto é o que lhes falou seu pai quando os abençoou; a cada um deles abençoou segundo a bênção que lhe cabia.

A Bênção de Jacó dirigiu-se a firmar seus filhos em torno da Aliança com Iahweh.

26 Não há outro, ó amado, semelhante a Deus de Jesurun, que cavalga sobre os céus para a tua ajuda e com a sua alteza sobre as nuvens.

27 O Deus eterno é a tua habitação e, por baixo de ti, estende os braços eternos; ele expulsou o inimigo de diante de ti e disse: Destrui-o.

28 Israel, pois, habitará seguro, a fonte de Jacó habitará a sós numa terra de cereal e de vinho; e os seus céus destilarão orvalho.

29 Feliz és tu, ó Israel! Quem é como tu? Povo salvo por Iahweh, escudo que te socorre, espada que te dá alteza. Assim, os teus inimigos te serão sujeitos, e tu pisarás os seus altos.

 

O conteúdo da Bênção de Moisés, dos versículos seis a vinte e cinco, vai tomar forma independente após essa conclusão, destacando-se. Assim esses versículos finais não se referem à fala de Moisés, mas a Iahweh e ao seu Povo Santo.

 

5.30.3. A Morte de Moisés

É mais que evidente não ser Moisés quem narrou a sua morte e os fatos a ela concernentes que se deram após. Pelo teor da transmissão de poderes e sua investidura, pode-se até mesmo admitir que foi o próprio Josué quem o fez. Também, juntando isso a alguma discrepância entre a descrição do cenário antevisto por Moisés e a realidade, não se pode pretender a ilegitimidade da narrativa nem comprometem a sua veracidade. O que se torna premente é a síntese moral e pessoal que o descreve, podendo dizê-lo "homem comprovado por Deus com obras, prodígios e sinais" (At 2,22), dizendo-o "homem de Deus" (Dt 33,1), e "nunca mais surgiu em Israel um profeta igual, com Iahweh tratasse face a face" (Dt 34,10). Foi sepultado em local que permanece oculto. Moisés é na verdade um dos maiores vultos da História Humana:

"1 Então, subiu Moisés das campinas de Moab ao monte Nebo, ao cimo de Fasga, que está defronte de Jericó; e Iahweh lhe mostrou toda a terra de Galaad até Dã;2 e todo o Neftali, e a terra de Efraim, e Manassés; e toda a terra de Judá até ao mar ocidental;3 e o Neguebe e a campina do vale de Jericó, a cidade das Palmeiras, até Zoar.4 Disse-lhe Iahweh: Esta é a terra que, sob juramento, prometi a Abraão, a Isaque e a Jacó, dizendo: à tua descendência a darei; eu te faço vê-la com os próprios olhos; porém não irás para lá.5 Assim, morreu ali Moisés, servo de Iahweh, na terra de Moab, segundo a palavra de Iahweh.6 Este o sepultou num vale, na terra de Moab, defronte de Bet-Fegor; e ninguém sabe, até hoje, o lugar da sua sepultura.7 Tinha Moisés a idade de cento e vinte anos quando morreu; não se lhe escureceram os olhos, nem se lhe abateu o vigor.8 Os filhos de Israel prantearam Moisés por trinta dias, nas campinas de Moab; então, se cumpriram os dias do pranto no luto por Moisés.9 Josué, filho de Nun, estava cheio do espírito de sabedoria, porquanto Moisés impôs sobre ele as mãos; assim, os filhos de Israel lhe deram ouvidos e fizeram como Iahweh ordenara a Moisés.10 Nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, com quem Iahweh houvesse tratado face a face,11 no tocante a todos os sinais e maravilhas que, por mando de Iahweh, fez na terra do Egito, a Faraó, a todos os seus oficiais e a toda a sua terra;12 e no tocante a todas as obras de sua poderosa mão e aos grandes e terríveis feitos que operou Moisés à vista de todo o Israel." (Dt 34,1-12).

 Para o formato Netscape são necessárias 12 folhas A4 para imprimir este documento

|Volta|  |Índice Cap 5|  |Índice do Curso|  |Continua|


[Volta ao Índice Geral]  [Cadastro no Curso]  [Evangelho do Dia]  [Home]

CURSO DE BÍBLIA PELA INTERNET
- MUNDO CATÓLICO WEB SITE
  Copyright © 1997-2000 by J.Haical Haddad - Página criada em 15/05/00
Hosted by C.Ss.R.Redemptor, Visite a Editora Santuário