Quinta Parte
DEUTERENÔMIO
A Aliança Corporificada

5.28. O Terceiro Discurso - A Integração Plena e Definitiva da Aliança (Dt 27,1-30,20)

Nesse momento da entrada na Terra Prometida (Dt 28,69), insere-se, abruptamente e sem conexão lógica, uma espécie de tomada de consciência do principal objetivo da estruturação do Povo de Iahweh (Ex 23,20-23). A Aliança é firmada de maneira definitiva, exclusiva e perene, como um compromisso solene irrevogável, corroborando e prosseguindo a Consagração feita por Abraão e pelos demais Patriarcas a Iahweh, livremente ratificada por Israel no Sinai (Ex 24,1-8). Cumprindo uma das derradeiras instruções recebidas (Dt 11,29-32), Moisés convoca os Anciãos e o Povo. E, juntos, Moisés e Anciãos, fazem uma Advertência Solene (Dt 27,1-8), fato inédito, pois somente Moisés dirigia a Israel as ordens de Iahweh. Em virtude da repetição (Dt 11,29-32) e do cumprimento delas por Josué (Js 8,30-35), deduz-se a sua importância, incorporação e sedimentação para sempre à Terra de Iahweh. Este fato é destacado pela simbologia das pedras e dos montes onde são transcritas e disposta as Leis da Aliança. Trazem em seu âmago o desate da experiência das infidelidades, manifestadas no episódio do Bezerro de Ouro (Dt 9,7-10,5) e outras sedições (Dt 9,22-29 / 11,6 etc.), optando-se definitivamente pela Aliança Eterna com Iahweh. Uma comparação mostra a origem, o desenvolvimento, a finalidade e o cerimonial do ato, notando-se sem esforço que a Exortação contém uma liturgia consecratória:

Dt 11,26-32

Dt 27,1-8

Js 8,30-35

ANÁLISE

 

1 Moisés e os Anciãos de Israel deram ordem ao povo, dizendo: Guarda todos estes mandamentos que, hoje, te ordeno.

 

A presença dos Anciãos com Moisés e o Povo de Israel, mostra a unidade total em torno da Aliança e responsabilidade geral.

 

2 No dia em que passares o Jordão à terra que te der Iahweh, teu Deus, tirarás pedras grandes e as caiarás.

3 Havendo-o passado, escreverás, nelas, todas as palavras desta lei, para entrares na terra que te dá Iahweh, teu Deus, terra que mana leite e mel, como te prometeu Iahweh, Deus de teus pais.

4 Quando tiveres passado o Jordão, levantarás estas pedras, que hoje te ordeno, no monte Ebal, e as caiarás.

(...)

8 Nelas escreverás, as palavras todas desta lei, gravando-as bem.

32 Escreveu, ali, em pedras, uma cópia da lei de Moisés, que já este havia escrito diante dos filhos de Israel.

Quando da entrada na Terra Prometida, são nas pedras escritas a Lei, em acidentes geográficos que pela resistência natural ao desgaste, caracterizam a perenidade da Aliança e suas leis aí radicadas.. As Pedras do Testemunho (Gn 28,18.22 / Ex 24,5), usadas como indicativos culturais da solidez e irrevogabilidade do que significam, são um marco do domínio da terra, e da lei ali vigorante. Bem destacadas e publicizadas pela distribuição nos montes e demais lugares visíveis, delas não se poderia alegar ignorância. Solidifica-se a conquista de Iahweh e a Sua Glória.

26 Eis que, hoje, eu ponho diante de vós a bênção e a maldição:

27 a bênção, quando cumprirdes todos estatutos de Iahweh, vosso Deus, que hoje vos ordeno;

28 a maldição, se não cumprirdes os mandamentos de Iahweh, vosso Deus, mas vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes.

29 Quando, porém, Iahweh, teu Deus, te introduzir na terra a que vais para possuí-la, então, pronunciarás a bênção sobre o monte Garizin e a maldição sobre o monte Ebal.

30 Porventura, não estão eles além do Jordão, na direção do pôr-do-sol, na terra dos cananeus, que habitam na Arabá, defronte de Galgal, junto aos carvalhais de Moré?

31 Pois ides passar o Jordão para entrardes e possuirdes a terra que vos dá Iahweh, vosso Deus; possuí-la-eis e nela habitareis.

 

33 Todo o Israel, com os seus anciãos, e os seus príncipes, e os seus juízes estavam de um e de outro lado da arca, perante os levitas sacerdotes que levavam a arca da Aliança de Iahweh, tanto estrangeiros como naturais; metade deles, em frente do monte Garizin, e a outra metade, em frente do monte Ebal; como Moisés, servo de Iahweh, outrora, ordenara que fosse abençoado o povo de Israel.

34 Depois, leu todas as palavras da lei, a bênção e a maldição, segundo tudo o que está escrito no Livro da Lei.

35 Palavra nenhuma houve, de tudo o que Moisés ordenara, que Josué não lesse para toda a congregação de Israel, e para as mulheres, e os meninos, e os estrangeiros que andavam no meio deles.

Também, os Montes da Bênção e da Maldição assinalam a perenidade da Lei da Aliança, com o domínio e a Soberania de Iahweh em Seu Território. A presença maciça de Israel, com os chefes, sacerdotes e todas as autoridades dirigentes, caraterizam a importância do ato. Também a Arca é a presença de Iahweh, onde as Tábuas da Lei, escrita também em pedras, traduzem a Aliança, que não se limita ao povo ali reunido mas se propaga por todas as gerações futuras, e de maneira irrevogável. A responsabilidade pela fidelidade e obediência a Iahweh é assumida assim por todos os participantes da solenidade, mesmo estrangeiros. Até mesmo o local dos montes, um ao norte e outro ao sul, indicam a totalidade do território que passa ao domínio exclusivo de Iahweh. É um rito consecratório de toda a nação a Iahweh.

32 Tende, cuidado em cumprir todos os estatutos e os juízos que eu, hoje, vos prescrevo.

[1 Moisés e os Anciãos (...): Guarda todos estes mandamentos que, hoje, te ordeno.]

 

Contrastando com todas as sedições havidas, a fidelidade e a obediência a Iahweh é ratificada.

 

5 Ali, edificarás um altar a Iahweh, teu Deus, altar de pedras, nas quais não manejarás instrumento de ferro."[24 Um altar de terra me farás e sobre ele oferecerás os holocaustos, as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas e os teus bois; em todo lugar onde eu fizer celebrar a memória do meu nome, virei a ti e te abençoarei. 25 Se me levantares um altar de pedras, não o farás de pedras lavradas; pois, se sobre ele manejares a tua ferramenta, profaná-lo-ás (Ex 20,24-25)].

6 De pedras toscas edificarás o altar de Iahweh, teu Deus; e sobre ele lhe oferecerás holocaustos.

7 Também sacrificarás ofertas pacíficas; ali, comerás e te alegrarás perante Iahweh, teu Deus.

30 Então, Josué edificou um altar a Iahweh, Deus de Israel, no monte Ebal,

31 como Moisés, servo de Iahweh, ordenara aos filhos de Israel, segundo o que está escrito no Livro da Lei de Moisés, a saber, um altar de pedras toscas, sobre o qual se não manejara instrumento de ferro; sobre ele ofereceram holocaustos a Iahweh e apresentaram ofertas pacíficas.

O caráter litúrgico vem caracterizado pela ereção de um Altar, tal como definido no Sinai (Ex 20,24-25), para os Holocaustos e Sacrifícios Pacíficos ou Refeições Sagradas, fonte de União e de Santidade pela comunhão com Iahweh, tal como no Sinai (Ex 24,5.11) Ratificar-se-á então, na Posse da Terra Prometida, a Aliança com Iahweh e Sua Glória. Três elementos demonstram-se com isso: A concretização definitiva da Aliança, a Lei dela emanada e o Sacrifício de comunhão com Iahweh.

Terminada a apresentação inicial (Dt 26,16-19), Moisés, com os Sacerdotes Levitas (Dt 27,9-10), falam aos Israelitas, corroborando assim a Lei, o Sacrifício e a conduta ou o comportamento como expressões do Amor a Iahweh, em cumprimento da Aliança. Assinala-se assim a ratificação da "eleição" dos Filhos de Jacó para se tornarem o Povo de Iahweh, fazendo então jus à Bênção, pela fidelidade e obediência, e sujeitando-se à Maldição, quando agissem em contrário. A Bênção é um ato irreversível, e uma vez pronunciada desencadeia a sua realidade viva, concreta e dinâmica, e ninguém poderá impedir sua concretização (Gn 27,33-40). A Bênção é a manifestação de todas as potencialidades naturais, com as quais o ser criado se exprime na plenitude com que Iahweh o dotou, enquanto que a Maldição é o seu contrário, qual seja, a esterilidade delas por ter sido traída e rompida a Aliança. A felicidade, a tranqüilidade e a segurança pessoal e comunitária, no território conquistado, vai se condicionar à comunhão única e exclusiva com Iahweh, expressa na conduta e comportamento (Dt 11,26-28). Após a entrada na Terra Prometida, "passado o Jordão" (Dt 27,12), três atos litúrgicos serão praticados, dois dos quais, concomitantes, em que as doze tribos proclamam Bênçãos e Maldições. Dividir-se-ão em dois grupos: um, para a Bênção do Monte Garizin, ao norte, constituído por seis das oito tribos dos descendentes diretos de Lia (quatro filhos: "Simeão, Levi, Judá, Issacar") e Raquel (dois filhos: "José e Benjamim"); e, outro, para a Maldição do Monte Ebal, ao Sul, constituído pelos demais filhos de Jacó com os demais filhos de Lia ("Rúben", degradado pelo motivo já conhecido, e "Zabulon") e suas concubinas (dois de Zelfa: "Gad e Aser"; e, dois de Bala: "Dan e Neftali"), abrangendo assim toda a nação:

"9 Falou mais Moisés, juntamente com os sacerdotes levitas, a todo o Israel, dizendo: Silêncio, e ouve, ó Israel! Hoje, te tornaste o povo de Iahweh, teu Deus.10 Portanto, obedecerás à voz de Iahweh, teu Deus, e lhe cumprirás os mandamentos e os estatutos que hoje te ordeno.11 Moisés deu ordem, naquele dia, ao povo, dizendo:12 Quando houveres passado o Jordão, estarão sobre o monte Garizin, para abençoar o povo, estes: Simeão, Levi, Judá, Issacar, José e Benjamim.13 E estes, para amaldiçoar, estarão sobre o monte Ebal: Rúben, Gad, Aser, Zabulon, Dã e Neftali." (Dt 27,9-13)

E, o terceiro ato, desenvolvido pelos levitas, por causa sacralidade de que se reveste o ritual, apresenta doze Maldições (Dt 27,14-26) aparentemente isoladas. Porém, tudo indica que se identificam e ressoam com as Bênçãos prometidas ao término do Código da Aliança (Ex 23,20-33 / Dt 28,69), com a especificação da Missão de Israel. Iniciando-se com a condenação da idolatria, decorrem de conduta condenada e imprópria ao Israelita, impossibilitando a comunhão com Iahweh. Assim, pela perda de Santidade e pelos efeitos sociais, comunitários e religiosos especificados, causam danos irreparáveis à integridade da Aliança. Comprometem-na pela prática danosa: - de atos contra Iahweh (Dt 27,15 / Ex 20,4,23; 34,17 / Lv 19,4; 26,1); contra os pais (Dt 27,16 / Ex 20,12; 21,17 / Lv 20,9 / Dt 5,16; 21,18-21 / Mc 7,9-13); contra os deveres de justiça quanto ao próximo (Dt 27,17-19; 19,14 / Lv 19,14 / Ex 22,21.22.26 / Lv 19,33-34 / Dt 19,29; 24,17); de atos de luxúria (Dt 27,20-23; 22,30 / Ex 22,18 / Lv 18,8; 20,11.17); e, de condenação à morte por suborno (Ex 20,13; 21,12; 23,8 / Lv 24,17 / Dt 16,9). O "Amém" da resposta traduz a irrevogabilidade do compromisso bilateral, pessoal e comunitário, reconhecendo-se a eficácia inexorável da advertência (Ne 5,13 / 1R 1,36 / Jr 28,6) :

"14 Os levitas proclamarão a todos os homens de Israel em alta voz e dirão:15 Maldito o homem que fizer imagem de escultura ou de fundição, abominável a Iahweh, obra de artífice, e a puser em lugar oculto. E todo o povo responderá: Amém!16 Maldito aquele que desprezar a seu pai ou a sua mãe. E todo o povo dirá: Amém!17 Maldito aquele que mudar os marcos do seu próximo. E todo o povo dirá: Amém!18 Maldito aquele que fizer o cego errar o caminho. E todo o povo dirá: Amém!19 Maldito aquele que perverter o direito do estrangeiro, do órfão e da viúva. E todo o povo dirá: Amém!20 Maldito aquele que se deitar com a madrasta, porquanto profanaria o leito de seu pai. E todo o povo dirá: Amém!21 Maldito aquele que se ajuntar com animal. E todo o povo dirá: Amém!22 Maldito aquele que se deitar com sua irmã, filha de seu pai ou filha de sua mãe. E todo o povo dirá: Amém!23 Maldito aquele que se deitar com sua sogra. E todo o povo dirá: Amém!24 Maldito aquele que ferir o seu próximo em oculto. E todo o povo dirá: Amém!25 Maldito aquele que aceitar suborno para matar pessoa inocente. E todo o povo dirá: Amém!26 Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo. E todo o povo dirá: Amém!" (Dt 27,14-26).

Esse cerimonial da Consagração da Terra Prometida a Iahweh, será integralmente cumprido por Josué, tão logo se atravesse o Jordão. Josué, então, "...leu todas as palavras da lei, a bênção e a maldição, segundo tudo o que está escrito no Livro da Lei..." - fato que leva a melhor entender o caráter normativo do cerimonial praticado, já que seria impossível, em um só momento, Abençoar e Amaldiçoar (cfr.: Js 8,30-35). Tal como na conclusão da Aliança no Sinai, também a conclusão plena e definitiva em Moab (Ex 23,20-33 / Lv 26,14-41 / Dt 28,69), traz uma série bem exemplificada das Bênçãos (Dt 28,1-14) e Maldições (Dt 28,15-68) advindas em função da fidelidade à Aliança (Dt 28,1-2):

BÊNÇÃOS (Dt 28,1-14)

MALDIÇÕES (Dt 28,15-46)

ANÁLISE

1 Se atentamente ouvires a voz de Iahweh, teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que hoje te ordeno, Iahweh, teu Deus, te exaltará sobre todas as nações da terra.

2 Se ouvires a voz de Iahweh , teu Deus, virão sobre ti e te alcançarão todas estas bênçãos

15 Será, porém, que, se não deres ouvidos à voz de Iahweh, teu Deus, não cuidando em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos que, hoje, te ordeno, então, virão todas estas maldições sobre ti e te alcançarão:

Tanto uma como outra se condicionam ao comprimento da Lei da Aliança, pela qual se devem fidelidade e obediência a Iahweh.

3 Bendito serás tu na cidade e bendito serás no campo.

16 Maldito serás tu na cidade e maldito serás no campo.

A fertilidade do solo rural e urbano traduz a Bênção de Iahweh, pela prosperidade ensejada; e, também a Maldição é como um ato direto de Iahweh, significando com isso os efeitos danosos do desamor. .

4 Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o fruto dos teus animais, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas.

5 Bendito o teu cesto e a tua amassadeira.

17 Maldito o teu cesto e a tua amassadeira.

18 Maldito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas.

Da mesma forma os frutos das colheitas e demais plantações, bem como a farinha das massas dos alimentos.

Também a fecundidade do gado, bem como a constituição de família numerosa, causa de honra e felicidade da mulher (Ex 23,26 / Dt 7,13).

6 Bendito serás ao entrares e bendito, ao saíres.

19 Maldito serás ao entrares e maldito, ao saíres.

.

Esta expressão significa que em todo e qualquer empreendimento Israel será por Iahweh abençoado ou amaldiçoado, em função do grau de fidelidade à Aliança.

Praticamente não se descrevem as Bênçãos com tantos detalhes, como exemplificam-se nas Maldições. Por serem estas mais incisivas e graves, devendo conhecê-las.

 

20 Iahweh mandará sobre ti a maldição, a confusão e a ameaça em tudo quanto empreenderes, até que sejas destruído e repentinamente pereças, por causa da maldade das tuas obras, com que me abandonaste.

21 Iahweh fará que a pestilência te pegue a ti, até que te consuma a terra a que passas para possuí-la.

22 Iahweh te ferirá com a tísica, e a febre, e a inflamação, e com o calor ardente, e a secura, e com o crestamento, e a ferrugem; e isto te perseguirá até que pereças.

23 Os teus céus sobre a tua cabeça serão de bronze; e a terra debaixo de ti será de ferro.

24 Por chuva da tua terra, Iahweh te dará pó e cinza; dos céus, descerá sobre ti, até que sejas destruído

Sempre há uma referência da ação direta de Iahweh, tanto para as Bênçãos como para as Maldições, com cuja expressão se pretende atribuir a ocorrência delas sempre em função do amor, da fidelidade e obediência a Iahweh.

As várias formas de malefícios advindos são características de sério castigo de Iahweh, símbolo da abominação pela má conduta (Lv 26,25b).

Os demais flagelos se referem a males advindos ao corpo e aos frutos das colheita, contrapondo-se a esterilidade da Maldição com a fecundidade da Bênção.

Além de tudo isso viria a seca, com a simbologia de todas as suas conseqüências, culminando com a fim da nação (Lv 26,16).

7 Iahweh fará que sejam derrotados na tua presença os inimigos que se levantarem contra ti; por um caminho, sairão contra ti, mas, por sete caminhos, fugirão da tua presença.

8 Iahweh determinará que a bênção esteja nos teus celeiros e em tudo o que colocares a mão; e te abençoará na terra que te dá Iahweh, teu Deus.

9 Iahweh te constituirá para si em povo santo, como te tem jurado, quando guardares os mandamentos de Iahweh, teu Deus, e andares nos seus caminhos.

10 E todos os povos da terra verão que és chamado pelo nome de Iahweh e terão medo de ti.

25 Iahweh te fará cair diante dos teus inimigos; por um caminho, sairás contra eles, e, por sete caminhos, fugirás diante deles, e serás motivo de horror para todos os reinos da terra.

26 O teu cadáver servirá de pasto a todas as aves dos céus e aos animais da terra; e ninguém haverá que os espante.

Há uma relação direta entre Iahweh e os inimigos de Israel, tão evidente culturalmente, pelo fato de se atribuir ao Deus do povo as suas vitórias no caso de Bênção e as derrotas no caso de Maldição. Por causa disso, o nome de Iahweh será exaltado perante todos os povos, pelas vitórias de Israel sob a Bênção. Outro "castigo" seria o abandono do cadáver às feras, sinal de maldição. É que não havia maior ultraje, entre os povos antigos, que deixar o morto sem sepultura (1Sm 17,46 / 2Sm 21,10) / 2Rs 9,10).

 

27 Iahweh te ferirá com as úlceras do Egito, com tumores, com sarna e com prurido de que não possas curar-te.

28 Iahweh te ferirá com loucura, com cegueira e com perturbação do espírito.

29 Apalparás ao meio-dia, como o cego apalpa nas trevas, e não prosperarás nos teus caminhos; porém somente serás oprimido e roubado todos os teus dias; e ninguém haverá que te salve.

30 Desposar-te-ás com uma mulher, porém outro homem dormirá com ela; edificarás casa, porém não morarás nela; plantarás vinha, porém não a desfrutarás.

31 O teu boi será morto aos teus olhos, porém dele não comerás; o teu jumento será roubado diante de ti e não voltará a ti; as tuas ovelhas serão dadas aos teus inimigos; e ninguém haverá que te salve.

32 Teus filhos e tuas filhas serão dados a outro povo; os teus olhos o verão e desfalecerão de saudades todo o dia; porém a tua mão nada poderá fazer.

33 O fruto da tua terra e todo o teu trabalho, comê-los-á um povo que nunca conheceste; e tu serás oprimido e quebrantado todos os dias;

34 e te enlouquecerás pelo que vires com os teus olhos.

Destacam-se uma série inédita de ameaças concernentes a males físicos, mentais e espirituais oriundos de abandonarem Iahweh, culminando com graves prejuízos materiais. Entre as moléstias são citadas expressamente as úlceras, ou a lepra, com todas as características ainda mal reconhecidas naquele tempo e mal diagnosticadas. Também a loucura e a cegueira mental, bem como o fracasso no trabalho cotidiano, culminando com a condição pior do que a dum mendigo cego.

11 Iahweh te dará abundância de bens no fruto do teu ventre, no fruto dos teus animais e no fruto do teu solo, na terra que Iahweh, sob juramento a teus pais, prometeu dar-te.

12 Iahweh te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva à tua terra no seu tempo e para abençoar toda obra das tuas mãos; emprestarás a muitas gentes, porém tu não tomarás emprestado.

35 Iahweh te ferirá com úlceras malignas nos joelhos e nas pernas, das quais não te possas curar, desde a planta do pé até ao alto da cabeça.

36 Iahweh te levará e o teu rei que tiveres constituído sobre ti a uma gente que não conheceste, nem tu, nem teus pais; e ali servirás a outros deuses, feitos de madeira e de pedra.

37 Virás a ser pasmo, provérbio e motejo entre todos os povos a que Iahweh te levará.

38 Lançarás muita semente ao campo; porém colherás pouco, porque o gafanhoto a consumirá.

39 Plantarás e cultivarás muitas vinhas, porém do seu vinho não beberás, nem colherás as uvas, porque o verme as devorará.

40 Em todos os teus limites terás oliveiras; porém não te ungirás com azeite, porque as tuas azeitonas cairão.

41 Gerarás filhos e filhas, porém não ficarão contigo, porque serão levados ao cativeiro.

42 Todo o teu arvoredo e o fruto da tua terra o gafanhoto os consumirá.

Repete então a lepra total e sem cura, o domínio estrangeiro e a deportação de seus chefes, ficando a nação sem seus líderes naturais, mas dominada e escravizada.

Pior ainda é a perda de entes queridos em clima de profunda desonra, antes que possa alegrar-se com sua presença, indo para o exílio, onde serão reduzidos à idolatria.

Os males advindos atingirão até mesmo os animais e a colheita em geral dos mais preciosos alimentos. A terra negará seus frutos, nem mesmo o trigo, as vinhas e as oliveiras, culturas da riqueza do solo israelense, escaparão à essa esterilidade da Maldição e não produzirão seus frutos.

Os descendentes serão reduzidos à escravidão e exilados para outras nações, onde serão obrigados à prática da religião pagã local, prestando o culto aos falsos deuses.

13 Iahweh te porá por cabeça e não por cauda; e só estarás em cima e não debaixo, se obedeceres aos mandamentos de Iahweh, teu Deus, que hoje te ordeno, para os guardar e cumprir.

43 O estrangeiro que está no meio de ti se elevará mais e mais, e tu mais e mais descerás.

44 Ele te emprestará a ti, porém tu não lhe emprestarás a ele; ele será por cabeça, e tu serás por cauda.

Os estrangeiros antes inferiorizados serão exaltados pela decadência Israelita e progredirão a ponto de assumirem a liderança econômica.

14 Não te desviarás de todas as palavras que hoje te ordeno, nem para a direita nem para a esquerda, seguindo outros deuses, para os servires.

45 ¶ Todas estas maldições virão sobre ti, e te perseguirão, e te alcançarão, até que sejas destruído, porquanto não ouviste a voz de Iahweh, teu Deus, para guardares os mandamentos e os estatutos que te ordenou.

46 Serão, no teu meio, por sinal e por maravilha, como também entre a tua descendência, para sempre.

As maldições aqui proferidas se assemelham a uma finalização ao início da exortação, destacando-se uma relação das conseqüências danosas pela traição às normas da Aliança.

 

5.28.1 - As Maldições Na Quebra da Aliança (Dt 28,47-69)

Antes do remate da Aliança do Sinai, em Moab (Dt 28,69), as Bênçãos e as Maldições descreveram uma série de advertências quanto à infidelidade a Iahweh no cumprimento da Lei e dos Mandamentos. Abruptamente a redação se altera e percebe-se uma modificação no objetivo, que se distingue do que se vinha apresentando, principalmente, pelo estilo bem mais grave. É que, passa a evidenciar os efeitos reais e maléficos de uma possível quebra da Aliança, como se já estivesse em execução, descrevendo as condições em que se debaterão os Israelitas, ocorrido o inevitável domínio de outros povos, pela traição a Iahweh. Tal como no final da descrição das maldições anteriores (Dt 27,15-26), aqui também o término tem a mesma conotação, com a mesma conseqüência embutida no teor de toda a cominação (Dt 28,14). Não se submetendo, só restará a Israel ser dominado por outros povos mais fortes, exposto que ficará materialmente ao poder deles. Isto por ficar desprovido de Iahweh, que o libertou do Egito e o amoldou para se tornar um Povo Santo, preparando-o durante os quarenta anos de peregrinação e tribulações no deserto. Durante todo esse tempo e em todas as adversidades a Glória de Iahweh se manifestou, mantendo-lhes a unidade de povo consagrado, unido pela conduta e pelo culto em torno do Santuário, onde "habitava entre eles":

Dt 27,26.

Dt 28,45.47-50

COMENTÁRIO

26 Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo. E todo o povo dirá: Amém!"

45 Todas estas maldições virão sobre ti, e te perseguirão, e te alcançarão, até que sejas destruído, porquanto não ouviste a voz de Iahweh, teu Deus, para guardares os mandamentos e os estatutos que te ordenou.

(...)

47 Porquanto não serviste a Iahweh, teu Deus, com alegria e bondade de coração, não obstante a abundância de tudo.

48 Assim, com fome, com sede, com nudez e com falta de tudo, servirás aos inimigos que Iahweh enviará contra ti; sobre o teu pescoço porá um jugo de ferro, até que te haja destruído.

49 Iahweh levantará contra ti uma nação de longe, da extremidade da terra virá, como o vôo impetuoso da águia, nação cuja língua não entenderás;

50 nação feroz de rosto, que não respeitará ao velho, nem se apiedará do moço.

Não se trata de repetição inócua, mas da execução das ameaças anteriores, traduzindo não mais os inimigos assíduos de Israel, mas aqueles dominadores da antigüidade, uma "nação vinda de longe".

Bárbaros, de língua desconhecida, que não terão nenhuma misericórdia de ninguém, de qualquer idade ou circunstância.

Desprotegidos e não dispondo mais da Presença dinâmica de Iahweh, serão presa fácil de outros povos, dedicados à conquista de domínio, buscando reduzi-los à servidão.

Principalmente pela ruína que se abaterá no país dominado por bárbaros sem piedade de ninguém, consumindo todo o gado, toda a colheita, aqueles bens de uso alimentar do Israelita. Cairá na penúria, no flagelo da fome generalizada, a ponto dos pais matarem os filhos menores ou recém nascidos, servindo-se deles como o próprio sustento. Mesmo assim, por mais bondosos que teriam sido quando fiéis a Iahweh, agora se deixarão dominar pelo instinto de sobrevivência e não se deixarão comover pela fome do próximo, nem mesmo pela dos seus familiares. Quando se atinge a condição de imolar o próprio filho, indefeso e ainda amamentando ou ainda em tenra idade, já não se possui nenhuma humanidade ou amor a quem quer que seja, reduzidos praticamente à barbárie:

"51 Ela comerá o fruto dos teus animais e o fruto da tua terra, até que sejas destruído; e não te deixará cereal, mosto, nem azeite, nem as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas, até que te haja consumido.52 Sitiar-te-á em todas as tuas cidades, até que venham a cair, em toda a tua terra, os altos e fortes muros em que confiavas; e te sitiará em todas as tuas cidades, em toda a terra que Iahweh, teu Deus, te deu.53 Comerás o fruto do teu ventre, a carne de teus filhos e de tuas filhas, que te der Iahweh, teu Deus, na angústia e no aperto com que os teus inimigos te apertarão.54 O mais mimoso dos homens e o mais delicado do teu meio será mesquinho para com seu irmão, e para com a mulher do seu amor, e para com os demais de seus filhos que ainda lhe restarem;55 de sorte que não dará a nenhum deles da carne de seus filhos, que ele comer; porquanto nada lhe ficou de resto na angústia e no aperto com que o teu inimigo te apertará em todas as tuas cidades.56 A mais mimosa das mulheres e a mais delicada do teu meio, que de mimo e delicadeza não tentaria pôr a planta do pé sobre a terra, será mesquinha para com o marido de seu amor, e para com seu filho, e para com sua filha;57 mesquinha da placenta que lhe saiu dentre os pés e dos filhos que tiver, porque os comerá às escondidas pela falta de tudo, na angústia e no aperto com que o teu inimigo te apertará nas tuas cidades." (Dt 28,52-57)

Israel não tendo cumprido sua parte na Aliança, traindo-a e ocasionando o rompimento, causará pelo seu afastamento de Iahweh e por esse desprezo, o retorno à situação anterior ao socorro que lhe prestou. Voltará à opressão do Egito, em condições até mesmo bem piores, reduzido à idolatria e adoração ou culto aos falsos deuses de pedra e madeira, sujeitando-se ao flagelo, à peste e às pragas. Deixará de ser um povo numeroso, para se tornar um punhado de pessoas sem rumo, sem personalidade, sem brio e covarde, sujeitando-se à ignominiosa idolatria e escravidão, sem segurança e tranqüilidade:

"58 Se não tiveres cuidado de guardar todas as palavras desta lei, escritas neste livro, para temeres este nome glorioso e terrível, Iahweh, teu Deus,59 então, Iahweh fará terríveis as tuas pragas e as pragas de tua descendência, grandes e duradouras pragas, e enfermidades graves e duradouras;60 fará voltar contra ti todas as moléstias do Egito, que temeste; e se apegarão a ti.61 Também Iahweh fará vir sobre ti toda enfermidade e toda praga que não estão escritas no livro desta Lei, até que sejas destruído.62 Ficareis poucos em número, vós que éreis como as estrelas dos céus em multidão, porque não destes ouvidos à voz de Iahweh, vosso Deus.63 Assim como Iahweh se alegrava em vós outros, em fazer-vos bem e multiplicar-vos, da mesma sorte Iahweh se alegrará em vos fazer perecer e vos destruir; sereis desarraigados da terra à qual passais para possuí-la.64 Iahweh vos espalhará entre todos os povos, de uma até à outra extremidade da terra. Servirás ali a outros deuses que não conheceste, nem tu, nem teus pais; servirás à madeira e à pedra.65 Nem ainda entre estas nações descansarás, nem a planta de teu pé terá repouso, porquanto Iahweh ali te dará coração tremente, olhos mortiços e desmaio de alma.66 A tua vida estará suspensa como por um fio diante de ti; terás pavor de noite e de dia e não crerás na tua vida.67 Pela manhã dirás: Ah! Quem me dera ver a noite! E, à noitinha, dirás: Ah! Quem me dera ver a manhã! Isso pelo pavor que sentirás no coração e pelo espetáculo que terás diante dos olhos.68 Iahweh te fará voltar ao Egito em navios, pelo caminho de que te disse: Nunca jamais o verás; sereis ali oferecidos para venda como escravos e escravas aos vossos inimigos, mas não haverá quem vos compre." (Dt 28,51-68).

Este será o clima de insegurança e intranqüilidade que se abaterá sobre Israel, tal como Moisés adverte solenemente, antes de selar definitivamente a Aliança, após as sedições e antes de tomar posse da terra:

    "São estas as palavras da aliança que Iahweh ordenou a Moisés fizesse com os filhos de Israel na terra de Moab, além da aliança que fizera com eles em Horeb." (Dt 28,69).

 Para o formato Netscape são necessárias 11 folhas A4 para imprimir este documento

|Volta|  |Índice Cap 5|  |Índice do Curso|  |Continua|


[Volta ao Índice Geral]  [Cadastro no Curso]  [Evangelho do Dia]  [Home]

CURSO DE BÍBLIA PELA INTERNET
- MUNDO CATÓLICO WEB SITE
  Copyright © 1997-2000 by J.Haical Haddad - Página criada em 15/05/00
Hosted by C.Ss.R.Redemptor, Visite a Editora Santuário